Tn 91 para_site

2.106 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.106
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tn 91 para_site

  1. 1. opinião Desvio de conduta é um risco iminente, de Susana Falchi, CEO da HSD Consultoria em Recursos Humanos Coppe gera conhecimento há 50 anos Bahia, onde tudo começou ANP 15 anos: evolução contínua Noruega: expertise subsea Ano XV • set/out 2013 • Nº 91 • www.tnpetroleo.com.br ESPECiAL PETROBRAS 60 ANOS ViSãO DE FuTuRO DA iNDúSTRiA DE ÓLEO E gáS FiNANCiANDO A iNOVAçãO SuSTENTABiLiDADE TECNOLÓgiCA uM hORizONTE DE 30 ANOS Os desafios do licenciamento ambiental portuário: uma questão de curto, médio e longo prazo, por Marcelo Poças Travassos Ancoragem offshore, por Martin Vlasblom, Jorn Boesten, Peter Davies e Sergio Leite Step-in right no direito brasileiro, por José Virgílio Lopes Enei e Antonio Paulo Kubli Vieira Migração improvável, por Beth Pessoa Ramos Stop fracking? Os impactos da exploração do gás de Folhelho Betuminoso, por Gabriel Santos Cerqueira A mudança no regime especial de entreposto aduaneiro, por Ana Paula Alves Rocha Entrevista exclusiva Ozires Silva, ex-presidente da Embraer e da Petrobras e reitor da Unimonte, SP Empreender e inovar é preciso
  2. 2. BP e Brasil. Uma parceria que gera energia. A BP é uma das maiores empresas de energia do mundo. No Brasil, somos a empresa internacional com o maior número de concessões em águas profundas, operando com a mais avançada tecnologia. Um portfólio diversificado, com 27 blocos em 7 bacias, em terra e no mar. Porque o nosso compromisso é trabalhar junto com o Brasil, para o país crescer cada vez mais. BP e Brasil. Parceria e compromisso. Patrocinador Oficial
  3. 3. TRUE BLUE ® Confiável. Comprovada. Genuína. Nos últimos dez anos as conexões TenarisHydril Blue® têm comprovado sua excelência, com propriedades que ultrapassam os mais altos padrões da indústria. Pronta para atender à próxima revisão do protocolo de testes da API RP 5C5, a conexão Blue® é única, oferecendo 100% de vedação comparada ao corpo do tubo, excelente capacidade de suportar sobretorque e versatilidade para ser instalada em todos os ambientes. Sua confiabilidade e eficiência de descida têm sido amplamente comprovadas em operações complexas em todo o mundo. Concluindo, a escolha certa. Saiba mais sobre as conexões Blue® e sua performance em www.tenaris.com/blue. Tecnologia que faz a diferença. TenarisHydril Application Guide Disponível na App Store
  4. 4. Visite-nos na OTC Brasil! De 29 a 31 de outubro Das 12h30 às 20h30 Pavilhão 3 | Estande G07 • 70 ensaios realizados conforme a ISO 13679 CAL IV • Instalada em 70 países • Eleita por 200 operadoras • 2.100 quilômetros instalados com tecnologia Dopeless®
  5. 5. Fazendo o trabalho bem feito. Esta é a marca da Tiger. Bottle Racks Cestas Caixas Metalicas Containers Cutting Boxes Tanques Esforçada, confiável e disponível. Estas são as caracteritícas que você sempre pode esperar da Tiger Rentank. Sabemos que cada minuto offshore é crítico, assim construímos a nossa empresa, pronta para atendê-lo quando e onde for preciso. Mantemos um grande estoque de equipamentos de alta qualidade e pronta entrega nos principais portos offshore na América do Norte, América do Sul e África. Nossos equipamentos são de alto padrão, homologados, seguros, e cada unidade é detalhadamente inspecionada para um bom desempenho. Quando você entra em contato com a Tiger, você tem um parceiro que se dedica para agregar valor nas suas operações, através de especialistas com experiência para entender os desafios offshore. Estamos prontos para ajudá-los 24 horas por dia 7 dias por semana e 365 dias por ano. Ligue para nós e seu trabalho terá o sucesso desejado. Make it happen. Locação de Equipamentos Homologados para Logística Offshore + 55 (22) 2771-2271 www.tiger-rentank.com.br tiger-comercial@tiger-rentank.com.br © Copyright 2013 Modern Group Inc. All rights reserved.
  6. 6. sumário 26 edição nº 91 set/out 2013 Entrevista exclusiva Ozires Silva, ex-presidente da Embraer e da Petrobras e reitor da Unimonte, SP entrevista exclusiva EMPREENDER com Ozires Silva, ex-presidente da Embraer e da Petrobras e reitor da Unimonte, SP NO MUNDO COMPLEXO E INOVAR é preciso E DE PRODUTOS SOFISTICADOS, NO QUAL VIVEMOS, PRECISAMOS por Beatriz Cardoso DE BRASILEIROS BEM FORMADOS NA EDUCA- 26 ÇÃO BÁSICA E, SOBRE- NESTA ENTREVISTA EXCLUSIVA concedida à TN Petróleo, Ozires Silva, que se tornou exemplo da capacidade empreendedora e inovadora dos engenheiros brasileiros – inclusive na gestão de empresas –, fala dos fatores que restringem a inovação e, por consequência, a geração de patentes brasileiras. “Para sairmos desse círculo de limitações, é preciso estimular os investimentos de risco, pois eles que proporcionam fundos financeiros para encorajar pesquisadores ou inventores, os quais mais tarde serão professores ou alunos das Universidades e, sobretudo, alcançarão as empresas produtoras.” Para ele, o Brasil, por ser uma das sete maiores economias do mundo, ainda precisa ganhar posições internacionais que sejam proporcionais à sua dimensão. “Temos que manter nossa convicção de que o Brasil, um país continente, não pode continuar nos padrões atuais. Precisamos aumentar nossa eficiência gerencial e produtiva e passar a ter presença em todos os países, como vários outros estão conseguindo permear as expectativas de compras dos seus cidadãos e dos consumidores internacionais.” TUDO, COM PROFICIÊNCIA DESTACADA NO NÍVEL SUPERIOR. TN Petróleo – O senhor é um símbolo do empreendedorismo, apontado como um visionário que acreditou na inventiva e na capacidade tecnológica brasileira, coisa comprovada na criação da Embraer, hoje uma das mais importantes empresas do país. Como foi criar algo inovador, empreender em um país que sequer sabia o que era isso na década de 1970? Hoje seria mais fácil? Ozires Silva – Não me julgo um símbolo do empreendedorismo. Ao contrário, a criação e o desenvolvimento da Embraer foi o resultado do trabalho de uma competente equipe, embora inicialmente pequena, que pôde conquistar um bom grau de confiança e apoio da Força Aérea Brasileira, dando como resultado uma real cooperação entre a iniciativa privada e o Governo. Isso acontece em muitos países em empreendimentos de longo prazo de maturação, técnica e tecnologicamente avançados, que precisam avançar sobre novos conhecimentos e contar com muitos recursos humanos e financeiros, que, não encontrando visão de apoio nos sistemas econômicos tradicionais, podem encontrar caminhos de ruptura com o passado, com a cooperação governamental e fazer nascer algo de novo. Fotos: Divulgação Passar isso do discurso à prática é o grande desafio do Brasil, como nos mostra Ozires Silva, expresidente da Embraer e da Petrobras, duas das mais importantes companhias brasileiras, reconhecidas internacionalmente por sua capacidade inventiva. “Continuo a acreditar que o sucesso do Brasil, na acirrada competição moderna de nossos dias, somente pode ser alcançado pela constância dos esforços para empreender e inovar”, afirma o oficial da Aeronáutica e engenheiro formado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), que aos 82 anos continua a trabalhar todos os dias. Atualmente é reitor da Unimonte, instituição particular de ensino superior localizada em Santos (SP). tica, óleo e gás, telecomunicação? O nosso problema não é tecnologia, é educação básica? Temos um problema conjuntural, ou de comportamentos, arraigado ao longo de muitas décadas (ou séculos) de posição inferiorizada – mais por crenças do que por uma realidade de vanguarda –, que leva os consumidores brasileiros, numa competição entre produtos estrangeiros e nacionais, a sempre darem suas preferências aos Por que ainda é difícil empreender no Brasil? Qual é o grande desafio do Brasil para se posicionar como um país empreendedor, se ele já se consagrou em algumas áreas nas quais o peso da tecnologia é enorme, como aeronáu- importados. Sim, os nossos problemas começam na precariedade da educação básica e isso extrapola para o nível superior! No mundo complexo e de produtos sofisticados, no qual já vivemos, precisamos de brasileiros bem formados na educação básica e, sobretudo, com proficiência destacada no nível superior, fundamental para compreender e produzir os produtos de alto valor agregado que vencem no mundo contemporâneo. São poucos os exemplos de empreendedorismo no Brasil. Por que isso acontece? O que falta ao país para ser mais empreendedor? Segundo a já tradicional pesquisa mundial, realizada ano a ano pelo Banco Mundial (www.doingbusiness. com), e mesmo pela crença nacio- TN Petróleo 91 TN Petróleo 91 36 Empreender e inovar é preciso Quando é citado o caso da Embraer, e de sua consagrada vitória no campo muito competitivo da indústria aero náutica (produzindo e vencendo no mercado mundial, com aviões entre os mais complexos da atualidade), pode-se facilmente constatar que essa posição de destaque foi conseguida graças à criação, em 1950, do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), de São José dos Campos. Sem ele, de alto nível, criado e mantido pelo Comando da Aeronáutica Brasileira, não se poderia falar da Embraer e de seus sucessos. 27 petrobras 60 anos Especial Petrobras 60 anos VISÃO D E FUTURO Visão de futuro da indústria de óleo e gás DA INDÚSTRIA DE ÓLEO E GÁS por Beatriz Cardoso, Karolyna Gomes, Maria Fernanda Romero e Rodrigo Miguez Os 60 anos da Petrobras refletem a própria história do petróleo e gás no Brasil e demandam uma reflexão mais profunda sobre os desafios e 48 Financiando a inovação 50 Sustentabilidade tecnológica perspectivas da imensa cadeia produtiva que hoje movimenta parte crucial da economia do país. Ciente do papel que tem no cenário nacional, e até mundial, a Petrobras vem resgatando sua memória, apresentando à sociedade brasileira, por todos os meios de comunicação, os fatores que a inspiraram a ser a gigante que todos admiram, independentemente dos questionamentos que possam ser feitos à sua gestão ou performance. Entendendo que mais além desse resgate histórico é importante refletir as expectativas da sociedade organizada e da cadeia produtiva petrolífera 54 Um horizonte de 30 anos 60 Soluções com tecnologia local e offshore, a TN Petróleo ‘prospectou e extraiu’ mais de 50 depoimentos de stakeholders desse mercado, os quais deram sua visão de futuro do setor. Para todos, o grande desafio é, sem dúvida, assegurar a sustentabilidade de um desenvolvimento sem precedentes, consolidado na última década. Com eles, a palavra! 