Slides dr. terra_(anamnese).ppt2010

2.559 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.559
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides dr. terra_(anamnese).ppt2010

  1. 1. Prática em saúde do adulto e do idosoIII DOENÇAS GERIÁTRICAS ANAMNESE EM GERIATRIA E GERONTOLOGIA Newton Luiz Terra IGG-PUCRS
  2. 2. ANAM SE GE NE RIÁTRICAáná= trazer de volta, recordarmnesis= memória Trazer de volta à mente todosos fatos relacionados à doença e àpessoa do doente idoso.
  3. 3. ANAM SE GE NE RIÁTRICA Parte mais importante da medicina geriátrica. A relação médico paciente se desenvolve a partir da anamnese. Anamnese bem feita acompanha-se de decisões diagnósticas e terapêuticas corretas. Preserva o lado humano da medicina. Progresso tecnológico jamais eliminará a entrevista.
  4. 4. ANAM SE GE NE RIÁTRICA A anamnese em geriatria não podeesquecer da própria essência do serhumano que inclui a necessidade de amore de afeto.
  5. 5. ANAM SE GE NE RIÁTRICAOBJETIVOS1. Estabelecer condições para a relação médico paciente.2. Fazer a história clínica e conhecer os fatores pessoais, familiares e ambientais.3. Estabelecer os aspectos do exame físico que merecem mais investigação.4. Definir a estratégia a ser seguida em cada paciente quanto aos exames.5. Escolher procedimento(s) terapêutico(s) mais adequado(s) em função do(s) diagnóstico(s) e do conhecimento global do paciente.
  6. 6. ANAM SE GE NE RIÁTRICA A anamnese em geriatria pode ser conduzida de duas maneiras:1. Anamnese dirigida. O geriatra tem um esquema pronto e conduz a entrevista de modo mais objetivo.2. Deixando-se o idoso relatar livre e espontaneamente suas queixas.
  7. 7. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAIDENTIFICAÇÃONome: __________________________________________________ Sexo: _____ Cor: _____________Data de Nascimento: ____/_____/____ Idade: ____________ Estado Civil: _______________________Profissão Atual: __________________________ Profissão Anterior:_____________________________Naturalidade: _________________ Nacionalidade: ________________ Religião: __________________Endereço residencial: __________________________________________________________________Fone:___________________ e-mail:____________________________ FAX______________________Local de Trabalho: __________________________ Filiação instituições Previdências: ______________Data consulta: ___/____/____ Responsável: _________________________Fone: _________________
  8. 8. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAInterrogatório SINTOMATOLÓGICO-REVISÃO SISTEMAS Xerostomia(bocaAstenia(diminuição força) S N AV S N AV seca)Anorexia(diminuição apetite S N AV Dor peito S N AVEmagrecimento S N AV Aperto peito S N AVAumento peso S N AV Dispnéia(falta de ar) S N AVSudorese(suor excessivo) S N AV Palpitação S N AV EdemaMsIs-Prurido( coceira) S N AV S N AV inchumePele seca S N AV Cianose(azulada) S N AVUnhas fracas S N AV Alimentação normal S N AVQueda cabelos S N AV Evacuação normal S N AV Constipação( prisãoDiminuição visão S N AV S N AV ventre)Diminuição audição S N AV Diarréia S N AVZumbido( som inseto) S N AV Dor abdominal S N AV
  9. 9. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAInterrogatório SINTOMATOLÓGICO-REVISÃO SistemasDisfagia(dificuldade engolir) S N AV Tremor S N AVPirose(azia) S N AV Tontura S N AVFlatulência(gases) S N AV Síncope( desmaio) S N AVNáuseas S N AV Quedas S N AVVômitos S N AV Esquecimento S N AVUrina normal S N AV Dif.concentração S N AVJato urina normal S N AV Confusão S N AVGotejamento S N AV Alucinação S N AVNoctúria(acordar noite urina S N AV Tosse S N AVIncont urinária S N AV Expectoração S N AVDisúria(ardência urinar) S N AV Sono normal S N AVUrgência urinar S N AV Insônia S N AV
  10. 10. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAInterrogatório SINTOMATOLÓGICO-REVISÃO SistemasPolaciúria(urina freqüente) S N AV Sonolência S N AVPoliúria(aumento volume S N AV Ansiedade S N AVurina)Polidipsia(sede demasia) S N AV Depressão S N AVAtividade sexual N R D M A Cefaléia (cabeça) S N AV Dormência(sensibiliDiminuição libido S N AV S N AV dade) Formigamento(formDisfunção erétil S N AV S N AV igas)Dor articular S N AV Exercício S N AVRigidez S N AV Sedentário S N AVEdema articulação S N AV Fumo S N AVLombalgia( dor costas) S N AV Fumou S N AVCãibra S N AV Álcool S N AV
