Pré-História 
O pensamento anímico e as formas 
de representação 
Prof. Ms. Lilian Cordeiro
• Indefinição quanto ao começo da 
representação artística 
• Supõe-se que juntamente com a linguagem 
• Se considerarmos ...
• Entre os “primitivos” não há diferença entre 
edificar e fazer imagens, no que se refere à 
utilidade. 
• Suas cabanas e...
• Relação anímica com a imagem 
• O que se faz à imagem, se faz à pessoa/animal; 
• Em todas as partes do mundo, médicos-f...
Malhação de Judas
• Primeira representações preservadas de 
homens e animais – Paleolítico – 40.000 e 
10.000 aC. 
• Pela perfeição da forma...
Bisão ferido - Altamira
• Detalhes anatômicos levam a crer tratar-se de 
caçadores 
• “Uma coisa é evidente: ninguém se teria 
arrastado tamanha d...
• Província de Santander 
• Descobridor Marcelino de Sautuola – 1880 
• Chegou-se a afirmar que as pinturas eram de 
1875/...
Carbono 14 
• O carbono é um dos elementos mais 
importantes na composição dos organismos. 
Os seres vivos absorvem consta...
• Depois que morre, o organismo deixa de receber 
carbono-14. Esse, agora um fóssil, vai perdendo seu 
carbono-14 pela des...
Altamira - Espanha
• 270 m de comprimento 
• Dividida em três zonas: 
• A) Sala de entrada: onde as pessoas se 
protegiam e davam andamento à...
• Pinturas policromáticas projetam as origens da arte a 
distâncias não imaginadas; 
• Conflituam com a ideia de que o hom...
• A abóbada apresenta 16 bisontes em várias 
posições e movimentos; 
• Também cavalos, javalis; 
• Surgem soluções novas e...
Cores 
• Vermelho (sangue), negro (carvão, manganês), 
amarelos e castanhos; 
• Vermelho interno 
• Preto nos contornos; 
...
Técnica 
• Pintura e desenho usados de maneira genial 
• Pinta-se a figura completamente 
• Depois se faz o contorno, dese...
• “El arte de Altamira debe captarse como onda 
receptora de la filosofia humana pues em 
aquellas paredes se plasma el mi...
Lascaux – França 
15.000 – 12.000 aC
• Pintadas ou escoriadas umas sobre outras, sem 
qualquer ordem aparente. 
• A explicação mais provável ainda é a de que s...
• Para o homem “primitivo”, não existe outro mundo real 
para estragar a ilusão, porque todos os membros da tribo 
partici...
A figura da deusa - 
Matriarcado 
Visão de mundo unitária – 
Grande Mãe; 
Sibéria – Pireneus 
Surgimento espontâneo ou 
po...
Vênus de Lespugne – marfim, 
França 25.000 a.C. 
Encontradas 55 figuras femininas e cinco 
masculinas; 
Masculinas de adol...
Vênus de Laussel - 
Dordogne 
Nas mãos tem um 
corno, símbolo da 
fertilidade 
Senhora dos 
animais, protetora 
dos caçado...
Senorbi, Sardenha 
Calcário 
Museu Cagliari
Corpo-vaso 
• Ventre e seios são regiões centrais 
• Cabeça sem rosto 
• Braços apenas insinuados 
• Quadris e coxas largo...
Serra da Capivara 
• O Parque Nacional Serra da Capivara está localizado no sudeste do Estado do Piauí, 
ocupando áreas do...
Serra da 
Capivara 
Em razão da 
abundância de sítios e 
da diversificação de 
pinturas e gravuras foi 
possível estabelec...
• A tradição Nordeste de pintura rupestre 
• Caracterizada pela presença de grafismos 
reconhecíveis (figuras humanas, ani...
Toca do Arapuá do Gongo
Nicho policrômico - Toca do Boqueirão 
da Pedra Furada
Toca da Bastiana
Toca do Morcego 
Algumas representações 
humanas são apresentadas 
revestidas de atributos 
culturais, tais como 
enfeites...
Toca do Salitre
Toca da Subida da Serrinha I (Caçada 
da Onça).
Toca do Boqueirão da Pedra Furada (Pintura 
escolhida para a logomarca do Parque Nacional).
Gravuras rupestres.
Arquitetura 
• Com a transição para a agricultura devem ter surgido 
moradias para os homens que se tornavam 
sedentários;...