36 74 TN Petróleo 91 TN Petróleo 91 37 Coppe 50 anos Fotos: Divulgação Coppe coppe 50 anos LabOceano Coppe gera conhecimento Coppe gera conhecimento há 50 anos HÁ 50 ANOS por Rodrigo Miguez LNCD Modelo para instituições de ensino e pesquisa na área de engenharia no Brasil e no exterior, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), da Universidade Federal do Rio de Janeiro ajudou a criar a pós-graduação no Brasil. Criada em 1963 pelo engenheiro Alberto Luiz Coimbra, ao longo de cinco décadas tornou-se o maior centro de ensino e pesquisa em engenharia da América Latina. C Bioetanol Câmera Hiperbárica LNCD LabSonar Super Computador Coppe 74 82 om mais de 13 mil mestres e doutores formados em seus 13 programas de pós-graduação em nível de mestrado e doutorado, a excelência acadêmica de ensino da Coppe faz com que seja uma das instituições mais procuradas pelos futuros doutores do país, principalmente na área de engenharia. Hoje, a Coppe possui em seu quadro 349 professores, que aperfeiçoam mais de 2.900 alunos, entre mestrandos e doutorandos. Um dos pontos importantes é a presença es trangeira em suas salas – 118 alunos no mestrado e 111 no doutorado. Segundo o professor Luiz Pinguelli Rosa, diretor da entidade, o modelo da Co ppe é o da pós-graduação brasileira, em razão do sucesso e do pioneirismo no jeito de fazer. A integração entre pesquisa e ensino é lembrada por Rosa como um dos pontos positivos da instituição com o passar dos anos, reunindo professores, pesquisadores e alunos de pós-graduação de NIFD diferentes programas de mestrado e doutorado. Para Pinguelli Rosa, a agilidade em todos os processos da Coppe é outro fator de garantia do sucesso em um tempo mais curto, o que não costuma acontecer em outras universidades pelo Brasil. Ele é um crítico do processo burocrático que emperra e atrapalha o funcionamento da UFRJ e demais universidades públicas brasileiras. O sucesso da Coppe mundo afora se deve muito aos laboratórios que não param de surgir. Atualmente, a instituição conta com 124 deles, nos quais seus 88 pesquisadores desen volvem soluções tanto para indústrias de petróleo e gás, quanto para o dia a dia do cidadão comum, com as pesquisas em mobilidade urbana e biocombustíveis. A relevância dos laboratórios pode ser constatada desde o início, com o Laboratório de Processos de Separação de Membranas, que está completando 45 anos e foi o primeiro da Coppe e o primeiro também a ter contrato com uma empresa, no caso, a Petrobras, em 1968. Para se ter uma ideia, até 2012, a Coppe já tinha assinado 12.700 contratos com empresas e órgãos do governo. Para dar continuidade aos seus programas de pesquisa e às comemorações dos seus 50 anos, a Coppe inaugurou três laboratórios voltados para o estudo do escoamento de óleo e gás, vinculados ao seu Programa de Engenharia Mecânica (PEM). Eles fazem parte do Núcleo Interdisciplinar de Dinâmica dos Fluidos (NIDF) e ficam localizados em uma área de 5.400 m², no Centro de Tecnologia 2 (CT2), no campus da UFRJ. Esse é o primeiro núcleo no país a reunir em um só local um conjunto de laboratórios que estudam de forma complementar e integrada o processo de escoamento de óleo e gás. O NIDF é formado pelos laboratórios de Separadores Compactos (LSC), de Escoamentos Multifásicos em Tubulações (LEMT) e de Tecnologia de Engenharia de Poços (LTEP), onde serão realizados estudos e ensaios relacionados a processos de perfuração, completação e intervenção de poços de petróleo, elevação artificial e separação primária. Os resultados desses estudos podem ajudar a Petrobras a elevar a produção de óleo e gás, fazendo TN Petróleo 91 TN Petróleo 91 capital de energia Fotos: Divulgação onde tudo começou Berço da indústria de petróleo nacional, a Bahia tem uma posição de destaque na história brasileira de óleo e gás, uma vez que foi lá que tudo começou há 75 anos, quando foi encontrado petróleo por um poço perfurado no bairro de Lobato, na Grande Salvador, em 1938. Desde então, a Bahia mostrou sua vocação natural para o petróleo: possui até hoje a segunda maior refinaria de petróleo do país, a Refinaria Landulfo Alves (RLAM), em Mataripe; e conta com o maior complexo petroquímico integrado do hemisfério Sul – o Polo Industrial de Camaçari. Com o Estaleiro Enseada do Paraguaçu, em Maragogipe, inaugura-se uma nova fase para a indústria baiana, agora no setor naval e offshore. Ou seja: sempre movida a petróleo. por Maria Fernanda Romero A 82 TN Petróleo 91 nacional e local nos últimos anos, dentre eles a descoberta do pré-sal, o ressurgimento da indústria naval/offshore e as perspectivas de exploração de shale gas e shale oil começou a reverter as expectativas negativas que tomavam conta do setor no estado. Segundo dados da Rede Petro Bahia, o mercado de óleo e gás representa cerca de 70% do mercado industrial baiano – considerando as atividades de E&P, química e petroquímica representam a maior parcela de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) recolhido pelo estado da Bahia. Em termos de participação na economia baiana, o setor é um dos mais importantes, representando 55% do valor da produção mineral do estado, 32% do valor da transformação 79 Parceria com a China para inovação energética 75 Capital de energia BAHIA, descoberta de petróleo na Bahia representou um marco no desenvolvimento econômico do estado, após a decadência da indústria açucareira no país. O recôncavo baiano experimentou transformações na sua matriz produtiva. O fato impactou também outras atividades, como a criação de gado, a navegação e a produção de madeira. A antiga paisagem rural passou a conviver com sondas de perfuração e outros equipamentos típicos da exploração e produção de petróleo. No segmento de Exploração e Produção (E&P) de petróleo e gás, o estado contabiliza cerca de nove bacias sedimentares e nele trabalham cerca de 30 empresas concessionárias responsáveis por 2,3% de toda a produção de óleo e 15,5% da produção nacional de gás. O segmento de petróleo e gás tem importância histórica para a Bahia. O estado já ocupou o primeiro lugar no ranking nacional em termos de reservas e produção, posição que foi reduzindo gradativamente. Um conjunto de novos fatos – surgidos no cenário 78 LabOceano: 10 anos industrial e quase 30% da arrecadação de ICMS. Apenas o segmento “Derivados de Petróleo” lidera, com 35% do total, a pauta de exportações baianas, superando os segmentos “Químicos e Petroquímicos” e “Automotivo”. Dada a sua importância para o desenvolvimento sustentável do estado, o segmento é um dos contemplados pela Política Industrial da Bahia, cujas estratégias e proposições foram publicadas em 2011 e atualmente encontra-se em fase final a elaboração um conjunto de instrumentos legais e programas que serão a base para o desenvolvimento do setor no estado. A Política Industrial da Bahia foi construída por meio de uma par ceria que envolveu a Secretária da Indústria, Comércio e Mineração do Estado (SICM), a Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), o Instituto Euvaldo Lodi (IEL/BA) e a Petrobras. No início deste ano, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) lançou um plano de desenvolvimento para setor de petróleo, gás e naval da Bahia. O Programa de Desenvolvimento de TN Petróleo 91 83 Bahia, onde tudo começou 86 88 92 94 Qualificação é prioridade Grandes patrimônios baianos Projetos em potencial Mercado promissor de energia
  7. 7. anp 15 anos 96 Evolução contínua 96 O primeiro leilão do pré-sal marca uma nova fase para a ANP, que, uma vez encerrado o certame, vai ter sob sua gestão o primeiro contrato de partilha, dentro de um marco regulatório que foi alterado substancialmente nos últimos cinco anos, por conta das descobertas de grandes reservas no pré-sal. A agência reguladora, que passou a maior parte de sua existência gerenciando contratos de concessão, a partir de agora terá de administrar um sistema múltiplo, no qual partilha e cessão onerosa para a Petrobras concorrem com os velhos e tradicionais contratos firmados em mais dez leilões. Mas isso não preocupa a diretora-geral da entidade, Magda Chambriard, que garante que as companhias estrangeiras já estão acostumadas a lidar com contratos de partilha no mundo inteiro. “To- das elas têm um contrato de concessão num lugar e de partilha no outro”, frisa. A única diferença é a governança da Pré-Sal Petrobras, que vai gerir os ativos e o grupo empreiteiro. “A questão da governança está estipulada no contrato, tampouco é nova, pois baseia-se no Joint Ope- TN Petróleo 91 TN Petróleo 91 97 Fotos: Depositphotos noruega Noruega: expertise subsea Enviada especial: Maria Fernanda romero a Noruega, um dos maiores produtores de petróleo do mundo, é um país de ponta quando o assunto é tecnologia e soluções para a indústria do petróleo. Sua extensa rede de dutos submarinos – a maior do mundo –, e sua experiência em operar nas severas condições offshore no Mar do Norte, fizeram o país se destacar pelo desenvolvimento de tecnologias inovadoras, principalmente na exploração e produção em águas profundas e nos sistemas submarinos. o que vem levando Noruega e Brasil a reforçarem o intercâmbio no setor de petróleo e gás nos últimos anos devido às descobertas do pré-sal. D esde meados do século XIX, o Brasil faz parte da rota das empresas norueguesas. Naquela época, as empresas de navegação vinham para cá impulsionadas pelo transporte de bacalhau e retornavam à Noruega com açúcar e café. Nos anos 1970, o setor de mineração e a indústria naval começaram a atraí-las para nosso território. Em 1990, com as mudanças na legislação industrial brasileira e a emergência do mercado de petróleo e gás, as norueguesas se engajaram e rapidamente iniciaram negócios nas áreas de aquisição sísmica, construção naval e serviços de petróleo. A partir do ano 2000, a perspectiva de declínio no setor de óleo e gás norueguês impulsionaram as empresas da Noruega a olharem para 108 o exterior e para o crescimento do setor no Brasil. De acordo com o estudo ‘Estratégia Brasil’ do Governo norueguês, lançado em 2011, o Brasil é o país onde a Noruega tem seus maiores investimentos no exterior, depois da União Europeia e Estados Unidos. A Noruega é grande exportadora de capital financeiro por meio de seu fundo soberano, o Fundo Governamental de Pensões-Global (FPG-G). De todas as economias emergentes, a brasileira é a que recebe os maiores investimentos desse Fundo. Os países são parceiros comerciais há mais de 170 anos e com as expectativas geradas na área submarina diante do anúncio das reservas do pré-sal em 2007, o Brasil tornou-se o destino internacional número um para o cluster offshore da Noruega. Capital: Oslo Área: 385 155 km² População: 5 milhões Densidade: 12 hab./km² PIB: US$ 280 bilhões renda Per capita: US$ 59,3 mil IDH (2011): 0,955 alfabetização: 99,0% Moeda: Coroa norueguesa Site oficial: www.regjeringen.no Principais indústrias: petróleo e gás natural, processamento de alimentos, construção naval, produtos de madeira e polpa, metais, produtos químicos, madeira, mineração, têxteis, pesca. O setor de petróleo e gás é o mais importante para a cooperação entre os dois países na área empresarial; é responsável pela maior quantidade de empresas instaladas (49%) e pelo maior número de empregados (50%). Segundo a Innovation Norway, agência de promoção do governo da Noruega, o segmento recebeu de 2009 a 2011, 64% de todos os investimentos. O setor industrial ficou com 27%, energias renováveis com 5% e a área marítima com os 4% restantes. Atualmente existem cerca de 110 empresas norueguesas no Brasil, das quais mais de 75% atuam na indústria de petróleo e gás e no setor marítimo. A maioria delas recém-criadas, com menos de dez anos de experiência no país. A pesada carga tributária brasileira, como o Custo Brasil, e a falta de mão de obra qualificada são alguns dos obstáculos enfrentados para operar no Brasil, citados pelas empresas