Perfeição - Capítulo 4

217 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perfeição - Capítulo 4

  1. 1. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 01Canal 3 Capítulo 004Produções PERFEIÇÃO novela de: LUCAS VINÍCIUS escrita por: LUCAS VINÍCIUS colaboração: RENAN FERNANDES PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO: Bartolomeu Jeca Maria Carmélia Júlio Marizete Ester Leandro Pedro Júnior Fátima Leninha Raquel Geovane Lisa Rosana PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS: Secretária
  2. 2. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 02CENA 1. MANSÃO DE JÚLIO. INT. ANTE-SALA. DIA. CONTINUIDADE.Continuidade da última cena do capítulo Anterior. ESTER SEMSOLUÇÃO MORDE OS LÁBIOS INDECISA. ESTER —— Só tem um jeito de saber. É indo procurar a traíra da Raquel. É o que eu vou fazer. (desanima) Onde é que ela mora, será?ESTER VAI SAINDO DA ANTE-SALA, EM SEGUIDA FECHANDO A PORTA.Por fim, CAM FOCA O COFRE ESCANCARADO.Corta para:CENA 2. ESCRITÓRIO DE GEOVANE. INT. SALA RECEPÇÃO. DIA.FÁTIMA TRABALHANDO EM SUA MESA. ELA SORRI AO LER ALGUNSPAPÉIS. CAM SUBJETIVA: ALGUÉM AVISTANDO FÁTIMA. A PESSOACHEGA MAIS PERTO, MAIS PERTO, MAIS PERTO... QUANDO FÁTIMA SEDEPARA COM A PESSOA DÁ UM GRITO DE SUSTO QUE ATÉ ECOA. FÁTIMA —— (assustada) O que é isso, meu Deus?É LENINHA APÓS ACORDAR, TODA CHEIA DE OLHEIRAS, DESCABELADA,BOCEJANDO, SEM ENTENDER NADA. LENINHA —— (despreguiça) Onde é que eu tô, hein, Maria de Fátima? Vilã das antiga! FÁTIMA —— (começa a rir) Tá parecendo um bicho-preguiça! LENINHA —— Vai vendo, ô, concorrência! E ó, te mete não que eu sei que foi tu que me prendeu aqui, ontem. Manda reto, por quê que tu fez isso, hein? FÁTIMA —— Ordens são ordens! LENINHA —— Ordens...? Por acaso foi o Geovane que mandou você me prender no depósito, Maria de Quinta?FÁTIMA COMEÇA A DISFARÇAR. FÁTIMA —— (disfarça) Eu já disse mais do que devia!
  3. 3. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 03GEOVANE AS INTERROMPE, SAINDO DE SUA SALA DIZENDO SERIAMENTEPARA LENINHA. GEOVANE —— Sim, Leninha, fui eu quem mandou a Maria de Fátima te prender no depósito! Porque você é uma catástrofe pra esse escritório! LENINHA —— Eu? “Catastrófica”? Nem sei o que é isso! FÁTIMA —— (baixinho) Claro, não teve o ginásio! LENINHA —— (irrita) Escuta aqui, sua concorrência vilãzinha pão com ovo, saiba que eu tive o ginásio, o pré, jardim, primeira e segunda série do ensino fundamental. Sei até escrever meu nome, sacou? Manda aí um papel. GEOVANE —— Então soletra meu nome, pra gente ver. LENINHA —— (se achando) Claro! Vamos lá! Geovane... J-E-U-V-A-N-I... tão só vendo? Sou fera nessa bagaça aí de falar nome! GEOVANE —— (ri) Deus me livre! FÁTIMA —— (ri discreta)Cada uma! GEOVANE —— Leninha, vem até a minha sala. Eu preciso falar com você. LENINHA —— (se achando) Tá vendo, Maria de Fátima, ele tá me chamando pra ir pra sala dele. Ó, ném, tapa os ouvido que você vai ouvir muita coisa lá dentro.Corta bruscamente: GEOVANE —— (esbravejando, OFF) Não se mete mais na minha vida, Maria Helena!FÁTIMA COMEÇA A RIR AO OUVIR QUE GEOVANE ESTÁ NA SALA,GRITANDO COM LENINHA. FÁTIMA —— (para si) Bem que ela disse que eu ia ouvir muita coisa lá dentro.