• Sedentarismo reforçado pelas mudanças climáticas do 
Neolítico 
• Secas, redução dos caudais dos rios, desertificação 
•...
Menhir Carnac - 
França 
1800 a. C. 
Mais de mil menires; 
Menir – simples peça de 
pedra fincada verticalmente 
Cultos ne...
Alinhamento de Carnac 1800 a. C.
Stonehenge – diâmetro 29,5m 
Altura pedras 4m
• Disposição com pedra altar no centro 
• Relação com o nascer do sol de 21 de junho 
• Não se tem indícios que seja culto...
Cromlech 
Disposição das 
pedras em círculo
Dolmen 
Menga y Romeral – 
Espanha - Málaga 
Sepultura coletiva 
2500 – 1500 a. C. 
Montículo de terra 
pelo exterior.
Corredor com 
câmera coberta; 
Falsa cúpula, não 
há arcos, mas 
fileiras de pedras 
que vão se 
aproximando do 
centro. 
...
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Pré história
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pré história

213 visualizações

Publicada em

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
213
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pré história

  1. 1. Pré-História O pensamento anímico e as formas de representação Prof. Ms. Lilian Cordeiro
  2. 2. • Indefinição quanto ao começo da representação artística • Supõe-se que juntamente com a linguagem • Se considerarmos as criações de uma modo geral (arquitetura, padronagem, esculturas) nenhum povo vive/viveu sem arte • Inicia num padrão de utilidade - edificações
  3. 3. • Entre os “primitivos” não há diferença entre edificar e fazer imagens, no que se refere à utilidade. • Suas cabanas existem para abrigá-los da chuva, sol e vento, e para os espíritos que geram tais eventos; • As imagens são feitas para protegê-los contra outros poderes que, para eles, são tão reais quanto as forças da natureza. • Pinturas e esculturas são usadas para realizar trabalhos de magia.
  4. 4. • Relação anímica com a imagem • O que se faz à imagem, se faz à pessoa/animal; • Em todas as partes do mundo, médicos-feiticeiros, pajés ou bruxos, tentaram praticar a magia de uma forma ou de outra; • Fizeram pequenas imagens de um inimigo e perfuraram o coração do maltratado boneco, ou o queimaram, na esperança de que o inimigo sofresse com isso.
  5. 5. Malhação de Judas
  6. 6. • Primeira representações preservadas de homens e animais – Paleolítico – 40.000 e 10.000 aC. • Pela perfeição da forma, suspeita-se tratar de um prática de mais tempo • Cavernas, em espaços de difícil acesso • Norte Espanha (Altamira) e Sudoeste da França (Lacaux)
  7. 7. Bisão ferido - Altamira
  8. 8. • Detalhes anatômicos levam a crer tratar-se de caçadores • “Uma coisa é evidente: ninguém se teria arrastado tamanha distância até às soturnas entranhas da terra simplesmente para decorar um local tão inacessível.” (Gombrich) • Não há intenções estéticas, compromisso com o belo, mas com o mágico, o simbólico
  9. 9. • Província de Santander • Descobridor Marcelino de Sautuola – 1880 • Chegou-se a afirmar que as pinturas eram de 1875/79 • Teste Carbono 14 – Período Magdaleniense III • 15.000 a 12.000 aC.
  10. 10. Carbono 14 • O carbono é um dos elementos mais importantes na composição dos organismos. Os seres vivos absorvem constantemente uma forma estável desse carbono, o carbono-14, que tem uma "meia-vida" de cerca de 5.730 anos (meia-vida é o tempo necessário para reduzir pela metade, através de desintegração, a massa de uma amostra desse elemento radioativo).
  11. 11. • Depois que morre, o organismo deixa de receber carbono-14. Esse, agora um fóssil, vai perdendo seu carbono-14 pela desintegração (ou "decaimento"). • Para medir o que restou de C-14 é preciso queimar um pedaço do fóssil, transformando-o em gás, que é analisado por detectores de radiação. O C-14, ao se desintegrar emite elétrons que podem ser captados pelos detectores. • O índice de C-14 é comparado com o carbono não radioativo, o C-12, para se checar quanto do carbono radioativo decaiu, e com isso determinar a data na qual o organismo morreu.
