Introdução aos Efeitos Visuais e ao Compositing

2.804 visualizações

Publicada em

In this class I introduce my students to the VFX and Compositing world and its main Techniques.

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.804
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução aos Efeitos Visuais e ao Compositing

  1. 1. Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da ComunicaçãoProfessor Leonardo Pereira Ano Curricular - 2012 | 2013 LABORATÓRIO AUDIOVISUAL E MULTIMÉDIA - MULTIMÉDIA Curso de Mestrado em Ciências da Comunicação - 1º Ano | 2º Semestre Aula 02 1. INTRODUÇÃO AOS EFEITOS NO AUDIOVISUAL 2. BREVE HISTÓRIA DOS EFEITOS NO AUDIOVISUAL 3. INTRODUÇÃO AO COMPOSITING • Bibliografia aconselhada: Rickit, R. (2000). Special Effects: The History and Technique. Billboard Books.
  2. 2. Universidade do Minho Módulo MultimédiaInstituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo PereiraDepartamento de Ciências da Comunicação01Introdução aos Efeitos no Audiovisual leonardpeartree@gmail.com
  3. 3. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Efeitos O que são os Efeitos no mundo do audiovisual? Os efeitos são um conjunto de técnicas diferenciadas de criação de ilusão visual, utiliza-no mundo do das nas Indústrias do Cinema, Entretenimento e Televisão, para se simularem cenas, Audiovisual situações e eventos que, geralmente seriam impossíveis de captar sem a manipulação da realidade (cenários), ou que são utilizadas quando a produção dessas cenas com meios analógicos comportaria custos demasiado avultados. leonardpeartree@gmail.com
  4. 4. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Efeitos Os Efeitos dividem-se em duas tipologias:no mundo do • Os Efeitos Ópticos, tipicamente designados de Visuais: Audiovisual Este tipo de efeitos subdividem-se, por sua vez, em dois subtipos: >> Os Fotográficos Produzidos e/ou Pós-Produzidos de forma fotográfica ou através de captura de imagens posteriormente manipuladas, quer com o aparelhos de captura, quer com outros aparelhos externos; :: Matte Painting, Bluescreen, Greenscreen, etc; >> Os Visuais Produzidos e Pós-produzidos através de recursos de computação gráfica e digital; :: Tracking, Key extraction, 3D, Partículas, etc; • Os Efeitos Mecânicos/físicos, tipicamente designados de Especiais: Este tipo de efeitos são obtidos através de filmagens ao vivo. :: Maquetes, miniaturas, produção de chuva, vento, neve, fogo, explosões, etc. NÓS VAMOS UTILIZAR E MANIPULAR OS EFEITOS ÓPTICOS E VISUAIS! leonardpeartree@gmail.com
  5. 5. Universidade do Minho Módulo MultimédiaInstituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo PereiraDepartamento de Ciências da Comunicação02Breve História dos Efeitos no Audiovisual leonardpeartree@gmail.com
  6. 6. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Mélies “The Father of Special and Visual Effects” No final do século XIX, um mágico profissional de nome George Mélies, que produzia espetáculos de Magia no Teatro Robert Houdin de Paris, deu os primeiros passos naquilo a que hoje chamamos de Efeitos Visuais. Em pouco mais de uma década produziu mais de 500 filmes e foi o responsável pela invenção e primeiras explorações de técnicas que estão na base dos efeitos especiais e visuais modernos. E que efeitos inventou Mélies? Mélies inventou e explorou principalmente 3 efeitos na altura muito rudimentares: >> Stop Edit; >> Dissolve; >> Double Exposure; leonardpeartree@gmail.com
  7. 7. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Stop Edit Mélies Mélies utilizava esta técnica para, nos seus filmes, fazer com que os seus personagens e objetos da cena aparecessem e desaparecessem da mesma. Veja-se como no filme “Le Diable Noir“, de 1905, Mélies utiliza extensivamente esta técnica, principalmente quando luta com uma cadeira. • Visualizar “Le Diable Noir“ em: http://www.youtube.com/watch?v=wbJ01n5uoxc leonardpeartree@gmail.com
  8. 8. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Stop Edit nos dias de hoje Mélies Aqui vemos uma aplicação contemporânea do Efeito de Stop Edit no Filme “The Ring“. Veja-se como um efeito tão simples criado pelo Meliés, usado de forma diferente pelos realizadores deste filme, intensifica a nossa perceção do lado sobrenatural da personagem utilizada nesta cena do filme. Intensifica o nosso medo e ajuda acreditar que aquele personagem é perigoso e não é natural. • Visualizar “The Ring“, apartir do minuto 3.38s, em: http://www.youtube.com/watch?v=j8HfCPhtdcs&feature=related leonardpeartree@gmail.com
