Arquétipo do Mago

4.891 visualizações

Publicada em

1 comentário
12 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.891
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
168
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
158
Comentários
1
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquétipo do Mago

  1. 1. O MAGO Arquétipos da Alma
  2. 2. Lema: “Pode acontecer!”
  3. 3. O arquétipo do mago nos ensina sobre a criação, sobre nossa capacidade de criar aquilo que jamais existiu, sobre afirmação de nosso papel co-criadores do universo. Nós criamos nosso mundo e, por conseguinte, somos responsáveis por nossas próprias vidas.
  4. 4. As origens do que sabemos e de nossa tecnologia está na mente de homens como o velho aborígene. Ele, e todos como ele nas sociedades tribais e antigas, tinham acesso à energia do Mago. E é essa energia que impulsiona a nossa civilização moderna.
  5. 5. Todo conhecimento que exige um trabalho especial para ser adquirido é domínio da energia do Mago. Seja o aprendiz de um mestre em eletricidade, descobrindo os mistérios da alta voltagem; seja o estudante de medicina estudando os segredos do corpo humano; seja o estagiário numa das escolas de psicanálise. Todos estão exatamente na mesma posição.
  6. 6. Uma imagem clássica do Mago no baralho de Tarô mostra um Mago captando energia da Terra e do Céu. O Céu – inspiração, sonhos, visão – é equilibrado pelos fatos terrenos da nossa existência cotidiana. Apesar da compreensão de que somos uma pequena parte da atividade de criação, afirmar a co- criação com Deus é um ato de grande autoafirmação. Quando começamos a nos responsabilizar por nossas vidas e por nossa ação no mundo, descobrimos que nós mesmos somos o Mago.
  7. 7. Os antigos magos eram alquimistas. O ofício dos alquimistas conecta 0s aspectos terrestres - para a transmutação da matéria - , human0s - pela busca da transformação interna - e cósmicos - por compreender que sua energia deve ser aprimorada em conjunto com suas experiências.
  8. 8. O poder do Mago tem por objetivo transformar a realidade através de uma modificação da consciência. Isto requer técnicas atigas de aprofundamento da cosnciência, de desenvolvimento psíquico e de aperfeiçoamento da intuição.
  9. 9. É preciso abandonar a concepção de que o Mago é alguém que faz magia para conquistar alguém ou algo. Esta é a visão do Órfão, que foge da responsabilidade da própria vida.
  10. 10. Uma eficiente maneira de transformar a sua vida é modificar a maneira de atribuir nomes às experiências. As afirmações atuam no nível mental e a mente influencia a matéria.
  11. 11. Os Magos frequentemente usam rituais para alterar a consciência ou transmutar a realidade. Os rituais também podem ser usados na cura ou os transformação como um meio de concentrar atenção das pessoas na modificação desejada e de fazer com que a consciência de todos os envolvidos se concentre em eliminar a realidade antiga e saudar a chegada de uma realidade nova e bem- vinda.
  12. 12. O arquétipo do Mago é muito forte nos políticos carismáticos, nos líderes empresariais e em todo o campo do marketing, que trabalha a influência da consciência humana sobre o comportamento.
  13. 13. Para o mago, o sagrado não é algo que está acima de nós, e sim algo manente a nós mesmos, à natureza, à sociedade, à Terra e ao cosmos. Senso de ligação com o todo e uma compreensão de que aquilo que está dentro de nós contém tudo que está fora de nós mesmos.
  14. 14. O Mago aprende que não somos vítimas da vida; somos parte da expansão dela, não ocultando nossas naturezas para viver segundo algum ideal de perfeição, mas permitindo-nos ser quem somos.
  15. 15. Isso implica abandonar a ilusão de que podemos forçar a vida a ajustar-se a nossos scripts. Os Magos descobrem que a força, numa nível mais profundo, não funciona; que, se não fluírem com o universo, mas lutarem contra ele, nem toda perseverança, habilidade, coragem ou sabedoria do mundo os ajudarão a conseguir o que querem.
  16. 16. A disciplina exigida é a clareza e força de vontade para agir de acordo com o seu ser interior mais sábio. Essa disciplina funciona num contexto mais humilde . Os Magos sabem que não são o centro do universo.
  17. 17. O Mago é o arquétipo da reflexão. E, por conseguinte, da energia da introversão. O que entendemos por introversão não é timidez, mas sim a capacidade de se afastar das tormentas internas e externas e entrar em contato com as verdades e os recursos internos profundos.
  18. 18. A influência mútua entre o mundo interior e exterior funciona através da sincronicidade, as “coincidências significativas”, que atua como um campo magnético, atraindo para nós experiências que correspondem às nossas realidades interiores
  19. 19. Os Magos permitem-se a confiar numa força superior. “Assim seja!” e “Seja feita a tua vontade” são expressões de harmonia com o poder divino.
  20. 20. Os Magos são geralmente desafiados em tempos de grande transformação e tumulto. Os Magos são motivados pelo desejo de transformação pessoal e pela oportunidade de mudar as pessoas, as organizações e a época.
