Aula 6<br />Disciplina: Recuperação da Informação <br />Letícia Strehl<br />23 abr. 2009<br />
Conteúdos da Aula 6<br />O estudo e avaliação da produção científica: critérios e indicadores<br />Fator de Impacto<br />2...
Critérios de avaliação da produção científica (3/3)<br />Com que qualidade o trabalho foi produzido?<br />
Critérios de avaliação da produção científica (3/3):Com que qualidade é produzido?<br />Avaliação por pares<br />Ex.: cons...
As formas de definir o conceito de qualidade<br />Sentidos:<br />histórico absoluto<br />social<br />COLE, Jonathan; COLE,...
As formas de definir o conceito de qualidade: sentido histórico absoluto<br />Um ortodoxo historiador da ciência poderia a...
As formas de definir o conceito de qualidade: sentido social<br />Formada a partir de um ponto de vista filosófico pautado...
Indicadores de impacto<br />
Tipos de estudos de citação<br />Escola normativa<br />Escola microssociológica.<br />Liu MX (1993) Progress in documentat...
Tipos de estudos de citação:Escola normativa<br />Pressuposto:<br />Os cientistas dão crédito aos estudos que influenciara...
Tipos de estudos de citação:Escola microssociológica<br />Pressuposto:<br />Existem complexas motivações para citação que ...
A legitimação dos indicadores de impacto<br />Premissa:<br />Trabalhos importantes são freqüentemente citados na literatur...
Funções da Citação (1)<br />1.  Prestar homenagem aos pioneiros; <br />2.  Dar crédito para trabalhos relacionados;<br />3...
Funções da Citação (2)<br />10. Dar destaque a trabalhos pouco disseminados, inadequadamente indexados ou desconhecidos (n...
Problemas da análise de citações como método de pesquisa (1)<br />Influências formais não citadas;<br />Citação tendencios...
Problemas da análise de citações como método de pesquisa (2)<br />Variações nas médias de citação relacionadas ao tipo de ...
Problemas da análise de citações como fonte de dados<br />Limitações técnicas de índices de citações e bibliografias:<br /...
Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias sociales y humanidades: limit...
SPINAK, Ernesto.  Indicadores cienciométricos.  Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n.2, p.142, maio/ago. 1998. Link<b...
Requisitos para o cálculo dos índices de impacto<br />Existência de bases de dados que indexem:<br /> uma quantidade repre...
Todavia...<br />Tradicionalmente, as bases de dados capazes de fornecer informações sobre o impacto dos trabalhos centram-...
Mesmo crescente, o número de periódicos nacionais nas bases é irrisório<br />Número NÃO definitivo<br />
KRIEGER, Eduardo M. Indicadores cienciométricos e as políticas de gestão em C&T. Apresentação no EEBC realizado em set. 20...
MoyaAnegón, Felix de. Análisisbibliométrico de los resultados de investigación en cienciassociales y humanidades: limitaci...
Implicações da limitação do escopo dessas bases<br />A valorização da competitividade, o impacto e a visibilidade internac...
Todas as áreas são norteadas por estes valores?<br />
KRIEGER, Eduardo M. Indicadores cienciométricos e as políticas de gestão em C&T. Apresentação no EEBC realizado em set. 20...
Partindo dos indicadores desenvolvidos para os trabalhos publicados em periódicos internacionais…<br />
Fator de Impacto<br />
O fator de impacto (FI)<br />Há décadas o principal indicador de visibilidade das publicações<br />Publicado anualmente no...
O FI como critério de avaliação da produção científica<br />Trabalhos publicados em periódicos com alto FI são considerado...
Como o FI é calculado?<br />
A Origem da Fórmula do FI<br />Idealizado por Eugene Garfield e Irving Sher<br />Definição dos títulos a serem indexados n...
Definição da Fórmula do FI<br />Normalização das citações pelo número de artigos publicados no periódico<br />Periódicos d...
Motivos do sucesso do FI como critério de avaliação da produção científica<br />Dificuldades relacionadas com o levantamen...
Todavia...<br />a comparação de fatores de impacto de periódicos de áreas de diferentes ou, até mesmo, de sub-áreas divers...