  9. 9. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Dissolve Mélies Á medida que ia ganhando experiência, Mélies foi explorando outros truques de câmera mais complexos como o Dissolve. Mélies usava esta técnica nos seus filmes para duas situações: >> A transição de uma cena para outra; >> A transformação formal de um objecto/personagem para outro; Veja-se o filme “The Untamable Whiskers“, de 1904, onde Mélies usa o Dissolve: Inicial Transição Final • Visualizar “The Untamable Wiskers“ em: http://www.youtube.com/watch?v=l2KfzErMINw leonardpeartree@gmail.com
  10. 10. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Dissolve ao longo do tempo e do cinema Mélies Á medida que o Cinema se foi apropriando desta técnica esta era utilizada para dar a sensação de passagem de tempo e de exclusão de partes da história que não interessam. Vamos então ver dois exemplos modernos do Dissolve. Vejamos como numa cena do filme “Awakenings” este efeito é usado na edição para dar a sensação de passagem de tempo. • Visualizar exemplo em: http://www.youtube.com/watch?v=EFrVnOM23Sc leonardpeartree@gmail.com
  11. 11. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Variante moderna do Dissolve Mélies Outra variante moderna do Dissolve é um efeito chamado Morph. Mas o Morph não expressa passagem de tempo. É antes usado para fazer uma transição rápida e imper- ceptível entre duas figuras ou dois objetos. Mas o princípio técnico que lhe deu origem, ou seja a passagem de uma coisa para outra sem corte, é o mesmo implicado no Dis- solve. Geralmente é empregue para fazer transições rápidas entre duas faces humanas sem corte de plano, como no Videoclip de Michael Jackson “Black and White“. • Visualizar exemplo em: http://www.youtube.com/watch?v=bBAiZcNWecw leonardpeartree@gmail.com
  12. 12. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Double Exposure Mélies Outro efeito descoberto por Mélies foi o Double Exposure. Mélies descobriu que podia sobrepor um filme sobre outro. Esta técnica transformou-se mais tarde numa técnica co- mum no Cinema e começou a ser usada, tal como Mélies o fez, para: • criar imagens fantasmagóricas; • adicionar personagens ou objetos a uma cena que não os continha originalmente; • duplicar na mesma cena um personagem fazendo coisas diferentes; • entre outras situações. • Visualizar exemplos em: http://www.youtube.com/watch?v=8oFnOAnL8Ss&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=nXbjYaXVVqM leonardpeartree@gmail.com
  13. 13. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges Double Exposure/Split Screen Mélies Nos dias de hoje o Double Exposure é mais conhecido como o Split Screen Effect. E é essencialmente utilizado para repetição de um mesmo personagem dentro de uma mesma cena. Vejamos o exemplo do filme “Multiplicity“: • Visualizar exemplo em: http://www.youtube.com/watch?v=pRtVMLwh6mY leonardpeartree@gmail.com
  14. 14. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoGeorges O legado de Mélies Mélies Os efeitos inventados por Mélies deram origem aos Efeitos Visuais hoje utilizados na Indústria cinematográfica. Apartir de Mélies toda uma Indústria com métodos e técnicas próprias começa a se desenvolver! Como tal houve mais protagonistas históricos após Mélies. leonardpeartree@gmail.com
  15. 15. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1910s - Os primeiros Mattesdos Efeitos Especiais e Visuais • Norman O. Dawn É considerado o primeiro grande produtor de Efeitos Visuais de Hollywood tendo introduzido na indústria técnicas como a “Glass shot”. Esta técnica consistia em utilizar um vidro pintado que era colocado em frente à camera. Servia para adicionar detalhes ou até mesmo substituir fundos de uma cena. O “Glass Shot“ viria a dar origem à técnica hoje chamada de “Matte Painting”. leonardpeartree@gmail.com
  16. 16. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1910sdos Efeitos Especiais e Visuais Rickit, R. (2000). Special Effects: The History and Technique. (p. 46) Billboard Books. • Frank Williams Em 1912 Frank Williams inventa o “Travelling Matte System“, também conhecido por “Williams Process”. Esta técnica está na origem as atuais técnicas de Chroma Keying. Consistia em filmar um objecto ou pessoa contra um fundo, ou branco ou negro, para depois esta figura ser extraída através de uma máscara (matte), sendo o resultado des- sa extração depois sobreposta a um fundo diferente. leonardpeartree@gmail.com