  4. 4. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 04 GEOVANE —— (OFF) Escuta bem, entendeu?! De hoje em diante, você não empata mais a minha vida, Leninha! Nunca mais!FÁTIMA COMEÇA A CAIR NA GARGALHADA OUVINDO OS GRITOS DEGEOVANE PRA LENINHA.Corta para:CENA 3. HOSPITAL DE JÚLIO. INT. CORREDOR. DIA.JÚLIO, QUE ACABA DE CHEGAR AO CORREDOR. COM UMA MALETA ÀSMÃOS CAMINHA ATÉ A SECRETÁRIA, QUE FICA PERTO DE SUA SALA. JÚLIO —— (para a secretária) Míriam, ligaram? SECRETÁRIA —— Não, doutor. Mas tem uma moça aí, querendo falar com o senhor. JÚLIO —— Uma moça?Corta rapidamente para:CENA 4. HOSPITAL JÚLIO. INT. SALA JÚLIO. DIA.JÚLIO LÊ O CURRÍCULO DE ROSANA, QUE ESTÁ DE PÉ APREENSIVA. JÚLIO —— (impressionado) Olha... já foi enfermeira no SUS. ROSANA —— Sim! Foi uma experiência muito boa pra mim, que tinha acabado de sair do curso de enfermaria. Aí, claro, depois resolvi entrar de cabeça no ramo. E cursei medicina por seis anos. JÚLIO —— Rosana, é isso? ROSANA —— (ansiosa) Isso! JÚLIO —— (se levanta) Mas me diga... Qual o seu objetivo trabalhando aqui no meu hospital? Porque é um trabalho duro, árduo. Muitas vezes, nós médicos, temos de abrir mão da própria vida pessoal, da família pra dar assistência aos doentes. Tem ciência disso? ROSANA —— Com certeza! Eu sou mesmo muito solitária, pouco fico em casa, moro sozinha. Sou nova aqui, então... posso
  5. 5. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 05 fazer plantão sempre que for necessário. JÚLIO —— E claro, fazendo plantão você será remunerada por essas horas de trabalho. ROSANA —— Sim, é o que eu espero. JÚLIO —— Rosana... gostei muito de você, manda bem nos argumentos. A maioria dos entrevistados ficam nervosos, e acabam por estragar a própria chance de trabalhar aqui. (se aproxima) Já você, eu senti que é segura de si. E não tem nervosismo algum. ROSANA —— (humorada) Essa é exatamente eu! JÚLIO —— Tem tudo pra ser nossa doutora. Porém, como é de praxe, comum aqui, fazermos uma avaliação. Mental e psicológica. Pode ser pra você? ROSANA —— Claro, problema algum. (ri) Já afirmo que louca eu não sou. JÚLIO —— (ri) Percebe-se, doutora, percebe- se. Pois então, amanhã nos vemos aqui. ROSANA —— Pode ser esse horário aqui? JÚLIO —— Com certeza! Então amanhã, neste mesmo horário. ROSANA —— Tudo certo!SORRINDO, ELES DÃO UM APERTO DE MÃO. SE DESPEDEM E ELA SAI.JÚLIO SE SENTA MEIO BALANÇADO, COM UM OLHAR DIFERENTE.Corta para:CENA 5. CASA DE CARMÉLIA. INT. SALA. DIA.BARTOLOMEU E CARMÉLIA AO SOFÁ. ENTREGA UM BOLO DE DINHEIRO ABARTOLOMEU. ELE ESTRANHA E INSATISFEITO RESMUNGA. (Detalhe:Ele está enfaixado depois de ter desmoronado da arquibancada) BARTOLOMEU —— Só isso, Carmélia? Quer dizer então, que você me fez dançar horrores pra uma rempa de gente, pra isso? CARMÉLIA —— Seria muito mais que isso se uma certa empregada doméstica não me pegasse no flagra! BARTOLOMEU —— (se espanta) Ah! A Néia te viu roubar?
