Serviço Social – 4 Período
Orientadora: Marlene Torreão
Acadêmicas: Lidinalva Lima ,Nóelia,
Lilia Castro ,Rosinéia
Para se
compreender a
dimensão da crise
econômica na
atualidade, é
importante que se
conheça o
contexto
econômico, polític...
Surgimento e crise da Razão
moderna
O pensamento moderno surge com as revoluções

científicas ocorridas entre os séculos ...
A existência do objeto que desencadeia a ação do
pensamento e a participação do sujeito ativo e de sua
capacidade de conhe...
Hegel
Georg Wilhelm Friedrich Hegel
* Stuttgart,Alemanha – 1770 d.C
+ Berlim,Alemanha – 1831 d.C
Filósofo e ideólogo, um d...
Kant
Nascimento: 22 de abril de 1724, Königsberg, Alemanha
Falecimento: 12 de fevereiro de 1804, Königsberg, Alemanha
Fili...
Considerações
Séculos

XVIII

e

XIX: constituição do Estado
burguês,
gerando
mudanças
econômicas,políticas, sociais e cu...
O advento do pós-modernismo:
dimensões teóricas, políticas e
culturais
PÓS-MODERNIDADE
Entende-se por Pós - modernidade
o ...
Pós-Modernismo:dimensão teórica

As expressões da pós-modernidade no âmbito do conhecimento
pode se verificada com mais in...
Concepções teóricas contemporâneas
Um mundo de presente eterno, sem origem ou destino, passado ou

futuro; um mundo no qu...
 Longe de apresentar-se como um pensamento homogêneo, a pósmodernidade tem como “traço definidor”a perda de credibilidade...
A

Pós-Modernidade surgiu com a desconstrução de
princípios,
conceitos
e
sistemas
construídos
na
modernidade, desfazendo ...
No campo da ciências
sociais:
desencadeiam-se polêmicas

metodológicas, buscando-se
convencer que as abordagens
individua...
Pós-Modernismo:dimensão política
 No estado – nação a política se fortalecia e ampliava com o estado moderno;
 Seus pila...
Pós-Modernismo:dimensão cultural
 Reestruturação do capital;
 Organização do sistema produtivo ;
 Transição do modo pro...
Características principais
 Falências das metanarrativas emancipadoras como aquelas propostas pela Revolução
Francesa: li...
Modernidade e pós modernidade
e suas refrações no Serviço
Social
 Situar

o Serviço Social nos marcos da modernidade e da...
 O conservadorismo católico, ao defender um projeto político e social

contrário tanto ao liberalismo quanto ao socialism...
O Serviço Social defronta‐se, portanto, com duas grandes
tendências teóricas:
 uma vinculada ao fortalecimento do neocons...
A prática profissional, se reduzida,
portanto, à mera identificação das
demandas e a seu atendimento
focalizado, mobiliza...
Referêncial Teórico
 Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais,-

Brasilia: CEFESS/ABEPSS,2009.706 p....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Expressões ideoculturais da crise capitalista na atualidade e sua influência teórico prática

2.126 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.126
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Expressões ideoculturais da crise capitalista na atualidade e sua influência teórico prática

