S. mansoni

2.935 visualizações

Publicada em

Aula ministrada pela LIPAM

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.935
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

S. mansoni

  1. 1. Universidade Federal do Cariri Faculdade de Medicina Pró – Reitoria de Extensão Ministério da Educação
  2. 2. http://www.path.cam.ac.uk/~schisto/schistosoma/snail.png  Xistose, barriga d’água ou mal do caramujo;  Doença infecciosa parasitária (endêmica);  Macho – canal ginecóforo;  Fêmea – maior que o macho;  Pode ser assintomática;  Hospedeiro definitivo: homem;  Hospedeiro intermediário: caramujo (espécie Biomphalaria). http://www.fugesp.org.br/boletim/bo letim_05/image005.jpg http://upload.wikimedia.org/wikipedia/co mmons/5/5f/Schistosoma_mansoni2.jpg
  3. 3.  Macho: 1 cm, cor esbranquiçada, porção posterior (canal ginecóforo) e porção anterior (ventosas oral e ventral)  Fêmea: 1,5 cm, cor mais escura, metade anterior (ventosa oral e acetábulo) e metade posterior (glândulas vitelogênicas e ceco) http://www.jornallivre.com.br/images_enviadas/esquistossomose-barriga-daguav.jpg
  4. 4.  Ovo: 150μm x 60μm, sem opérculo, formato oval e espículo;  Miracídio: 180μm x 64μm, células epidérmicas, cílios, papila apical (ventosa), “glândulas de penetração”, “sacos digestivos”, células flama (excreção), sistema nervoso primitivo;  Cercária: 500μm, cauda bifurcada (movimentação), ventosas oral (glândulas de penetração) e ventral (acetábulo), células flama (excreção). http://interna.coceducacao.com.br/ebook/content/picture s/2002-21-142-10-i003.jpg http://www.dec.ufcg.edu.br/saneamento/Image269.gif http://www.nhm.ac.uk/resources-rx/images/1049/cercaria_57508_1.jpg
  5. 5. http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/92/Esquistossomose-2.png
  6. 6. FASE AGUDA: Reação alérgica – dermatite cercariana (24h após a penetração); 4 a 8 semanas depois da infecção surge: febre, calafrios, dor de cabeça, dores abdominais, inapetência, náuseas, vômitos e tosse seca; FASE CRÔNICA: Alterações hepáticas Esplenomegalia Varizes no esôfago Ascite Linfoadenomegalias Anemia Desnutrição http://medfoco.com.br/wp-content/uploads/2012/09/AUMENTO-DO-F%C3%8DGADO-E-BA%C3%87O1.jpg
  7. 7. http://congress.wooky.it/web/eventi/GSDPALBA12/diapo/video/27_2012%5B3%5D.jpg http://jnjoffin.free.fr/jnj/ABM/Ymages/schistosoma/Oeufs/japonicum/Ascites.jpeg
  8. 8.  Clínico  Levar em conta a fase da doença;  Anamnese detalhada.  Parasitológico ou Direto (encontrar ovos do parasito nas fezes ou tecidos do paciente)  Exame de fezes (métodos de sedimentação ou centrifugação em éter sulfúrico);  Biópsia ou raspagem da mucosa retal;  Ultrassonografia (principalmente na fase crônica). http://scielo.iec.pa.gov.br/img/revistas/ess/v20n3/3 a07f1.gif http://www.hepcentro.com.br/images/ascite4.jpg
  9. 9.  Praziquantel  Droga atual de escolha;  Dose oral diária de 60mg/kg por três dias consecutivos;  Efeitos colaterais: pouco intensos e passageiros (cefaleia, dor abdominal e sonolência). http://www.panzyma.com/servicios/perfil/img-catalogos/praziquantel.jpg http://www.thesynapticleap.org/files/tsl/images/PZQ%20gif.gif
  10. 10.  Oxamniquina  Usada tanto na clínica como em campanhas de controle da doença;  Baixa toxicidade;  Dose oral única em adultos (15mg/kg)  Crianças: duas doses diárias orais de 10mg/kg, após as refeições;  Efeito anticolinérgico;  Efeitos colaterais: alucinações e tonteiras, excitação e mudanças de comportamento. http://www.buladeremedio.com.br/wp-content/uploads/2012/11/Mansil-indicado-para- o-tratamento-oral-do-esquistossomos.jpg http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/eb/Oxamniquine_structure.png
  11. 11.  Tratamento da população;  Combate aos caramujos transmissores;  Produtos cercaricidas de uso tópico;  Saneamento básico com esgoto e água tratada;  Proteção dos pés e pernas com botas de borracha;  Evitar entrar em contato com águas contaminadas. http://www.palacioborrachas.com.br/files/bota-de-borracha.jpg http://aquarelafm.com.br/radio/wp-content/uploads/2013/02/Caramujo-da-%C3%81frica.jpg http://1.bp.blogspot.com/-RXvmllX5wns/TsA_rHh78KI/AAAAAAAAZNU/SFaEBhOeCzs/s400/saneamento-basico.jpg
  12. 12. Masculino, 34 anos, brasileiro, de Alagoas. Sua história tem inicio há 4 anos com dilatação progressiva das veias superficiais dos membros inferiores, que se tornaram proeminentes, gradualmente descoradas e endurecidas. Após 5 anos notou proeminência dos vasos da face anterior do tórax e parede abdominal. Desenvolveu ginecomastia e varicocele bilateral. Nega consumo crônico de alcool e drogas. Ganha a vida pescando e vendendo peixe. Não foi evidenciado ao exame clinico icterícia, telangiectasias ou atrofia testicular. Havia ginecomastia bilateral e esplenomegalia. A contagem de plaquetas era de 20.000 por milímetro cúbico, as provas funcionais hepáticas não estavam alteradas. A ultrassonografia duplex-doppler do abdômen mostrou fibrose periportal, esplenomegalia e elevado fluxo de portal. A esofagogastroduodenoscopia mostrou a presença de varizes esofágicas.
  13. 13.  Ginecomastia: crescimento das mamas nos homens;  Varicocele bilateral: dilatação anormal das veias testiculares;  Icterícia: coloração amarelada da pele;  Telangiectasia: pequenos vasos sanguíneos dilatados, próximos a superfície da pele, ou de membranas mucosas;  Esplenomegalia: aumento do volume do baço;  Fibrose periportal: fibrose ao redor das veias do sistema porta hepático. Hipertensão portal pela esquistossomose intestinal http://semiounivali.files.wordpress.com/2011/05/img11.jpg
  14. 14. NEVES, David Pereira. Parasitologia Humana. 12 ed., São Paulo, Editora Atheneu, 2011. http://www.livrariascuritiba.com.br/Imagens/Livros/Normal/LV298686_N.jpg

×