  11. 11. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIADOENÇAS PASSADO____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________DOENÇAS ATUAIS____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________CIRURGIAS/DATA____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  12. 12. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAACIDENTES/TRAUMATISMOS /SEQÜELAS____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________IMUNIZAÇÕES____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________TRANSFUSÃO SANGUE_______________________________________________________________________HOSPITALIZAÇÕES_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  13. 13. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAMEDICAMENTOS UTILIZADOS ATUALMENTE/DOSE____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________MEDICAMENTOS DE USO RECENTE/DOSE____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  14. 14. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAANTECEDENTES PESSOAIS E FAMILIARESPai: S D F _______________________________________________________________________Mãe: S D F ______________________________________________________________________Filhos ( sexo-idade-saúde)______________________________________________________________Esposo (a): S D F ________________________________________________________________Irmãos vivos S D______________________________________________________________________Falecidos/causa_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Doenças na família: ___________________________________________________________________
  15. 15. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIASÓCIO-ECONÔMICORenda: ______________ Despesa mensal: _______________Escolaridade:______________________Onde mora: _______________________________ Com quem mora:____________________________Banheiro: S N Escada: S N Elevador: S NAr condicionado: S N Aquecimento: S N Telefone: S NAssiste TV: S N Lê jornais: S N Lê livros: S NLê revistas: S N Ajuda família: S N Grupo de amigos: S NGrupo religioso: S N Atividade laborativa: S N Atividade filantrópica: S NAtividade recreativa: S N Atividade Sociocultural: S N Atividade espiritual: S NObs:_______________________________________________________________________________
  16. 16. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAEXAMES REALIZADOS/DATA____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________QUEIXA(S) PRINCIPAL (AIS)____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________HISTÓRIA DOENÇA ATUAL____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  17. 17. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAEXAME FÍSICOAltura: ______________cm Peso:______________Kg IMC:______________Kg/m²Circunferência abdominal: __________ cm Prega escapular:_____mm Pregatricipital:________mmPrega abdominal: _______mm Estado geral:__________ mucosas__________ pele/fâneros_________Temperatura: __________ TCSC: _______________ FC: ________ bpm FR:___________mpmPressão arterial _______/_______ (D) _______/_______ (S) _______/_______ (P) ITB_____________Sistema cardiovascular: ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________Sistema respiratório: _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  18. 18. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAEXAME FÍSICOSistema digestivo: _______________________________________________________________________________________________________________________________________________________Sistema gênitourinário: ________________________________________________________________Sistema locomotor: ___________________________________________________________________Sistema endócrino: ___________________________________________________________________Sistema neurológico: __________________________________________________________________ECG repouso N AN:___________________________________________________________________Espirometria N AN CV prevista_________ CV alcançada______ (____%)FEV1º previsto: ________ FEV1º alcançado: _________ (______%)Índice de Tiffeneau____________Outros______________________________________________________________________________
  19. 19. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIAEXAMES SOLICITADOS_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ORIENTAÇÕES NA PRIMEIRA CONSULTA_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________PLANO PARA RECONSULTA_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  20. 20. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIACONCLUSÃO____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________EVOLUÇÃO_________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________
  21. 21. ANAM SE GE NE RIÁTRICA AVALIAÇÃO GERIÁTRICA
  22. 22. ANAM SE AVAL NE - IAÇÃO GERIÁTRICA Funcionalidade é o principal elemento da avaliação clínica do idoso e está associada ao grau de autonomia e independência nas atividades da vida diária
  23. 23. AVALIAÇÃO Autonomia significa decisão e depende diretamente da cognição e do humor Independência significa execução e depende diretamente da mobilidade e comunicação Dependem do funcionamento harmonioso da cognição,humor,mobilidade e comunicação
