Enfermagem 2015 - UEPA Tucuruí – Campus XIII
O QUE É?
HIV
 HIV é a sigla em inglês de vírus da imunodeficiência humana.
Causador da AIDS, ataca o sistema imunológico, responsá...
VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA ADQUIRIDA
AIDS
 A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) ocorre
em estágios mais avançados da infecção pelo vírus HIV. O
HIV...
SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANAADQUIRIDA
O ESTIGMA DA DOENÇA
 O estigma ao HIV refere-se a
qualquer atitude desfavorável,
crenças ou comportamento
direcionados às pessoas que
sejam c...
 As pessoas têm dificuldade em falar com outras pessoas sobre o
diagnóstico com medo de serem rejeitados.
 Muitas pessoa...
DIAGNÓSTICO
No Brasil, o diagnóstico da infecção pelo HIV é
regulamentado por meio da Portaria 29, de 17 de
dezembro de 2013, que apr...
Diagnóstico do vírus HIV:
Mulheres Grávidas
 A taxa de transmissão do HIV de
mãe para filho durante a gravidez, sem
qualq...
Diagnóstico do vírus HIV:
Idosos
 A fragilidade do sistema
imunológico em pessoas
com mais de 60 anos
dificulta o diagnós...
Diagnóstico do vírus HIV:
Crianças e Adolescentes
 Quando a criança ou o adolescente não sabem da doença, o
atendimento m...
Diagnóstico do vírus HIV:
Teste rápido
 Possui esse nome, pois permitem a
detecção de anticorpos anti-HIV
na amostra de s...
Diagnóstico do vírus HIV:
Teste Elisa
 É o mais realizado para diagnosticar a doença. Nele, profissionais de
laboratório ...
Diagnóstico do vírus HIV:
Fatores que causam o falso-positivo
Vacina contra influenza H1N1;
Artrite Reumatoide;
Aquisiç...
SINTOMAS
 Quando ocorre a infecção pelo vírus
causador da aids, o sistema imunológico
começa a ser atacado. E é na primeira
fase, ...
 Cansaço e fraqueza por tempo prolongado;
 Febre contínua e prolongada, por mais de um mês;
 Gânglios ou ínguas pelo co...
 Tosse seca continuada, por mais
de um mês, não relacionada com
bronquite crônica nem devido
aos hábito de fumar;
 Monil...
TRATAMENTO
Adesão ao tratamento:
 Aderir ao tratamento para a AIDS, significa tomar os remédios
prescritos pelo médico nos horários ...
Quais são os antirretrovirais?
 Os medicamentos antirretrovirais surgiram na década de 1980, para
impedir a multiplicação...
Quem precisa tomar:
 Apesar dos benefícios já comprovados dos medicamentos
antirretrovirais, o tratamento não é indicado ...
Efeitos colaterais:
 O tratamento com os medicamentos antirretrovirais traz muitos
benefícios aos pacientes: aumentam a s...
PREVENÇÃO
O que podem os profissionais da
saúde fazer?
 Todos os esforços de prevenção reduzem ou limitam o número final
de pessoas...
Prevenir a transmissão
sexual:
 O profissional pode proporcionar informação sobre o
HIV/AIDS e deve também proporcionar a...
Prevenir a transmissão da mãe
para o filho:
 Se o teste for positivo, deve ser informada sobre os riscos de
transmissão a...
OBRIGADO PELAATENÇÃO!
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
HIV vs. AIDS
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

HIV vs. AIDS

1.387 visualizações

Publicada em

Trabalho acadêmico.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.387
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
113
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HIV vs. AIDS

  1. 1. Enfermagem 2015 - UEPA Tucuruí – Campus XIII
  2. 2. O QUE É?
  3. 3. HIV  HIV é a sigla em inglês de vírus da imunodeficiência humana. Causador da AIDS, ataca o sistema imunológico, responsável pela defesa do organismo frente a microrganismos. As células mais atingidas são os linfócitos TCD4+. Por meio de alterações do DNA dessa célula, o HIV produz cópias de si mesmo. Depois de se multiplicar, rompe os linfócitos em busca de outros para continuar a infecção.  Ter o HIV não é a mesma coisa que ter a AIDS. Há muitos soros positivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Mas podem transmitir o vírus a outros por meio de relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação. Por isso, é sempre importante fazer o teste se proteger em todas as situações.