norueguesas. Vocação petrolífera Stavanger e Bergen são importantes regiões petrolíferas da Noruega. Nelas se concentram a maior parte das atividades de petróleo e onde ficam instaladas a maior parte das empresas deste setor. Historicamente pesqueira e industrial, a cidade de Stavanger tornou-se, a partir da década de 1970, a capital norueguesa do petróleo. Hoje, a principal fonte de renda da população local de Stavanger é o petróleo. Com população de 300 mil pessoas, Stavanger possui 40 companhias de petróleo e 500 companhias locais que operam em nível internacional. A produção de petróleo e gás na cidade corresponde a 40% da produção total da Noruega. Dentre os atuais desafios da região devido ao crescimento excessivo do setor estão: salários altos, imóveis caros e problemas de trânsito. Já a cidade de Bergen, a segunda maior do país em tamanho e população, tem o seu porto como motor principal para a economia local. Além de constituir um cluster líder mundial em tecnologia submarina de petróleo, sendo a base do Centro Norueguês de Especialização Subsea (Norwegian Centre of Expertise Subsea/NCE Subsea), que reúne mais de cem empresas e organizações. O NCE Subsea contribui para o fortalecimento e internacionalização da indústria submarina na área de Bergen através de suporte financeiro e técnico no estabelecimento de projetos de desenvolvimento de tecnologia. Os projetos do cluster já receberam mais de 470 milhões de coroas norueguesas em financiamento. O foco são os mercados de manutenção, modificação e operação, bem como produtos técnicos inovadores e com tecnologia de ponta para a indústria submarina. O objetivo é estimular a maior colaboração e partilha de experiências no âmbito do cluster, com colaboradores nacionais e internacionais. O NCE é um programa nacional apoiado pela Innovation Norway, o Conselho de Pesquisa da Noruega, e pela Corporação de Desenvolvimento Industrial da Noruega. Cooperação subsea De acordo com o estudo ‘Perspectivas da Energia Mundial 2012’, da Agência Internacional de Energia (AIE), o mercado mundial de sistemas submarinos está estimado na faixa de US$ 60 a US$ 94 bilhões para período 2011-2015, e o Brasil é um dos principais consumidores, em razão do desenvolvimento da produção nacional em águas profundas. Há um forte movimento de fornecedores brasileiros em busca de parcerias com as empresas norueguesas que dominam tecnologias demandadas hoje pelo mercado, principalmente em relação aos campos em áreas profundas e no pré-sal. As áreas de perfuração e subsea necessitam de investimentos intensivos em tecnologia de ponta, e a Noruega possui grande expertise nesse segmento já que possui a rede de dutos submarinos mais extensa do mundo e as unidades offshore sujeitas a condições ambientais das mais severas para operações no Mar do Norte. Seus produtos e serviços vão desde perfuração e completação e equipamentos subsea de exploração, produção, até equipamentos de monitoramento ambiental, tratamento de água e instrumentação submarina. Crescimento significativo Com atuação no Brasil há mais de dez anos, a Clampon, fabricante de sensores ultrassônicos inteligentes como monitoramento de partículas (areia), detector de PIG, monitoramento de corrosão e erosão, e detector de vazamento, tem crescido bastante desde a inauguração de sua nova sede em Berger, em 2011; seu novo escritório é o terceiro edifício mais ecoeficiente da Noruega, no que se refere à economia de energia. A empresa possui 90 funcionários em Bergen e 15 em Houston, nos Estados Unidos. No Brasil fez sua primeira venda para a Petrobras em 1998 e participou de seu primeiro projeto subsea na região em 2001 com um sistema detector de PIG para o campo de Pampo. No país, é representada pela IEC. TN Petróleo 91 Affonso Vianna Junior Alexandre Castanhola Gurgel Antonio Ricardo Pimentel de Oliveira Bruno Musso Colin Foster David Zylbersztajn Eduardo Mezzalira Eraldo Montenegro Flávio Franceschetti Gary A. Logsdon Geor Thomas Erhart Gilberto Israel Ivan Leão Jean-Paul Terra Prates João Carlos S. Pacheco João Luiz de Deus Fernandes José Fantine Josué Rocha Luiz B. Rêgo Luiz Eduardo Braga Xavier Evolução contínua Fotos: tn Petróleo por Beatriz cardoso, Karolyna Gomes e Rodrigo Miguez Responsável pela regulação do setor que responde por cerca de 12% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP) completa 15 anos de atividades buscando se reinventar para conduzir um mercado que, nos últimos anos, teve as regras do jogo alteradas. CONSELHO EDITORIAL ANP 15 anos TN Petróleo 91 Noruega 108 Expertise subsea Marcelo Costa Márcio Giannini Márcio Rocha Melo Marcius Ferrari Marco Aurélio Latgé Maria das Graças Silva Mário Jorge C. dos Santos Maurício B. Figueiredo Nathan Medeiros Paulo Buarque Guimarães Roberto Alfradique V. de Macedo Roberto Fainstein Ronaldo J. Alves Ronaldo Schubert Sampaio Rubens Langer Samuel Barbosa 109 artigos 146 s desafios do licenciamento ambiental portuário: uma questão de curto, O médio e longo prazo, por Marcelo Poças Travassos 168 Ancoragem offshore, por Martin Vlasblom, Jorn Boesten, Peter Davies e Sergio Leite 180 tep-in right no direito brasileiro, por José Virgílio Lopes Enei e Antonio Paulo Kubli Vieira S 183 igração improvável, por Beth Pessoa Ramos M 184 top Fracking? os impactos da exploração do Gás de Folhelho Betuminoso, S por Gabriel Santos Cerqueira 188 mudança no regime especial de entreposto aduaneiro, A Ano XIV • Número 91 • set/out 2013 Foto: Stéferson Faria, Agência Petrobras por Ana Paula Alves Rocha TN PETRÓLEO opinião Desvio de conduta é um risco iminente, de Susana Falchi, CEO da HSD Consultoria em Recursos Humanos Coppe gera conhecimento há 50 anos Bahia, onde tudo começou ANP 15 anos: evolução contínua Noruega: expertise subsea Ano XV • set/out 2013 • Nº 91 • www.tnpetroleo.com.br 8 editorial 10 hot news 18 indicadores tn 116 eventos 126 perfil profissional 131 caderno de sustentabilidade ViSãO DE FuTuRO DA iNDúSTRiA DE ÓLEO E gáS FiNANCiANDO A iNOVAçãO SuSTENTABiLiDADE TECNOLÓgiCA uM hORizONTE DE 30 ANOS Os desafios do licenciamento ambiental portuário: uma questão de curto, médio e longo prazo, por Marcelo Poças Travassos Ancoragem offshore, por Martin Vlasblom, Jorn Boesten, Peter Davies e Sergio Leite Step-in right no direito brasileiro, por José Virgílio Lopes Enei e Antonio Paulo Kubli Vieira Migração improvável, por Beth Pessoa Ramos Stop fracking? Os impactos da exploração do gás de Folhelho Betuminoso, por Gabriel Santos Cerqueira A mudança no regime especial de entreposto aduaneiro, por Ana Paula Alves Rocha nº 91 148 pessoas 150 perfil empresa 164 produtos e serviços 190 fino gosto 192 coffee break 194 feiras e congressos 195 opinião ESPECiAL PETROBRAS 60 ANOS ViSãO DE FuTuRO DA iNDúSTRiA DE ÓLEO E gáS seções ESPECiAL PETROBRAS 60 ANOS Entrevista exclusiva Ozires Silva, ex-presidente da Embraer e da Petrobras e reitor da Unimonte, SP Empreender e inovar é preciso
  8. 8. editorial ‘O trabalho mal começou’ E stamos na reta final de 2013 e temos a sensação de que o ano mal começou e de que muita coisa ficou por acontecer, a despeito de tantas outras para comemorar e mais outras tantas para refletir. A Petrobras comemora seu 60 o aniversário evocando as pessoas que a inspiraram a superar desafios. A mensagem clara é que ela está apostando justamente no seu maior ativo: o capital humano. Com ele, espera suplantar as dificuldades do último ano e encerrar 2013 com melhores perspectivas, não apenas quanto aos resultados, mas também quanto às novas metas. Sentimento esse compartilhado por duas instituições que se consolidaram no rastro dos investimentos em pesquisa e desenvolvimento e ações deflagradas pela Petrobras em sua busca por novas tecnologias: a Coppe/UFRJ, que completa 50 anos (assim como o Cenpes) e o Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que comemora uma década de implantação, em plena atividade. Afinal, é disso que está falando esta edição especial da TN Petróleo: dos desafios e conquistas da indústria que vem evoluindo de forma acelerada, com expectativas de se tornar exportadora de tecnologias, com competitividade para disputar o mercado internacional. Tal visão de futuro está na matéria de capa desta edição, para a qual a reportagem ouviu cerca de 50 representantes dos diversos elos da cadeia de valor de petróleo e gás: de representantes da indústria naval a juristas, todos analisam as mudanças no marco regulatório do setor. Mudanças essas que implicam em novos desafios para a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que completa 15 anos de atividades (como a TN Petróleo) com uma agenda cheia de licitações (três em um ano!) e de todas as atividades que envolvem os leilões de áreas exploratórias. Estas licitações vão mobilizar a cadeia produtiva de Norte a Sul do país, uma vez que já foram concedidos 142 blocos em 11 bacias e outros tantos serão ofertados na 12a Rodada, prevista para o final do ano, após o tão esperado leilão do pré-sal, com reservas já estimadas e que vai implicar encomendas quase imediatas à cadeia de fornecedores. E estes fornecedores estarão reunidos da segunda edição da Offshore Technology Conference Brasil – a OTC Brasil 2013, 29 a 31 de outubro, no Rio de Janeiro, evento que consagra o país como uma nova fronteira da indústria de óleo e gás, uma vez que é o único a abrigá-la (realiza-se anualmente nos Estados Unidos). A TN Petróleo – e esta edição que você tem em mãos – estará presente. Afinal, também somos parte desta cadeia de fornecedores. Mas o nosso negócio é informação! Benício Biz Diretor da Benício Biz Editores Rua do Rosário, 99/7º andar Centro – CEP 20041-004 Rio de Janeiro – RJ – Brasil Tel/fax: 55 21 3221-7500 www.tnpetroleo.com.br tnpetroleo@tnpetroleo.com.br REPÓRTERES Maria Fernanda Romero (21 8867-0837) fernanda@tnpetroleo.com.br Rodrigo Miguez (21 9389-9059) rodrigo@tnpetroleo.com.br Karolyna Gomes (21 7589-7689) karolyna@tnpetroleo.com.br REVISÃO Sonia Cardoso (21 3502-5659) DEPARTAMENTO COMERCIAL José Arteiro (21 9163-4344) josearteiro@tnpetroleo.com.br DIRETOR EXECUTIVO Benício Biz - beniciobiz@tnpetroleo.com.br RELAÇÕES INTERNACIONAIS Dagmar Brasilio (21 9361-2876) dagmar.brasilio@tnpetroleo.com.br Bruna Guiso (21 7682-7074) bruna@tnpetroleo.com.br DIRETORA DE comunicação Lia Medeiros (21 8241-1133) liamedeiros@npetroleo.com.br DESIGN GRÁFICO Benício Biz (21 3221-7500) beniciobiz@tnpetroleo.com.br Rodrigo Matias (21 3221-7503) matias@tnpetroleo.com.br EDITORA Beatriz Cardoso (21 9617-2360) beatrizcardoso@tnpetroleo.com.br PRODUÇÃO GRÁFICA E WEBMASTER Fabiano Reis (21 3221-7506) webmaster-tn@tnpetroleo.com.br Luiz Felipe Pinaud (21 7861-4828) l.felipe@tnpetroleo.com.br EDITOR DE ARTE, CULTURA E GASTRONOMIA Orlando Santos (21 9491-5468) 8 TN Petróleo 91 Laércio Lourenço (21 3221-7510) laercio@tnpetroleo.com.br assinaturas (21) 3221 7500 assinaturas@tnpetroleo.com.br CTP e IMPRESSÃO Walprint Gráfica DISTRIBUIÇÃO Benício Biz Editores Associados. Filiada à ANATEC Os artigos assinados são de total responsabilidade dos autores, não representando, necessariamente, a opinião dos editores. TN Petróleo é dirigida a empresários, executivos, engenheiros, geólogos, técnicos, pesquisadores, fornecedores wwe compradores do setor de petróleo.