  24. 24. SAÚDE SAÚDE FUNCIONALIDADE GLOBAL FUNCIONALIDADE GLOBAL CAPACIDADE DE FUNCIONAR SOZINHO CAPACIDADE DE FUNCIONAR SOZINHO Gerir a própria vida Gerir a própria vida Cuidar de si mesmo Cuidar de si mesmo ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA AUTONOMIA AUTONOMIA INDEPENDÊNCIA INDEPENDÊNCIACOGNIÇÃOCOGNIÇÃO HUMOR HUMOR MOBILIDADE MOBILIDADE COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO
  25. 25. AUTONOMIA AUTONOMIA INDEPENDÊNCIA INDEPENDÊNCIA (decisão) (decisão) (execução) (execução) COGNIÇÃO COGNIÇÃO HUMOR HUMOR MOBILIDADE MOBILIDADE COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO Memória Memória Motivação MotivaçãoFunção executiva Função executiva Linguagem Linguagem Continência Postura ee Postura Continência Visão Visão Função Função esfincteriana marcha marcha esfincteriana Audição Audição visuoespacial visuoespacial Capacidade Capacidade Fala Fala Gnosia Gnosia aeróbica aeróbica Praxia Praxia Incapacidade Incapacidade Instabilidade Instabilidade Incontinência Incontinência Incapacidade Incapacidade Imobilidade Imobilidade cognitiva cognitiva postural postural esfincteriana esfincteriana comunicativa comunicativa
  26. 26. AVALIAÇÃO COGNIÇÃO Conceito global que permite ao idoso a manutenção de sua capacidade de resolver os problemas do dia-a-dia
  27. 27. AVALIAÇÃO-COGNIÇÃO As funções cognitivas são constituídas A) memória B) Função executiva C) Linguagem D) Praxia E) Gnosia F) Função visuoespacial
  28. 28. AVALIAÇÃO - COGNIÇÃOMemória: e a aquisição, conservação e evocação de informações.Processos mentais que permitem às pessoas armazenar experiências e percepções para evocação posteriorAquisição=aprendizadoEvocação:recordação ou lembrançaFalta de evocação denomina-se ESQUECIMENTO Curto prazo Longo prazo (MLP) MLP Episódica(lembrança passado-eventos) MLP Semântica ( conhecimento geral mundo-fatos,palavras,conceitos - atemporal) MLP Implícita ( informações ou habilidades armazenadas sem consciência da aprendizagem)
  29. 29. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Duração da memória Imediata: dura segundos,rara vezes minutos Curta duração: uma a seis horas Longa duração ( remota): muitas horas,meses,dias, anos
  30. 30. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO MEMÓRIAS DECLARATIVAS Podemos declarar que existem e como são:lembrança de um rosto, de um incidente,de um poema SE DIVIDEM: semânticas, episódicas ou autobiográficas, implícitas
  31. 31. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Distúrbios de memória MLP episódica: esquecimento de fatos da vida ou do cotidiano,recados,datas,perda de objetos, acidentes domésticos,desorientação, repetição MLP semântica: empobrecimento do conhecimento do mundo, discurso pobre,nomeação inadequada, dificuldade de compreensão de conceitos MLP implícita: dificuldades em tocar instrumentos, prática de esportes, mastigação, deglutição, deambulação
  32. 32. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Linguagem Capacidade de compreensão e expressão da linguagem oral e escrita Permite que o indivíduo represente seus pensamentos, apresentando-os de forma oral ou escrita, o que possibilita a sua comunicação com outros indivíduos
  33. 33. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Distúrbio de linguagem ( AFASIA) Anomia: dificuldade de nomeação de objetos conhecidos. Rodeio de palavras Parafasias: (substituição de palavras). Termos vagos, discurso pobre, neologismos, erros gramaticais,frases inacabadas. Mussitação (emissão de sons confusos) Mutismo ( ausência linguagem verbal) Ecolalia: repetição automática das palavras Anosognosia ( dificuldade de compreensão),leitura (dislexia) escrita(disgrafia)
  34. 34. AVALIAÇÃO-COGNIÇÃO Função executiva Capacidade de planejamento ( formulação de um objetivo) antecipação ( abstração), seqüenciamento,monitorização e desempenho efetivo de atividades complexas. Relaciona-se também à flexibilidade de pensamento,atenção,regulação do comportamento e controle da emoção e da motivação
  35. 35. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Disfunção executiva Dificuldade de realizar várias coisas simultaneamente Dificuldade de concentração Dificuldade na realização de atividades que exigem uma seqüência(barba, compras) Dificuldade de planejamento Dificuldade na resolução de problemas do cotidiano ou de tomar decisões Desinibição,inquietação motora,perambulação,agressividade,hiperfagia Comportamento anti-social Labilidade emocional Apatia
  36. 36. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Praxia Capacidade de formular, seqüenciar,coordenar e executar gestos ou atos motores sob comando, ou seja, traduzir voluntariamente uma ordem verbal para um ato motor ou uma tarefa no espaço que o cerca.