  1. 1. Serviço Social – 4 Período Orientadora: Marlene Torreão Acadêmicas: Lidinalva Lima ,Nóelia, Lilia Castro ,Rosinéia
  2. 2. Para se compreender a dimensão da crise econômica na atualidade, é importante que se conheça o contexto econômico, polític o e também suas repercussões nos campos do conhecimento, da s idéias e dos valores.
  3. 3. Surgimento e crise da Razão moderna O pensamento moderno surge com as revoluções científicas ocorridas entre os séculos XVI e XVII. Um verdadeira revolução na maneira de ver e explicar o mundo. A explicação da realidade antes explicada pela fé e pela religião, da lugar à observação e experimentação científica . O abandono de uma concepção dogmática e restrita do mundo. O filosofo Immanuel Kant trará a importância da razão na organização e sistematização dos dados empíricos de forma mais científica
  4. 4. A existência do objeto que desencadeia a ação do pensamento e a participação do sujeito ativo e de sua capacidade de conhecer. RAZÃO – EXPERIÊNCIA – RAZÃO FENOMÊMICA
  5. 5. Hegel Georg Wilhelm Friedrich Hegel * Stuttgart,Alemanha – 1770 d.C + Berlim,Alemanha – 1831 d.C Filósofo e ideólogo, um dos mais influentes da filosofia alemã e considerado o último dos grandes criadores de sistemas filosóficos dos tempos modernos Defende a dialética Distinção entre objetividade e subjetividade Revolução na compreensão do real Estudo dos fenômenos sociais além das aparências Contribuirá para a formação téorica dos pensamentos de Marx, Engels,e toda a tradição marxista
  6. 6. Kant Nascimento: 22 de abril de 1724, Königsberg, Alemanha Falecimento: 12 de fevereiro de 1804, Königsberg, Alemanha Filiação: Johann Georg Kant, Regina Dorothea Reuter Immanuel Kant foi um filósofo prussiano, geralmente considerado como o último grande filósofo dos princípios da era moderna. Defende a razão fenomênica Modo de pensar subjetivo Sistematização científica Predominância do positivismo
  7. 7. Considerações Séculos XVIII e XIX: constituição do Estado burguês, gerando mudanças econômicas,políticas, sociais e culturais Rompimento com o feudalismo e surgimento do modo de produção capitalista Mudanças na distribuição do poder e da riqueza entre as classes sociais Surgimento da teoria social de Marx,tendo como objeto a sociedade burguesa e como objetivo sua superação por um processo revolucionário A “razão fenomênica” substituída pela “razão dialética”
  8. 8. O advento do pós-modernismo: dimensões teóricas, políticas e culturais PÓS-MODERNIDADE Entende-se por Pós - modernidade o conjunto de fenômenos sociais, culturais, artísticos e políticos na sociedade pós-industrial A pós-modernidade é definida por muitos autores como a época das incertezas,das fragmentações, das desconstruções, da troca de valores. É possível ser otimista na era da pósmodernidade?
  9. 9. Pós-Modernismo:dimensão teórica As expressões da pós-modernidade no âmbito do conhecimento pode se verificada com mais intensidade a partir da metade dos anos 70 O filósofo francês Jean-François Lyotard (1924-1998) definiu o pós-moderno como "a incredulidade em relação às metanarrativas" (em sua obra A condição pós-moderna). Com isso, ele queria dizer que a experiência da pós-modernidade decorreria da perda de nossas crenças em visões totalizantes da história, que prescreviam regras de conduta política e ética para toda a humanidade.
  10. 10. Concepções teóricas contemporâneas Um mundo de presente eterno, sem origem ou destino, passado ou futuro; um mundo no qual é impossível achar um centro ou qualquer ponto ou perspectiva do qual seja possível olhá-lo firmemente e considerá-lo como um todo; um mundo em que tudo que se apresenta é temporário,mutável ou tem o caráter de formas locais de conhecimento e experiência. Aqui não há estruturas profundas, nenhuma causa secreta ou final; tudo é (ou não é) o que parece na superfície.É um fim à modernidade e a tudo que ela prometeu e propôs.” Krishan Kumar (Nascido: 1942 /Residência: Estados/ Unidos Cidadania: Britânico /Campos :Sociologia , história)  A palavra pós-modernidade é técnica. Não se trata de um conceito. Ela descreve o que está sendo elaborado depois da modernidade. Michel Maffesoli (sociologo; nasceu em 1944, Francês. Dirige o Centro de Estudos sobre o Atual e o Quotidiano (CEAQ) e a revista Sociétés)