  4. 4. VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA ADQUIRIDA
  5. 5. AIDS  A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) ocorre em estágios mais avançados da infecção pelo vírus HIV. O HIV ataca as células de defesa do nosso corpo, o organismo fica mais vulnerável a diversas doenças, de um simples resfriado a infecções mais graves como tuberculose ou câncer.  Há alguns anos, receber o diagnóstico de aids era uma sentença de morte. Atualmente, é possível ser soropositivo e viver com qualidade de vida. Para isso, é preciso seguir algumas recomendações médicas e tomar os medicamentos indicados corretamente.
  6. 6. SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANAADQUIRIDA
  7. 7. O ESTIGMA DA DOENÇA
  8. 8.  O estigma ao HIV refere-se a qualquer atitude desfavorável, crenças ou comportamento direcionados às pessoas que sejam consideradas portadores do HIV ou que sejam de fato HIV.  Os homossexuais geralmente já enfrentam muita discriminação por serem considerados diferentes. Discutir sobre temas como esses ajudam a nossa comunidade na conscientização que o estigma e a discriminação relacionados ao HIV/AIDS podem causar, além do medo e preocupação das pessoas em relação a transmissão da doença.
  9. 9.  As pessoas têm dificuldade em falar com outras pessoas sobre o diagnóstico com medo de serem rejeitados.  Muitas pessoas encontram apoio através de aconselhamento ou participando em grupos de apoio para pessoas com AIDS, devido a confidencialidade desses serviços.  Educar as pessoas em como lidar e reagir melhor à alguém que acabou de contar sobre seu estado com relação ao HIV. Todos somos responsáveis em eliminar o estigma e discriminação relacionados a doença.
  10. 10. DIAGNÓSTICO
  11. 11. No Brasil, o diagnóstico da infecção pelo HIV é regulamentado por meio da Portaria 29, de 17 de dezembro de 2013, que aprova o Manual Técnico para o Diagnóstico da Infecção pelo HIV em Adultos e Crianças. Uma vez diagnosticado como portador da infecção pelo HIV, o indivíduo deve ser encaminhado prontamente para atendimento em uma Unidade Básica de Saúde do Sistema Único de Saúde ou para um Serviço de Assistência Especializada. Os testes para diagnóstico da infecção por HIV são produzidos pela Fundação Oswaldo Cruz, do Ministério da Saúde, e realizados gratuitamente nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em outras unidades das redes pública de saúde, incluindo um grande número de maternidades. Ligue para o Disque Saúde (136) e veja o melhor local para fazer o teste.
  12. 12. Diagnóstico do vírus HIV: Mulheres Grávidas  A taxa de transmissão do HIV de mãe para filho durante a gravidez, sem qualquer tratamento, pode ser de 20%.  Mas em situações em que a grávida segue todas as recomendações médicas, a possibilidade de infecção do bebê reduz para níveis menores que 1%. As recomendações médicas são: o uso de remédios antirretrovirais combinados na grávida e no recém-nascido, o parto cesáreo e a não amamentação.
  13. 13. Diagnóstico do vírus HIV: Idosos  A fragilidade do sistema imunológico em pessoas com mais de 60 anos dificulta o diagnóstico de infecção por HIV, vírus causador da AIDS. Isso ocorre por que, com o envelhecimento, algumas doenças tornam-se comuns. E os sintomas da AIDS podem ser confundidos com os dessas outras infecções.
  14. 14. Diagnóstico do vírus HIV: Crianças e Adolescentes  Quando a criança ou o adolescente não sabem da doença, o atendimento médico pode ficar prejudicado, pois a equipe médica não conversa abertamente sobre a AIDS e suas implicações na vida. Além disso, compromete a adesão e o autocuidado, já que o paciente não se cuida corretamente.  Os adolescentes precisam conhecer sua sorologia e ser informados sobre os diferentes aspectos e consequências da infecção para se tratar de uma forma adequada. É importante nesse processo o apoio da família, amigos e dos médicos, porque ajuda o jovem a compreender sua condição e se fortalecer apesar da nova realidade.