  37. 37. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO APRAXIA Incapacidade de executar atividades motoras previamente aprendidas
  38. 38. APRAXIA Ideomotora: mais comum. Idoso é incapaz de iniciar e de desempenhar corretamente certas tarefas motoras sendo que em outras circunstâncias seria capaz de executar. Sob comando não sorri mas em situações espontâneas sim. Construtiva: incapaz de formar uma construção no espaço. Incapaz de desenhar ou copiar figuras geométricas. Para vestir: não conseguem vestir-se porque não conseguem relacionar as peças do vestuário com as partes do corpo
  39. 39. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO GNOSIA Capacidade de reconhecimento de objetos, cores, pessoas, símbolos, em cada uma das modalidades sensoriais ( visão,audição, tato,gustação e olfato)
  40. 40. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO AGNOSIA Incapacidade de reconhecer ou identificar objetos ou sons através da percepção sensorial devido a um dano cerebral.
  41. 41. AGNOSIA Visual: inabilidade em reconhecer, descrever ou nomear objetos visualmente. Auditiva: incapacidade de reconhecer ou distinguir vários sons que tenha ouvido, embora a audição não esteja prejudicada (moeda, sino, campainha) Tátil: incapacidade de reconhecer objetos pelo tato na presença da habilidade preservada em nomear objetos através de estímulo visual ou auditivo
  42. 42. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Função visuo-espacial Capacidade de localização no espaço e percepção das relações dos objetos entre si Integra as informações sensoriais que o indivíduo recebe constantemente do ambiente, orientando-o e direcionando apropriadamente sua atividade motora no espaço que o cerca.
  43. 43. AVALIAÇÃO- COGNIÇÃO Disfunção visuo-espacial Desorientação espacial ( trajetos habituais) Desorientação geográfica (mapas) Julgamento de distância e direção Dificuldade na cópia de desenhos e orientação direita-esquerda Dificuldade para banhar-se, vestir-se(perda do esquema corporal)
  44. 44. FUNÇÕE COGNIT S IVAS Essenciais para AVDs e AIVDsBanhar-se depende:Memória: lembrar horário banho, onde é o banheiro, desligar o chuveiroFunção executiva: retirar a roupa, seqüência banho, controle temperatura,enxugar-seLinguagem: ler o rótulo do xampoo, condicionadorPraxia: retirar a roupa, ligar chuveiro,ensaboar-seGnosia: percepção temperatura da água, reconhecimento dos objetosnecessáriosFunção visuo-espacial: localização do banheiro e chuveiro, posição dentrodo box ou banheira,utilização da ducha, uso da toalha
  45. 45. MINI-M NT E AL Instrumento útil na triagem cognitiva por ser simples e de fácil aplicação. Teste mais utilizado para triagem inicial de idosos com déficit cognitivo, seguimento evolutivo de pacientes demenciados e monitoramento da resposta terapêutica
  46. 46. M M NT INI E AL É composto por 11 itens e a pontuação máxima é de 30 pontos. A primeira metade do teste avalia basicamente a memória e função executiva ( atenção e concentração) ( itens 1 a 5) A segunda metade avalia também outras funções corticais ( linguagem, gnosia,praxia,função executiva e função visuo-espacial)
  47. 47. M M NT INI E AL É um teste capaz de rastrear todas as funções cognitivas não podendo ser utilizado isoladamente para o diagnóstico das demências. A maior utilidade do teste não está na pontuação obtida ( avaliação quantitativa) e sim no grau de dificuldade observado nas respostas ( avaliação qualitativa)
  48. 48. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA Mini-Exame do Estado Mental (MEEM)Sr(a)____________________________________________ Data_____/_____/_______ Orientação temporal-espacial – 10 pontos 1. Que dia é hoje? Dia semana ( ) 2. Que mês estamos? ( ) 3. Que ano estamos? ( ) 4. Que dia do mês? ( ) 5. Que horas são? ( ) 6. Qual estado? ( ) 7. Que bairro é este? ( ) 8. Que local é este? específico ( ) 9. Que instituição é essa? ( ) 10. Que cidade é esta ? ( )