  6. 6. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 06 CARMÉLIA —— Pois é. Viu e me extorquiu. Pediu metade, a safada! Olha... vamos ter que economizar no ultra-corega. Tem a Leninha também. Fazem-se 17 meses que estamos devendo salário pra ela. BARTOLOMEU —— 17? Vixe, Carmé... eu achava que era uns 12. Mas vai tudo pra ela, então! CARMÉLIA —— Aí é que está! (radiante) Tive uma ideia, das boa! Vamos pegar um tantinho desse dinheiro aí, e comprar papel. Papel dos bons, cartolina. Com ela, fazemos falsos dinheiros.BARTOLOMEU COMEÇA A SE INTERESSAR E OS DOIS SE ENCARAM COMSORRISOS MALICIOSOS. BARTOLOMEU —— (se levanta animado) Que ótima ideia, Carmé! CARMÉLIA —— Calma, calma, calma! (se levanta) Como a Leninha mal trabalha, só bate perna estamos fazendo justo. BARTOLOMEU —— Adorei a ideia! É justa, justísima! E agora que a Néia pegou uma parte pra ela, pelo menos quieta e de bico fechado ela vai ficar. Porque senão/ CARMÉLIA —— (complementa) Senão ela se auto- ferra! Continuando, (empolgada) essa ideia é fantástica! Leninha vai gastar papel, invés de dinheiro. E pode ser presa por isso. (ri) Não é perfeito? BARTOLOMEU —— Não, o plano é mirabolante. Mas... eu não posso comprar o papel. Está de acordo? CARMÉLIA —— Claro. Aliás, quase que você nos entrega ontem, hein seu gogo-boy de idade avançada! BARTOLOMEU —— Mas que eu me lembre, eu pedi umas 550 mil vezes de desculpas. E você claro, me desculpou. (sensual) Porque sabe que eu sou o único, o mais intenso e charmoso dessa São Paulo e Região! CARMÉLIA —— (com fogo) Hum...OS DOIS COMEÇAM A SE OLHAR COM INTENSIDADE E LOGO COMEÇAM A
  7. 7. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 07SE PEGAR. BEIJANDO, OS DOIS CAEM NO SOFÁ.Corta para:CENA 6. FACULDADE DE SP. CAMPUS. EXT. DIA.SONOPLASTIA: ROMÃNTICA. TODOS OS UNIVERSITÁRIOS CONVERSANDOEM GRUPO. JECA E OUTRAS PESSOAS CONVERSAM.CORTA PARA UMAÁRVORE NELA, ESTÁ SENTADO LEANDRO, VENDO NO CELULAR UMA FOTODE LISA SORRINDO. LEANDRO —— Lisa... que nome lindo.NESTE MOMENTO, ELE COMEÇA A SE LEMBRAR DO NOIVADO (cap. 1,2 e3) EM QUE LISA ESBARRA NELE E SUJA TODO SEU PALETÓ. CORTAPARA A RELIDADE. LEANDRO SORRI APÓS LEMBRAR-SE DISSO.DEFININHO VEM CHEGANDO JECA. JECA, QUERENDO PROVOCAR, CHEGAMANSAMENTE, DÁ UMA OLHADA E VÊ QUE LEANDRO ESTÁ VENDO A FOTODE LISA. TENSO. ELE PULA A FRENTE DE LEANDRO DIZENDO: JECA —— (zombando) Vendo foto da professorinha! Hum...!NA HORA, LEANDRO DISFARÇA E ESCONDE O CELULAR. LEANDRO —— (se levanta) Tinha que ser quem? O babaca do Jeca! Vem cá, cara, você não cansa de ficar atazanando o pessoal, não? JECA —— Eu atazano? (ri) Eu sou sincero! O problema é que isso fere as pessoas idiotas. LEANDRO —— Chamar as pessoas de feia, mal- arrumada, esculhambada... é sinceridade, João Emanuel? JECA —— (sério) É sinceridade! A mais pura possível! Eu procuro ser sincero. LEANDRO —— Mas é conhecido por playboy e metido! JECA —— (se aproxima) Vem cá... a sua noiva, com quem você noivou ontem, sabe que você anda com a foto duma estranha no celular?LEANDRO SE APROXIMA SÉRIO E DIZ.
