Radiologia odontológica Aula 01

2.511 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Ciências

Radiologia odontológica Aula 01

  1. 1. ORIENTADORA: TR. Graduanda CSTR. Lorena Araújo CONTATO: lorenna_comjesus@hotmail.com
  2. 2.  04.01.16 – Início da Disciplina.  13.01.16 – Avaliação escrita: Objetiva e Subjetiva.  20.01.16 - Avaliação escrita: Objetiva e Subjetiva.  25.01.16 - Entrega do trabalho ( AVALIATIVO ) Obs: Prazo único.  27.01.16 – Resultado final, recuperação e devolução dos trabalhos corrigidos.
  3. 3. ‘’HISTÓRICO E ASPECTOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS DA RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA NA SAÚDE BUCAL.’’
  4. 4.  Conhecer a história da Radiologia odontológica.  Definição de odontologia.  Conhecer a anatomia do crânio e bucal.  Anatomia descritiva dos dentes
  5. 5.  A radiologia odontológica e imaginologia é a especialidade que, provavelmente, mais se relaciona com as demais disciplinas dentro da Odontologia, sendo uma ferramenta essencial para diagnóstico, planejamento e acompanhamento no tratamento das doenças bucais.
  6. 6.  A história da radiologia odontológica começa em 8 de novembro de 1895, quando o professor Wilhelm Conrad Röntgen, trabalhando com raios catódicos, utilizando um tubo Crookes-Hittorf, descobriu um novo tipo de raios, que, por desconhecer a origem, denominou de raios X. (LANGLAND; LANGLAIS, 1997) Fonte: Museu Röntgen, disponível em http://www.roentgenmuseum.de/.
  7. 7.  A primeira radiografia foi realizada no dia 08 de novembro de 1895. Neste dia, Röntgen pôs a mão esquerda de sua esposa, Anna Bertha Röntgen, no chassi, com filme fotográfico, fazendo incidir a radiação oriunda do tubo, por cerca de 15 minutos. Revelado o filme, lá estavam, para confirmação de suas observações, a figura da mão de sua esposa e seus ossos dentro das partes moles menos densas (REZENDE, 2010).
  8. 8. 1ª Radiografia da história – mão de Anna Bertha esposa de Röntgen Fonte: Museu Röntgen, disponível em http://www.roentgenmus eum.de/.
  9. 9.  Imediatamente, as possibilidades de se fazer diagnósticos foram reconhecidas por muitos e milhares de livros foram publicados demonstrando o uso prático dos novos raios. (WUEHRMANN; MASON-HING, 1977).  Cerca de 20 dias após a comunicação de Röntgen, o professor Dr. Giesel, em Braunschweig, Alemanha, tentou fazer uma radiografia dos dentes do dentista Dr. Otto Walkhoff, por sugestão deste. (PASLER, 1999)
  10. 10.  O Dr. Otto Walkhoff fez a primeira radiografia dental. Esta foi conseguida usando uma placa de vidro com emulsão fotográfica, envolvida em papel preto e lenço de borracha. A radiografia foi tomada de sua própria boca com um tempo de exposição de 25 minutos (ALVARES; TAVANO, 2000) Prof. Dr. Otto Walkhof Lehrstuhlinhaber der ZMK-Klinik von 1922 - 1927
  11. 11. As primeiras radiografias dentárias obtidos na Alemanha por Otto Walkhoff
  12. 12.  Atribuiu-se ao Dr. Edmund Kells, dentista americano, a primeira radiografia dentária realizada nos Estados Unidos da América, durante o mês de abril de 1896. Após tomar conhecimento da descoberta, Kells, imediatamente, iniciou experimentos com a nova técnica no campo da Odontologia (MARTINS, 2005). Seus experimentos com os raios-x causou-lhe a perda do seu braço esquerdo. Ele cometeu suicídio aos 72 anos em 1928.
  13. 13. o Professor Cyro Silva – Pioneiro no Brasil (Prática e ensino ) Implantou a Radiologia na grade curricular Dos acadêmicos de Odontologia e Farmácia em 1932.
  14. 14. • Metódo importante para diagnóstico. • Interpretações de imagens intra e extra orais. • Negar ou confirmar uma suspeita clínica.
  15. 15. • É necessário um conhecimento técnico e anatômico do crânio e da dentição para a obtenção de imagens de boa qualidade.
  16. 16. • São uma forma de ENERGIA ELETROMAGNÉTICA (ondas transversais ) • Possuem comprimento de onda meno que 1 Â. • Possuem propiedades especiais caractéristicas.
  17. 17.  Atravessam Objetos.  É absorvido pelo objeto que atravessa.  Produzem radiações secundárias.  Fazem fluorescer certos sais metálicos.
  18. 18.  Enegrece emulsões fotográficas  Ionização  Exerce Efeitos Biológicos.
  19. 19. Regulamento técnico com diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico.