Comparação de valores absolutos de FI de periódicos de diferentes áreas<br />
Variação dos Valores Médios de FI por Áreas do Conhecimento<br />AMIN, M.; MABE, M.  Impact factors: use and abuse.  Persp...
FI Médio das Áreas dos Periódicos Citados na CSP<br />
Diferenças nos valores de FI das(sub-)áreas: principais fatores<br />Pelo menos dois fatores contribuem para as diferenças...
Densidade e idade das citações: exemplo<br />Oncologia<br />Densidade dos artigos<br />Idade das citações<br />Matemática<...
Densidade<br />
Correlação entre o número médio de referências e de citações feitas aos artigos, por área<br />Dados possivelmente desatua...
Idade das citações/Ritmo de obsolescência<br />
Ritmo de obsolescência<br />É a diminuição da utilização da informação no decorrer do tempo.<br />Medidas criadas pelo ISI...
Índice de Citação Imediata (ICI)<br />Medida da velocidade com que os novos conhecimentos são incorporados à literatura<br...
A proximidade dos valores do FI com o ICI<br />Os valores de FI e do ICI são freqüentemente muito próximos.<br />Isto ocor...
Proporção de Artigos Indexados pelo ISI e não Citados nos Primeiros Cincos Anos após sua Publicação, por Área<br />HAMILTO...
 A Meia Vida das Citações (MV)<br />A MV é definida como o tempo (em anos) para que 50% das citações recebidas por um peri...
MV: a fórmula<br />
Um jeito mais simples de explicar a MV<br />A explicação:<br />O &quot; ANAIS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIENCIAS &quot; fo...
O FI de 5 anos para áreas que obsolescem mais lentamente<br />
FI de 2 ou de 5 anos? A resposta seria o valor da MV?<br />
Ranking de Impacto Medido com Dados de Citação Coletados em Diversos Períodos<br />GARFIELD, Eugene. Long-term vs. short-t...
A Física no Brasil<br />Um exemplo de uso desastroso do FI para avaliação da Produção Científica<br /> Diferenças entre su...
Distribuição de Valores de FI em Diferentes Sub-áreas da Física<br />STREHL, Letícia. Relação entre algumas característica...
Variação do FI de Três Periódicos com FI Próximo de 1 no anos de 1993 a 2000<br />STREHL, Letícia. Relação entre algumas c...
Percentual de Periódicos que de um Ano para o Outro Mudaram de Categoria de FI da CAPES<br />STREHL, Letícia. Relação entr...
Uma alternativa para uso do FI de modo relativo às sub-áreas<br />&gt; 1,659 = Qualis A<br />&gt; 0,947 = Qualis A<br />
... a Conclusão<br />Complexa rede de fatores associada à forma como FI é calculado pelo ISI. Influência:<br />Tamanho e r...
O desafio<br />A avaliação capaz de considerar as diferenças existentes entre as várias (sub-)áreas<br />Desenvolvimento d...
