Poemas de Alberto Caeiro

1.743 visualizações

Publicada em

Je ne veux pas écrire

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.743
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poemas de Alberto Caeiro

  1. 1. Poemas de Alberto Caeiro
  2. 2. Fernando Pessoa Fernando Antônio Nogueira Pessoa nasceu em 13 de junho de 1888 em Lisboa. É considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa e da literatura universal. Como poeta, era conhecido por suas múltiplas personalidades, os heterônimos, que eram e são até hoje objeto da maior parte dos estudos sobre sua vida e sua obra, sendo os principais Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro.
  3. 3. Alberto Caeiro Antes de analisar sobre Alberto Caeiro é necessário saber um pouco sobre o poeta. Alberto da Silva, heterônimo criado por Fernando Pessoa, é considerado o Mestre Ingênuo dos restantes heterônimos e do próprio poeta.
  4. 4.  Mestre ◦ Viver sem dor; ◦ Envelhecer sem angústia e morrer sem desespero; ◦ Não procurar encontrar sentido para a vida e para as coisas que o rodeiam; ◦ Sentir sem pensar; ◦ Ser um ser uno (não fragmentado).  Poeta do real objetivo.  Poeta da Natureza, a natureza é a única verdade  Temporalidade estática, vive no presente, não quer saber do passado ou do futuro.  Antimetafísico, pois deseja abolir a consciência dos seus próprios pensamentos (o vício de pensar).  A sua existência é o seu próprio significado.
  5. 5. Guardador de rebanho O Meu Olhar O meu olhar é nítido como um girassol. Tenho o costume de andar pelas estradas Olhando para a direita e para a esquerda, E de, vez em quando olhando para trás... E o que vejo a cada momento É aquilo que nunca antes eu tinha visto, E eu sei dar por isso muito bem... Sei ter o pasmo essencial Que tem uma criança se, ao nascer, Reparasse que nascera deveras... Sinto-me nascido a cada momento Para a eterna novidade do Mundo... Creio no mundo como num malmequer, Porque o vejo. Mas não penso nele Porque pensar é não compreender ... O Mundo não se fez para pensarmos nele (Pensar é estar doente dos olhos) Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo... Eu não tenho filosofia: tenho sentidos... Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é, Mas porque a amo, e amo-a por isso, Porque quem ama nunca sabe o que ama Nem sabe por que ama, nem o que é amar ... Amar é a eterna inocência, E a única inocência não pensar...
  6. 6. Análise A primeira estrofe entende-se que ele observa a tudo sem se perder ou confundir. E a cada momento que ele observa a tudo, se surpreende com o mundo, como se tivesse acabado de nascer e começasse a descobri-lo. Já na segunda, diz que viver é não pensar,uma recusa do pensamento abstrato, já que era como o oposto do sentir, viver apenas das emoções. Na terceira afirma novamente o seu desgosto pela metafísica. Além de falar sobre a natureza, demonstrando seu amor por ela, no qual, amar é não pensar, mas não necessariamente precisa de uma resposta, não precisa muito menos saber o que é o amor. E conclui seu poema, afirmando que amar é não pensar.
  7. 7. Pastor amoroso O amor é uma companhia O amor é uma companhia. Já não sei andar só pelos caminhos, Porque já não posso andar só. Um pensamento visível faz-me andar mais depressa E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo. Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo. E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar. Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas. Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela. Todo eu sou qualquer força que me abandona. Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.
  8. 8. Análise O eu-lírico diz que o amor é uma companhia, que não faz sentindo ele andar sozinho, pois ele deveria andar com o seu amor. Mesmo o seu amor ausente, ele sente a presença dela, ela é a sua força, mas também sua fraqueza, perde suas força sem ela. Ela é tudo para ele, mesmo ausente. Quando ele está com ela, ele perdi suas forças, elas o abandonam... E toda a sua realidade é uma flor, pois essa flor é o seu amor.
  9. 9. Poemas inconjuntos Criança desconhecida Criança desconhecida e suja brincando à minha porta, Não te pergunto se me trazes um recado dos símbolos. Acho-te graça por nunca te ter visto antes, E naturalmente se pudesses estar limpa eras outra criança, Nem aqui vinhas. Brinca na poeira, brinca! Aprecio a tua presença só com os olhos. Vale mais a pena ver uma cousa sempre pela primeira vez que conhecê-la, Porque conhecer é como nunca ter visto pela primeira vez, E nunca ter visto pela primeira vez é só ter ouvido contar. O modo como esta criança está suja é diferente do modo como as outras estão sujas. Brinca! Pegando numa pedra que te cabe na mão, Sabes que te cabe na mão. Qual é a filosofia que chega a uma certeza maior? Nenhuma, e nenhuma pode vir brincar nunca à minha porta.
  10. 10. Analise O eu - lírico conta como observa uma criança pobre a brincar frente à sua porta e a admira, sujeito à sua simplicidade. Ele não questiona a presença da criança e entende que não há nada mais que isso, e é exatamente isso que faz a situação especial. Explica que só assiste a criança brincando, e que vê-la vale muito mais que conhecê-la. Conta como a criança é diferente por ser como é, desconhecida e suja, e que brinca com pedras sem filosofia; se tivesse filosofia não brincaria frente à sua porta.
  11. 11. Professora Claudia Literatura 2°A Grupo: Amanda Garcia n°2 Amanda Lira n°3 Leonardo Arinelli n°19

×