O impacto da rotatividade na Gestão do Conhecimento Organizacional. A rotatividade nas actividades imobiliárias em Portuga...
Sumário<br />Resumo<br />Introdução<br />Enquadramento Teórico<br />Metodologia<br />Considerações Finais<br />Questões<br />
Resumo<br />
Introdução<br />Conhecimento assume um papel crítico nas organizações;<br />Peter Druker (1998), importância do conhecimen...
Introdução<br />Emprego vitalício vs Rotatividade<br />Antiguidade, em anos, das pessoas nas organizações em Portugal  (MS...
Introdução<br />Actividades Imobiliárias:<br />Antiguidade, em anos, das pessoas nas organizações de actividades<br />imob...
Introdução<br />Pesquisa inicial de forma a propor um modelo de retenção de conhecimento tácito nas organizações de mediaç...
Gestão do Conhecimento<br />O valor do conhecimento é, dos activos organizacionais, o mais decisivo na produção (Drucker, ...
Gestão do Conhecimento<br />Modelo SECI (Nonaka e Takeuchi):<br /><ul><li>Socialização;
Externalização;
Combinação;
Internalização.</li></li></ul><li>Captura, Representação e Transferência de Conhecimento Tácito<br />Na maior parte das ve...
Captura, Representação e Transferência de Conhecimento Tácito<br />Para Lins, existem:<br />elementos cognitivos (centrado...
Papel das Tecnologias de Informação e Comunicação<br />Tradicionalmente os sistemas e tecnologias de informação e comunica...
Papel das Tecnologias de Informação e Comunicação<br />Sem a aquisição de conhecimento, a transferência de conhecimento nã...
Rotatividade<br />"Alguma rotatividade de funcionários é inevitável, atémesmo desejável.“ – Custos!!<br />Custos da Rotati...
Negócio Imobiliário<br />Tempo médio de venda aumenta.<br />É importante reter o conhecimento do mediador. <br />A forma c...
Negócio Imobiliário<br />Evolução do tempo de Absorção – Algarve (C.I.)<br />
Metodologia<br />Não se pode procurar apenas consistência e validade em dados estruturados, de carácter quantitativo;<br /...
Metodologia<br />A abordagem metodológica qualitativa a ser usada neste projecto é a Teoria Fundamentada em Dados; <br />S...
Metodologia<br />Realização de entrevistas com profissionais da área do imobiliário;<br />Amostragem teórica visa não a re...
Metodologia<br />Codificação Aberta (São identificados e codificados, todos os enunciados, que o investigador julga signif...
Considerações Finais<br />Este trabalho propõe uma tentativa inicial de reunir evidências sobre a existência de um problem...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O impacto da rotatividade na Gestão do Conhecimento Organizacional. A rotatividade nas actividades imobiliárias em Portugal

3.123 visualizações

Publicada em

O impacto da rotatividade na Gestão do Conhecimento Organizacional. A rotatividade nas actividades imobiliárias em Portugal
Filipe Fidalgo ffidalgo@ipcb.pt
Instituto Politécnico de Castelo Branco
Luís Borges Gouveia lmbg@ufp.edu.pt
Universidade Fernando Pessoa

CISTI 2011
Chaves, Junho 2011

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.123
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O impacto da rotatividade na Gestão do Conhecimento Organizacional. A rotatividade nas actividades imobiliárias em Portugal