  20. 20.  É a parte da medicina que estuda a parte das afecções dentárias.  Nessa área o cirurgião dentista trata de toda nossa região bucal.  A radiologia possui um papel importante na odontologia.
  21. 21. o Constituída por 22 ossos. o Dividida anatomicamente em crânio e face o 8 ossos crânianos o 14 ossos faciais.
  22. 22.  Os 22 ossos que compõem a caixa craniana têm forma irregular e, com exceção da mandíbula, são todos soldados uns aos outros.
  23. 23. Localização dos Dentes: Está relacionada a arcada dentária superior e inferior, seus lados direito e esquerdo. Estrutura Bucal: Compreende-se de toda estrutura anatômica interna a boca.
  24. 24.  A cavidade bucal tem início no orifício interlabial e termina, posteriormente, no nível dos arcos palatoglossos;  É dividida em vestíbulo da boca (espaço constituído pelos lábios e bochechas com as gengivas e dentes) e cavidade bucal (todo o restante).
  25. 25. www.3bscientific.com.br
  26. 26.  O teto da cavidade bucal é formado pelo palato, o qual se divide em palato duro (ossos palatinos e maxilares) e palato mole (músculos);  Língua: órgão muscular revestido por mucosa que exerce funções na mastigação, deglutição, fonação e como órgão sensorial gustativo.  Nela são encontradas as papilas gustativas;
  27. 27. São estruturas cônicas, duras, fixadas nos alvéolos da mandíbula e maxila que são usados na mastigação e na assistência à fala.
  28. 28.  São os responsáveis pela mastigação (trituração, corte e esmagamento dos alimentos)  São elementos rígidos e esbranquiçados, implantados nas cavidades (alvéolos dentais) da mandíbula e maxila;
  29. 29. • Os dentes humanos estão dividos em: COROA COLO RAIZ
  30. 30.  Coroa: parte superior do dente, geralmente a única parte visível. O formato da coroa determina a função do dente.  Linha de junção dos dentes e da gengiva: sem a escovação e uso adequado do fio dental, nesta área podem se formar a placa e o tártaro, causando gengivite e outros males.3
  31. 31. ESMALTE CAVIDADE PULPAR DENTINA CEMENTO CANAL DA RAIZ FORAME DO ÁPICE
  32. 32. O esmalte forma uma capa protetora, de espessura variável, sobre a superfície dental da coroa (o esmalte envolve a coroa). Devido ao seu alto conteúdo de sais minerais e seu aspecto cristalino, o esmalte é o tecido mais duro do organismo humano. A função do esmalte é formar uma capa resistente para os dentes, tornando-os adequados para a mastigação.
  33. 33. O cemento é o tecido dentário mineralizado que cobre as raízes anatômicas dos dentes humanos. Começa na porção cervical do dente, na junção cemento-esmalte, e se continua até o ápice. O cemento fornece um meio para a inserção das fibras colágenas, que ligam o dente às estruturas circundantes.
  34. 34.  Dentina: camada dentária situada abaixo do esmalte. Se a cárie conseguir atravessar o esmalte, ela passa a atacar a dentina, onde há milhões de pequenos túbulos que vão diretamente à polpa do dente.  Polpa: tecido mole situado no centro do dente, onde se encontram o nervo e os vasos sangüíneos. Quando a cárie atingir essa área, as pessoas geralmente sentem dor. Quais são os nomes dos dentes? Cada dente tem uma função ou tarefa específica.
  35. 35. Os dentes são classificados de acordo com a posição e a função. DENTES INCISIVOS
  36. 36. dentes frontais afiados em forma de cinzel (quatro superiores, quatro inferiores) para cortar os alimentos.
  37. 37. DENTES CANINOS
  38. 38. Dentes com pontas agudas (cúspides) que rasgam os alimentos.
  39. 39. DENTES PRÉ MOLARES E MOLARES
  40. 40. com duas pontas (cúspides) na superfície para esmagar, moer e separar os alimentos.
  41. 41. Esmagar e triturar os alimentos, estes dentes possuem várias cúspides.
  42. 42.  LANGLAND, Olaf E.; LANGLAIS, Robert P. Principles of dental imaging. USA: Willians & Willians, 1997.  REZENDE, Gustavo Araújo. Radiologia odontológica. Disponível em: <www.odontologiainfantil.odo.br>. Acesso em: 7 set. 2010.  WUEHRMANN, Arthur H.; MASON-HING, Lincoln R. Radiologia dentária. Trad. Arão Rumel Dental Radiology. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1977.  MARTINS, Wilson Denis. Willian Conrad Rötgen e a descoberta dos raios X. 2005. Disponível em: <www.imaginologia.com.br>. Acesso em: 15 out. 2010.

×