Informação e contexto actualNotas para uma reflexão (não) estruturada         DEGEI, Universidade de Aveiro           25 d...
Fazerfuturo e as palavras esperançaCONFIANÇA
O Contexto actual
O mundo em que vivemos Queda do        Ataque às               Crise              Crise económicamuro de Berlin Torres Gém...
• O mundo está mudado  – Mais digital  – Mais competitivo  mas também:  – Menos previsível  – Com mais gente que conta  – ...
As promessas do digital
Do analógico para o digital• aprender...   – no analógico, memorizar para aprender   – no digital, esquecer para aprender•...
• A informação já não é o que era…  (e nem toda é igual)abstracção &                                                      ...
No digital• Crescente mediação de computadores e redes no  relacionamento humano• Desmaterialização de actividades e proce...
• Aprendemos todos os dias, de todas as formas     • Sempre mais para fazer, do que o que se pode     • Mais solicitações ...
• Excesso de informação  – Sobrecarga cognitiva  – Refrear a curiosidade    natural  – Conter a dispersão  – Lidar com a n...
• O que há de novo?    • Gerir as tarefas    • Gerir o tempo    • Criatividade
• Da competência  clássica ao novo   – Do racional aos     afectos e à emoção     (retorno?)   – Da preocupação     com a ...
Vivemos umaeconomia da atenção
Bombardeados pelainformação
EntropiaMedida de incerteza de “qualquer coisa”• Num mundo (contexto) cheio de coisas, uma  qualquer é distracção!
…e a Informação?Qualquer tipo de evento (representação) quetem impacto num dado sistema dinâmico• Necessário um contexto, ...
informaçãoCaptarEntenderCompreender
conhecimentoEstudarConhecerReconhecer
sabedoriaReflectirSaborearSaber
O que é comum?               TempoO que exige?               Esforço
O que é mais escasso?          tempo
Menos é mais…Mais informação,menos tempo
Riscos e oportunidades
Tudo igual, tudo diferente…
Paradigmas e a progressão do tempo
Sociedade da InformaçãoUma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias da informação e comunicação pa...
Sociedade da InformaçãoUso intensivo de tecnologias de   informação e comunicação Uso crescente do digital   Organização e...
Sociedade da InformaçãoUso intensivo de tecnologias de   infra-estruturas   informação e comunicação                      ...
Digital: “ O rolo compressor ”
Digital & segurança
O Digital não é tudo…
Utilização e boas práticas
O mercado enquanto percurso
Ainda é …”business as usual”?
FAZER MAIS +COM MENOS –              inovação, criatividade,...              desperdício,... conhecimento,...(“informação ...
(social) networking?NetworkingnotWorking! ? : - ( M i c h a e l Tc h o n g htt p : / / w w w. u b e rc o o l . c o m /
Mediação digitalartefactos- iPhone- iPAD - MacBookProServiços- Redes (4G,Wi –fi)- Dropbox- Google x
Demasiado…Too much!
Demasiado… dependência
Demasiado… artefactos
Demasiado… crédito
Demasiado… informação
Organização em rede
A rede (I)• Promessas da sociedade da informação   – Partilha de informação (e do conhecimento)   – Novas relações tempo-e...
A rede (II)• Fenómenos de transferência   – Altera as relações de poder   – Redistribui e redefine custos de     deslocaçã...
A rede (III)• Efeito de propagação   – Altera a proximidade/distância e influência mútua   – Atracção e reconfiguração de ...
Forças de coesão  • Proximidade  • Escala humana  • ConfiançaA produção social transforma mercados e liberdade, Y. Benkler...
A importância do indivíduoA(s) rede(s) aumentam o valor do indivíduo O Indivíduo aumenta valor da(s) rede(s)
A condição humanawww.serendipidade.com/2008/12/   Celso Alvarez Cíccamo, 2004
Desafios e propostas
Atitudes versus Intenções
indivíduo / grupo / sociedade
Criatividade, mas…
“Não podemos resolverproblemas, utilizando omesmo tipo de pensamento epráticas com que foramcriados”  Albert Einstein (187...
(nova?) soberania (da informação?)• capacidade de gerar de  forma continuada  activos de criatividade  por meios próprios ...
Comentários finais• Pensar o lado procura• Focar na interacção• Desenvolver novas  competências de rede• Concentrar esforç...
Desafios e oportunidades• EstudarREDES          é central  para compreender as dinâmicas  e as soluções para os problemas ...
Comentários finais• O paradoxo do digital   – Exige um território para gerar valor de forma sustentável• O paradoxo das re...
Comentários finais• O paradoxo do digital   – Exige um território para gerar valor de forma sustentável• O paradoxo das re...
Information Anxiety 2Richard Saul Wurman,     QUE, 2000
The Information:A History, a Theory, a Flood       James Gleik,    Fourth Estat, 2012
Nota BiográficaLuis Borges Gouveiahomepage: http://homepage.ufp.pt/~lmbgblogue: http://lmbg.blogspot.comemail: lmbg@ufp.ed...
Informação e contexto actual
Informação e contexto actual
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Informação e contexto actual

