Gênero Textual: Entrevista e Editorial

1.381 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gênero Textual: Entrevista e Editorial

  1. 1. COLÉGIO ESTADUAL BOA ESPERANÇA 9° “C” PROFESSORA: LEANDRA MOURA GÊNEROS TEXTUAIS Entrevista e Editorial JUNHO de 2012
  2. 2. ENTREVISTA “Entrevista é, acima de tudo, a arte de ouvir, perguntar, conversar.” (Garett) “A entrevista, nas suas diferentes aplicações, é uma técnica de interação social, de interpenetração informativa, quebrando assim isolamentos grupais, individuais, sociais; pode também servir à pluralização de vozes e à distribuição democrática da informação.” (Medina, 2000: 08)
  3. 3. ENTREVISTA É técnica quando propõe obter respostas prépautadas por um questionário; - é diálogo quando pretende firmar-se como relação entre sujeitos; “A maioria das notícias publicada no jornal têm entrevistas como matéria-prima. A finalidade de caracterizar um texto jornalístico como entrevista é permitir que o leitor conheça opiniões, ideias, pensamentos e observações de personagem da notícia ou de pessoa que tem algo relevante a dizer.” (Manual da Folha de São Paulo)
  4. 4. FONTE – REPÓRTER - RECEPTOR Deve, acima de tudo, deixar o entrevistado à vontade, com o intuito de estabelecer uma relação que flua a ponto de transmitir claramente a informação para o receptor. - O modo de ser e modo de dizer do entrevistado deve ser ressaltado; - o repórter deve mostrar o ritmo da entrevista, mas nunca sobressair-se ao entrevistado: a melhor entrevista é aquela que o entrevistador não aparece; - entrevista é um instrumento, mas deve ser, também, interação (humanidade); - recorre ao particular na busca por informações; - dar voz a quem tem efetivamente algo a ser dito; - evitar, ao máximo, fontes oficiais (mais fáceis); - dar voz ao contraponto.
  5. 5. As entrevistas de aprofundamento propõem um encontro com o entrevistado, um diálogo no qual as dúvidas são respondidas e os conceitos compreendidos. Este tipo de entrevista é muito utilizada no jornalismo como meio de entender a realidade dos fatos, objetivando o entendimento total por parte da audiência. Etapas do processo jornalístico: Pauta – trabalho de campo (reportagem e entrevista) – redação - edição Elaboração do tema e do objetivo Quem entrevistar? Como entrevistar? Dar forma ao material
  6. 6. - EDITORIAL O QUE É ISSO?
  7. 7. EDITORIAL Os editoriais são textos de um jornal em que o conteúdo expressa a opinião da empresa, da direção ou da equipe de redação, sem a obrigação de ter alguma imparcialidade ou objetividade. Geralmente, grandes jornais reservam um espaço predeterminado para os editoriais em duas ou mais colunas logo nas primeiras páginas internas.
  8. 8. EDITORIAL Na chamada "grande imprensa", os editoriais são apócrifos — isto é, nunca são assinados por ninguém em particular.
  9. 9. EDITORIAL As charges, caricaturas e ilustrações editoriais são um meio visual e extremamente eloqüente de expressar opiniões, geralmente por meio de técnicas de humor. No Brasil, jornais como O Globo trazem charges em destaque na primeira página (atualmente executadas por Chico Caruso). O Jornal do Brasil fazia o mesmo até meados dos anos 1990, com o cartunista Ique. O jornal francês Le Monde é conhecido por utilizar diariamente uma ilustração editorial no alto da primeira página, logo abaixo a manchete, e nunca fotos.
  10. 10. EDITORIAL COMO É CHAMADA A PESSOA ESCREVE UM EDITORIAL? QUE EDITORIALISTA
  11. 11. EDITORIAL Podemos dizer que o editorial é um texto: dissertativo, pois desenvolve argumentos baseados em uma ideia central: crítico, já que expõe um ponto de vista; informativo, por que relata um acontecimento
  12. 12. Editoriais : 14/12/2009 - Pequenos gestos, grandes resultados A população acompanhou atônita, esta semana, o caos em que se transformou a . cidade de São Paulo em virtude das intensas chuvas. Os rios transbordaram, as águas invadiram marginais e residências. Houve desabamentos. O trânsito ficou complicado e os aeroportos pararam. Naquele dia, segundo o serviço de meteorologia, a média de chuva na capital foi de 94 mm, sendo que em oito pontos o índice passou de 100 mm. Na região, conforme reportagem publicada nesta edição, devido às fortes chuvas o rio Mogi Guaçu teve um aumento de vazão de 340% em dezembro em relação ao mês de outubro. Na opinião de um técnico, há risco de dano ambiental devido ao excesso de chuva e ao aumento de carga orgânica na água. Os cidadãos, assustados, sentem na pele as mudanças climáticas, em grande parte produto da poluição ambiental. Os meios de comunicação estampam diariamente manchetes alertando que a natureza está em perigo devido à falta de bom senso do homem. Se queremos preservar o nosso planeta, e ainda há tempo para isso, cabe a cada um de nós fazer a sua parte no dia a dia. Mas é preciso agir, multiplicar informações.
  13. 13. Alguns procedimentos simples podem fazer a diferença. Vejamos alguns exemplos. Deixar as torneiras abertas, apenas quando estiverem em uso Na hora do banho, fechar a torneira quando for se ensaboar, para evitar desperdício. Lavar a calçada com a água que sobrou da lavagem da roupa. Para economizar energia elétrica, a dica é não acender todas as luzes da casa ao mesmo tempo. Não acumular água parada em vasilhames para evitar disseminação de doenças como a dengue, etc. Evitar jogar detritos em lugares impróprios, como nas ruas. Supervisionar todas as torneiras de casa, para evitar vazamentos. Passar todas as roupas da casa de uma só vez como medida de economia. Jamais jogar baterias de celular no lixo, pois elas são altamente tóxicas. Existem lugares que recolhem estas baterias para evitar a degradação ambiental. Como se vê, pequenos gestos podem gerar grandes resultados.

×