Resumo humidade e os tipos de chuva

688 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
688
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo humidade e os tipos de chuva

  1. 1. Humidade e os Tipos de ChuvaA humidade é a quantidade de vapor de água que o arcontém. Este vapor de água resulta da evaporação dosoceanos e da evapotranspiração dos seres vivos.A quantidade máxima de vapor de água que o ar podeconter varia com a temperatura: quanto maior atemperatura, maior capacidade de conter vapor de água.a) Orográficas:As massas de ar húmidoencontram uma barreiraformada pelo relevo(montanha) e as nuvens sãoobrigadas a subir, agrupando-se e condensando, ocorrendoa precipitação.- Mais frequentes no Norte dePortugal (mais montanhoso) b)Convectivas: Ocorrem em regiões com temperaturas elevadas, onde há muita evaporação. O vapor de água sobe e arrefece com a altitude, formando grandes nuvens verticais que dão origem a muita precipitação. - Mais frequentes no interior de Portugal, no Verão.
  2. 2. c) Frontais: As chuvas frontaisocorrem a partir do choqueentre uma massa de ar frio euma massa de ar quente. O arquente sobe, por ser mais leve,para cima do ar frio, ao subirarrefece e condensa-se,originando as chuvas.A precipitação: distribuição e variaçãoComo e por que é que ocorre precipitação?A precipitação está associada à existência de nuvens, no entanto, nem sempreocorre. Para que ocorra precipitação é necessário que as gotículas em suspensãoque formam as nuvens originem gotas de água maiores e com um peso que lhespermita vencer a gravidade e atingir o solo.Mas para ocorrer precipitação é necessário que exista a subida do ar. Deste facto, oar ao subir, vai expandir-se e arrefecer, até atingir o ponto de saturação, a partirdeste momento o ar pode condensar, formando nuvens, que por sua vez podemlevar à ocorrência de precipitação.Tipos de precipitaçãoA subida do ar pode acontecer através de quatro processos diferentes, originandoquatro tipos de precipitação: Orográficas – subida do ar ao longo das vertentes montanhas; Convergente – subida do ar devido à convergência dos ventos numa determinada zona; Convectiva – subida do ar, causada pelo seu aquecimento, após ter contactado com uma superfície mais quente. Ao aquecer, torna-se mais leve e sobe; Frontal – subida do ar devido ao contacto de duas massas de ar diferente.A precipitação, como a temperatura é influenciada pela latitude, altitude,afastamento e proximidade do mar e das correntes marítimas, o que explica a suadesigual distribuição à superfície da Terra.A Precipitação, a latitude e a pressão atmosféricaA circulação do ar na atmosfera influência a pressão atmosférica, que por sua vezinfluência o estado do tempo. O ar desloca-se sempre das altas para as baixaspressões, o que origina a convergência e a subida do ar nas áreas de baixaspressões, e divergência e descida do ar nos centros de altas pressões. Altas pressões polares (no hemisfério norte e hemisfério sul); Baixas pressões subpolares (no hemisfério norte e hemisfério sul); Altas pressões subtropicais (no hemisfério norte e hemisfério sul); Baixas pressões equatoriais.A distribuição dos principais centros de pressão atmosférica em latitude influencia adistribuição da precipitação mundial.
  3. 3. MapaDistribuição da precipitação anual e dos centros de pressão atmosférica emlatitude Os centros de baixas pressões estão associados a céu muito nublado e ao mau tempo – contribuem para o aumento da precipitação. Os centros de altas pressões estão associados a céu limpo e a tempo seco – contribuem para a diminuição da precipitação.TabelaO movimento do ar, nos centros de baixas e de altas pressões, no hemisfério norte.Assim, podemos verificar:
  4. 4. Nas regiões equatoriais, onde há elevadas temperaturas, o ar sobe, formando centros de baixas pressões que originam precipitação muito abundante. Próximo dos trópicos, o ar desce, originando altas pressões, que são responsáveis pelo tempo seco predominante nessas latitudes. Nas latitudes médias, dá-se a convergência do ar tropical com o ar polar, formando-se as baixas pressões que explicam a ocorrência de precipitação abundante. Nos polos, onde há baixas temperaturas, formam-se altas pressões e, por isso, há baixos valores de precipitação.A precipitação e o relevoA precipitação é influenciada pela altitude e pela sua exposição em relação à linhade costa. De facto, a precipitação é mais elevada em áreas de maior altitude e nasáreas montanhosas concordante. As áreas de montanhas concordantes sãoparalelas à linha de costa e são fortemente influenciadas pelos ventos húmidos.As montanhas podem ter vertentes barlavento, que estão expostas aos ventoshúmidos e vertentes sotavento, que estão abrigadas dos ventos húmidos. Nasvertentes barlavento é maior a precipitação do que nas vertentes sotavento, quenormalmente são muito secas.A precipitação e a proximidade/ afastamento do marAs áreas próximas do mar são influenciadas pelos ventos húmidos marítimosregistando valores elevados de precipitação, à medida que os ventos marítimos vãoavançando para o interior do território, perdem humidade e o seu efeitoamenizador da temperatura. Assim, verifica-se um contraste litoral/interior.A precipitação e as correntes marítimas

×