  11. 11.  Longe de apresentar-se como um pensamento homogêneo, a pósmodernidade tem como “traço definidor”a perda de credibilidade nas chamadas metanarrativas ou grandes teorias sociais (ANDERSON, 1999).  Os elementos constitutivos do pós-moderno referem-se a “uma nova falta de profundidade, que se vê prolongada tanto na “teoria” contemporânea quanto em toda essa cultura da imagem e do simulacro; um consequente enfraquecimento da historicidade tanto em nossas relações sociais com a história pública quanto em nossas formas de temporalidade privada. (JAMESON, 1996).
  12. 12. A Pós-Modernidade surgiu com a desconstrução de princípios, conceitos e sistemas construídos na modernidade, desfazendo todas as amarras da rigidez que foi imposta ao homem moderno. Com isso, os três valores supremos, o Fim, representado por Deus, a Unidade, simbolizada pelo conhecimento científico e a Verdade, como os conceitos universais e eternos, já estudados por Nietzsche no fim do século XIX, entraram em decadência acelerada na Pós-Modernidade.  Por conta disso, para a maioria dos autores, a Pós-Modernidade é traçada como a época das incertezas, das fragmentações, troca de valores, do vazio, do niilismo, da deserção, imediatismo, da efemeridade, do hedonismo, da substituição ética pela estética, do narcisismo, da apatia, do consumo sensações e do fim dos grandes discursos. da do da de
  13. 13. No campo da ciências sociais: desencadeiam-se polêmicas metodológicas, buscando-se convencer que as abordagens individualistas e culturalistas permitem uma aproximação maior com o mundo vivido pelos sujeitos sociais. Prioriza-se a esfera da cultura como chave das análises dos fenômenos contemporâneos, deslocada no entanto,da TOTALIDADE SOCIAL
  14. 14. Pós-Modernismo:dimensão política  No estado – nação a política se fortalecia e ampliava com o estado moderno;  Seus pilares fundamentais centravam – se nos ajustes econômicos, materializados na privatização e na supremacia do mercado, na cultura anti- estado, no papel equivocado atribuído a sociedade civil, na desqualificação da política e da     democracia; Produz-se uma cultura de passividade e de conformismo, que incide diretamente no cotidiano das classes subalternas, reforçando a alienação, o corporativismo e as ações particularistas . As lutas das minorias, do acesso a terra,moradia,saúde,educação,emprego, hipertrofiam num turbilhão de demandas segmentadas ,facilmente despolitizadas e burocratizadas pelo próprio estado; O esmaecimento dos processos de lutas globais é meta prioritária das elites, onde primeiramente teria que reduzias questões meramente particulares, desligadas da totalidade social. Assim, a prioridade do público sobre o privado e o fortalecimento de uma cultura pública aparecem, neste momento de crise,como referências fundamentais a serem resgatadas,na medida em que se reatualizam elementos diversos da tradição autoritária , conservadora e excludente ,signos de atraso da modernidade;
  15. 15. Pós-Modernismo:dimensão cultural  Reestruturação do capital;  Organização do sistema produtivo ;  Transição do modo produção ;  Capitalismo globalizado;  O capital invade a vida íntima dos indivíduos, sob forma acentuada de mercantilização e burocratização de necessidades...  Novas formas de organização social e expressões culturais;  Os avanços tecnológicos;  O acelerado processo de intercambio,mundialização de produção e comercialização de mercadorias;  Aumento da alienação;  O esvaziamento das ações histórico-sociais;  A neutralização  Banalização do agir político;