Fim<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 6 - O estudo e a avaliacao da producao cientifica: criterios e indicadores

2.175 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.175
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
100
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 6 - O estudo e a avaliacao da producao cientifica: criterios e indicadores

  1. 1. Aula 6<br />Disciplina: Recuperação da Informação <br />Letícia Strehl<br />23 abr. 2009<br />
  2. 2. Conteúdos da Aula 6<br />O estudo e avaliação da produção científica: critérios e indicadores<br />Fator de Impacto<br />2 anos<br />5 anos<br />Medidas do ritmo de obsolescência da literatura<br />Índice de Citação Imediata<br />Meia vida das citações<br />
  3. 3. Critérios de avaliação da produção científica (3/3)<br />Com que qualidade o trabalho foi produzido?<br />
  4. 4. Critérios de avaliação da produção científica (3/3):Com que qualidade é produzido?<br />Avaliação por pares<br />Ex.: consultoria ad hoc, Sistema Qualis<br />Indicadores de impacto<br />(considerando, neste caso, citação=visibilidade = qualidade?!)<br />Ex.: Fator de impacto (Thomson Reuters) e Índice H<br />
  5. 5. As formas de definir o conceito de qualidade<br />Sentidos:<br />histórico absoluto<br />social<br />COLE, Jonathan; COLE, Stephen. Social stratification in science. Chicago: The University of Chicago Press, c1973. Cap 2: Measuring the quality of scientific research, p. 21-36.<br />
  6. 6. As formas de definir o conceito de qualidade: sentido histórico absoluto<br />Um ortodoxo historiador da ciência poderia aplicar um conjunto de critérios absolutos para avaliar a qualidade de um trabalho científico.<br />Aqueles trabalhos que incorporam a verdade científica e que possibilitam a melhor compreensão dos fenômenos empíricos são trabalhos de alta qualidade.<br />O fato de um conjunto particular de trabalhos ser momentaneamente ou temporariamente ignorado em nada representa a sua qualidade.<br />A qualidade de uma contribuição científica só pode ser medida a partir de uma retrospectiva histórica<br />COLE, Jonathan; COLE, Stephen. Social stratification in science. Chicago: The University of Chicago Press, c1973. Cap 2: Measuring the quality of scientific research, p. 21-36.<br />
  7. 7. As formas de definir o conceito de qualidade: sentido social<br />Formada a partir de um ponto de vista filosófico pautado na premissa de que a verdade absoluta não existe, é sim, construída socialmente.<br />O que pode ser considerado verdadeiro hoje, talvez não possa ser reconhecido amanhã.<br />A qualidade de um trabalho é definida como o que está sendo útil para a comunidade em um dado momento.<br />Se os cientistas encontram uma idéia particular que seja útil para o seu trabalho, esta idéia encerra em si um valor, e, por este motivo, ela pode ser considerada como tendo alta qualidade.<br />COLE, Jonathan; COLE, Stephen. Social stratification in science. Chicago: The University of Chicago Press, c1973. Cap 2: Measuring the quality of scientific research, p. 21-36.<br />
  8. 8. Indicadores de impacto<br />
  9. 9. Tipos de estudos de citação<br />Escola normativa<br />Escola microssociológica.<br />Liu MX (1993) Progress in documentation: the complexities of citation practice: a review of citation studies. Journal of Documentation 49 : 370-408.<br />
  10. 10. Tipos de estudos de citação:Escola normativa<br />Pressuposto:<br />Os cientistas dão crédito aos estudos que influenciaram seu trabalho pelas referências que mencionam em suas publicações, dando respaldo para o uso das citações como medida do impacto da atividade científica.<br />Liu MX (1993) Progress in documentation: the complexities of citation practice: a review of citation studies. Journal of Documentation 49 : 370-408.<br />
  11. 11. Tipos de estudos de citação:Escola microssociológica<br />Pressuposto:<br />Existem complexas motivações para citação que ainda não são bem entendidas e, por esta razão, as referências feitas nos trabalhos não podem ser simplesmente interpretadas como indicadores de relevância.<br />Liu MX (1993) Progress in documentation: the complexities of citation practice: a review of citation studies. Journal of Documentation 49 : 370-408.<br />