  9. 9. editorial A UTC Engenharia, uma das principais empresas do segmento de engenharia industrial, com quase 40 anos de atuação, colabora com o desenvolvimento do país a partir de padrões globais de excelência em engenharia, respeito ao meio ambiente e constante aperfeiçoamento de seus colaboradores. Presente nos momentos mais importantes do crescimento do Brasil. www.utc.com.br TN Petróleo 91 9
  10. 10. hot news A OSX, empresa do Grupo EBX com atuação na indústria naval e offshore, recebeu a Licença de Operação (LO) do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), que autoriza o início das atividades da Fase 1 da Unidade de Construção Naval do Açu (UCN Açu). O estaleiro da OSX está localizado no Complexo Industrial do Superporto do Açu, no Norte Fluminense. Com a emissão da LO, a companhia será a primeira a iniciar operação no empreendimento. “Desde o início das obras do estaleiro da OSX, em julho de 2011, acreditamos na importância deste empreendimento para o desenvolvimento da indústria offshore de óleo e gás. Estamos orgulhosos com a emissão da LO e o início das atividades do estaleiro, que em sua primeira fase já capacita a OSX a atuar como um dos principais canteiros offshore do Brasil”, informou Ivo Dworschak, diretor de Construção Naval da OSX. Foto: Divulgação OSX Licença de Operação para a UCN Açu O primeiro projeto desenvolvido no estaleiro da OSX será a construção de alguns módulos e a integração de dois FPSOs replicantes, as unidades flutuantes de produção, armazenamento e transferência de petróleo P-67 e P-70, em atendimento à Petrobras e seus parceiros em projeto para o Pré-Sal. A Fase 1 da UCN Açu contempla áreas e facilidades industriais neces- sárias ao cumprimento dos contratos da atual carteira da companhia. As atividades estarão concentradas na área do Cais Norte, com capacidade para montagem de dezenas de módulos e de integração simultânea de dois FPSOs de grande porte, representando um dos principais canteiros a serviço da indústria de óleo e gás no país. Pernambuco fará leilão de energia solar Pernambuco vai dar um importante incentivo para a utilização de energia limpa. Até o final de setembro o governo do estado deve realizar o 1º leilão para compra e venda de energia solar. A previsão é que sejam adquiridos pelo menos 12 MW médios – o que corresponde a uma potência instalada da ordem de 60 MW, cerca de três vezes a potência hoje instalada no país, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A iniciativa faz parte do PE Sustentável, criado pelo governo de Pernambuco com o objetivo de promover o desenvolvimento simultâneo do mercado e da indústria de energia solar. O programa consiste na promoção de leilões estaduais, por pelo menos três anos consecutivos, para contratação de energia solar produzida em Pernambuco (estímulo à oferta) e na concessão de um incentivo, na forma de desconto no ICMS, a ser pago pelas empresas pernambucanas que adquirirem esta ener- 10 TN Petróleo 91 gia (estímulo à demanda). Dessa forma, o programa promove uma disputa justa entre empreendimentos de fonte solar e a redução do preço final da energia. O leilão funcionará da seguinte maneira: as empresas pernambucanas interessadas no programa cadastram suas intenções de compra de energia elétrica a um valor fixo, determinado pelo PE Sustentável. A Secretaria Executiva de Energia de Pernambuco consolida as demandas, determina o número de lotes de energia a serem comercializados e coordena o leilão de compra desta energia. As empresas contratarão a energia, pelo preço médio do leilão. A diferença entre o preço médio do leilão e o valor fixo preestabelecido será concedido às empresas compradoras sob a forma de crédito presumido de ICMS acrescido de um prêmio pela participação no programa. Poderão participar do leilão como ofertantes os empreendimentos novos ou preexistentes, com capacidade de geração maior que 1 MW médio, nas tecnologias fotovoltaica ou termossolar concentrada, localizados em Pernambuco. O programa PE Sustentável foi desenvolvido conjuntamente pelas Secretarias Estaduais de Desenvolvimento Econômico (Sdec), Recursos Hídricos e Energéticos (SRHE), Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e Fazenda (Sefaz). De acordo com o secretário executivo de Energia de Pernambuco, Eduardo Azevedo, o estado tem tradição e competência logística, de engenharia e industrial para liderar a indústria solar no Brasil. O PE Sustentável faz parte da estratégia para o desenvolvimento técnico, econômico, ambiental e social do estado e da região. “Nossa ideia é criar um mercado consumidor local e que a energia solar produzida aqui tenha preço competitivo em relação às outras fontes”, destacou.
  11. 11. Onze empresas na 1ª Rodada do pré-sal Petrobras anuncia venda de ativos na Colômbia Foto: Divulgação A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgou, no dia 19 de setembro, a lista com as onze empresas que pagaram taxa de participação para a 1ª Rodada do pré-sal, referente ao Campo de Libra, na Bacia de Santos. O leilão está previsto para acontecer no dia 21 de outubro. São elas: CNOOC International Limited (China), China National Petroleum Corporation (CNPC) (China), Ecopetrol (Colômbia), Mitsui & CO (Japão), ONGC Videsh (Índia), Petrogal (Portugal), Petrobras (Brasil), Petronas (Malásia), Repsol/Sinopec (Hispano-Chinesa), Shell (Anglo-Holandesa) e Total (Francesa). Segundo a agência reguladora, as empresas ainda terão que passar por um processo de habilitação para participar da licitação. A área a ser licitada tem cerca de 1,5 mil quilômetros quadrados. O volume de petróleo recuperável deverá oscilar entre 8 bilhões e 12 bilhões de barris. Segundo o edital, os ganhadores da licitação deverão desenvolver as atividades de exploração de petróleo por quatro anos, prazo que poderá ser estendido, como prevê o contrato de partilha de produção. A Petrobras será a operadora única do pré-sal, pelo sistema de partilha, e terá direito a 30% do Campo de Libra. TOTVS em Macaé A TOTVS Consulting, consultoria em negócios e tecnologia da TOTVS, inaugura escritório em Macaé, no norte do Rio de Janeiro. Na unidade, ficarão baseados 150 profissionais, altamente especializados em petróleo e gás. A equipe é formada por engenheiros, técnicos, gestores e executivos especialistas no setor. A região concentra 80% da produção de petróleo do Brasil e tem a presença dos maiores players do setor. A TOTVS Consulting prevê investimento superior a R$ 2 milhões nos próximos três anos no escritório de Macaé. A empresa iniciou a operação na cidade em 2011, com um time de 30 profissionais, alocados em clientes. Com a inauguração do espaço próprio, a perspectiva é chegar ao final do ano com até 150 pessoas. Hoje, cem profissionais da consultoria já trabalham na cidade. O setor de Energia já é o mais significativo em Serviços no Rio e o mais representativo para a TOTVS Consulting no Brasil. “Proximidade com o cliente e alta especialização são diretrizes do trabalho da TOTVS Consulting, por isso estamos inaugurando um escritório em Macaé, uma cidade estratégica para o segmento de petróleo e gás e uma região de referência para os profissionais da área. A abertura da unidade Macaé reflete nosso crescimento alcançado no setor nos últimos anos”, afirma o diretor da TOTVS Consulting Energia, Marcelo Herskovits. A TOTVS Consulting Energia presta serviços de consultoria e oferece soluções tecnológicas especializadas para o setor. A unidade de negócios conta com um portfólio de serviços diferenciados e voltados exclusivamente para a indústria de petróleo e gás. A Petrobras aprovou a alienação de 100% das ações de emissão da Petrobras Colombia Limited (PEC), para a Perenco, no valor de US$ 380 milhões. Os ativos da Petrobras Colombia que fazem parte da transação incluem participações em 11 blocos de exploração e produção em terra com produção média líquida de 6.530 boed (barris de óleo equivalente por dia) além dos oleodutos de Colombia e Alto Magdalena, com capacidade de transporte de 14.950 bpd (barris por dia) e 9.180 bpd, respectivamente. Segundo a estatal, a conclusão da transação está sujeita a determinadas condições precedentes usuais, incluindo a aprovação da Agência Nacional de Hidrocarburos (ANH). A Petrobras continuará presente na Colômbia através de seus ativos de exploração no mar e distribuição, além de um bloco exploratório em terra. TN Petróleo 91 11
  12. 12. hot news Com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff, e da presidente da Petrobras, Graça Foster, foi assinado em setembro no Palácio Piratini, em Porto Alegre, o contrato para construção das plataformas P-75 e P-77 com o Consórcio RIG, formado pelas empresas Queiroz Galvão, Camargo Correa e Iesa. Na ocasião, Dilma lembrou que há dez anos ninguém acreditava que o Brasil pudesse ter um polo naval. “O Rio Grande do Sul hoje tem um polo naval que mostra a capacidade e a força de uma política que decidiu que era possível sim produzir no Brasil”, afirmou a presidente, ressaltando ainda a importância do crescimento da indústria brasileira de fornecedores do segmento de petróleo e gás. A presidente da Petrobras informou que a companhia concluirá em 2013 oito plataformas que ajudarão no cumprimento da meta de dobrar a produção até 2020. “Temos 90% contratados para que em 2020 tenhamos o dobro do que produzimos hoje, ou seja, 4,2 milhões de barris”, Foto: Divulgação Petrobras assina contrato da P-75 e P-77 afirmou ela, e também elogiou a indústria naval brasileira: “A curva de aprendizagem é espetacular. Estamos muito próximos de voltar a ser um dos maiores centros de excelência no mundo.” FPSOs P-75 e P-77 – Os FPSOs (plataformas que produzem, armazenam e transferem petróleo; na sigla em inglês) P-75 e P-77, cada um com capacidade de produção de 150 mil barris por dia, serão instalados nos blocos da Cessão Onerosa, no pré-sal da Bacia de Santos, junto com outras duas unidades similares, a P-74 e a P-76. O Consórcio RIG será responsável pela construção de módulos e integração de ambas as plataformas. Os serviços serão executados no estaleiro Honório Bicalho, em Rio Grande. Os navios destinados à conversão dos cascos da P-75 e da P-77 estão no Estaleiro Cosco, na China, passando por serviços de preparação do casco, e devem chegar ao Rio de Janeiro (RJ) no segundo semestre de 2014, onde serão realizados os trabalhos de conversão, no Estaleiro Inhaúma. Após concluída esta etapa, os cascos seguem para Rio Grande, onde a P-75 deve chegar no segundo semestre de 2015 e a P-77, no primeiro semestre de 2016. A expectativa é que sejam gerados, aproximadamente, 4.400 empregos diretos e indiretos no pico das atividades. O conteúdo nacional contratual previsto é de 65% a 71%. A Wilson Sons Ultratug Offshore realizou a cerimônia de batismo do PSV (Platform Supply Vessel )4.500 Prion na sua base, em Niterói. O PSV ficará à disposição da Petrobras pelos próximos oito anos. A embarcação, construída no estaleiro da Wilson Sons no Guarujá (SP), é a décima sexta da frota de apoio ao mercado de petróleo e gás da companhia. O Prion tem 89,5 m de comprimento, 16 m de boca, calado de 6,2 m, além de 4.587 toneladas de porte bruto e velocidade de 13 nós. O PSV conta com tecnologia e projeto de engenharia Damen e financiamento do Fundo da Marinha Mercante (FMM), concedido por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A nova embarcação está entre as maio12 TN Petróleo 91 Foto: Divulgação Wilson Sons Wilson Sons batiza PSV Prion res embarcações da companhia e possui sistema de carga híbrido para granel líquido e sólido. A Wilson Sons Ultratug Offshore aguarda também a chegada do PSV 3.500 Mandrião, encomendada pela Atlantic Offshore ao estaleiro Pacific Ocean Engineering & Trading (POET), de Cingapura e contratada pela South Patagonia Services com a Petrobras por um período de quatro anos. Até o final do ano, a Wilson Sons Ultratug Offshore receberá mais um PSV 4500 que está sendo construído no estaleiro Wilson Sons, o Alcatraz.
