Aula História da Arte_As funções da arte

1.678 visualizações

Publicada em

Aula introdutória de História da Arte.

Publicada em: Arte e fotografia
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.678
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula História da Arte_As funções da arte

  1. 1. funções da arte HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato
  2. 2. 1. PORQUÊ ESTUDAR HISTÓRIA DA ARTE? “Nós estudamos História da Arte porque ela nos ensina sobre as nossas expressões criativas e aquelas dos nossos antepassados.” HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato (ADAMS, Laurie Schneider. A history of western art. 5th edition. NY: McGraw Hill, 2011.) PINTURA bidimensional - pinturas - mosaicos - vitrais - tapeçarias - impressões - fotografia ESCULTURA tridimensional - pedra - metal - madeira - barro (vidro, plástico, arame, recicláveis, etc) ARQUITETURA tridimensional - incorporam pinturas, esculturas e outras formas de arte
  3. 3. 1. PORQUÊ ESTUDAR HISTÓRIA DA ARTE? “Um forte motivo para a produção da arte é o desejo de deixar, após a morte, alguma coisa de valor que perpetue a memória de quem fomos.” HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato (ADAMS, Laurie Schneider. A history of western art. 5th edition. NY: McGraw Hill, 2011.) Uma obra de arte prolonga simbólicamente a existência do seu idealizador.
  4. 4. 1. PORQUÊ ESTUDAR HISTÓRIA DA ARTE? “Uma pintura faz com que pessoas ausentes estejam presentes, e que os mortos pareçam estar HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato vivos.” Leon Battista Alberti Leon Battista Alberti
  5. 5. 1. PORQUÊ ESTUDAR HISTÓRIA DA ARTE? “Eu pinto para preservar a imagem dos homens após a sua morte.” Albrecht Dürer HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato Albrecht Dürer. Autoretrato. 1498
  6. 6. 1. PORQUÊ ESTUDAR HISTÓRIA DA ARTE? • pirâmides do Egito – garantir a existência do faraó após a sua morte • Roma Antiga – bustos e estátuas dos imperadores e governadores • Idade Média – afrescos, mosaicos e vitrais nas igrejas • Renascimento – igrejas e edifícios públicos rica e exuberantemente decorados • no séc. XVII, Luís XIV, rei da França mandou construir o Palácio de Versailles como um símbolo do seu poder político e da glória da França HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato
  7. 7. 2. DE ONDE VEM O VALOR DA ARTE? MATERIAL INTRÍNSECO RELIGIOSO NACIONALISTA PSICOLÓGICO HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato
  8. 8. 2. DE ONDE VEM O VALOR DA ARTE? Máscara mortuária de Tutankhamon. Egito Antigo. • Egito – o ouro era normalmente utilizado nas representações dos deuses ou dos faraós • Grécia Antiga – esculturas feitas em bronze – o material era valorizado pois podia ser derretido e reutilizado • Idade Média – o ouro era utilizado na produção dos ícones, de inúmeros utilitários usados nas liturgias, e dos evangeliários; este últimos também recebiam aplicações de pedras precisosas HISTÓRIA DA ARTE MATERIAL Aula 1 Prof. Lila Donato Evangeliário de Ariberti. Idade Média.
  9. 9. 2. DE ONDE VEM O VALOR DA ARTE? INTRÍNSECO O valor intrínseco depende do prestígio do autor e da caracterização estética do autor e da sociedade. A pintura de Leonardo da Vinci, Mona Lisa, foi elaborada com materiais muito simples (tinta e madeira), mas é, indubitávelmente, uma das obras mais preciosas da arte occidental. HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato Leonardo da Vinci. Mosa Lisa. c. 1503-5 identidade cultural
  10. 10. 2. DE ONDE VEM O VALOR DA ARTE? • arte religiosa como forma de doutrinação – importância da mensagem a ser passada • valor simbólico das edificações, como locais de interação entre as deidades e os súditos • valor cultural da produção religiosa na identidade de um grupo HISTÓRIA DA ARTE RELIGIOSO Aula 1 Prof. Lila Donato O juízo final. Capela Sistina. Michelangelo (1534-41) identidade religiosa
  11. 11. 2. DE ONDE VEM O VALOR DA ARTE? NACIONALISTA • expressa as conquistas e o orgulho de um povo • estátuas de heróis nacionais • pinturas das cenas de batalhas vencidas e terras conquistadas • representações de grandes HISTÓRIA DA ARTE atos politicos Aula 1 Prof. Lila Donato Monumento a Jucelino Kubitschek. Brasília. identidade nacional
