Imunidade humoral

2.606 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.606
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imunidade humoral

  1. 1. Imunidade Humoral Mecanismos efetores
  2. 2. Visão Geral da Imunidade Humoral  A imunidade humoral é mediada por anticorpos secretados, é o braço efetor do sistema imune adaptativo responsável pela defesa contra micro-organismos extracelulares e toxinas microbianas.  Os anticorpos que proporcionam proteção contra infecção podem ser produzidos por células secretoras de anticorpos de vida longa geradas durante a primeira exposição ao antígeno microbiano ou pela reativação das células B de memória pelo antígeno.
  3. 3. Visão Geral da Imunidade Humoral
  4. 4. Visão Geral da Imunidade Humoral
  5. 5. Anticorpos  As principais funções dos anticorpos são de neutralizar e eliminar micro-organismos infecciosos e toxinas microbianas, também fazem fagocitose dependente do receptor Fc de partículas opsonizadas, e ativação do sistema complemento.  Os anticorpos são produzidos após a estimulação dos linfócitos B pelos antígenos nos órgãos linfóides periféricos. Os linfócitos B ativados por antígeno se diferenciam em células secretoras de anticorpos (plasmócitos), as quais sintetizam anticorpos de diferentes classes de cadeias pesadas (isótipos). Tais anticorpos entram no sangue e podem alcançar qualquer local periférico da infecção.
  6. 6. Funções efetoras dos anticorpos
  7. 7. Neutralização de microrganismos e de toxinas microbianas  Os anticorpos se ligam e bloqueiam, ou neutralizam a infectividade dos micro-organismos e as interações das toxinas microbianas com as células hospedeiras.  Para a neutralização de micro-organismos e toxinas mediada por anticorpos, são requeridas apenas as regiões do anticorpo ligadas ao antígeno.  A maior parte dos anticorpos neutralizantes presentes no sangue é do isotipo IgA.
  8. 8. Neutralização de micro-organismos e de toxinas microbianas
  9. 9. Opsonização mediada por anticorpos e fagocitose  Os anticorpos do isotipo IgG recobrem (opsonizam) microorganismos e promovem a sua fagocitose pela ligação aos receptores Fc dos fagócitos .  Fagócitos mononucleares e neutrófilos ingerem microorganismos como um requisito para a morte e degradação intracelular;
  10. 10. Opsonização mediada por anticorpos e fagocitose
  11. 11. Citotoxidade mediadas por células dependentes de anticorpos  As células NK e outros leucócitos se ligam a células recobertas por anticorpos por meio dos receptores Fc e destroem essas células .  Anticorpos também atuam na remição de helmintos, ativando mastócitos e eosinófilos para a expulsão e destruição desses parasitas.
  12. 12. Citotoxidade mediadas por células dependentes de anticorpos
  13. 13. Sistema Complemento  Sistema complemento é um conjunto de proteínas séricas circulantes e da membrana celular que “complementa” a atividade antimicrobiana dos anticorpos.  Pode ser ativado por micróbios na ausência de anticorpos, como parte da imunidade inata, e pelos anticorpos ligados aos micróbios, como parte da imunidade adaptativa.  A ativação do complemento é regulada por várias proteínas plasmáticas e da membrana celular que inibem diferentes passos na cascata, prevenindo, então, o dano mediado pelo complemento das células hospedeiras.
  14. 14. Sistema Complemento  As três principais vias do complemento são a via alternativa, que é ativada em superfícies microbianas na ausência de anticorpos; a via clássica, que é ativada por complexos antígeno-anticorpo; e a via das lectinas, iniciada por colectinas que se ligam a antígenos.  Essas vias geram enzimas que clivam a proteína C3, e os produtos clivados de C3 tornam-se covalentemente aderidos às superfícies microbianas ou anticorpos, de forma que os passos seguintes da ativação do complemento fiquem limitados a esses locais. Todas as vias convergem para uma via comum que envolve a formação de um poro na membrana, após a clivagem proteolítica de C5.
  15. 15. As primeiras etapas de ativação do complemento pelas vias alternativa, clássica e das lectinas
  16. 16. Funções biológicas do complemento  Opsonização para potenciar a fagocitose;  Quimiotaxia e ativação de fagócitos;  Lise de bactérias ou células infectadas;  Regulação da resposta de anticorpos;  Limpeza de imuno-complexos;  Fagocitose de células apoptóticas;  Inflamação e anafilaxia.
  17. 17. Funções biológicas do complemento
  18. 18. Imunidade Neonatal  Os mamíferos neonatos são protegidos de infecção pelos anticorpos maternos transportados através da placenta para a circulação fetal e por anticorpos ingeridos no leite e transportados através do epitélio intestinal dos recém nascidos por um processo especializado.  A imunidade protetora dos neonatos é uma forma de imunidade passiva fornecida pelos anticorpos maternos transportados através da placenta por um receptor Fc neonatal especializado.
  19. 19. Vacinação  A vacinação é o processo que estimula as respostas imunes adaptativas protetoras contra os micro-organismos por meio da exposição a formas ou componentes não patogênicos de micro-organismos.  A maioria das vacinas em uso age por meio da estimulação da produção de anticorpos neutralizantes. Algumas das vacinas mais eficazes são compostas por micro-organismos atenuados, que são tratados para perder sua infectividade e patogenicidade ao mesmo tempo que mantêm sua antigenicidade.
  20. 20. Boa Noite !

×