  13. 13. • Análises e testes em produtos; • Inspeção; • Consultoria; • Gerenciamento; • Supervisão; • Fiscalização; • Projetos; • Auditoria; • Pesquisa; • Meio ambiente; • Certificação O engenheiro Luiz Alfredo Falcão Bauer foi pioneiro na difusão e emprego do controle tecnológico em favor da melhoria da qualidade das obras da engenharia brasileira. Ele se tornou reconhecido nacional e internacionalmente pelo empenho na busca contínua da qualidade tanto nas obras quanto nas indústrias e nos serviços oferecidos à sociedade. Ele começou a divulgar a necessidade do controle tecnológico numa fase em que a engenharia brasileira passava a ser requisitada em quase todas as suas disciplinas por conta do crescimento do País. Em função da carência de métodos e parâmetros que comprovassem a eficácia da engenharia, ele resolveu dar forma a um ideal de empresa voltada para aquela direção. E, em 1953, era criado e colocado em prática, com ação nos canteiros de obras, o primeiro laboratório da Falcão Bauer. Hoje, o Grupo Falcão Bauer, resultado dos primeiros passos daquele notável pioneiro, possui mais de dois mil profissionais atuando nas diversas áreas da engenharia. Sua sólida e moderna estrutura constitui um dos mais avançados e reconhecidos centros tecnológicos do País. Engenheiro Luiz Alfredo Falcão Bauer “Para a que indústria da construção civil cresça, precisamos construir da maneira que (In Memorian) os nossos compradores em potencial desejam e imaginam. Para alcançar essa meta, todos nós devemos fazer com qualidade e não esperar que ela aconteça.” TN Petróleo 91 13
  14. 14. hot news Rio de Janeiro assina termo com a Noruega para cluster subsea O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços, Julio Bueno, assinou em setembro um termo de cooperação com a NCE (Norwegian Centres of Expertise) Subsea – a associação do Cluster de Subsea da Noruega. Foto: TN Petróleo Da esquerda para a direita: Marcelo Vertis, subsecretário estadual de Energia, Logística e Desenvolvimento Industrial; Julio Bueno, secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços; Trond Olsen, diretor do NCE Subsea; e Helle Klem, cônsul-geral da Noruega no Rio. O objetivo do acordo é a utilização do know how do cluster norueguês para auxiliar a estruturação do cluster subsea no Rio de Janeiro. Pelo NCE Subsea, assinou o convênio o diretor da associação, Trond Olsen. Também participaram da assinatura, a cônsul-geral da Noruega no Rio, Helle Klem e o subsecretário estadual de Energia, Logística e Desenvolvimento Industrial, Marcelo Vertis. De acordo com Vertis, o cluster de subsea Rio de Janeiro quer atrair e apoiar o desenvolvimento de fabricantes e subfornecedores de equipamentos submarinos para o Rio, que é responsável por mais 80% da produção de petróleo e gás natural brasileiro. “Este é um acordo de desenvolvimento de negócios que vai beneficiar ambos os países. Vamos procurar buscar estabelecer um ambiente de negócios que aproxime as empresas e 14 TN Petróleo 91 promova acordos de cooperação tecnológica para o segmento subsea, pois a Noruega possui um grau de inovação muito alto”, explica o subsecretário. Segundo o executivo, atualmente, a cadeia de fornecimento subsea no país conta com cerca de 80 empresas, entre as quais a FMC Technologies, Aker Solutions, GE, Oil States e a norueguesa NOV Entretanto, isso deve . ser ampliado para atender o crescimento dos pedidos da indústria subsea, principalmente em função das encomendas da Petrobras no mercado. “Sendo muito otimista, podemos prever que nos próximos cinco anos a quantidade de empresas ligadas ao segmento subsea pode quadruplicar no estado do Rio de Janeiro”, afirma Vertis. Hoje, no estado existem 35 empresas subsea (27 de serviços e oito de produtos) instaladas, que empregam quase 1,2 mil funcionários. Diante dessa demanda, Vertis indica a utilização de um distrito indus- trial exclusivo para o segmento, o polo Navipeças, que está sendo construído em Caxias e está em fase de licenciamento ambiental. “Lá as empresas poderão escoar com mais facilidade a saída de produtos e equipamentos destinados à exploração de óleo e gás offshore, pois o polo fica às margens da Baía de Guanabara”, reforça. A modelagem do polo subsea fluminense conta com a parceria da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços (Sedeis), Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Rio de Janeiro (Sebrae-RJ) e Rio Negócios. O desenvolvimento do espaço físico e a disponibilização de infraestrutura e negociação de benefícios tributários às empresas estão sendo conduzidos pela Companhia de Desenvolvimento Industrial do Rio de Janeiro (Codin). “Esse é o primeiro acordo assinado entre o governo do estado e um organismo estrangeiro de desenvolvimento da indústria offshore. Mas pretendemos utilizar os canais formais de contato (consulados) para estabelecer novos acordos de cooperação internacionais”, conclui Vertis.
  15. 15. The Marshall Islands Registry service and quality are within your reach International Registries, (Brazil) Ltda. in affiliation with the Marshall Islands Maritime & Corporate Administrators tel: +55 21 2524 5218 | rio@register-iri.com www.register-iri.com TN Petróleo 91 15
  16. 16. hot news Deloitte inaugura Centro de Excelência de Petróleo e Gás no Rio de Janeiro O lançamento do CoE ocorre em uma conjuntura de novas perspectivas de mercado, com a retomada das rodadas de licitação para blocos de exploração e produção no país. Em outubro, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) realizará a 1ª rodada de licitações do pré-sal, área de Libra, a primeira no modelo de partilha de produção. Já em novembro, a 12ª rodada de licitações ofertará 240 blocos exploratórios em terra, com foco no segmento de gás convencional e não convencional. “A indústria de óleo e gás representa 60% do faturamento das áreas de consultoria da Deloitte no Rio de Janeiro. O Brasil, por sua vez, concentra boa parte das expectativas de desenvolvimento desse setor no mundo”, afirma o líder do atendimento às organizações de Óleo e Gás da Deloitte no Brasil, Carlos Vivas (foto). “Estamos oferecendo às empresas a experiência internacional que irá apoiá-los na obtenção de fortes metas de crescimento, assim como servir de ponte para que as empresas internacionais entendam o contexto brasileiro do ponto de vista comercial, jurídico, legal e tecnológico”, assegura. 16 TN Petróleo 91 Foto: Divulgação A Deloitte, empresa especializada em consultoria e auditoria, inaugurou no dia 17 de setembro, no Rio de Janeiro, o seu primeiro Centro de Excelência de Óleo & Gás (CoE) da América Latina. Com investimentos de US$ 1 milhão, o CoE terá 120 profissionais de diversas especialidades, que atuarão sob um modelo multidisciplinar para atender aos desafios das empresas do setor. Abordagem multidisciplinar – Para Vivas, o CoE se insere em uma estratégia da organização para atender as empresas de toda a cadeia da indústria a partir de uma visão completa de seus desafios. “Nosso Centro de Excelência proporciona aos clientes muito mais do que serviços de consultoria para responder a necessidades específicas. Nossa proposta é reunir, em um mesmo espaço físico, e com instalações apropriadas, profissionais com especializações diversas para atender a indústria de óleo e gás com soluções multidisciplinares e customizadas à realidade da empresa”, afirma. Entre as soluções customizadas da Deloitte para o setor está a avaliação de reservas de petróleo e de estudos geológicos, por meio da área de Resource Evaluation & Analysis. Na liderança técnica das atividades do CoE está o diretor do Centro de Excelência de Petróleo e Gás da Deloitte no Brasil, Ricardo Savini. Com mais de 26 anos de experiência na indústria de petróleo em diversos países – como Brasil, Venezuela, Argentina e Estados Unidos –, Savini ocupou diferentes cargos de gestão nas áreas de Exploração e Produção, como gerente de Geologia & Geofísica, Reservatório, Serviços Técnicos, Planejamento & Desenvolvimento de Negócios e Operações. “Este é um momento pouco comum na indústria global. O Brasil tem como desafio levar a produção de petróleo de 2 a 4 milhões de barris por dia nos próximos anos. O rápido crescimento da produção aconteceu em outros lugares do mundo ao longo do século XX e ofereceu um enorme dinamismo econômico”, comenta o diretor. “As oportunidades foram grandes, e regiões como os países do Mar do Norte e a costa do Golfo do México aproveitaram para estabelecer uma diversificada rede de fornecedores e fortalecer suas universidades e centros de pesquisa para suportar esse espetacular crescimento da produção”, diz.
  17. 17. Como a Schneider Electric pode transformar sua planta de gás em uma fortaleza de segurança e eficiência Hoje, mais do que nunca, segurança e eficiência energética são essenciais para o seu sucesso. A solução: uma arquitetura testada e validada da Schneider Electric™ Nada é mais importante para você do que assegurar a continuidade da produção e garantir a segurança das operações. É por isso que fornecemos soluções que otimizam o consumo de energia em grandes instalações – todas em conformidade com a norma IEC61850. Nossa arquitetura oferece recursos seguros de evolução elétrica e manutenção, desde o projeto de redes elétricas avançadas e alta confiabilidade até a recuperação rápida com corte de carga integrado. E, com a simulação por software online, você sabe que poderá tomar decisões críticas quando for necessário, sem nenhum atraso. Gestão energética para maior produção com menos energia Utilizando os últimos avanços em automação, segurança e tecnologia da informação, nossos sistemas são projetados especialmente para grandes instalações e oferecem recursos como marcação de tempo de alta precisão, ajuste de relés, transferência de registros de dados OPG, ATS e gestão energética avançada. Outros recursos, como PDCS 100% redundantes para qualidade de energia e monitoramento de 100% dos parâmetros elétricos com penalidades de carga reduzidas a zero, asseguram a continuidade do serviço, uma produção mais eficiente, redução das indisponibilidades e vida útil mais prolongada para seus equipamentos. Segurança para as pessoas, segurança para o patrimônio Com tanto em risco, nunca foi tão difícil proteger as pessoas e o patrimônio. É por isso que oferecemos uma solução de segurança aberta, completa e de alto desempenho, que inclui desde o monitoramento por vídeo até o controle de acesso. Com detecção de intrusos, CCTV de alto desempenho, engenharia de ponta a ponta e estudos de viabilidade para a segurança, você terá disponibilidade completa e on-line do que está acontecendo em cada ponto da sua instalação. Energy Management Solutions Utilize nossa experiência para maior segurança e eficiência de sua instalação... Soluções de gestão energética Poupe dinheiro – assegure a continuidade de atendimento aos clientes e minimize os custos associados às paralisações. Reduza os riscos – desde o custo da perda de dados até o custo da perda de vidas, dependendo da situação. Maximize seus investimentos de capital – forneça as informações necessárias para construir a infraestrutura apropriada (sem excessos). Soluções de segurança para toda a instalação Preserve a segurança – com a linha ExSite de sistemas de segurança por vídeo a prova de explosão, inclusive um Pacote Ótico Integrado (IOP) com câmera de foco automático e módulo de lente com recursos programáveis e opção de operação diurna/noturna. Relaxe – Confiável e simples, o Modicon™ Hot-Standby System não requer um código de programa específico para gravar e oferece a troca automática de IP para manter uma ligação contínua com o SCADA. Make the most of your energy SM Faça o download do “Guia de Soluções para Óleo & Gás da Schneider Electric” GRATUITAMENTE e inscreva-se para concorrer a um Samsung Galaxy Note II Visite a página www.SEreply.com Keycode 15818H ©2013 Schneider Electric. Todos os direitos reservados. Todas as marcas da Schneider Electric, Modicon, e Make the most of your energy são propriedade da Schneider Electric Industries SAS ou das suas filiais.Todas as outras marcas comerciais são de propriedade de seus respectivos proprietários. • www.schneider-electric.com • 998-2092_BR_Galaxy TN Petróleo 91 17
  18. 18. indicadores tn Produção de aço bruto deve alcançar 34,5 milhões de toneladas em 2013 Assim como a produção, o consumo aparente, resultado da soma das vendas internas com a importação por distribuidoras e consumidores, também foi revisado para baixo, com volume de 25,9 milhões de toneladas. Já a importação e a exportação de aço devem ficar com uma queda em torno de 13% este ano. Mesmo assim, o setor de aço tem uma sobra da capacidade em relação à demanda de 69%, o que é um bom número em relação a outros países. “Não há setor da indústria brasileira que tenha essa sobra de capacidade”, afirmou Marco Polo de Mello Lopes, presidente executivo do Instituto Aço Brasil. Segundo ele, o país vem sofrendo uma perda de competitividade da indústria de transformação, por vários motivos, mas principalmente com relação ao volume excedente de aço no mercado internacional, de 580 milhões de toneladas, da agressiva participação chinesa no mercado e também dos altos impostos no mercado siderúrgico. Com um mercado interno andando de lado, Mello acha fundamental que se façam ações que aumentem o consumo de materiais feitos no Brasil. “O conteúdo nacional é fundamental para o crescimento do setor de aço”, afirmou. As perspectivas do Instituto Aço Brasil são de que o consumo apa18 TN Petróleo 91 Foto: Divulgação CSN O Instituto Aço Brasil (IABr) divulgou uma revisão para baixo em suas previsões do cenário da indústria do aço no Brasil para este ano. A instituição prevê que a produção de aço bruto no país deve chegar a 34,5 milhões de toneladas, uma redução em relação aos números anteriores, que eram de uma produção na casa dos 36,5 milhões de toneladas. rente apresente uma alta de 3,8% em 2014, alcançando o patamar de 27 milhões de toneladas. Já o Sindisider (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Produtos Siderúrgicos) fez um levantamento no qual apontou que as vendas de aços planos apresentaram alta de 11,2% em julho em comparação ao mês anterior, totalizando 386,8 mil toneladas. Sobre o mesmo período do ano passado, quando foram comercializadas 342,1 mil toneladas, a elevação foi de 13,1%. Os dados foram apurados junto aos distribuidores associados ao Inda (Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço). As compras apresentaram elevação de 6% em comparação ao mês anterior, passando de 390,3 mil toneladas para 413,8 mil toneladas em julho. No acumulado de janeiro a julho deste ano, as vendas tiveram um leve incremento de 0,3% contra o primeiro semestre de 2012, com volume total de 2.530,8 mil toneladas. Em relação às compras, houve um acréscimo de 9,3%, contabilizando 2.717,6 mil toneladas ante 2.486,3 mil toneladas no ano passado. “O volume de vendas foi superior à previsão do Sindisider devido, dentre outros fatores, à presença de três dias úteis a mais em julho em relação ao calendário dos meses anteriores”, explica Carlos Jorge Loureiro, presidente da entidade. Ainda de acordo com dados do sindicato, a importação de aço plano comum pelo mercado brasileiro encerrou julho com alta de 109,4% em relação ao mês anterior, totalizando 183,9 mil toneladas ante 87,8 mil toneladas. Entretanto, no acumulado deste ano, houve uma retração de 20% no volume de produtos estrangeiros (806,2 mil toneladas). Para agosto, as compras e vendas devem permanecer estáveis, segundo projeções do Inda.