  1. 1. O impacto da rotatividade na Gestão do Conhecimento Organizacional. A rotatividade nas actividades imobiliárias em Portugal Filipe Fidalgo ffidalgo@ipcb.ptInstituto Politécnico de Castelo BrancoLuís Borges Gouveia lmbg@ufp.edu.ptUniversidade Fernando PessoaCISTI 2011 – Chaves, Junho 2011<br />
  2. 2. Sumário<br />Resumo<br />Introdução<br />Enquadramento Teórico<br />Metodologia<br />Considerações Finais<br />Questões<br />
  3. 3. Resumo<br />
  4. 4. Introdução<br />Conhecimento assume um papel crítico nas organizações;<br />Peter Druker (1998), importância do conhecimento:<br />Mudança dos trabalhadores manuais e de escritório para trabalhadores do conhecimento;<br />Economia exige organizações inovadoras e empreendedoras;<br />Papel crescente e respectivo impacto das Tecnologias de Informação.<br />
  5. 5. Introdução<br />Emprego vitalício vs Rotatividade<br />Antiguidade, em anos, das pessoas nas organizações em Portugal (MSST)<br />55% das pessoas têm uma ligação à organização com menos de 4 anos.<br />
  6. 6. Introdução<br />Actividades Imobiliárias:<br />Antiguidade, em anos, das pessoas nas organizações de actividades<br />imobiliárias em Portugal (MSST)<br />A ligação até 4 anos é nas actividades imobiliárias de aproximadamente 70%, <br />
  7. 7. Introdução<br />Pesquisa inicial de forma a propor um modelo de retenção de conhecimento tácito nas organizações de mediação imobiliária; <br />Defendendo uma abordagem de gestão do conhecimento;<br />Minimizar os impactos económicos e comerciais resultantes da rotatividade de funcionários.<br />
  8. 8. Gestão do Conhecimento<br />O valor do conhecimento é, dos activos organizacionais, o mais decisivo na produção (Drucker, Davenport, Stewart, Sveiby).<br />
  9. 9. Gestão do Conhecimento<br />Modelo SECI (Nonaka e Takeuchi):<br /><ul><li>Socialização;
  10. 10. Externalização;
  11. 11. Combinação;
  12. 12. Internalização.</li></li></ul><li>Captura, Representação e Transferência de Conhecimento Tácito<br />Na maior parte das vezes, as pessoas não se apercebem do conhecimento que realmente possuem;<br />O grande objectivo da Gestão do Conhecimento, é que possibilidade de reutilização do conhecimento;<br />Segundo LynneMarkus, o processo de reutilização do conhecimento envolve as seguintes fases: <br />captura e documentação;<br />armazenamento;<br />distribuição ou divulgação;<br />e finalmente a sua reutilização.<br />
  13. 13. Captura, Representação e Transferência de Conhecimento Tácito<br />Para Lins, existem:<br />elementos cognitivos (centrados nos modelos mentais, esquemas conceptuais, paradigmas, perspectivas, crenças e pontos de vista);<br />e elementos técnicos (incluem experiência concreta, capacidade técnica e capacidades práticas).<br />Uma implementação de Gestão do Conhecimento com sucesso requer compromissos de longo prazo por parte da administração; uma liderança atenta à cultura corporativa; funcionários motivados e uma adequada utilização das tecnologias da informação e comunicação<br />(Bergeron) <br />
  14. 14. Papel das Tecnologias de Informação e Comunicação<br />Tradicionalmente os sistemas e tecnologias de informação e comunicação entraram nas organizações para dar suporte aos processos.<br />Hoje, o grande desafio é que passem a dar suporte às competências profissionais dos indivíduos e transformar a sua adopção para que esta seja mais colectiva.<br />Não podem ficar apenas dentro do quadro das tarefas operacionais, devem:<br />agregar valor para as novas formas de comunicação, de conversação e de aprendizagem on-the-job;<br />apoiar as comunidades de prática, e fornecer acesso às ideias e experiências necessárias ao dia-a-dia da vida organizacional.<br />
  15. 15. Papel das Tecnologias de Informação e Comunicação<br />Sem a aquisição de conhecimento, a transferência de conhecimento não faz sentido. <br />Enquanto a transferência de conhecimento pode ser promovida pela tecnologia, a aquisição do conhecimento deve ser orientada pelas pessoas, pelo que os sistemas devem ser desenvolvidos centrados nas pessoas, e não centrado na tecnologia.<br />“A capacidade dos computadores tem pouca relevância para o trabalho do conhecimento, mas os recursos de comunicação e armazenamento de computadores ligados em rede fazem deles propiciadores do conhecimento”<br />(Davenport e Prusak)<br />
  16. 16. Rotatividade<br />"Alguma rotatividade de funcionários é inevitável, atémesmo desejável.“ – Custos!!<br />Custos da Rotatividade de pessoal (Chiavenato)<br />