  12. 12. Altamira - Espanha
  13. 13. • 270 m de comprimento • Dividida em três zonas: • A) Sala de entrada: onde as pessoas se protegiam e davam andamento às atividades cotidianas; • B) Sala das pinturas policromáticas: chamada de capela Sistina da Pré-História • C) Demais salas: 18x9m. Foi rebaixado o solo para ser melhor observada.
  14. 14. • Pinturas policromáticas projetam as origens da arte a distâncias não imaginadas; • Conflituam com a ideia de que o homem do paleolítico seria um selvagem, incapaz de criação artística; • A grande incógnita é conhecer os motivadores dessas criações artísticas de tão alta qualidade – problema de todo o paleolítico; • Motivações mágicas • Teoria de que cavernas seriam espécie de santuário, revelando um dogma, ou sistema religioso. • Outra teoria, que não há cenas, apenas animais isolados
  15. 15. • A abóbada apresenta 16 bisontes em várias posições e movimentos; • Também cavalos, javalis; • Surgem soluções novas em relação às formas: anatomia, volume, movimento, policromia; • Sensação de volume decorrente das curvas da parede rochosa;
  16. 16. Cores • Vermelho (sangue), negro (carvão, manganês), amarelos e castanhos; • Vermelho interno • Preto nos contornos; • Tintas aplicadas diretamente ou com pincéis feitos com pelos; • Dissolvidos em algum tipo de graxa animal, urina ou caldos vegetais.
  17. 17. Técnica • Pintura e desenho usados de maneira genial • Pinta-se a figura completamente • Depois se faz o contorno, desenhando os membros e partes do corpo do animal • Limpa-se a pintura de modo a aparecer a rocha e criar volume (?)
  18. 18. • “El arte de Altamira debe captarse como onda receptora de la filosofia humana pues em aquellas paredes se plasma el misterio de la vida y de la muerte.” García Guinea
  19. 19. Lascaux – França 15.000 – 12.000 aC
  20. 20. • Pintadas ou escoriadas umas sobre outras, sem qualquer ordem aparente. • A explicação mais provável ainda é a de que se trata das mais antigas relíquias dessa crença universal no poder da produção de imagens; • O pensamento desses caçadores primitivos era que, se fizessem uma imagem de sua presa — e talvez a surrassem com suas lanças e machados de pedra — os animais verdadeiros também sucumbiriam ao poder deles.
  21. 21. • Para o homem “primitivo”, não existe outro mundo real para estragar a ilusão, porque todos os membros da tribo participam nas danças cerimoniais e nos ritos, com seus fantásticos jogos de simulação. • Todos eles aprenderam o seu significado através das gerações anteriores e estão de tal modo absorvidos nesses jogos que têm escassas probabilidades de analisarem seu comportamento numa perspectiva crítica. • Todos nós alimentamos crenças que consideramos axiomáticas, tanto quanto os "primitivos" consideram as deles — usualmente a tal ponto que nem mesmo estamos cônscios delas, a menos que deparemos com pessoas que as questionam.
  22. 22. A figura da deusa - Matriarcado Visão de mundo unitária – Grande Mãe; Sibéria – Pireneus Surgimento espontâneo ou por migrações; Significado cúltico; Domínio matriarcado ; Independente do aumento da dominação dos homens, como os caçadores; Atarracada, pícnica. Vênus Willendorf – calcário, Áustria
  23. 23. Vênus de Lespugne – marfim, França 25.000 a.C. Encontradas 55 figuras femininas e cinco masculinas; Masculinas de adolescentes, atípicas e mal acabadas; Sem significado para os cultos; Esguia, astênica. Nenhuma semelhança com ossadas encontradas; Representação simbólica; Encontradas nas entradas de cavernas destinadas ao culto mágico e da caça.
  24. 24. Vênus de Laussel - Dordogne Nas mãos tem um corno, símbolo da fertilidade Senhora dos animais, protetora dos caçadores Técnica que realça os contornos pelo rebaixamento da superfície circundante 15.000 a 10.000 a. C.
  25. 25. Senorbi, Sardenha Calcário Museu Cagliari
  26. 26. Corpo-vaso • Ventre e seios são regiões centrais • Cabeça sem rosto • Braços apenas insinuados • Quadris e coxas largos terminam em prolongamentos delgados • Pés extremamente fracos e não servem como suporte ao corpo • Deusa da fertilidade, grávida • Senhora que rege a gravidez e o parto • Caráter elementar acolhedor, protetor e nutridor.