  19. 19. TN Petróleo 91 19
  20. 20. indicadores tn A balança comercial brasileira registrou novo superávit (exportações maiores do que importações) na segunda semana de setembro, de US$ 617 milhões. Com isso, o déficit acumulado no ano voltou a cair – de US$ 3,47 bilhões para US$ 2,85 bilhões. O superávit da segunda semana foi resultado de exportações de US$ 5,22 bilhões e importações de US$ 4,61 bilhões. As vendas externas de produtos básicos, ou seja, sem valor agregado, foram as principais responsáveis pelo resultado. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. As exportações de produtos básicos tiveram elevação de 23,8% na comparação com a primeira semana de setembro, segundo o critério da média diária. Os itens que encabeçaram a alta foram petróleo bruto, minérios de ferro e cobre, milho e café. Na análise do mês, comparando-se a média diária acumulada de setembro deste ano com a do mesmo mês de 2012, as vendas de não industrializados aumentaram 3,1%, por conta, principalmente, de petróleo bruto, farelo e grão de soja, carne bovina Foto: TN Petróleo Balança comercial melhora desempenho e reduz déficit acumulado no ano e minério de cobre. As vendas de produtos de maior valor agregado (manufaturados e semimanufaturados) caíram tanto na comparação semanal quanto na mensal. A elevação das vendas externas de petróleo pode apontar um início de recuperação da balança brasileira. Em função de fatores como aumento da demanda interna e parada programada para manutenção de plataformas de petróleo, o Brasil exportou menos e importou mais o produto em 2013. A situação provocou resultados deficitários sucessivos na balança. No início do mês, ao comentar os números da balança de agosto, o secretá- rio de Comércio Exterior, Daniel Godinho, disse que o encerramento de 2013 com superávit dependeria da retomada da produção do combustível. As importações também apontaram uma mudança na situação do petróleo. As compras brasileiras de combustíveis e lubrificantes, que estavam em ascensão, caíram 5,7% nas duas primeiras semanas de setembro deste ano, ante o mesmo mês de 2012, de acordo com o critério da média diária. No geral, as aquisições do Brasil no exterior registraram queda de 1,1% no período, com média diária de US$ 907,6 milhões. PIB deve fechar 2013 em 2,35% As instituições financeiras pesquisadas pelo Banco Central (BC) fizeram ajustes nas projeções para o crescimento da economia. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, passou de 2,32% para 2,35%, este ano e caiu de 2,30% para 2,28%, em 2014. A estimativa para a expansão da produção industrial caiu de 2,11% para 2,10%, este ano, e segue em 3%, para 2014. A projeção das instituições financeiras para a relação entre a dívida 20 TN Petróleo 91 líquida do setor público e o PIB segue em 35%, este ano, e foi ajustada de 34,85% para 34,80%, no próximo ano. Ainda de acordo com a pesquisa do BC a instituições financeiras, o dólar deve fechar este ano cotado a R$ 2,36, a mesma estimativa da semana passada. Para 2014, a previsão segue em R$ 2,40. A estimativa para o superávit comercial, saldo positivo de exportações menos importações, passou de US$ 3 bilhões para US$ 2,5 bilhões, este ano, e de US$ 8 bilhões para US$ 10 bilhões, em 2014. A previsão das instituições financeiras para o saldo negativo em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior) foi ajustada de US$ 77 bilhões para US$ 78,00 bilhões este ano, e segue em US$ 78,9 bilhões, em 2014. A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) foi mantida em US$ 60 bilhões tanto para 2013 quanto para o próximo ano.
  21. 21. SENAI. SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA SUA EMPRESA CRESCER. JÁ SÃO MAIS DE 70 ANOS DE EXCELÊNCIA E PARCERIA COM A INDÚSTRIA. O SENAI do Rio, integrante do Sistema FIRJAN, trabalha com serviços tecnológicos e educação profissional para fazer a sua empresa se destacar. Com uma ampla rede de atendimento, disponibilizamos soluções integradas com excelência em Solda, Ambiental e Automação e Simulação. Aqui a sua empresa tem tudo para ir cada vez mais longe. Agende a sua visita e venha conhecer uma de nossas unidades: petroleo.gas@firjan.org.br Visite o estande do SENAI na OTC Brasil: H17. firjan.org.br TN Petróleo 91 21
  22. 22. indicadores tn O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) publicou no dia 26 de agosto a lista com o preço médio ponderado ao consumidor final dos principais combustíveis utilizados pelo setor de transporte no país, ou seja, gasolina, etanol e diesel. Os valores deverão ser adotados a partir de 1º de setembro nos estados e no Distrito Federal. De acordo com a tabela do Conselho, o litro mais caro da gasolina é o cobrado no Acre, R$ 3,25. Em seguida, vêm Rondônia (R$ 3,05), Amazonas e Tocantins (R$ 3,03). Os valores mais baratos estão no Piauí (R$ 2,78), Paraíba (R$ 2,80) e Pernambuco (R$ Foto: TN Petróleo Preços dos combustíveis para setembro 2,81). Os únicos estados que não tiveram os preços divulgados foram Bahia, Rio Grande do Sul e São Paulo. O Acre também está em primeiro lugar no quesito ‘valor do diesel’, que ficará em R$ 2,72, na média. O topo da lista tem ainda os estados de Roraima (R$ 2,56), Mato Grosso (R$ 2,57) e Rondônia (R$ 2,51). Já os motoristas do Mato Grosso do Sul (R$ 2,20), Ceará (R$ 2,25), Maranhão e Rio Grande do Norte (R$ 2,26) são os que mais economizam na hora de abastecer com diesel. Já o etanol tem Acre (R$ 2,63), Roraima (R$ 2,55), Alagoas e Paraíba (R$ 2,47) como os estados com valor mais elevado do combustível. Os preços mais em conta são os de Goiás (R$ 1,92), Mato Grosso (R$ 1,96), Mato Grosso do Sul (R$ 1,97) e Paraná (R$ 1,99). Demanda mundial de petróleo deve crescer em 2014 Em relatório mensal, a Opep revisou para cima a sua previsão para a demanda mundial de petróleo para 2014, reflexo dos dados acima do esperado para a primeira metade deste ano, com sinais positivos nas economias de grandes países como Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha. 22 TN Petróleo 91 Produção de países-membros da Opep e não membros – set/11 a ago/13 32 31 30 29 28 27 Com o início dos trabalhos em Papa-Terra, que tem produção estimada para começar em outubro, a Opep acredita que o suprimento de petróleo no Brasil deva crescer na segunda metade deste ano. O fornecimento de petróleo no Brasil, em bases trimestrais, deve ficar em 2,54 mb/d, 2,58 mb/d, 2,67 mb/d e 2,67 mb/d, respectivamente. Dados divulgados no último dia 12 de setembro pela Agência Internacional de Energia (AIE) mostram que o Brasil consumiu média de 3,043 milhões de barris de petróleo em junho, 45 mil barris menos que a expectativa da entidade. Por isso, a AIE reduziu a previsão de Out 12 Jul 13 Nov 12 Ago 13 Ago 13 Maio 12 Set 13 Jun 12 Mai 12 Fev 13 Jun 12 Mar 13 Jul 13 Abr 12 Abr 12 Jan 13 Jan 12 Out 12 Fev 12 Nov 12 Mar 12 Dez Nov 11 Ago 12 Dez 12 Set 11 Set 11 Jun 12 Out 12 Jul 11 Abr 12 Jul 11 Ago 11 Maio 12 Mar 12 Jun 11 Jan 12 Abr 11 Fev 11 Maio 12 Nov 11 Fev 11 Dez 11 Mar 11 26 Set 11 Dez 10 Out 11 Jan 11 De acordo com a entidade, a previsão para 2013 é de que a demanda cresça 0,8 mb / d, mantendo os números anteriores de 89,74 milhões de barris por dia, já em 2014, a demanda mundial de petróleo deverá crescer em 1,0 mb / d. Com relação a oferta mundial de petróleo, os dados preliminares da Opep mostram que ficou em uma média de 89,94 mb / d em agosto, diminuição de 0,43 mb / d em relação ao mês anterior. Já o petróleo proveniente dos países-membros da Opep alcançar 33,6% de participação na oferta global. Com relação ao consumo de petróleo na América Latina, a Opep estima que ficará em torno de 6,49 milhões de barris por dia, um crescimento de 230 mil barris em comparação ao registrado em 2012. Segundo o relatório, a projeção para o fornecimento de petróleo no Brasil é de que haverá um pequeno crescimento esse ano, podendo chegar a 2,61 milhões de barris por dia, o que representa uma revisão de 15 mil barris em comparação com o último relatório da entidade. A revisão para cima veio muito devido aos números da produção de petróleo do país em julho, que indicam crescimento. crescimento da demanda por petróleo no Brasil em 2013, que deve crescer 3,4% na comparação com o ano anterior, contra uma previsão de 3,6%. Em relatório mensal, a AIE diz que o ritmo da economia brasileira tem impedido uma reação mais evidente do consumo dos derivados de petróleo no país. Para 2014, a AIE espera aumento da demanda por petróleo de 3,14%, menos que o esperado para 2013. Dessa forma, a entidade prevê que o Brasil terminará 2013 com consumo médio de 3,088 milhões de barris e alcance 3,185 milhões de barris no próximo ano.