  12. 12. 2. DE ONDE VEM O VALOR DA ARTE? PSICOLÓGICO • despertar emoções: prazer, deslumbramento inquietação, medo, raiva, etc… • valor simbólico – veneração / desprezo - na França, durante a revolução industrial, estátuas dos reis e reaínhas antes veneradas, foram brutalmente destruídas - em 2001 fundamentalistas talibãs destruíram duas grandes estátuas de buda, pois estar eram vistas como uma afronta ao Islamismo. HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato Os budas de Bamiyan. Afeganistão. individualidade & comunidade 196 3 2008
  13. 13. 3. A ILUSÃO DA ARTE HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato Isto não é um cachimbo. René Magritte. A traição das imagens. IMAGEM NATURALISTA FIGURATIVA Quando as imagens naturalistas – seja na pintura, seja na escultura – são tão bem representados que se pareçam com o objeto real, diz-se que são ILUSÓRIAS. Quando o artista tem a intenção de enganar o observador, o efeito é designado pelo termo francês trompe l’oeil.
  14. 14. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE FORMALISMO HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato ÍCONOGRAFIA ÍCONOLOGIA MARXISMO FEMINISMO BIOGRAFIA AUTOBIOGRAFI A SEMIÓTICA PSICOANÁLISE DESCONSTRUÇ ÃO
  15. 15. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE FORMALISMO A arte independe de contexto, função ou conteúdo. Ela está vinculada apenas ao efeito estético dos elementos formais. HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato arte pela arte Brancusi. Pássaro no espaço. 1928
  16. 16. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE ÍCONOGRAFIA Leitura da obra relativamente à história/estória que lhe serviu de inspiração. ÍCONOLOGIA Considera a escolha do artista nas formas de composição, cores e outros elementos, e como eles se relacionam uns com os outros. HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato análise Mosteiro dos Jerônimos – portão sul. Lisboa, Portugal
  17. 17. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE A análise marxista surgiu a partir das idéias de Karl Marx – filósofo alemão que influenciou os movimentos politicos do socialism e do comunismo. • estuda a relação da arte com fatores econômicos (custo, disponibilidade de materiais, etc.), dentro de um contexto social. impacto sócio-econômico HISTÓRIA DA ARTE MARXISMO Aula 1 Prof. Lila Donato
  18. 18. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE BIOGRAFIA & AUTOBIOGRAFIA As obras são vistas como expressões ou reflexos da vida de seus idealizadores. As análises são mais longas e complexas. HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato contexto
  19. 19. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE Semiótica é a ciência que estuda os fenômenos culturais como se fossem sistemas de significação. sinais símbolos interpretação HISTÓRIA DA ARTE SEMIÓTICA Aula 1 Prof. Lila Donato Cristo. Mosaico Bizantino.
  20. 20. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE DESCONSTRUÇÃ - direita/esquerda - positivo/negative - masculino/feminine - pai/mãe - etc. A presença de um demanda a presença do outro. dualidade James Whistler. Arrangement in black. HISTÓRIA DA ARTE O Pares binários: Aula 1 Prof. Lila Donato
  21. 21. 4. METODOLOGIAS DA HISTÓRIA DA ARTE PSICOANÁLISE Criada por Sigmund Freud, foca seus olhares em: HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato expressão Brancusi. Pássaro no espaço. 1928 imaginário história criatividade Reconstrói o passado e interpreta a relevância desse passado no presente.
  22. 22. 5. A LINGUAGEM DA ARTE HISTÓRIA DA ARTE Aula 1 Prof. Lila Donato ELEMENTOS DE LIGUAGEM composição planos equilíbrio linha profundidade (ilusão) espaço forma luz & cor textura “As artes visuais têm a sua própria linguagem, e, assim como um músico pensa nas escalas musicais e um matemático pensa nos números, o artista pensa segundo essa linguagem. O vocabulário visual básico consiste de elementos formais, que incluem, entre outros, a linha, a forma, o espaço, a cor, a luz e a sombra. Quando os artistas combinam estes elementos de uma maneira específica, diz-se que têm um estilo. Para descrever e analisar um trabalho de arte, é essencial estar familiarizado com o vocabulário formal do artista.” (ADAMS, Laurie Schneider. A history of western art. 5th edition. NY: McGraw Hill, 2011.)

×