  12. 12. A legitimação dos indicadores de impacto<br />Premissa:<br />Trabalhos importantes são freqüentemente citados na literatura científica<br />Concepções:<br /> Sentido social de definição da qualidade<br />Crença na teoria normativa de citação<br />
  13. 13. Funções da Citação (1)<br />1. Prestar homenagem aos pioneiros; <br />2. Dar crédito para trabalhos relacionados;<br />3. Identificar metodologia, equipamento etc.;<br />4. Oferecer leitura básica; <br />5. Retificar o próprio trabalho;<br />6. Retificar o trabalho de outros;<br />7. Analisar trabalhos anteriores; <br />8. Sustentar declarações;<br />9. Informar aos pesquisadores de trabalhos futuros;<br />WEINSTOCK, M. Citation indexes. IN: ENCYCLOPAEDIA of library and information science. New York: M. Dekker, c1971. V. 5, p. 16-40.<br />
  14. 14. Funções da Citação (2)<br />10. Dar destaque a trabalhos pouco disseminados, inadequadamente indexados ou desconhecidos (não citados);<br />11. Validar dados e categorias de constantes físicas e de fatos etc.;<br />12. Identificar idéias originais nas quais uma idéia ou um conceito são discutidos;<br />13. Identificar publicações originais que descrevam conceitos ou termos epônicos;<br />14. Contestar trabalhos ou idéias de outros;<br />15. Debater a primazia das declarações dos outros.<br />WEINSTOCK, M. Citation indexes. IN: ENCYCLOPAEDIA of library and information science. New York: M. Dekker, c1971. V. 5, p. 16-40.<br />
  15. 15. Problemas da análise de citações como método de pesquisa (1)<br />Influências formais não citadas;<br />Citação tendenciosa ou preconcebida;<br />Influências informais não citadas;<br />Autocitação;<br />Existência de área em que os autores tradicionalmente não citam as fontes que utilizam;<br />Diferentes tipos de citações;<br />MACROBERTS, M.H.; MACROBERTS, B.R. Problems of citation analysis: a critical review. Journal of the American Society for Information Science, Washington, v.40, n.5, p.342-9, 1989.<br />
  16. 16. Problemas da análise de citações como método de pesquisa (2)<br />Variações nas médias de citação relacionadas ao tipo de publicação, nacionalidade, período, extensão e especialidade;<br />Citações a fontes secundárias;<br />Tamanho da audiência.<br />MACROBERTS, M.H.; MACROBERTS, B.R. Problems of citation analysis: a critical review. Journal of the American Society for Information Science, Washington, v.40, n.5, p.342-9, 1989.<br />
  17. 17. Problemas da análise de citações como fonte de dados<br />Limitações técnicas de índices de citações e bibliografias:<br />Autoria múltipla;<br />Sinônimos;<br />Homônimos;<br /> Erros de edição;<br /> Cobertura da literatura.<br />MACROBERTS, M.H.; MACROBERTS, B.R. Problems of citation analysis: a critical review. Journal of the American Society for Information Science, Washington, v.40, n.5, p.342-9, 1989.<br />
  18. 18. Moya Anegón, Felix de. Análisis bibliométrico de los resultados de investigación en ciencias sociales y humanidades: limitaciones y oportunidades. Apresentação realizada no &quot;Seminário de Comunicação Científica, São Paulo, 13 de junho de 2008&quot;.<br />
  19. 19. SPINAK, Ernesto. Indicadores cienciométricos. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n.2, p.142, maio/ago. 1998. Link<br />
  20. 20. Requisitos para o cálculo dos índices de impacto<br />Existência de bases de dados que indexem:<br /> uma quantidade representativa de documentos;<br />as referências citadas nas publicações.<br />Atualmente, as principais bases de dados para o cumprimento desta finalidade são a Web ofScience, a Scopus e o Google Acadêmico<br />
  21. 21. Todavia...<br />Tradicionalmente, as bases de dados capazes de fornecer informações sobre o impacto dos trabalhos centram-se basicamente no conhecimento veiculado em periódicos internacionais!<br />
  22. 22. Mesmo crescente, o número de periódicos nacionais nas bases é irrisório<br />Número NÃO definitivo<br />
  23. 23. KRIEGER, Eduardo M. Indicadores cienciométricos e as políticas de gestão em C&T. Apresentação no EEBC realizado em set. 2008 <br />
  24. 24. MoyaAnegón, Felix de. Análisisbibliométrico de los resultados de investigación en cienciassociales y humanidades: limitaciones y oportunidades. Apresentaçãorealizada no &quot;Seminário de ComunicaçãoCientífica, São Paulo, 13 de junho de 2008&quot;.<br />