  17. 17. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1920s e 1930s - Rear Projectiondos Efeitos Especiais e Visuais Rickit, R. (2000). Special Effects: The History and Technique. Rickit, R. (2000). Special Effects: The History and Technique. (p. 155) Billboard Books. (p. 06) Billboard Books. Esta técnica consistia em fazer uma projeção traseira sobre uma superfície em frente à qual se desenrolava uma determinada cena ou ação separada. O conjunto era assim filmado como se de uma cena se tratasse. leonardpeartree@gmail.com
  18. 18. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História Exemplo mais tardio do uso de Rear Projection: Perseguições de carros em filmes do James Bond, por exemplo.dos Efeitos Especiais e Visuais • Visualizar exemplo em: http://www.youtube.com/watch?v=RO88NI16g84 leonardpeartree@gmail.com
  19. 19. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1920s e 1930sdos Efeitos Especiais e Visuais • Surge o uso de miniaturas e maquetes • Domínio dos alemães na produção de efeitos especiais >> Fritz Lang produz em 1924 o filme “Die Niebelungen“ onde combina cenários de tamanho real com miniaturas. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=45-8eZViYOE) >> Eugen Schüfftan produz em 1927 o filme “Metropolis“ onde utiliza modelos, animação, matte painting, rear projection e efeitos mecânicos em tamanho real. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=ugasuWJVhx4) • Merian C. Cooper e Willis O’Brien Produzem em 1933 o filme “King Kong“ usando Stop Motion, miniaturas e rear projection. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=QJtV2ubxU4E&feature=related) leonardpeartree@gmail.com
  20. 20. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1940s - A introdução da cordos Efeitos Especiais e Visuais Introdução da Technicolor • “Gone With the wind” (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=8mM8iNarcRc) • “The Thief of Baghdad” (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=ugMmyjCdpoQ) leonardpeartree@gmail.com
  21. 21. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1950s e 1960s - Novos efeitos visuais - Introdução do Motion Controldos Efeitos Especiais e Visuais • Paramount Repeater A Paramount inventa a primeira tecnologia mecânica de controlo de movimento, ou seja, a “Repeater“. Este aparelho gravava os movimentos de câmera. Tal permitia que diferen- tes capturas de imagem com o mesmo movimento de câmera, pudessem, depois, ser eficazmente combinadas numa única imagem ou sequência de filme criando-se uma composição credível. (Mostrar vídeo Science of Movies: Timecode: 1:52 e 7:46) • “A Space Odyssey” (1968) Uso de sistemas mecânicos de Motion Control combinados com modelos. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=q3oHmVhviO8&feature=related) leonardpeartree@gmail.com
  22. 22. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História 1970s e 1980s - A introdução dos processos de produção digitaldos Efeitos Especiais • Primeiro sistema digital de Motion Control e Visuais Os técnicos de George Lucas inventam o primeiro sistema digital de Motion Control, utilizando-o na criação e produção de batalhas de naves espaciais (Star Wars). (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=jpZtJB6Jx8Y) (Mostrar Science of Movies: Timecode: 1:52) • Primeiro personagem CGI: “Young Sherlock Holmes” (1985) O primeiro filme a ter um personagem totalmente produzido digitalmente. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=CT-qV41ovv4&feature=related) • “Tron” (1982) Uso intensivo de CGI. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=3efV2wqEjEY) • “Who frammed Roger Rabbit” (1988) Mistura de animação com imagem real filmada. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=mN6coIJ202g) leonardpeartree@gmail.com
  23. 23. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação História Dos 1990s aos dias de hoje O CGI monopoliza a produção de Efeitos Visuais (não os Especiais)dos Efeitos Especiais e Visuais • “Jurassic Park” (1993) Uso extensivo de animação de personagens 3D misturados com imagem real filmada. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=nM-RPO10aPY) • “Toy Story” (1995) Primeiro filme animado totalmente produzido em CGI. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=CT-qV41ovv4&feature=related) ... até chegarmos a Super Produções como “Avatar” de James Cameron... com o uso de imensas tecnologias, mas de especial relevância para a indústra dos efeitos visuais. (ver em: http://www.youtube.com/watch?v=xq_nRfoBSm0&feature=related) Todos estes avanços técnicos e tecnológicos deram origem, não só mas também, a uma atividade muito específica, ao qual se dá o nome de Compositing. É disso que falaremos a seguir e em que vamos trabalhar este semestre com o After Effects! leonardpeartree@gmail.com