  16. 16. Características principais  Falências das metanarrativas emancipadoras como aquelas propostas pela Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade.  “Novos paradgmas”assumem:“trabalhar não a realidade,mas as suas representações”; “não o universal e sim o singular, o micro, o pontual;não as questões macro, de estrutura, mas o cotidiano ,os fragmentos; não o futuro, e sim o presente; não o público,mas a intimidade( CARVALHO,1995,P.19)  [...] “o mundo social” se materializa, passa a ser signo, simulacro, hiper-realidade (ROUANET. 1989,P233).  [...] detêm-se na visão distorcida do real,apenas em sua manifestação imediata.[...] resurge os postulados da “razão fenomênica”katiana (TONET,2006).  [...]ou da “razão instrumental”positivista quando categorias como “essência e totalidade” são abandonadas em nome da aparência e da imediaticidade.  Dicotomia entre objetividade e subjetividade, economicismo e politicismo.  Propensão a se deixar dominar pela imaginação das mídias eletrônicas;  predomínio do instantâneo, da perda de fronteiras, gerando a idéia de que o mundo está cada vez menor através do avanço da tecnologia. Estamos diante de um mundo virtual, imagem, som e texto em uma velocidade instantânea.
  17. 17. Modernidade e pós modernidade e suas refrações no Serviço Social  Situar o Serviço Social nos marcos da modernidade e da pós‐modernidade implica resgatar, ainda que de forma breve, o conjunto de saberes presentes na sua trajetória histórica, especialmente na realidade brasileira. Os estudos já realizados e a ampla bibliografia sobre o tema (IAMAMOTO, 1992; NETTO, 1991; MARTINELLI, 1989; GUERRA, 1995) permitem identificar que o Serviço Social, em suas origens, teve como suportes teóricos os pressupostos conservadores da Doutrina Social da Igreja.
  18. 18.  O conservadorismo católico, ao defender um projeto político e social contrário tanto ao liberalismo quanto ao socialismo, apresenta‐se como proposta antimoderna, refratária aos valores e avanços alcançados com o advento da modernidade. Mesmo considerando‐ se a forte presença do pensamento católico conservador, pode‐se dizer que o Serviço Social, em seu processo de profissionalização e desenvolvimento sócio‐histórico, aparece vinculado a duas grandes matrizes do racionalismo contemporâneo: o racionalismo “formal‐abstrato”, que está na base da matriz positivista, e seus desdobramentos nas abordagens funcionalistas, estrutural‐funcionalistas e sistêmicas, e o racionalismo “crítico‐dialético”, expresso na teoria social de Marx.
  19. 19. O Serviço Social defronta‐se, portanto, com duas grandes tendências teóricas:  uma vinculada ao fortalecimento do neoconservadorismo inspirado nas tendências pós ‐ modernas, que compreende a ação profissional como um campo de fragmentos, restrita às demandas do mercado de trabalho, cuja apreensão requer a mobilização de um corpo de conhecimentos e técnicas que não permite extrapolar a aparência dos fenômenos sociais;  e outra relacionada à tradição marxista, que compreende o exercício profissional a partir de uma perspectiva de totalidade, de caráter histórico ‐ ontológico, remetendo o particular ao universal e incluindo as determinações objetivas e subjetivas dos processos sociais. O fortalecimento de uma ou outra dessas perspectivas depende, entre outros fatores, da qualificação teórico ‐ metodológica e prático ‐ operativa dos profissionais e de suas opções ético ‐ políticas para compreender o significado e as implicações dessas propostas para a profissão.
  20. 20. A prática profissional, se reduzida, portanto, à mera identificação das demandas e a seu atendimento focalizado, mobiliza um suporte teórico bastante elementar, cuja análise não ultrapassa o nível da aparência e escamoteia o real significado das mesmas no contexto antagônico das relações sociais. Esse campo da imediaticidade cotidiana em que se movem as ações do Serviço Social, quando reduzido à mera aparência, constitui um foco aberto para o fortalecimento do empirismo, do pragmatismo, do voluntarismo e do conservadorismo, da fragmentação entre teoria e prática.
  21. 21. Referêncial Teórico  Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais,- Brasilia: CEFESS/ABEPSS,2009.706 p.(publicação:Conselho Federal de serviço Social-CFESS,Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social-ABEPSS.v.1)  http://www.correiodopovo.com.br/blogs/juremirmachado/?p=4107  http://meuartigo.brasilescola.com/geografia/o-conceitoposmodernidade-na-sociedade-atual.htm  http://www.angelfire.com/sk/holgonsi/otimismopos-moderno2.html  http://meuartigo.brasilescola.com/geografia/o-conceitoposmodernidade-na-sociedade-atual.htm

×