Hipertensão

252 visualizações

Publicada em

Hipertensão

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
252
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hipertensão

  1. 1. HIPERTENSÃO ARTERIAL Epidemiologia/Nutrição 2° período Alunas: Annely Penélope de Oliveira Ramos Juliane Thalita Alves de Lima Lilian Batista de Souza Professora: Taciana
  2. 2. Introdução - Quando o indivíduo é considerado hipertenso? A doença é causada pelo aumento na contração das paredes das artérias para fazer o sangue circular pelo corpo. Esse movimento acaba sobrecarregando vários órgãos, como coração, rins e cérebro. É uma doença silenciosa só provoca sintomas em fases muito avançadas ou quando a pressão arterial aumenta de forma exagerada. • A maior parte dos casos é herdada dos pais • Apesar disso apresenta outros fatores desencadeantes • Alguns sintomas: tonturas, dores de cabeça.
  3. 3. Prevalência de hipertensão arterial no Brasil Quase um quarto dos brasileiros adultos tem de enfrentar a hipertensão, mas o maior controle da doença tem diminuído fortemente o número de complicações ligadas à doença, que chegaram em 2012 ao menor patamar dos últimos 10 anos. De acordo com a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) 2012, 24,3% da população têm hipertensão arterial, contra 22,5% em 2006, ano em que foi realizada a primeira pesquisa. A doença é mais comum entre as mulheres (26,9%) que entre os homens (21,3%) e também varia de acordo com a faixa etária e a escolaridade. Entre os brasileiros com mais de 65 anos de idade, 59,2% se declaram hipertensos, contra apenas 3,8% na faixa de 18 a 24 anos e 8,8% de 25 a 34 anos. Já o tempo médio de ensino é inversamente proporcional à hipertensão: quanto maior a escolaridade, menor a taxa. Entre aqueles com até oito anos de educação formal, 37,8% de hipertensão; na outra ponta, com 12 anos ou mais de ensino, o percentual fica em 14,2%.
  4. 4. Causas Têm mais chances de desenvolver hipertensão os filhos de pais hipertensos, pessoas com sobrepeso, diabéticos, portadores de doença renal, sedentários, aqueles que adotam estilos alimentares pouco saudáveis e aqueles que consomem muito sal (sódio) uso de álcool, e a gravidez sendo ela em muitos casos curável após o parto.
  5. 5. Diagnóstico O diagnóstico da hipertensão é feito a partir da medição da pressão arterial e deve ser realizada em toda avaliação de saúde, por médicos de qualquer especialidade e demais profissionais de saúde devidamente capacitados. Isso é fundamental não apenas para o diagnóstico, mas também para o acompanhamento do tratamento da pressão arterial. Segundo a Diretriz Brasileira, o indivíduo é considerado hipertenso quando o valor for igual ou superior a 140/90 mmHg.
  6. 6. Grupos mais vulneráveis De um modo geral os grupos mais propensos a desenvolver a hipertensão. São as pessoas de idade mais avançada como também pessoas com antecedentes familiares de hipertensão tendo maior predisposição a sofrer da mesma.
  7. 7. Consequências da Hipertensão - Reduz expectativa de vida em 16,5 anos. Os principais órgãos do corpo sofrem com a hipertensão e apresentam desgastes semelhantes a uma aceleração do envelhecimento.
  8. 8. Tratamento Tratamento pode ser medicamentoso ou não. (ambos necessitam de cuidados) Recomendações não farmacológicas úteis no tratamento da hipertensão arterial: • Reduzir a ingestão de sal para no máximo 5 g por dia; • Aumentar a ingestão de frutas e verduras, para obter maior ingestão de potássio; • Limitar a ingestão de álcool • Realizar exercícios físicos regularmente; • Reduzir a ingestão de gorduras saturadas e carboidratos refinados; • Parar de fumar; • Dormir bem
  9. 9. Medidas de promoção a saúde Redução dos fatores de riscos para hipertensão arterial: - Prevenção e promoção de saúde - Vigilância epidemiológica das condições de risco da hipertensão arterial no setor público e privado. Incentivar o desenvolvimento e a implantação de programas nacional, estaduais e municipais de promoção do consumo de frutas e verduras que sejam sustentáveis e envolvam todos os setores. - Estabelecer normas governamentais para reduzir o conteúdo de sódio e gorduras saturadas dos alimentos industrializados. Implementar políticas de conscientização da importância da atividade física para a saúde.
  10. 10. Atuação do Nutricionista no combate a Hipertensão Não existe cura para a hipertensão porém a prevenção e o tratamento auxiliam na minimização dos efeitos causados pela a mesma. - Como existe uma nítida relação entre hipertensão e a má alimentação o papel do nutricionista é adotar medidas que possam refletir na redução da pressão arterial como também na redução do peso corpóreo, elaborando uma dieta especifica com a redução do sódio (sal), diminuição da gordura nos alimentos, auxiliando no combate a hipertensão.
  11. 11. Referências bibliográficas Epidemiologia da hipertensão arterial sistêmica e da insuficiência cardíaca no Brasil, 2009, Lessa Inês. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial ,2006, Décio Mion Jr., Osvaldo Kohlmann Jr. Sociedade Brasileira de Hipertensão: Disponível em: http://www.sbh.org.br. Acesso em 10.11.14. Imagens: http://saude.cardiomed.com.br/iniciantes/como-comecar-a-correr/ hipertensao-correr-ajuda-no-tratamento.html Acesso em 10.11.14

×