1.619 visualizações

Publicada em

Informação e contexto actual
Notas para uma reflexão (não) estruturada

25 de Novembro de 2011
DEGEI - Universidade de Aveiro
Aveiro, Portugal

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.619
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informação e contexto actual

  1. 1. Informação e contexto actualNotas para uma reflexão (não) estruturada DEGEI, Universidade de Aveiro 25 de Novembro de 2011 Luis Borges Gouveia lmbg@ufp.edu.pt | @lbgouveia Universidade Fernando Pessoa
  2. 2. Fazerfuturo e as palavras esperançaCONFIANÇA
  3. 3. O Contexto actual
  4. 4. O mundo em que vivemos Queda do Ataque às Crise Crise económicamuro de Berlin Torres Gémeas financeira e social Nov, 1989 Set, 2001 Set, 2008 (?)Set, 2009/11 ? fronteiras segurança qualidade economia físicas e defesa de vida Imagem retirada do Estudo sobre Governação, Abril de 2009 – APDSI (Gouveia et al., 2009)
  5. 5. • O mundo está mudado – Mais digital – Mais competitivo mas também: – Menos previsível – Com mais gente que conta – Com mais necessidade de errar e menos tempo para o fazer
  6. 6. As promessas do digital
  7. 7. Do analógico para o digital• aprender... – no analógico, memorizar para aprender – no digital, esquecer para aprender• trabalhar... – no analógico, tomar tempo para trabalhar – no digital, trabalhar sem tomar o tempo
  8. 8. • A informação já não é o que era… (e nem toda é igual)abstracção & estratégia ecomplexidade previsão suporte à acção suporte à decisão simplificação do real dados conhecimento estrutura & contexto informação sabedoria
  9. 9. No digital• Crescente mediação de computadores e redes no relacionamento humano• Desmaterialização de actividades e processos associados• Transformação da actividade humana – O tempo com diferentes ciclos – Virtualização e transformação do conceito de tempo e espaço (exemplo: o sítio na Web…) – (implica) espaço (físico) com diferentes significados
  10. 10. • Aprendemos todos os dias, de todas as formas • Sempre mais para fazer, do que o que se pode • Mais solicitações do que tempo disponível • Maior carga cognitiva do que a nossa resistência permite
  11. 11. • Excesso de informação – Sobrecarga cognitiva – Refrear a curiosidade natural – Conter a dispersão – Lidar com a nossa criatividade – Agir, inovar, experimentar, d ifundir, agir…
  12. 12. • O que há de novo? • Gerir as tarefas • Gerir o tempo • Criatividade
  13. 13. • Da competência clássica ao novo – Do racional aos afectos e à emoção (retorno?) – Da preocupação com a literacia básica, funcional, in formacional, comun icacional e tecnológica à• … emoção!
  14. 14. Vivemos umaeconomia da atenção
  15. 15. Bombardeados pelainformação
  16. 16. EntropiaMedida de incerteza de “qualquer coisa”• Num mundo (contexto) cheio de coisas, uma qualquer é distracção!
  17. 17. …e a Informação?Qualquer tipo de evento (representação) quetem impacto num dado sistema dinâmico• Necessário um contexto, delimitações e perspectivas!
  18. 18. informaçãoCaptarEntenderCompreender
  19. 19. conhecimentoEstudarConhecerReconhecer
  20. 20. sabedoriaReflectirSaborearSaber
  21. 21. O que é comum? TempoO que exige? Esforço
  22. 22. O que é mais escasso? tempo
  23. 23. Menos é mais…Mais informação,menos tempo
  24. 24. Riscos e oportunidades
  25. 25. Tudo igual, tudo diferente…
  26. 26. Paradigmas e a progressão do tempo
  27. 27. Sociedade da InformaçãoUma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias da informação e comunicação para a troca de informação em formato digital e que suporta a interacção entre indivíduos com recurso a práticas e métodos em construção permanente (Gouveia e Gaio, 2004)
  28. 28. Sociedade da InformaçãoUso intensivo de tecnologias de informação e comunicação Uso crescente do digital Organização em rede
  29. 29. Sociedade da InformaçãoUso intensivo de tecnologias de infra-estruturas informação e comunicação & acesso Uso crescente do digital processos & formação de comando & controlo • Organização em rede para partilha & regulação
  30. 30. Digital: “ O rolo compressor ”
  31. 31. Digital & segurança
  32. 32. O Digital não é tudo…
  33. 33. Utilização e boas práticas
  34. 34. O mercado enquanto percurso
  35. 35. Ainda é …”business as usual”?
  36. 36. FAZER MAIS +COM MENOS – inovação, criatividade,... desperdício,... conhecimento,...(“informação ou se usa ou se perde...”) Colabore, explore e partilhe!
  37. 37. (social) networking?NetworkingnotWorking! ? : - ( M i c h a e l Tc h o n g htt p : / / w w w. u b e rc o o l . c o m /
