Ensaio Sobre a Cegueira

3.514 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.514
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
76
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ensaio Sobre a Cegueira

  1. 1. José Saramago Nasceu na aldeia de Azinhaga, concelho de Golegã, no dia 16 de Novembro de 1922 . Os seus pais emigraram para Lisboa quando ele ainda não perfizera 3 anos. Toda a sua vida tem decorrido na capital . Fez estudos secundários (liceal e técnico) que não pôde continuar por dificuldades económicas . No seu primeiro emprego foi serralheiro mecânico, tendo depois exercido diversas outras profissões: editor, tradutor, jornalista, etc. Publicou o seu primeiro livro, um romance ("Terra do Pecado"), em 1947 , tendo estado depois sem publicar até 1966. Trabalhou durante doze anos numa editora , onde exerceu funções de direcção literária e de produção. Colaborou como crítico literário na Revista "Seara Nova" . Em 1972 e 1973 fez parte da redacção do Jornal "Diário de Lisboa" onde foi comentador político, tendo também coordenado, durante alguns meses, o suplemento cultural daquele vespertino. Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores . Entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do "Diário de Notícias". Desde 1976 vive exclusivamente do seu trabalho literário.
  2. 2. Prémio Nobel da Literatura 1998 “ A 9 de Outubro de 1998, a Academia Sueca comunicou a atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José, o que nem causou reticências por parte da crítica de Saramago "que, com parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia, torna constantemente compreensível uma realidade fugidia". Com esta justificação, a referida Academia destacava pela primeira vez, não só um escritor português, mas também a Língua Portuguesa. Ao contrário do que quase sempre acontece, esta escolha não foi alvo de contestação a, facto que fez salientar a "seriedade" literária do escritor cuja obra, foi louvada pelo humanismo dos temas e pela qualidade da prosa.”
  3. 3. Ensaio sobre a Cegueira O “Ensaio sobre a Cegueira” conta a história de uma cegueira súbita, inexplicável e pelos vistos contagiosa. O que começa numa paragem de semáforos, onde um homem sai do carro aos gritos dizendo que está cego, torna-se numa cegueira progressiva em cadeia que acaba por afectar toda uma cidade imaginária. Entretanto, despejados num manicómio inactivo, os cegos aumentam cada vez mais e lutam contra tudo e todos, sem olhar a meios para atingir a fins, numa corrida pela sobrevivência que acaba no final do livro quando recuperam a visão. No meio de todo o desenrolar da história assistimos á rotina de um grupo de cegos que tem como líder uma mulher que, curiosamente, não cegou.
  4. 4. A mulher do médico Carinhosa e dedicada para com o marido Sentia compaixão Personalidade forte Sofria em silêncio corajosa Justa
  5. 5. Tese explicativa sobre a imunidade da mulher do médico <ul><li>A mulher pode ser comparada ao anjo Serafim. Este anjo é considerado o mais próximo de Deus uma vez que desceu à Terra para purificar através do fogo. </li></ul><ul><li>Toda a história pode ser considerada uma viagem que guia a desordem (cegueira) à ordem (visão). A mulher do médico poderá ser a mentora dessa viagem. </li></ul><ul><li>O autor pode querer “vingar” a conotação negativa que sempre foi dada à mulher, pela descriminação que tem sofrido. </li></ul>
  6. 6. Tese explicativa sobre a cegueira <ul><li>Castigo pela má conduta do Homem ao longo da sua vida; </li></ul><ul><li>A cegueira pode ser vista como uma alegoria – “estamos cegos de tanto ver” </li></ul><ul><li>Ao ficarem cegos, José Saramago </li></ul><ul><li>avaliou o comportamento humano através das reacções adjacentes a isso; </li></ul><ul><li>Obrigação da sociedade a uma reflexão árdua sobre a condição humana. </li></ul>
  7. 7. Alvos da Crítica <ul><li>Governo </li></ul><ul><li>O governo mostra-se um órgão sem consciência que deixa de zelar pelos interesses de todos, mas sim apenas de alguns, a partir do momento em que despeja os cegos no manicómio em condições precárias. </li></ul><ul><li>Ser Humano </li></ul><ul><li>Aquando confrontados com uma situação difícil, é possível assistirmos à corrida pela sobrevivência contra tudo e todos. O autor incentiva a uma reflexão intensiva sobre os valores da mente humana e a sua condição no mundo. </li></ul>

×