  23. 23. MUITO ALÉM DA ENERGIA. VAMOS ALÉM DE GARANTIR A SEGURANÇA, A GENTE GERA CONFIABILIDADE. A Villares Metals fornece aços especiais para fabricação de componentes utilizados no segmento de óleo e gás. Estamos presentes da superfície até o fundo do mar, totalmente comprometidos com o desenvolvimento do mercado energético. Peças para as mais diferentes aplicações: cabeça de poço, árvore de Natal, manifold, conectores, risers, PLEM/PLET, ferramentas para perfuração, barras em aços e ligas especiais. vendas@villaresmetals.com.br 0800 707 0577 | 55 19 3303 8149 MUITO ALÉM DO AÇO. TN Petróleo 91 23
  24. 24. indicadores tn A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 207,7 milhões para a construção de uma unidade de produção de etanol de segunda geração (2G) a partir da biomassa da cana-de-açúcar. Será o primeiro projeto no mundo que utilizará tecnologias para conversão do bagaço e da palha da cana em escala industrial totalmente integrada ao processo de etanol convencional, obtido a partir do caldo da cana-de-açúcar (1G). O empreendimento ou vem sendo no prazo de dois anos a partir do segundo semestre de 2013 e os recursos serão desembolsados por meio do BNDES PSI Projetos Transformadores e da linha Investimentos Sociais. Os empreendimentos apoiáveis pelo programa são aqueles com elevada capacidade tecnológica e produtiva em setores de alta intensidade de conhecimento e engenharia, e que induzam encadeamentos e ganhos de produtividade e qualidade. Produção da Petrobras de óleo, lgn e gás natural DJ Oil & Gas (%) Período de 02/2013 a 07/2013 12/julho Produção de óleo e LGN (em mbpd) - Brasil Fev Mar Abr Bacia de Campos 1.562,5 1.480,4 1.532,4 Outras (offshore) 145,6 156,9 180,2 Total offshore 1.708,1 1.637,4 1.712,6 Total onshore 212,1 209,1 211,0 1.920,2 1.846,4 1.923,5 Total Brasil Maio Junho Julho 1.523,5 1.565,0 1.479,1 165,0 208,7 208,3 1.688,5 1.773,7 1.687,4 203,3 204,9 200,1 1.891,8 1.978,6 1.887,5 Produção de GN sem liquefeito (em mm³/d)* - Brasil Fev Mar Abr Bacia de Campos 24.459,2 24.021,2 24.892,4 24.721,9 24.407,1 23.385,3 Outras (offshore) 22.590,7 23.539,1 21.512,2 19.216,5 23.459,0 23.522,7 Total offshore 47.040,9 47.560,2 46.404,6 43.938,4 47.866,1 46.908,0 Total onshore 15.810,2 16.059,1 16.019,7 15.784,0 15.563,4 15.809,2 Total Brasil 62.860,1 63.619,4 62.424,2 59.722,4 63.429,6 62.717,1 Fev Mar Abr Maio Maio Junho Junho Julho Julho 149,1 147,9 146,8 144,3 144,1 116,7 Produção de GN sem liquefeito (em mm³/d) - Internacional Exterior 15.764,1 15.547,2 15.241,8 15.128,3 15.419,0 15.617,7 Produção total de óleo, LGN e de gás natural (em mboe/d) Brasil+Exterior 2.557,4 2.485,9 2.552,5 2.500,8 2.612,4 24 TN Petróleo 91 0.40 0.63 Variação no período: 2.46% bovespa (%) 12/julho 12/julho -2.34 0.04 Variação no período: 15.43% dólar comercial* 12/julho 16/setembro 2.266 2.284 2.490,5 euro comercial* 12/julho 16/setembro 2.96 3.04 Variação no período: 2.88% (*) Inclui gás injetado. (**) Em 2003 inclui os dados da Petrobras Energia (ex-Pecom). 16/setembro Variação no período: 0.80% Produção de óleo e LGN (em mbpd)** - Internacional Exterior Foto: Unica BNDES financiará primeira unidade de etanol de segunda geração do mundo Fonte: Petrobras *Valor de venda, em R$
  25. 25. A nova unidade industrial será construída na Usina Costa Pinto, em Piracicaba (SP), e terá capacidade anual de produção de etanol 2G de 40 milhões de litros. O empreendimento é de propriedade da Raízen Energia, uma associação entre a Cosan, grupo brasileiro de energia e infraestrutura, e a Shell. O projeto apoiado pelo BNDES possibilitará maior produtividade por hectare de cana plantado, contribuindo para a redução da necessidade de expansão da área agrícola para a produção de biocombustíveis. Na nova usina, o processo produtivo de etanol 2G será integrado ao processo de produção de etanol 1G e englobará as seguintes eta- pas: pré-tratamento; hidrólise enzimática; fermentação; e purificação. As duas últimas tecnologias já são utilizadas em escala comercial na produção do etanol de primeira geração, enquanto as duas primeiras serão desenvolvidas com base nos testes realizados por parceiros tecnológicos no Brasil e no exterior. Outros apoios – Além desta operação, o BNDES já aprovou financiamento a quatro projetos destinados ao desenvolvimento de Etanol 2G, no valor total de R$ 991 milhões, todos eles no âmbito do Plano Conjunto BNDES-Finep de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico / PAISS . ações ações ações ações ações ações ações ações ações petrobras 12/julho ON 16/setembro -1,69 1,57 R$ 14,55 12/julho PN R$ 17,44 16/setembro -2,34 1,77 R$ 15,43 R$ 18,45 VALE 12/julho ON 12/julho 16/setembro -0,30 PNA -1,74 R$ 29,84 “As últimas notícias de espionagem americana a Petrobras não impedem nada realização do leilão de Libra.” Helder Queiroz, diretor da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) 16/09/2013 - Valor Econômico. “O Rio Grande do Sul hoje tem um polo naval que mostra a capacidade e a força de uma política que decidiu que era possível sim produzir no Brasil.” Dilma Rousseff, durante assinatura dos contratos para construção das plataformas P-75 e P-77 com o Consórcio RIG - 16/09/2013 Agência Petrobras. “O Brasil era o mercado favorito de todos. É fácil atirar pedras agora, mas ninguém colocou uma arma na cabeça de ninguém e disse você tem que comprar.” Will Landers, que cuida dos fundos de ações da 16/setembro -1,58 FRASES R$ 36,39 -1,74 R$ 27,06 OGX R$ 33,08 América Latina da Black Rock, maior gestora de recursos do mundo. 16/09/2013 - Dow Jones Newswires. “Estamos caminhando para BRASKEM 12/julho 12/julho 16/setembro ON -21,82 assistir ao fenômeno da energia 16/setembro eólica também com o setor solar -0,09 fotovoltaico nos próximos anos.” -2,56 PNA -2,03 R$ 0,43 R$ 0,38 R$ 15,94 R$ 18,63 petróleo brent (US$) 12/julho 109.07 16/setembro 109.84 Variação no período: 2.41% petróleo WTI (US$) 12/julho 106.17 16/setembro 105.36 Variação no período: 0.89% Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética - 12/09/2013 - TN Petróleo. “Não tenho a menor ideia do que o governo americano quer. O avanço tecnológico não é um assunto exclusivamente brasileiro. Uma das áreas de maior avanço tecnológico fica no Golfo do México, porque lá o mercado é muito disputado.” Wagner Freire, ex-diretor de exploração e produção da Petrobras sobre a notícia de que a estatal ter sido alvo de espionagem do governo americano. 09/09/2013 - Valor Econômico. TN Petróleo 91 25
  26. 26. entrevista exclusiva Empreender e inovar é preciso por Beatriz Cardoso Passar isso do discurso à prática é o grande desafio do Brasil, como nos mostra Ozires Silva, expresidente da Embraer e da Petrobras, duas das mais importantes companhias brasileiras, reconhecidas internacionalmente por sua capacidade inventiva. “Continuo a acreditar que o sucesso do Brasil, na acirrada competição moderna de nossos dias, somente pode ser alcançado pela constância dos esforços para empreender e inovar”, afirma o oficial da Aeronáutica e engenheiro formado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), que aos 82 anos continua a trabalhar todos os dias. Atualmente é reitor da Unimonte, instituição particular de ensino superior localizada em Santos (SP). 26 TN Petróleo 91 Nesta entrevista exclusiva concedida à TN Petróleo, Ozires Silva, que se tornou exemplo da capacidade empreendedora e inovadora dos engenheiros brasileiros – inclusive na gestão de empresas –, fala dos fatores que restringem a inovação e, por consequência, a geração de patentes brasileiras. “Para sairmos desse círculo de limitações, é preciso estimular os investimentos de risco, pois eles que proporcionam fundos financeiros para encorajar pesquisadores ou inventores, os quais mais tarde serão professores ou alunos das Universidades e, sobretudo, alcançarão as empresas produtoras.” Para ele, o Brasil, por ser uma das sete maiores economias do mundo, ainda precisa ganhar posições internacionais que sejam proporcionais à sua dimensão. “Temos que manter nossa convicção de que o Brasil, um país continente, não pode continuar nos padrões atuais. Precisamos aumentar nossa eficiência gerencial e produtiva e passar a ter presença em todos os países, como vários outros estão conseguindo permear as expectativas de compras dos seus cidadãos e dos consumidores internacionais.” TN Petróleo – O senhor é um símbolo do empreendedorismo, apontado como um visionário que acreditou na inventiva e na capacidade tecnológica brasileira, coisa comprovada na criação da Embraer, hoje uma das mais importantes empresas do país. Como foi criar algo inovador, empreender em um país que sequer sabia o que era isso na década de 1970? Hoje seria mais fácil? Ozires Silva – Não me julgo um símbolo do empreendedorismo. Ao contrário, a criação e o desenvolvimento da Embraer foi o resultado do trabalho de uma competente equipe, embora inicialmente pequena, que pôde conquistar um bom grau de confiança e apoio da Força Aérea Brasileira, dando como resultado uma real cooperação entre a iniciativa privada e o Governo. Isso acontece em muitos países em empreendimentos de longo prazo de maturação, técnica e tecnologicamente avançados, que precisam avançar sobre novos conhecimentos e contar com muitos recursos humanos e financeiros, que, não encontrando visão de apoio nos sistemas econômicos tradicionais, podem encontrar caminhos de ruptura com o passado, com a cooperação governamental e fazer nascer algo de novo. Por que ainda é difícil empreender no Brasil? Qual é o grande desafio do Brasil para se posicionar como um país empreendedor, se ele já se consagrou em algumas áreas nas quais o peso da tecnologia é enorme, como aeronáu-
  27. 27. Ozires Silva, ex-presidente da Embraer e da Petrobras e reitor da Unimonte, SP No mundo complexo e de produtos sofisticados, no qual vivemos, precisamos de brasileiros bem formados na educação básica e, sobretudo, com proficiência destacada no Fotos: Divulgação nível superior. tica, óleo e gás, telecomunicação? O nosso problema não é tecnologia, é educação básica? Temos um problema conjuntural, ou de comportamentos, arraigado ao longo de muitas décadas (ou séculos) de posição inferiorizada – mais por crenças do que por uma realidade de vanguarda –, que leva os consumidores brasileiros, numa competição entre produtos estrangeiros e nacionais, a sempre darem suas preferências aos importados. Sim, os nossos problemas começam na precariedade da educação básica e isso extrapola para o nível superior! No mundo complexo e de produtos sofisticados, no qual já vivemos, precisamos de brasileiros bem formados na educação básica e, sobretudo, com proficiência destacada no nível superior, fundamental para compreender e produzir os produtos de alto valor agregado que vencem no mundo contemporâneo. Quando é citado o caso da Embraer, e de sua consagrada vitória no campo muito competitivo da indústria aeronáutica (produzindo e vencendo no mercado mundial, com aviões entre os mais complexos da atualidade), pode-se facilmente constatar que essa posição de destaque foi conseguida graças à criação, em 1950, do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), de São José dos Campos. Sem ele, de alto nível, criado e mantido pelo Comando da Aeronáutica Brasileira, não se poderia falar da Embraer e de seus sucessos. São poucos os exemplos de empreendedorismo no Brasil. Por que isso acontece? O que falta ao país para ser mais empreendedor? Segundo a já tradicional pesquisa mundial, realizada ano a ano pelo Banco Mundial (www.doingbusiness. com), e mesmo pela crença nacioTN Petróleo 91 27
  28. 28. entrevista exclusiva nal, o cidadão brasileiro se destaca pela sua criatividade e pela facilidade com que absorve o novo, a novidade! Faltam-nos os mecanismos financeiros de geração de capitais de risco que ajudem os nossos inventores e pesquisadores, tanto do setor privado como do governamental, a vencer a dura luta para produzir inicialmente seus produtos e os levar ao mercado consumidor, tanto nacional como internacional. O mundo atual respeita os Estados Unidos e classifica o país como o mais criativo e dinâmico do mundo atual. E, dentro dos Estados Unidos, o estado da Califórnia destaca-se na criação e na permanente perseguição da inovação. Se examinarmos e tentarmos compreender o porquê das características fundamentais que justificam esse destaque mundial, veremos que os criativos inovadores norte-americanos dispõem de mecanismos que minimizam seus riscos financeiros pessoais ou estruturais, colocando-os em condições de competirem, não apenas em seu mercado interno como também no internacional. A universidade é apontada como um dos melhores ambientes para a disseminação da cultura do empreendedorismo e também da inovação. Como reitor, o que o senhor sente ainda faltar nas universidades para 28 TN Petróleo 91 O Brasil inova razoavelmente, mas não conta com os mecanismos que favoreçam nossos inventores, pesquisadores e investidores a produzir competitivamente contra produtos de inovadores estrangeiros. que ela possa ter uma atuação mais forte neste sentido? O que o senhor sugere para reforçar esta vocação da universidade? Realmente as universidades contribuem muito para a cultura do empreendedorismo e da inovação, embora as líderes mundiais da criação e da realização de produtos no mercado sejam as empresas. Todavia, elas necessitam da cooperação das IES (Instituições de Ensino Superior) para ganhar as capacitações suplementares ou complementares que necessitam para conquistar o domínio tecnológico dos seus produtos. O que nos diferencia intensamente dos resultados norte-americanos é que, devido ao nosso comportamento e ao das nossas instituições em geral, temos poucas marcas nacionais ou internacionais, e, menos ainda, de empresas que foram capazes de, direta ou indiretamente, dominar a conquista da Propriedade Intelectual de seus produtos, como é o caso da Embraer – e de umas poucas entidades produtivas nacionais. No seu livro Cartas a um jovem empreendedor, o senhor fala dos cuidados que o jovem deve ter para não desistir de empreender. O que o senhor diria não ao jovem, mas aos adultos, de 40, 50 anos, que ainda acreditam ser possível empreender e se sentem desanimados pela idade? Afinal, o senhor é o oposto disso, pois continua um empreendedor aos 82 anos! A natureza é sábia quando nos faz a todos diferentes. Não existem duas criaturas iguais e cada qual reage de sua forma, segundo suas vocações e do apoio da sociedade em que vive. A criatividade e o desejo de empreender ocorrem em todas as idades, isto é, entre os mais novos e os velhos. É claro que um empreendimento de sucesso nasce da experiência do empreendedor, que adquire essa experiência, errando! Claramente, os mais idosos cometeram mais erros ao longo de suas vidas e, assim, nota-se que nas equipes de grande sucesso mundial encontram-se pessoas das mais diferentes idades. Se alguém começa sua vida empreendendo, pode se fascinar pelo processo de inovar e ficar surpreendido com os resultados conseguidos. Portanto, é normal se desejar continuar e sempre tentar empreender outra vez mais tarde. Pode ser isso que tenha me acontecido. Não sei! Mas, quando vejo os produtos que estamos recebendo do mundo, em particular dos países do hemisfério Norte, mesmo de nações bem menores que o nosso Brasil, com etnias, religiões e crenças diferentes entre si (o que não se observa aqui), vejo que tenho, como muitos outros, de continuar a acreditar que o sucesso do Brasil, na acirrada competição de nossos dias, somente pode ser alcançado pela constância dos esforços para empreender e inovar.