  8. 8. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 08 LEANDRO —— Ela não sabe! E nem tem o que saber! JECA —— (provocando) Vai por mim, Leandrinho. É melhor que a Esterzinha saiba. Saiba que você tá xavecando uma suburbana, que além do mais é penetra em festa de rico!LEANDRO APONTA O SOCO PARA JECA, MAS QUANDO VAI DÁ-LO, PENSAMELHOR. LEANDRO —— Quer saber... não vale a pena bater em quem não vale o que come! JECA —— (começa a rir) Claro que você não bateu, mas por medo. Não é? LEANDRO —— Medo de você nunca, talvez da Reitoria.LEANDRO DÁ AS COSTAS A JECA E VAI SAINDO. JECA —— (para si, sério) Vai vendo! Esse romancezinho água com açúcar dele e da professorinha não vai durar nada.CLIMA TENSO.CENA 7. CASA DE MARIA. INT. COZINHA. DIA.MARIA LAVA A LOUÇA. CAM CORTA PARA SALA: A PORTA ABRE-SE EVÊ-SE PEDRO JÚNIOR AFOBADO, ASSUSTADO. O GAROTO SAI CORRENDOEM DIREÇÃO à COZINHA, ONDE ESTÁ MARIA FELIZ DIZENDO: PEDRO J. —— Maria, Maria, Maria!QUANDO SE DEPARA COM PEDRO J. É A MAIOR FELICIDADE.Sonoplastia: EMOCIONANTE. O GAROTO CORRE DE ENCONTRO E DÁ UMABRAÇO FORTE EM MARIA, QUE ABRAÇA, SEM ENTENDER NADA. MARIA —— O que houve, Pedro? O que houve? PEDRO J. —— Eu não quero mais ficar na casa da mamãe e do papai! Eles são más comigo. MARIA —— (lamentando) Oh, meu Deus... você fugiu, é isso, Pedro Jr.? PEDRO J. —— Fugi. Porque eu quero ficar aqui, com você.
  9. 9. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 09MARIA EMOCIONADA, DIZ. MARIA —— Ah, querido... que bom! Mas olha, não dá. Não pode. Como você sabe, você está sob cuidados da Marizete e do Cláudio. PEDRO J. —— Mas eu não quero ficar lá. Quero ficar aqui. Com você. MARIA —— Eu sei, eu sei. Eu também queria ficar aqui com você, mas não dá. PEDRO J. —— Por que não dá? MARIA —— Porque daqui a pouco/MARIA É INTERROMPIDA POR FORTES BATIDAS NA PORTA. MARIA —— (para Pedro) Tá vendo? Aposto que é ela!Sonoplastia: INSTRUMENTAL TENSO. PEDRO JR. OLHA ASSUSTADOPARA MARIA E FICA AGARRADO A ELA. PEDRO JR. —— Por favor, Maria, não diz que eu tô aqui. Por favor! Não diz... MARIA —— (indecisa) Ai, Pedro Jr... e agora? PEDRO JR. —— Não deixa eu voltar, por favor. Não deixa! MARIA —— Tá bom. Se esconde rápido, então! Vai pra varanda, não sai de lá por nada. Anda! PEDRO JR. —— Tá!PEDRO SAI PELA PORTA DA COZINHA. AS BATIDAS INTENSASCONTINUAM NA PORTA DA SALA.Corta para:CENA 8. CASA DE MARIA. INT. SALA. DIA.MARIA VEM APRESSADA ATENDER A PORTA. ELA ABRE E DÁ DE CARACOM MARIZETE, SÉRIA COMO SEMPRE. MARIZETE —— Eu vou ser breve: cadê o Pedro Jr? MARIA —— (disfarça) Como assim? Ele não tá com vocês? MARIZETE —— Você acha que me engana com esse fingimento de teatro básico seu, né,