  27. 27. Serra da Capivara • O Parque Nacional Serra da Capivara está localizado no sudeste do Estado do Piauí, ocupando áreas dos municípios de São Raimundo Nonato, João Costa, Brejo do Piauí e Coronel José Dias. • A superfície do Parque l é de 129.140 ha e seu perímetro é de 214 Km. • Na unidade acha-se uma densa concentração de sítios arqueológicos, a maioria com pinturas e gravuras rupestres • Vestígios da presença do homem (100.000 anos). • 912 sítios • 657 apresentam pinturas rupestres • O demais são sítios ao ar livre (acampamentos ou aldeias) de caçadores-coletores, • Aldeias de ceramistas-agricultores, • Ocupações em grutas ou abrigos, • Sítios funerários • Sítios arqueo-paleontológicos;
  28. 28. Serra da Capivara Em razão da abundância de sítios e da diversificação de pinturas e gravuras foi possível estabelecer uma classificação preliminar, dividindo-as em cinco tradições, das quais três são de pinturas e duas de gravuras.
  29. 29. • A tradição Nordeste de pintura rupestre • Caracterizada pela presença de grafismos reconhecíveis (figuras humanas, animais, plantas e objetos) e de grafismos puros, os quais não podem ser identificados. • Estas figuras são, muitas vezes, dispostas de modo a representar ações, cujo tema é, às vezes, reconhecível.
  30. 30. Toca do Arapuá do Gongo
  31. 31. Nicho policrômico - Toca do Boqueirão da Pedra Furada
  32. 32. Toca da Bastiana
  33. 33. Toca do Morcego Algumas representações humanas são apresentadas revestidas de atributos culturais, tais como enfeites de cabeça, objetos cerimoniais nas mãos, etc. Quatro temas principais aparecem durante os seis mil anos atestados de existência desta tradição: dança, práticas sexuais, caça e manifestações rituais em torno de uma árvore.
  34. 34. Toca do Salitre
  35. 35. Toca da Subida da Serrinha I (Caçada da Onça).
  36. 36. Toca do Boqueirão da Pedra Furada (Pintura escolhida para a logomarca do Parque Nacional).
  37. 37. Gravuras rupestres.
  38. 38. Arquitetura • Com a transição para a agricultura devem ter surgido moradias para os homens que se tornavam sedentários; • Cabanas dos mais diversos materiais • Não eram arquitetura no sentido de uma arte da construção • As construções monumentais são representadas por dolmens e galerias tumulares megalíticas • Desde o início do 3º milênio eram erigidos com enormes blocos de pedra e cobertos de terra. • As fileiras de pedra de até 7 m de altura (menires) eram construções de culto;
  39. 39. • Sedentarismo reforçado pelas mudanças climáticas do Neolítico • Secas, redução dos caudais dos rios, desertificação • Caçadores passam a esperar os animais sedentos, não há mais perseguições nas caçadas • Posteriormente o pastoreio • Surgem agricultura, pastoreio, tecidos, carpintaria e cerâmica e a arquitetura; • Estrutura social com alguma complexidade, exigindo autoridade, trabalho coordenado.
  40. 40. Menhir Carnac - França 1800 a. C. Mais de mil menires; Menir – simples peça de pedra fincada verticalmente Cultos neolíticos; Tributos que os povoados dedicavam aos mortos; Vivências religiosas avançadas; Precisar, mediante a observação do céu e dos astros , algum momento determinado do ciclo anual.
  41. 41. Alinhamento de Carnac 1800 a. C.
  42. 42. Stonehenge – diâmetro 29,5m Altura pedras 4m
  43. 43. • Disposição com pedra altar no centro • Relação com o nascer do sol de 21 de junho • Não se tem indícios que seja culto ao sol • Concepções de mundo que abrange poderes terrenos e sobrenaturais • Possíveis influências sobre as construções monumentais do Egito e Mesopotâmia.
  44. 44. Cromlech Disposição das pedras em círculo
  45. 45. Dolmen Menga y Romeral – Espanha - Málaga Sepultura coletiva 2500 – 1500 a. C. Montículo de terra pelo exterior.
  46. 46. Corredor com câmera coberta; Falsa cúpula, não há arcos, mas fileiras de pedras que vão se aproximando do centro. 5 m de largura x 25 m de comprimento.

×