  17. 17. Negócio Imobiliário<br />Tempo médio de venda aumenta.<br />É importante reter o conhecimento do mediador. <br />A forma como conseguiu as suas realizações mais importantes, o estado das suas vendas actuais, e qual a melhor forma para que os seus sucessores possam continuar os negócios pendentes (e outros) com uma perda mínima no dinamismo das vendas.<br />
  18. 18. Negócio Imobiliário<br />Evolução do tempo de Absorção – Algarve (C.I.)<br />
  19. 19. Metodologia<br />Não se pode procurar apenas consistência e validade em dados estruturados, de carácter quantitativo;<br />O paradigma aponta para a importância da pessoa como garante do sucesso – Sociedade do Conhecimento – existe a necessidade de análise textos, entrevistas, discursos entre outros (procurar realizar uma análise qualitativa).<br />
  20. 20. Metodologia<br />A abordagem metodológica qualitativa a ser usada neste projecto é a Teoria Fundamentada em Dados; <br />Segundo Fortin esta “tem por objectivo gerar uma teoria a partir dos dados colhidos no terreno e junto das pessoas que possuem experiência relevante”;<br />O método usado para a recolha de dados escolhido será a entrevista (parcialmente estruturada).<br />
  21. 21. Metodologia<br />Realização de entrevistas com profissionais da área do imobiliário;<br />Amostragem teórica visa não a representatividade da amostra, mas a “representatividade dos conceitos” ;<br />Os indivíduos são seleccionados de acordo com o seu nível (esperado), de gerarem novas ideias para a elaboração da teoria;<br />Para a fase de análise de um estudo com Teoria Fundamentada em Dados, Strauss e Crobinpropuseram o método, de comparação constante, composto por três tipos de codificação – Aberta, axial e selectiva.<br />
  22. 22. Metodologia<br />Codificação Aberta (São identificados e codificados, todos os enunciados, que o investigador julga significativos, próximos ou afastados do fenómeno estudado);<br />Codificação Axial (Os códigos preliminares vão ser comparados e reagrupados segundo as suas propriedades e dimensões e vão permitir a construção de categorias conceptuais);<br />Codificação Selectiva (A codificação selectiva, visa reagrupar categorias para a construção de algumas categorias principais. Estas categorias principais, irão tornar-se conceitos centrais e integradores, formando a teoria fundamentada a formular).<br />Em suma, o investigador faz ligações entre todos os factos obtidos, para construir uma teoria.<br />
  23. 23. Considerações Finais<br />Este trabalho propõe uma tentativa inicial de reunir evidências sobre a existência de um problema – Alta rotatividade no sector da mediação imobiliária e o seu potencial perigo para as organizações que não o considerem. <br />É realçada a importância do papel das TIC na Captura e Transferência de Conhecimento e o auxílio que pode prestar na sua Reutilização de Conhecimento. <br />É apresentada uma metodologia para a construção de uma teoria da reutilização do conhecimento bem sucedida – Teoria Fundamentada de Dados (GroundedTheory). <br />
  24. 24. Referências<br />Bergeron, Bryan P. (2003). Essentials of Knowledge Management. Ed. John Wiley & Sons, Inc.<br />Chiavenato, Idalberto (2001). Administración de Recursos Humanos. 5ªed. EditoraMc Graw Hill.<br />Davenport Thomas H.; Prusak Laurence (1998). Conhecimento Empresarial – Como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 8ª Edição. Editora Campus. <br />Drucker, Peter F. (1998). O Advento da Nova Organização – Gestão do Conhecimento.13ª Ed. Harvard Business Review. Editora Campus.<br />Fortin, Marie-Fabienne (2009). O Processo de investigação – da concepção à realização.5ªEd. Ed. Lusociência.<br />Lins, Sérgio (2003). Transferindo Conhecimento Tácito – Uma abordagem construtivista. E-papers ServiçosEditoriais. Brasil. <br />Markus, M. Lynne. (2001). Toward a Theory of Knowledge Reuse: Types of Knowledge Reuse Situations and Factors in Reuse Success, Journal of Management Information Systems, 18, 1 (Summer): 57-93.<br />MTSS (2007,2008). Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social: Colecção Estatísticas – Quadros de Pessoal.<br />NonakaIkuhiro; TakeuchiHirotaka (1997). Criação de Conhecimento na Empresa – Como as empresas Japonesas geram a dinâmica da inovação. 20ª Edição. EditoraCampus.<br />Strauss, A. Corbin, J. (1990). Basics of qualitative research. Sage Publications.<br />
  25. 25. Questões<br />Obrigado<br />Contacto: ffidalgo@ipcb.pt<br />

×