  21. 21. Para isso, precisam liberar seus demônios no mundo. Muitos de nós não aprendemos a reconhecer e afirmar nossas próprias necessidades. O Mago trabalha isto com mais autoconhecimento e capacidade de auto expressão e afirmação.
  22. 22. Quando um indivíduo ou a sociedade está pronta para crescer, a tarefa do mago consiste em permitir que elementos anteriormente reprimidos ou negados aflorem.
  23. 23. Quanto mais as pessoas negam os aspectos desarmônicos das sociedades, mais a falta de equilíbrio existe. O Mago tem o dever de revelar aspectos destrutivos do meio que vive e buscar o significado. Sua proeza está em transformar a realidade.
  24. 24. Quando o Mago afirma o seu poder, essa simples decisão faz com que a sua influência se propague pelo mundo. Se comportar simplesmente de forma autêntica faz as mudanças acontecerem.
  25. 25. Muitas pessoas temem ser honestos, porque ser honesto é tornar-se vulnerável na hierarquia social. A honestidade é muito ameaçadora, Significa expor nossas próprias imperfeições. No entanto, nas mãos do Mago, a honestidade pode ser transformadora.
  26. 26. Ser honesto e franco a cada momento implica em ser profundamente vulnerável. Porém, a honestidade não permite a manipulação e o controle, mas a intimidade, o amor e ocasionalmente momentos mágicos de transcendência.
  27. 27. Os Magos transcendem as concepções dualista e estáticas do bem e do mal para ver a vida como um processo. As pessoas ajudam a promover ou perturbar esse processo com as escolhas que fazem em suas vidas.
  28. 28. Para as mulheres chegarem ao estágio do Mago é preciso ousar em afirmar suas identidades como Guerreiras, porque já são socializadas para serem abertas e receptivas. Depois que declararem seu poder e autonomia poderão acolher o feminino que verdadeiramente combinam com elas . Nessa conjuntura, a feminilidade significa algo muito mais poderoso do que a feminilidade convencional.
  29. 29. Como a concepção tradicional de masculinidade afastam os homens da intimidade e da sensibilidade, eles precisam a superar ou abandonar temporariamente os estágios do Guerreiro e do Caçador, que são associados socialmente à masculinidade.
  30. 30. Assim, poderão refletir sobre quem verdadeiramente são além de homens guerreiros e caçadores . E mais, poderão trabalhar pela comunhão humana com outras mulheres guerreiras e caçadoras.
  31. 31. O Mago é um andrógino que integrou ambos os lados. Quando os velhos papéis são abandonados em prol do novo crescimento, homens e mulheres são mais capazes de transformar seus mundos e possibilitar uma comunidade onde todos se amparam e se valorizam.
  32. 32. A afirmação de nosso poder pessoal e de nossas vocações resulta no tipo mais básico de magia: nós nos desenvolvemos e, com isso, enriquecemos o mundo à nossa volta.
  33. 33. Assim, a atmosfera interior do Mago de permissão e afirmação que cria um clima no qual o que precisa acontecer acontece. Talvez você já tenha conhecido pessoas assim: quando elas estão presentes as coisas funcionam aparentemente sem esforços.
  34. 34. Características Principais  DESEJO BÁSICO: Conhecer as leis fundamentais do funcionamento do mundo ou do Universo.  META: Tornar os sonhos realidade.  MEDO: Consequências negativas inesperadas.  Resposta ao problema: Transformá-lo ou curá-lo.  TAREFA: Sintonia do self com o cosmo  ARMADILHA: Tornar-se manipulador.  DOM: Poder pessoal
  35. 35. MOTIVAÇÃO: Pressentimentos, Intuição NÍVEL1: Momentos mágicos e experiências de transformação extra- sensoriais ou sincrônicas. NÍVEL2: Inspiração para agir com base nas suas visões e sonhos e torna- los reais, a experiência de fluxo. NÍVEL3: Uso consciente do conhecimento de que cada coisa está ligada a todas as outras; desenvolvimento da arte de transformar realidades físicas através modificação de realidades mentais, emocionais e espirituais. SOMBRA: Manipulação, atração de negatividade, transformação de ocorrências positivas em negativas e espera de milagres. Níveis de Mago
  36. 36. Catalisador/Agente de mudança: vê oportunidades para a mudança ou fornece impulso para a transformação inovadora Idealista: vê possibilidades e desenvolve uma visão clara do futuro Curador: Efeitos indivíduo ou grupo de cura Intuitivo: Usa sincronicidades / palpites / serendipidade para definir um rumo Feiticeiro: tem um talento para resultados inesperados, fortuitos Subtipos
  37. 37. Bibliografia PEARSON, Carol S. O herói interior: Seis arquétipos que orientam nossa vida. Editora Cultrix. São Paulo, 1997. PEARSON, Carol S. O despertar do herói interior: A presença do doze arquétipos nos processos de autodescoberta e de transformação do mundo. Editora Pensamento. São Paulo, 1998. MARK, Margaret; PEARSON, Carol S. O herói e o fora-da-lei: Como construir marcas extraordinárias usando o poder dos arquétipos. Editora Cultrix. São Paulo, 2011. GILLETE, David; MOORE, Robert. Rei, Guerreiro, Mago, Amante. A redescoberta dos arquétipos do masculino. Editora Campus, 1993.
  38. 38. Apresentação sobre o Arquétipo do Mago criada por Lorena Souza, Fábio Espiga, Raiana Márcia, Madana Ribas, Ricardo Pinto, Laércio Santos, Sol Mascarenhas e Tamara Novais. Ao utilizar a apresentação, insira os devidos créditos bibliográficos e de criação. http://www.enthusiasmus.qlix.com.br/

×