Os nossos poetas

421 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
421
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
55
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os nossos poetas

  1. 1. Aluna Mariana Silva
  2. 2. Nascimento Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa, a 8 de Dezembro de 1894 Foi batizada, com o nome Flor Bela Lobo, a 20 de Junho do ano seguinte, como filha de Antónia da Conceição Lobo e de pai incógnito. É em Vila Viçosa que se desenrola a sua infância.
  3. 3. Primeira Poesia Em Novembro de 1903, aos sete anos de idade, Florbela escreve a sua primeira poesia de que há conhecimento, A Vida e a Morte mostrando uma admirável precocidade e anunciando, desde já, a opção por temas que, mais tarde, virá a abordar de forma mais complexa. Ainda no mesmo ano, Florbela começa a escrever uma poesia sem título, o seu primeiro soneto.
  4. 4. A Vida continua… Em 1908, Antónia Lobo, a mãe de Florbela morre vítima de neurose, após isto a família desloca-se para Évora para Florbela prosseguir os seus estudos. Nesse tempo, Florbela frequentou o Liceu André Gouveia, com o chamado Curso Geral do Liceu, cuja sexta classe completou em 1912.
  5. 5. Primeira vez… Casou-se em 1914 com Alberto Moutinho e mudaram-se para o Redondo da Serra d´Ossa onde abre uma escola e ensina. Numa festa do colégio, Florbela recita, pela primeira vez, versos seus em público. É no ano seguinte que Florbela inicia o seu caderno Trocando Olhares, que
  6. 6. Trabalhos Em 1916, a revista Modas e Bordados publica o soneto Crisântemos, cheio de alterações ao original, e Florbela torna-se amiga da diretora e da sub diretora da revista, Júlia Alves, com quem, aliás, inicia correspondência. Alguns meses depois, torna-se colaboradora do jornal Notícias de
  7. 7. Divórcio Em 1919, Florbela tem de se mudar para Quelfes, perto de Olhão, onde apresenta os primeiros sintomas sérios de neurose. Pouco depois, o seu casamento desfaz-se e Florbela decide ir para Lisboa prosseguir o curso, separando- se do marido, e passando a conhecer a rejeição da sociedade.
  8. 8. Segundo Casamento No ano seguinte passa a viver com António Guimarães, em Matosinhos, com quem se casa em 1921, após o primeiro divórcio. De volta a Lisboa, em 1923, Florbela vê publicado o Livro de Soror Saudade, mas tem de se mudar rapidamente para Gonça, perto de Guimarães, para se tratar de um novo aborto. Assim, Florbela separa-se do marido, que pede o divórcio, oficializado em 1924; isso leva a que a família de Florbela não lhe fale durante dois anos, o que a abala muito.
  9. 9. Terceiro Casamento Em 1925, depois de se ter mudado para a casa de Mário Lage em Esmoriz, casa com ele, pelo civil e, depois, pela Igreja. Dois anos depois, enquanto Florbela traduz romances franceses para a Livraria Civilização no Porto e prepara O Dominó Preto, o seu irmão falece, o que a torna uma mulher triste, desiludida e a inspira As Máscaras do Destino. Enquanto a relação com o marido se desgasta progressivamente, a neurose de Florbela agrava-se bastante; é neste período que, possivelmente, se apaixona pelo pianista Luís Maria Cabral, a quem dedica Chopin e Tarde de Música; talvez por isso, tenta suicidar-se.
  10. 10. Suicídio Já em Matosinhos, Florbela revê as provas do livro, depois da segunda tentativa de suicídio, entre Outubro e Novembro, período em que a neurose se torna insuportável e lhe é diagnosticado um edema pulmonar. A 8 de Dezembro, dia do nascimento e do primeiro casamento, Florbela suicida-se, cerca das duas horas, com dois frascos de Veronal.

×