  29. 29. empreender e inovar é preciso Quais as outras áreas em que o Brasil tem se saído bem, tanto em projetos empreendedores, como em inovação? Embora nossos números de sucessos mundiais na inovação não sejam muitos, quando comparados com países de sucesso, temos bons casos a relatar. Pode-se colocar o sucesso da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e do seu impulso à nossa agricultura, hoje modernizada e mundialmente competitiva. Temos a WEG, de Jaraguá do Sul (SC), que ganhou expressivas vantagens competitivas nas áreas de máquinas elétricas e de automação industrial. Também a Marcopolo, hoje líder mundial na exportação de ônibus. E muitos outros casos, cuja divulgação não tenha nos atingido. Inovar é preciso, assim como navegar. A geração de patentes tem aumentado, mas ainda estamos muito longe de outros países. Por que o Brasil ainda inova tão pouco? Gerar patentes não é fundamental? Como já mencionei, o Brasil inova razoavelmente, mas não conta com os mecanismos que favoreçam nossos inventores, pesquisadores e investidores a produzir competitivamente contra produtos de inovadores estrangeiros. Acompanhamos de perto as reclamações empresariais, as quais, a despeito dos clamores da sociedade produtiva, as autoridades governamentais parecem distantes de aceitar que, sem um ambiente que estimule a materialização do processo criativo, não podemos vencer no mercado mundial. Não são poucos os pesquisadores e empreendedores que têm morrido antes de conseguir implantar os resultados do seu trabalho inovador. De um lado, a descrença do consumidor típico nacional, em relação aos produtos nacionais brasileiros e, de outro, o peso da nossa burocracia e a dos impostos – claramente, entre os mais desencorajadores do mundo – pesam muito na insuficiência dos nossos resultados. A Petrobras é a primeira geradora de patentes no país, seguido de universidades e algumas empresas. O que é possível fazer para aumentar, ampliar a capacidade de geração de patentes no meio universitário? A patente surge em geral na empresa que, desejando proteger seus produtos, procura patenteá-los. As universidades não se sentem encorajadas para patentear um produto se não encontra empresas que possam assumir os riscos de produzi-los, assegurando o natural retorno dos investimentos. Assim, para sairmos de verdadeiros círculos de limitações, precisamos estimular os investimentos de risco, que proporcionem fundos ENCONTRAR UMA BOA CONSULTORIA PARA INOVAR É COMO ACHAR PETRÓLEO: O LUCRO É CERTO. O Sebraetec é um programa que incentiva a inovação em micro e pequenas empresas. São consultorias e soluções como um novo site, embalagens diferenciadas, registro de marca e soluções para problemas tecnológicos. E o melhor, o Sebrae/RJ cobre 80% do valor investido. Procure o Sebrae/RJ. Como vai? Somos o Sebrae. Especialistas em pequenos negócios.91 TN Petróleo 0800 570 0800 | www.sebraerj.com.br 29
  30. 30. entrevista exclusiva financeiros para encorajar pesquisadores ou inventores, professores ou alunos das universidades e, sobretudo, que atinjam as empresas produtoras. Não podemos nos esquecer de que as tecnologias, métodos e processos industriais podem ter várias origens, mas se materializam nas empresas produtivas. De qualquer forma, insistindo nesse aspecto, já se notou que precisamos de um sistema de apoio e que proporcione os capitais de risco necessários, para dar partida à colocação no mercado de um produto inovador. de algum modo e pode variar entre os casos identificados. Não diria que se trata de característica única do lado brasileiro, pois examinando casos semelhantes do mundo, encontram-se inúmeras regiões que se transformaram em consequência de descobertas de recursos naturais de interesse do sistema produtivo. Isso aconteceu com minérios e mesmo com o petróleo que transformou cidades inteiras, colocando novos vetores para o desenvolvimento da sociedade e de produtos lançados no mercado. A cultura da cooperação entre universidade e setor privado tem se consolidado em alguns setores, como o de óleo e gás, química e farmoquímica, tecnologia da informação, entre outros, para gerar inovação. No setor de óleo e gás, em função dos desafios do desenvolvimento do pré-sal, hoje a cooperação entre empresas, centros de pesquisa e universidades está ajudando a formar uma grande rede temática do óleo e gás. Esse é um modelo que o senhor considera bem-sucedido e importante para o futuro desta ou de outras indústrias? O que consideraria uma característica única nesse processo de parcerias no mercado brasileiro? Na atualidade, as inovações estão sendo consideradas como as centelhas iniciais de grandes realizações. E as inovações não surgem de uma sociedade fechada e ausente. O sistema de criação de empreendimentos não floresce a não ser que o ambiente vivido na região seja favorável. Assim, como colocado na pergunta, a cooperação entre todos pode mudar o presente ou o futuro de uma cidade ou de uma região. É o caso do pré-sal que está surgindo, a partir de uma descoberta, numa região, cujas vocações locais não estimulam o desenvolvimento da necessária base criativa, produtiva e comercial. Isso precisa ser estimulado O senhor acredita que a indústria brasileira de petróleo e gás, assim como outros setores da sociedade, inclusive a universidade, terão condições de aproveitar toda a oportunidade proporcionada pelo pré-sal e tornar o país, mais do que um produtor de petróleo, mais inovador, um exportador de tecnologia? Os desafios tecnológicos do pré-sal são amplos e os conhecimentos técnicos para o seu aproveitamento não estão disponíveis em todo o mundo. A profundidade das lâminas d’água, e mesmo do terreno sob o mar, são de sorte a causar preocupações. Há especialistas que sugerem prudência em relação às possibilidades de recuperar o óleo do pré-sal, em muitos dos sítios identificados nas descobertas anunciadas. Além dos problemas técnicos, existem os econômicos. Se forem materializadas as previsões atuais de que os Estados Unidos, que hoje é o maior consumidor, maior produtor e maior importador de energia fóssil, em breve serão autossuficientes, o cenário econômico da indústria petrolífera facilmente se transformará, podendo tornar não viáveis econômica e financeiramente a pesquisa e a exploração de importantes áreas do pré-sal, no que se refere aos sítios mais distantes e de maior profundidade das reservas. 30 TN Petróleo 91 O senhor foi presidente da Petrobras de 1986 a 1989, período em que a empresa consolidou alguns marcos, como por exemplo: alcançou a produção de 500 mil barris diários de petróleo; descobriu os dois primeiros campos gigantes Albacora (1984) e Marlim (1985), na Bacia de Campos; lançou o Procap (programa de capacitação tecnológica para produção em águas profundas e ultraprofundas); obteve o recorde mundial em exploração e produção em águas profundas, com a perfuração de poços a mais de 1.200 m de profundidade d’água e produção a 400 m; descobriu Marlim Leste (1987); iniciou da produção do campo do rio Urucu, no Alto Amazonas... Quais foram os maiores desafios na gestão da companhia, naquela época, quando poucos acreditavam no potencial brasileiro para petróleo e gás? Os desafios enfrentados naquela época, sem dúvida, tiveram origem no insuficiente apoio para que criações das equipes técnicas da empresa pudessem encorajar iniciativas para o futuro, não somente na produção como no importante campo da comercialização do petróleo e seus derivados. Po r ex e m p l o , p e rs e g u i m o s a ideia da criação da Petrobras Overseas, uma tentativa de internacionalizar a companhia, abrindo possibilidades para que ela passasse a ser uma integrante do Grupo do passado das “Sete Grandes”, na época também conhecidas como “As Sete Irmãs”, as quais dominavam o mercado mundial do óleo. A ideia foi muito combatida, decretando a mortalidade da iniciativa, nem mesmo chegando a ser iniciada. Esse exemplo repete-se muito no Brasil, pois temos a tendência de sempre acreditar no que acontece no hemisfério Norte, mas subestimamos todas as iniciativas que nascem nas regiões subdesenvolvidas do planeta, aonde nos encontramos. Razão pela qual temos poucas marcas e produtos no mundo,
  31. 31. TN Petróleo 91 31
  32. 32. entrevista exclusiva sempre optando pela criatividade e importação de países mais desenvolvidos, em vez de apoiar iniciativas para que tais produtos possam aqui ser concebidos, criados e fabricados. empresa que sofria muito mais interferências do Governo a partir de ações criadas em Brasília e reações grandes pelo que era tentado lançar pelas equipes da empresa. Foi sua primeira experiência nesse setor? Qual era sua expectativa em relação à empresa: o senhor acreditava que ela tinha vocação para inovar, para superar desafios? Não foi minha primeira experiência. Na Petrobras, eu vinha da presidência da Embraer que, criada no final de 1969, lançou-se em algo que ainda não existia no mundo, o transporte aéreo regional. Os principais fabricantes de aviões, empolgados com o potencial dos motores a reação (então recém-criados e conhecidos como ‘jatos’), passaram a fabricar aviões maiores e de maior alcance, abrindo espaços para que se produzissem aeronaves menores, mais adaptadas às cidades menores, cuja infraestrutura aeroportuária era insuficiente para atender os novos aviões de transporte aéreo, maiores, mais velozes, e requerendo bem mais apoio da infraestrutura aeroportuária. Na Petrobras tentei seguir o mesmo caminho, mas encontrei uma O senhor vinha de uma experiência ímpar, a criação da Embraer, que mostrou ao país a vocação para ‘voar’ e ir mais longe, consolidando uma indústria aeronáutica impensável na década de 1960. O senhor acreditava que a Petrobras também podia seguir a mesma trajetória de sucesso? A Embraer era uma sociedade de economia mista, como a Petrobras. Tinha o mesmo acionista, ou seja, o Governo Federal. Mas havia uma grande diferença. Enquanto a Petrobras era vinculada ao Ministério das Minas e Energia, a Embraer era ligada ao então Ministério da Aeronáutica, muito menos interferente, e mais preocupado com as estratégias debatidas entre a empresa e o Governo, mas deixadas à diretoria a missão e o trabalho de cumprir o estabelecido. Como presidente, não me lembro de ter sofrido injunções da Aeronáutica, em nada além do oficialmente aprovado. Sim, fui para a Petrobras Perfil de um empreendedor Ozires Silva nasceu em Bauru (SP), em 8 de janeiro de 1931. Oficial da Aeronáutica e engenheiro formado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em 1970, liderou o grupo que promoveu a criação da Embraer, estando à frente da equipe encarregada de projetar e construir o avião Bandeirante. Depois de presidir a Embraer, comandou a Petrobras de 1986 a 1989, assumindo, em 1990, o Ministério da Infraestrutura. Retornaria então à Embraer em 1991, ajudando a conduzir o processo de privatização da empresa, concluído em 1994. Foi presidente da Varig por três anos (2000-2003) e criou a Pele Nova Biotecnologia, em 2003, primeiro fruto da Academia 32 TN Petróleo 91 Brasileira de Estudos Avançados, empresa focada em saúde humana, com atuação na pesquisa, desenvolvimento e produção de tecnologias inovadoras na área de regeneração e engenharia tecidual. Integrante de conselhos de empresas e de associações de classe, Ozires Silva ainda encontrou tempo para publicar cinco livros: Nas asas da educação: – A trajetória da Embraer, Cartas a um jovem empreendedor – Realize seu sonho: vale a pena, A decolagem de um sonho: a história da criação da Embraer e Etanol: a revoluÀ

×