  15. 15. Diagnóstico do vírus HIV: Teste rápido  Possui esse nome, pois permitem a detecção de anticorpos anti-HIV na amostra de sangue do paciente em até 30 minutos. Por isso, pode ser realizado no momento da consulta. Os testes rápidos permitem que o paciente, no mesmo momento que faz o teste tenha conhecimento do resultado e receba o aconselhamento pré e pós-teste. O teste rápido é preferencialmente adotado em populações que moram em locais de difícil acesso, em gestantes que não fizeram o acompanhamento no pré-natal e em situações de acidentes no trabalho.
  16. 16. Diagnóstico do vírus HIV: Teste Elisa  É o mais realizado para diagnosticar a doença. Nele, profissionais de laboratório buscam por anticorpos contra o HIV no sangue do paciente. Se uma amostra não apresentar nenhum anticorpo, o resultado negativo é fornecido para o paciente. O Elisa é feito com uma placa de plástico que contém proteínas do HIV absorvidas ou fixadas nas cavidades em que cada amostra de soro ou plasma (que são frações do sangue) será adicionada. Após uma sequência de etapas, em que são adicionados diferentes tipos de reagentes, o resultado é fornecido por meio de leitura óptica, em um equipamento denominado leitora de Elisa.
  17. 17. Diagnóstico do vírus HIV: Fatores que causam o falso-positivo Vacina contra influenza H1N1; Artrite Reumatoide; Aquisição passiva de anticorpos anti-HIV(de mãe para filho); Múltiplas transfusões de sangue; Algumas doenças autoimunes; Outras retroviroses.
  18. 18. SINTOMAS
  19. 19.  Quando ocorre a infecção pelo vírus causador da aids, o sistema imunológico começa a ser atacado. E é na primeira fase, chamada de infecção aguda, que ocorre a incubação do HIV, tempo da exposição ao vírus até o surgimento dos primeiros sinais da doença.  Os primeiros sintomas são muito parecidos com os de uma gripe, como febre e mal-estar. Por isso, a maioria dos casos passa despercebido.  A próxima fase é marcada pela forte interação entre as células de defesa e as constantes e rápidas mutações do vírus. Mas que não enfraquece o organismo o suficiente para permitir novas doenças, pois os vírus amadurecem e morrem de forma equilibrada. Esse período, que pode durar muitos anos, é chamado de assintomático.
  20. 20.  Cansaço e fraqueza por tempo prolongado;  Febre contínua e prolongada, por mais de um mês;  Gânglios ou ínguas pelo corpo, por mais de três meses;  Emagrecimento acentuado (mais de 20% do peso), ocasionando a Caquexia.
  21. 21.  Tosse seca continuada, por mais de um mês, não relacionada com bronquite crônica nem devido aos hábito de fumar;  Monilíase/Candidíase oral;  Por ter queda nas defesas do corpo, a pessoa contaminada como vírus da AIDS é facilmente acometida outras doenças graves, que poderão levá-lo à morte.  Nesta fase: AIDS.
  22. 22. TRATAMENTO
  23. 23. Adesão ao tratamento:  Aderir ao tratamento para a AIDS, significa tomar os remédios prescritos pelo médico nos horários corretos, manter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos, comparecer ao serviço de saúde nos dias previstos, entre outros cuidados. Quando o paciente não segue todas as recomendações médicas, o HIV, vírus causador da doença, pode ficar resistente aos medicamentos antirretrovirais. E isso diminui as alternativas de tratamento. O paciente deve estar bem informado sobre o progresso do tratamento, o resultado dos testes, os possíveis efeitos colaterais e o que fazer para amenizá-los.  Seguir as recomendações médicas parece simples, mas é uma das grandes dificuldades encontradas pelos pacientes, pois interfere diretamente na sua rotina. Geralmente os esquecimentos ocorrem nos finais de semana, férias ou outros períodos fora da rotina.