  25. 25. Implicações da limitação do escopo dessas bases<br />A valorização da competitividade, o impacto e a visibilidade internacionais<br />-Produção Exógena-<br />
  26. 26. Todas as áreas são norteadas por estes valores?<br />
  27. 27. KRIEGER, Eduardo M. Indicadores cienciométricos e as políticas de gestão em C&T. Apresentação no EEBC realizado em set. 2008 <br />
  28. 28. Partindo dos indicadores desenvolvidos para os trabalhos publicados em periódicos internacionais…<br />
  29. 29. Fator de Impacto<br />
  30. 30. O fator de impacto (FI)<br />Há décadas o principal indicador de visibilidade das publicações<br />Publicado anualmente no Journal Citation Reports (JCR)<br />
  31. 31. O FI como critério de avaliação da produção científica<br />Trabalhos publicados em periódicos com alto FI são considerados melhores do que os publicados em periódicos com FI menores.<br />
  32. 32. Como o FI é calculado?<br />
  33. 33. A Origem da Fórmula do FI<br />Idealizado por Eugene Garfield e Irving Sher<br />Definição dos títulos a serem indexados no ScienceCitationIndex (SCI)<br />GARFIELD, Eugene; SHER, I. H. New factors in the evaluation of scientific literature through citation indexing. American Documentation, New York, v.14, n.3, p. 195-201, July 1963.<br />
  34. 34. Definição da Fórmula do FI<br />Normalização das citações pelo número de artigos publicados no periódico<br />Periódicos de revisão<br />Tipos de documentos citados<br />Em 1965, Derek de SollaPrice verificou que 12 das 15 referências correspondiam a artigos de periódicos<br />Idade das referências citadas<br /> 21 a 25% das referências são a trabalhos publicados nos últimos três anos ou menos<br />
  35. 35. Motivos do sucesso do FI como critério de avaliação da produção científica<br />Dificuldades relacionadas com o levantamento de dados de citações a trabalhos individuais<br /> Facilidade de compreensão<br /> “Robustez” (pequena variação de um ano para outro)<br /> Rápida disponibilidade<br />GLÄNZEL, W.; MOED, H. F. Journal impact measures in bibliometric research. Scientometrics, <br />v. 53, n.2, p.171-193, 2002.<br />
  36. 36. Todavia...<br />a comparação de fatores de impacto de periódicos de áreas de diferentes ou, até mesmo, de sub-áreas diversas de uma mesma área é impraticável<br />
  37. 37. Comparação de valores absolutos de FI de periódicos de diferentes áreas<br />
  38. 38. Variação dos Valores Médios de FI por Áreas do Conhecimento<br />AMIN, M.; MABE, M. Impact factors: use and abuse. Perspectives in Publising, n. 1, p. 3, Oct. 2000.<br />
  39. 39. FI Médio das Áreas dos Periódicos Citados na CSP<br />
  40. 40. Diferenças nos valores de FI das(sub-)áreas: principais fatores<br />Pelo menos dois fatores contribuem para as diferenças de FI<br />Densidade dos artigos: número médio de referências citadas por artigo<br />Idade das citações/Ritmo de obsolescência: número médio de referências recentes citadas por artigo, Índice de Citação Imediata, Meia-vida das citações<br />
  41. 41. Densidade e idade das citações: exemplo<br />Oncologia<br />Densidade dos artigos<br />Idade das citações<br />Matemática<br />Densidade dos artigos<br />Idade das citações<br />
  42. 42. Densidade<br />
  43. 43. Correlação entre o número médio de referências e de citações feitas aos artigos, por área<br />Dados possivelmente desatualizados, mas o que vale é a diferença observada nos padrões de citação<br />NARIN, F. Evaluative bibliometrics: the use of publication and citation analysis in the evaluation of scientific activity. Cherry Hill: Computer Horizons, 1976.<br />
  44. 44. Idade das citações/Ritmo de obsolescência<br />
  45. 45. Ritmo de obsolescência<br />É a diminuição da utilização da informação no decorrer do tempo.<br />Medidas criadas pelo ISI<br />Índice de Citação Imediata (ICI)<br />Meia-vida das Citações (MV)<br />
  46. 46. Índice de Citação Imediata (ICI)<br />Medida da velocidade com que os novos conhecimentos são incorporados à literatura<br />Quanto maior o ICI maior o ritmo de obsolescência da literatura<br />Fórmula:<br />