  10. 10. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 010 Maria? MARIA —— Mãe... eu não devo satisfações da minha vida a você. Se eu faço ou deixo de fazer Teatro, é problema me/ MARIZETE —— Eu não quero estender o assunto, então/MARIZETE TENTA ENTRAR, MAS MARIA BARRA ELA, ENTRANDO EM SUAFRENTE. MARIA —— Já disse, aqui você não entra. MARIZETE —— Você tá escondendo o meu neto, né?! (ri forçada) Mas é claro que está! Isso pode te prejudicar, sabia, no tribunal! MARIA —— (ri) Não, mãe, quem pode sair prejudicado é você. Você e o papai! É melhor preparar o lenço.. MARIZETE —— Ora, ora! Dá licença que eu quero entrar. Quero ver se o Pedro tá aqui mesmo. Posso?! MARIA —— Não pode, porque ele não tá aqui! MARIZETE —— Ótimo, deixa eu revistar, então. MARIA —— Será que você não entendeu?! Não vai entrar, aqui você não entra/ (corta-se) Aliás, você nunca mais pisa num imóvel meu. Fora! MARIZETE —— É o cúmulo! Uma filha ingrata, que teve tudo na vida, expulsando a mãe de sua casa! MARIA —— Ingrata?! (indignada) Ora essa! Quando eu engravidei você e o papai me expulsaram de casa sem pensar duas vezes! MARIZETE —— (seca) Eu só fiz o que qualquer mãe faria no meu lugar! Poxa, você acha que a atitude certa era passar a mão na sua cabeça? Não! MARIA —— Não... mas se eu engravidei por acidente, custava dar apoio? Me jogou pra rua, com 16 anos. Uma criança! MARIZETE —— Criança que faz criança não/ MARIA —— Nem termina! Porque eu sei essa frase! MARIZETE —— Entenda o meu lado, Maria! Seu namoradinho bastardo, o Juan, sumiu.
  11. 11. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 011 Após saber que você tava grávida, ele se mandou. MARIA —— Sim, ele foi um crápula! E só me restava o apoio de vocês. Mas... me enganei. Nem toda família é perfeita, não é mesmo?MARIZETE SE COMOVE, PORÉM ORGULHOSA ENXUGA AS POUCAS LÁGRIMASCONTIDAS NO SEU ROSTO E REVIDA. MARIZETE —— Eu... eu não vou ficar batendo boca com você aqui, na porta. Cadê o Pedro Júnior? MARIA —— Ele não tá aqui! Quantas vezes vou ter que repetir? Faz favor, sai daqui! MARIZETE —— Eu não saio! Eu quero saber onde ele está. Do contrário, eu chamo a polícia e eles vão saber o que fazer. MARIA —— Tá bom, chama. Quem sabe com a polícia presente o Pedro Júnior não conta o que sofre na sua mão e no papai?MARIZETE FICA GELADA, MUITO ASSUSTADA. MARIZETE —— Como é? MARIA —— Experimenta! Chama!MARIZETE FICA PENSATIVA. BUFA. E DIZ. MARIZETE —— Se safou dessa! Escuta bem... se ele não aparecer em casa até às sete horas da noite, eu vou saber o que vou fazer. MARIA —— É só isso? MARIZETE —— Não, tem ma/MARIA BATE A PORTA COM TUDO, DEIXANDO MARIZETE PRO LADO DEFORA. MARIA SE ESCORA NA PORTA, MUITO TRISTE. MARIA —— Quando isso vai acabar, meu Deus do céu?! Quando?! NOITECENA 10. MANSÃO DE JÚLIO. INT. QUARTO HÓSPEDES. NOITE.