  24. 24. Quais são os antirretrovirais?  Os medicamentos antirretrovirais surgiram na década de 1980, para impedir a multiplicação do vírus no organismo. Eles não matam o vírus , mas ajudam a evitar o enfraquecimento do sistema imunológico. Atualmente, existem 21 medicamentos divididos em cinco tipos:  Inibidores Nucleosídeos da Transcriptase Reversa: Abacavir, Didanosina, Estavudina, Lamivudina, Tenofovir, Zidovudina e a combinação Lamivudina/Zidovudina.  Inibidores Não Nucleosídeos da Transcriptase Reversa: Efavirenz, Nevirapina e Etravirina.  Inibidores de Protease: Atazanavir, Darunavir, Fosamprenavir, Indinavir, Lopinavir/r, Nelfinavir, Ritonavir, Saquinavir e Tipranavir.  Inibidores de fusão: Enfuvirtida.  Inibidores da Integrase: Raltegravir.
  25. 25. Quem precisa tomar:  Apesar dos benefícios já comprovados dos medicamentos antirretrovirais, o tratamento não é indicado a todas as pessoas que vivem com HIV. Os remédios aumentam o tempo e a qualidade de vida de quem segue o tratamento corretamente. Mas podem causar alguns efeitos colaterais que, em alguns casos, não compensam os ganhos com a terapia.  O tratamento é recomendado para quem tem contagem baixa de células de defesa (linfócitos T CD4+) no organismo. Cada caso é único e deve ser discutido com o médico, mesmo aqueles em que há coinfecções. Tomar qualquer medicamento sem orientação médica é uma prática condenada pelos profissionais de saúde. Todos os indivíduos que tomam o coquetel anti-AIDS devem ter muito cuidado ao usar qualquer outro medicamento como álcool ou drogas.
  26. 26. Efeitos colaterais:  O tratamento com os medicamentos antirretrovirais traz muitos benefícios aos pacientes: aumentam a sobrevida e melhoram a qualidade de vida de quem segue corretamente as recomendações médicas. Mas, como os medicamentos precisam ser muito fortes para impedir a multiplicação do vírus no organismo, mas podem causar alguns efeitos colaterais desagradáveis.  Lipodistrofia: má distribuição da gordura do corpo.  Diabetes: resistência à insulina, e o surgimento da diabetes mellitus.  Rins: agudas ou crônicas, a mais frequente é a insuficiência renal.  Fígado: sobrecarga do metabolismo dos remédios, insuficiência.  Ossos: osteoporose, baixos níveis de cálcio no organismo.  Alterações neuropsiquiátricas: alucinações, amnésia, insônia.  Sintomas gastrointestinais: diarreia, vômito, náuseas, azia.
  27. 27. PREVENÇÃO
  28. 28. O que podem os profissionais da saúde fazer?  Todos os esforços de prevenção reduzem ou limitam o número final de pessoas infectadas que precisam de cuidados. O impacto mais forte do HIV é nas crianças e adolescentes em idade sexualmente ativa, com isso foi criado o projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE).  Campanhas de prevenção na educação sanitária para modificar os comportamentos sexuais ou de consumo de drogas e para incentivar a adoção de medidas protetoras .  A detecção de outras DST, uma vez que essas doenças ajudam a transmitir o HIV.  Cuidados pré-natais melhorados, alternativas à amamentação para reduzir a transmissão de mãe para filho (transmissão vertical). Claro que, a utilização desse termo médico não atribui qualquer estigma à mulher. Os esforços de prevenção só terão sucesso num ambiente onde as pessoas com HIV/AIDS não forem discriminadas e onde o HIV não for estigmatizado.
  29. 29. Prevenir a transmissão sexual:  O profissional pode proporcionar informação sobre o HIV/AIDS e deve também proporcionar aconselhamento a pacientes que tenham preocupações sobre os riscos da infecção pelo HIV.  Usar preservativo;
  30. 30. Prevenir a transmissão da mãe para o filho:  Se o teste for positivo, deve ser informada sobre os riscos de transmissão através da amamentação e sobre métodos alternativos de alimentação infantil.  Conselhos pré-natais sobre uma boa nutrição são importantes para todas as futuras mães.  Se uma mulher soropositiva decidir amamentar, deve ser apoiada na sua escolha. Os profissionais da área da saúde devem zelar para que a mãe não seja discriminada ou acusada de colocar o seu filho em risco. Devem-lhe ser fornecidos apoio para a amamentação exclusiva e a opção de terminar a amamentação assim que puder proporcionar alimentação alternativa adequada.
  31. 31. OBRIGADO PELAATENÇÃO!

×