  38. 38. Mediação digitalartefactos- iPhone- iPAD - MacBookProServiços- Redes (4G,Wi –fi)- Dropbox- Google x
  39. 39. Demasiado…Too much!
  40. 40. Demasiado… dependência
  41. 41. Demasiado… artefactos
  42. 42. Demasiado… crédito
  43. 43. Demasiado… informação
  44. 44. Organização em rede
  45. 45. A rede (I)• Promessas da sociedade da informação – Partilha de informação (e do conhecimento) – Novas relações tempo-espaço concorrentes num mesmo local – Móvel, imediato, ubiquo, universal• A relação e o relacionamento são elementos essenciais, realizados com recurso a computadores e redes (de telecomunicações) – Apesar de tudo, um fenómeno social: Barry Wellman, Manuel Castells, …
  46. 46. A rede (II)• Fenómenos de transferência – Altera as relações de poder – Redistribui e redefine custos de deslocação entre nós da rede• Fomenta uma evolução contínua, mantendo a mudança como constante – Diversidade – Mudança permanente – Acolhe inovação e criatividade
  47. 47. A rede (III)• Efeito de propagação – Altera a proximidade/distância e influência mútua – Atracção e reconfiguração de espaços e fronteiras – Esferas de influência mais dinâmicas, com modelos mais complexos• Favorece sistemas abertos e autónomos – Sistema distribuído, com capacidade de auto-regulação – Escala resultado da interacção; quanto mais interacção, maior densidade
  48. 48. Forças de coesão • Proximidade • Escala humana • ConfiançaA produção social transforma mercados e liberdade, Y. Benkler, 06
  49. 49. A importância do indivíduoA(s) rede(s) aumentam o valor do indivíduo O Indivíduo aumenta valor da(s) rede(s)
  50. 50. A condição humanawww.serendipidade.com/2008/12/ Celso Alvarez Cíccamo, 2004
  51. 51. Desafios e propostas
  52. 52. Atitudes versus Intenções
  53. 53. indivíduo / grupo / sociedade
  54. 54. Criatividade, mas…
  55. 55. “Não podemos resolverproblemas, utilizando omesmo tipo de pensamento epráticas com que foramcriados” Albert Einstein (1879 – 1955)
  56. 56. (nova?) soberania (da informação?)• capacidade de gerar de forma continuada activos de criatividade por meios próprios e de controle directo – Pessoas – Ambiente – Infra-estruturas – Serviços – Território (centralidade…) • capacidade de atracção • base para projecção global
  57. 57. Comentários finais• Pensar o lado procura• Focar na interacção• Desenvolver novas competências de rede• Concentrar esforços no digital• Orientar para: – a partilha do conhecimento – o conhecimento com valor social
  58. 58. Desafios e oportunidades• EstudarREDES é central para compreender as dinâmicas e as soluções para os problemas actuais• Novas propostas precisam-se!
  59. 59. Comentários finais• O paradoxo do digital – Exige um território para gerar valor de forma sustentável• O paradoxo das redes – Fenómenos de transferência de rede fortalecem os nós abertos e de menor custo de relacionamento• Conhecimento e pessoas primeiro – Capacitar o território é ter pessoas envolvidas, motivadas e competentes
  60. 60. Comentários finais• O paradoxo do digital – Exige um território para gerar valor de forma sustentável• O paradoxo das redes – Fenómenos de transferência de rede fortalecem os nós abertos e de menor custo de relacionamento• Conhecimento e pessoas primeiro – Capacitar o território é ter pessoas envolvidas, motivadas e competentes
  61. 61. Information Anxiety 2Richard Saul Wurman, QUE, 2000
  62. 62. The Information:A History, a Theory, a Flood James Gleik, Fourth Estat, 2012
  63. 63. Nota BiográficaLuis Borges Gouveiahomepage: http://homepage.ufp.pt/~lmbgblogue: http://lmbg.blogspot.comemail: lmbg@ufp.edu.pttwitter: @lbgouveiafacebook: http://www.facebook.com/lbgouveiaslideshare: http://www.slideshare.net/lmbgProfessor Associado com Agregação na Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Fernando Pessoa e um dos responsáveis pelo projecto de Universidade Virtual da UFP. Possui Agregação em Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro (UA, 2010); é Doutorado em Ciências da Computação pela University of Lancaster (UK, 2002) e possui Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores pela FEUP (UP, 1995). É docente desde 1988 e autor de 10 livros e de cerca de 3 centenas de publicações de natureza científica em conferências, nas suas áreas de especialidade: o e- learning e o e-government. Os seus interesses de I&D incluem as relações entre o espaço físico e o digital e a aplicação de TICs no processo de ensino e aprendizagem.

×