  47. 47. A proximidade dos valores do FI com o ICI<br />Os valores de FI e do ICI são freqüentemente muito próximos.<br />Isto ocorre porque não só o ICI, mas também o FI, coloca em destaque os títulos que publicam pesquisas correntes, de fronteira.<br />GARFIELD, Eugene. Use of Journal Citation Reports and Journal Performance Indicators in measuring short and long term journal impact. Croatian Medical Journal, Lengerich, v.41, n.4, p.368-374, 2000. Disponívelem: &lt;http://www.vms.hr/cmj&gt;. Acessoem: 11/07/2001.<br />
  48. 48. Proporção de Artigos Indexados pelo ISI e não Citados nos Primeiros Cincos Anos após sua Publicação, por Área<br />HAMILTON, David. Research papers: who’s uncited now. Science, Washington, v. 251, n. 25, p. 25, Jan. 1991.<br />
  49. 49. A Meia Vida das Citações (MV)<br />A MV é definida como o tempo (em anos) para que 50% das citações recebidas por um periódico apareçam na literatura<br />Quanto maior a MV menor o ritmo de obsolescência da literatura<br />No JCR são calculados dois indicadores para medir a MV, de modo a medir a idade das citações:<br />Concedidas; e,<br /> Recebidas.<br />
  50. 50. MV: a fórmula<br />
  51. 51. Um jeito mais simples de explicar a MV<br />A explicação:<br />O &quot; ANAIS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIENCIAS &quot; foi citado 756 vezes em 2007.<br />Metade deste número é: 378.<br />Precisa-se saber o tempo transcorrido para que sejam alcançadas estas 378 citações, repassando os anos em sentido decrescente.<br />Somando-se o número de citações para os artigos publicados de 2007 a 2000 tem-se 382 citações (50,53%), ou seja, 8 anos. <br />Contudo, precisa-se calcular o tempo para que os exatos 50% das citações atingidas. Assim, se no período de 2007 a 2001 (7 anos) tem-se 328 citações, precisa-se de mais 50 citações para que seja completadas as 378.<br />Como estas 50 citações correspondem a 92,6% das 54 citações recebidas em 2007 para os artigos publicados em 2000, tem-se que a meia-vida dos “Anais da ABC&quot; é 7,9 anos.<br />
  52. 52. O FI de 5 anos para áreas que obsolescem mais lentamente<br />
  53. 53. FI de 2 ou de 5 anos? A resposta seria o valor da MV?<br />
  54. 54. Ranking de Impacto Medido com Dados de Citação Coletados em Diversos Períodos<br />GARFIELD, Eugene. Long-term vs. short-term impact: Does it matter?. The Scientist, v. 12, n. 3, p. 10-12, Feb. 1998.<br />
  55. 55. A Física no Brasil<br />Um exemplo de uso desastroso do FI para avaliação da Produção Científica<br /> Diferenças entre sub-áreas específicas<br /> Evolução temporal dos valores<br />
  56. 56. Distribuição de Valores de FI em Diferentes Sub-áreas da Física<br />STREHL, Letícia. Relação entre algumas características de periódicos de física e seus fatores de impacto. Orientação Ida R.C.Stumpf. 2003. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação)- Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2003.<br />
  57. 57. Variação do FI de Três Periódicos com FI Próximo de 1 no anos de 1993 a 2000<br />STREHL, Letícia. Relação entre algumas características de periódicos de física e seus fatores de impacto. Orientação Ida R.C.Stumpf. 2003. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação)- Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2003.<br />
  58. 58. Percentual de Periódicos que de um Ano para o Outro Mudaram de Categoria de FI da CAPES<br />STREHL, Letícia. Relação entre algumas características de periódicos de física e seus fatores de impacto. Orientação Ida R.C.Stumpf. 2003. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação)- Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2003.<br />
  59. 59. Uma alternativa para uso do FI de modo relativo às sub-áreas<br />&gt; 1,659 = Qualis A<br />&gt; 0,947 = Qualis A<br />
  60. 60.
  61. 61. ... a Conclusão<br />Complexa rede de fatores associada à forma como FI é calculado pelo ISI. Influência:<br />Tamanho e ritmo de obsolescência na comparação geral<br />Ritmo de obsolescência e densidade na comparação por sub-áreas<br />
  62. 62. O desafio<br />A avaliação capaz de considerar as diferenças existentes entre as várias (sub-)áreas<br />Desenvolvimento de indicadores que valorizem as publicações de qualidade que tratam de problemas regionais e que não são publicadas em periódicos internacionais<br />
  63. 63. Fim<br />

×