  12. 12. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 012ESTER ABRE A PORTA DE SEU QUARTO, VISIVELMENTE ENFURECIDA.ELA DÁ DUAS VOLTAS E ROE AS UNHAS, PENSANDO NA CENA EM QUEABRIU O COFRE DA ANTE-SALA, E NÃO ENCONTROU OS SEUS DÓLARES. ESTER —— Aquela vagabunda... Raquel, sua ordinária! (senta-se na cama, pega o telefone portátil do criado mudo) Eu vou dar uma discada pro celular dessa piranha favelada... E ladra descarada!ESTER DISCA UM NÚMERO. FINALMENTE, RAQUEL ATENDE, EM OFF. RAQUEL —— (off) Alô! (T)Quanta honra, minha querida! (irônica) Lesbianismo não é comigo, viu? Faço só programas héteros! ESTER —— Deixa de conversa, sua idiota! Me passa logo o endereço da sua quitinete! Quero falar com você agora!Corta agilmente para:CENA 11. FAVELA DA GRANDE SÃO PAULO. EXT. VISÃO AMPLA. NOITE.ESTER SURGE DE TÁXI NA ENTRADA DA FAVELA E VAI SUBINDO UMARUA ESTREITA QUE TERMINA JUSTAMENTE NO CAFOFO DE RAQUEL.RECEIO DE ESTER, QUE OLHA AO REDOR E É OBSERVADA PORMARMANJOS E TRAFICANTES. TIRA UM PAPEL DA SUA BOLSA,OLHA PARAO CAFOFO 122 E NOTA QUE NÃO TEM PORTA. ESTER —— (resmungando) Só pode ser aqui... É o único bordel particular que invés de porta têm um lençol pra cobrir ... (debocha) É livre pra todos os públicos.RAQUEL ABRINDO O LENÇOL E SORRINDO CINICAMENTE PARA ESTER. RAQUEL —— Quer conhecer a casa? Olha que aqui é bem top de linha, viu? Ar- condicionado nem precisa. O vento da rua já dá uma bela arejada! ESTER —— (debocha) Que lugar horroroso.
  13. 13. PERFEIÇÃO/ CAPÍTULO 004 PÁGINA 013 RAQUEL —— (revida) Obrigada pelo elogio. Mas entre! Comprei uma pirassununga pra gente bater um papo descontraído.CHOCADA COM A PRECARIEDADE, ESTER ENTRA NO LOCAL, RAQUELFECHA O LENÇOL.Corta para:CENA 12. ESCOLA PÚBLICA DE SÃO PAULO. EXT. FACHADA. NOITE.UM CARRO PARADO DO OUTRO LADO DA RUA DA ESCOLA ONDE LISATRABALHA. NO CARRO, VEMOS LEANDRO ESPERA LISA, COM TODAPACIÊNCIA DO MUNDO. LISA VEM SAINDO DA ESCOLA, APRESSADA:NUMA MÃO VÁRIOS LIVROS E CADERNOS. NA OUTRA, ELA VÊ UMTORPEDO NO CELULAR, ENVIADO POR MIRELA. LISA —— Droga! Saí muito tarde hoje!DESENGONÇADAMENTE, LISA CAMINHA MAIS ADIANTE. SÓ QUE LEANDRO,METROS LONGE DELA DIZ ALTO. LEANDRO —— Quer uma carona, Lisa?!LISA OLHA A SUA FRENTE E SE SURPREENDE AO VER LEANDRO, AESPERANDO NO CARRO, SORRINDO. Sonoplastia: Tema de Leandro eLisa. OS DOIS FICAM A SE OLHAR, MESMO À DISTÂNCIA. LISA —— (surpresa) Leandro LEANDRO —— Eu mesmo! Ao vivo e a cores! LISA —— O que você tá fazendo aqui? LEANDRO —— Eu te vi na festa do noivado, anteontem e... não deu tempo da gente conversar. De eu te conhecer. Então... (T) Aceita dar uma volta comigo, agora?LISA SE SURPREENDE MAIS AINDA. FICA TÍMIDA,MAS INDECISA. FIM DO CAPÍTULO.

×