  24. 24. Universidade do Minho Módulo MultimédiaInstituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo PereiraDepartamento de Ciências da Comunicação03Introdução ao Compositing leonardpeartree@gmail.com
  25. 25. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoCompositing O que é o Compositing? O compositing refere-se a uma série de técnicas de manipulação e combinação de ma- terial audiovisual oriundo de diversas fontes e proveniências, material esse combinado por forma a criar a ilusão de que todos esses materiais combinados pertencem a uma mesma cena filmada numa única captura. Vamos ver um vídeo que nos mostra o que é e para o que serve o Compositing. • Visualizar exemplos em: http://www.youtube.com/watch?v=WRS9cpOMYv0 leonardpeartree@gmail.com
  26. 26. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação O que é o Digamos que o Compositing é a “Photoshopada” para vídeo.Compositing? 1 3 5 2 4 Basicamente: 1 + 2 + 3 + 4 = 5 leonardpeartree@gmail.com
  27. 27. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoCompositing E para que serve o Compositing? O Compositing serve para: • Criar efeitos visuais em Cinema e Televisão; • Combinar credivelmente imagens filmadas com imagens produzidas digitalmente; • Fazer retoque e correção de cor. • Fazer coloração de vídeo; • Mudar e substituir fundos; • Criar a ilusão de falsa profundidade de campo ou o efeito de paralaxe; • Extrair e substituir objetos; • Etc.... • Visualizar exemplos em: http://www.youtube.com/watch?v=7rocRxFtUSc leonardpeartree@gmail.com
  28. 28. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoCompositing E que operações estão incluídas no que se pode chamar de Compositing? Existem imensas e algumas são mesmo muito complexas. Mas de entre as mais conhecidas e simples contam-se as seguintes: • A utilização de câmeras virtuais e a simulação do efeito de Paralaxe e profundidade de campo (câmeras virtuais + layers 2,5D) • Os métodos de Projeção de Câmeras (Camera Projection) • A criação e animação de Máscaras (Rotoscoping); • A correção de cor e animação dos seus parâmetros (Color Grading); • A extração de Chroma em Blue ou Green Screen (Chroma Keying); • Mattes - Luma e Alpha Mattes; • O Motion Tracking e o Camera Tracking; • Remoção de marcas, cabos e objetos indesejados (wire and object removal); • Os Sistemas de partículas (particles systems); entre muitas outras.... leonardpeartree@gmail.com
  29. 29. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Câmeras Com esta estratégia de Compositing cria-se um cenário 3D virtual e usam-se:virtuais e o 1. Várias layers de vídeo e imagens dispostas a distâncias diferentes de uma câmera efeito de num espaço tridmensional; Paralaxe 2. Uma câmera virtual animada relativamente a essas layers; O Efeito criado é o efeito de Paralaxe. O que está mais longe vai aparentar mover-se mais devagar e o que está mais perto vai aparentar mover-se mais rapidamente, dando-nos a sensação de profundidade de campo. leonardpeartree@gmail.com
  30. 30. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoColor Grading Correção de cor O Color Grading é um conjunto de processos de correção de cor que são utilizados, por exemplo, para ajustar e uniformizar as diferenças tonais próprias de vídeos com dife- rentes proveniências, para acentuar as suas cores, ou ainda para as alterar por forma a obter um efeito visual específico. Os processos de correção de cor, por vezes fazem uso combinado de recursos como máscaras animadas, motion tracking e de mattes, especialmente na chamada correção de cor secundária. leonardpeartree@gmail.com
  31. 31. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoChroma Extração de Bluscreen ou de Greenscreen Keying O Keying, ou extração de chroma, é uma operação de eliminação de uma cor plana utili- zada nos fundos de cenas onde objetos ou figuras humanas são filmadas. Geralmente os chromas são filmados em Blue ou Green Screen porque, por um lado, são as cores para as quais os softwares de extração de chroma estão mais otimizados. E por outro lado são as cores menos comuns na pele humana. Lembram-se do Traveling Matte System de F. Williams inventado na década de 1910? leonardpeartree@gmail.com
  32. 32. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Matte MattesMasking Os Mattes são uma imagem ou sequência de imagens (vídeo) em alto contraste que definem noutra imagem ou sequência de imagens, áreas de transparência. Poder-se-á dizer que em parte são semelhantes a um Alpha Channel. Mas enquanto os primeiros estão integrados na imagem, os Mattes são uma imagem externa à imagem com a qual vão interagir e interferir. Há dois tipos de Mattes: Os Luma Mattes - baseados em valores de luminância - e os Alpha Mattes - baseados em valores de opacidade. São uma espécie de Stencil que às vezes é até usada para mascarar zonas especí- ficas de um vídeo para lhes serem aplicadas efeitos correções de cor ou outros. leonardpeartree@gmail.com
  33. 33. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Motion Tracking systemsTracking Motion tracking a ser utilizado no filme Stranger than Fiction: http://www.youtube.com/watch?v=WDwTQ57YyzI O Motion Tracking é uma ferramenta ou conjunto de ferramentas que permitem que, a partir de uma ou várias referências visuais de um vídeo, outros elementos sobrepostos ao primeiro sigam o movimento descrito pelos primeiros, permitindo assim sincronizar movimento entre um elemento presente num vídeo e um segundo elemento posterior- mente adicionado digitalmente. leonardpeartree@gmail.com
  34. 34. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoMáscaras Criação e animação de Máscaras As Máscaras são formas definidas por Splines, compostas por pontos interconectados que, no seu conjunto, escondem partes de um vídeo. Estes pontos das Splines podem ser animados para que as máscaras se movam ao longo do tempo em função do movi- mento de um elemento que se encontram a isolar. • Visualizar exemplo tutorial em: http://www.youtube.com/watch?v=CIdW8SbgluQ leonardpeartree@gmail.com
  35. 35. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoRoto Rotoscoping O Rotoscoping, no contexto do compositing, é o nome dado ao conjunto de operações que se utilizam no isolamento de um elemento presente num vídeo. Dependendo da criação de máscaras animadas como sua ferramenta base, o Rotoscoping envolve a combinação de ferramentas como as já referidas máscaras e o Motion Tracking, entre outras operações de compositing. • Visualizar exemplo em: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=IdJa0fN7nGI leonardpeartree@gmail.com
  36. 36. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Object Remoção de cabos, objetos e markersremoval > Remoção de Markers > Remoção de cabos ou objetos > Remoção de Tracking points As operações de object removal servem para remover objetos, marcas ou até mesmo adereços de produção como cabos. Envolvem a combinação de várias operações como máscaras, rotoscoping, pintura, motion tracking e até mesmo, em casos mais com- plexos, projeção de câmeras. leonardpeartree@gmail.com
  37. 37. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da Comunicação Sistemas Partículasde partículas Os sistemas de Partículas são sistemas ou Plug-ins que nos permitem gerar automatica- mente animações de elementos que se repetem para formar um padrão animado, uma textura animada, ou ainda um conjunto de objectos ou elementos repetidos que surgem animados no nosso filme. Exemplos: • Gotas de chuva a cairem do céu • Flocos de neve a cairem do céu • Aves a cruzarem o céu • Folhas a cairem ao chão • Fumo a sair de algum sítio • Fundos com elementos animados • Poeira • Rastos • etc... leonardpeartree@gmail.com
  38. 38. Universidade do Minho Módulo MultimédiaInstituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo PereiraDepartamento de Ciências da Comunicação04Exercício de Introdução ao compositing 2.5D leonardpeartree@gmail.com
  39. 39. Universidade do Minho Módulo Multimédia Instituto de Ciências Sociais Laboratório Audiovisual e Multimédia - 2012 | 2013 Professor Leonardo Pereira Departamento de Ciências da ComunicaçãoTPC Exercício Tutorial de Introdução ao Compositing 2.5D Tutorial Vão fazer em casa um pequeno Tutorial de introdução ao compositing 2.5D onde irão perceber como é que, no After Effects, simplesmente com layers e uma câmera virtual, se dão os primeiros passos na simulação de um espaço tridimensional através da com- posição combinada de várias imagens em layers distribuídas num espaço tridimensional, criando assim, um efeito de Paralaxe. Os materiais e o vídeo do tutorial podem ser encontrados no seguinte link: http://www.videocopilot.net/tutorials/3d_compositing/ leonardpeartree@gmail.com

×