  49. 49. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA Mini-Exame do Estado Mental (MEEM)Sr(a)____________________________________________ Data_____/_____/_______ Memória Imediata-Registro Pente ( ) Rua ( ) Azul ( )
  50. 50. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA Mini-Exame do Estado Mental (MEEM)Sr(a)____________________________________________ Data_____/_____/_______ Atenção e Cálculo 100 - 7 = 93 ( ) 93 - 7 = 86 ( ) 86 - 7 = 79 ( ) 79 - 7 = 72 ( ) 72 - 7 = 65 ( )
  51. 51. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA Mini-Exame do Estado Mental (MEEM)Sr(a)____________________________________________ Data_____/_____/_______ Evocação Recordar as 3 palavras Pente ( ) Rua ( ) Azul ( )
  52. 52. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA Mini-Exame do Estado Mental (MEEM)Sr(a)____________________________________________ Data_____/_____/_______Linguagem Nomear uma caneta ( ) Nomear um relógio ( ) Repetir: nem aqui, nem ali, nem lá ( ) Pegar folha papel com a mão direita ( ) Dobrar ao meio ( ) Colocar a folha no chão ( ) Ler e obedecer: Feche os olhos ( ) Escrever uma frase ( ) Copiar o desenho (2 pentágonos) ( ) ESCORE ___________ Pontuação mínima 8 anos escolaridade = 28 Com 4 anos de escolaridade =22 Analfabetos=18
  53. 53. Teste do relógio Faz parte da triagem pela simplicidade e rapidez na aplicação. Teste simples que pode mostrar comprometimento da atenção e/ou função executiva Avalia diversas funções cognitivas:memória semântica, função executiva, praxia e função visuo-espacial
  54. 54. Teste do relógio Consiste em solicitar ao paciente desenhar um relógio com ponteiros e marcar uma determinada hora Pontuação 0- inabilidade absoluta para representar o relógio 1- desenho lembra relógio mas com desorganização visuo- espacial grave 2- desorganização visuo-espacial moderada com marcação da hora incorreta, números faltando,números repetidos,sem ponteiros, ponteiros em excesso 3- Distribuição visuo-espacial correta com marcação errada da hora 4- Pequenos erros espaciais com dígitos e horas corretos 5- Relógio perfeito
  55. 55. AVALIAÇÃO- AVDs e AIVDs A funcionalidade global do idoso é determinada pelo grau de independência e autonomia nas atividades de vida diária e atividades instrumentais de vida diária
  56. 56. ATIVIDADE DE VIDA DIÁRIA ( AVDs) S Demonstram a capacidade de realização de tarefas relacionadas ao auto-cuidado. Índice de Katz ( avalia 5 atividades e uma função)- São mais simples de serem implementadas
  57. 57. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIASr(a)____________________________________________ Data_____/_____/_______ ESCALA DE ATIVIDADES BÁSICAS DE VIDA DIÁRIA (AVD-Katz) Sim Não 1- Banho (sem ajuda ou ajuda para uma parte do corpo) 2. Vestir-se (sem ajuda, exceto calçar sapatos) 3.Higiene pessoal ( vai e usa banheiro sem ajuda 4. Transferência (deita, senta e levanta sem ajuda) 5. Continência (autocontrole do intestino e bexiga) 6. Alimentação (come sem ajuda, exceto cortar carne) Escore total____/6 6= independência para AVD 4= dependência parcial 2= dependência importante
  58. 58. AVDs Controle hierárquico no grau de complexidade destas tarefas desde o banhar- se até o alimentar-se, tarefa considerada mais simples
  59. 59. Atividades instrumentais de vidadiária(AIVDs) São mais complexas e avaliam a capacidade do idoso de gerar a própria vida.
  60. 60. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA ATIVIDADES INSTRUMENTAIS DA VIDA DIÁRIA (AIVD-Lawton)1.Habilidade para usar o telefone 4. Manutenção da casa Sem ajuda 3 Sem ajuda 3 Com ajuda parcial 2 Com ajuda parcial 2 Não consegue 1 Não consegue 12. Meios de transporte 5. Lavanderia Sem ajuda 3 Sem ajuda 3 Com ajuda parcial 2 Com ajuda parcial 2 Não consegue 1 Não consegue 13. Fazer compras 6. Responsabilidade com seus medicamentos Sem ajuda 3 Sem ajuda 3 Com ajuda parcial 2 Com ajuda parcial 2 Não consegue 1 Não consegue 1
  61. 61. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA ATIVIDADES INSTRUMENTAIS DA VIDA DIÁRIA (AIVD-Lawton)7. Habilidade para administrar finanças Sem ajuda 3 Com ajuda parcial 2 Não consegue 18. Preparo da alimentação Sem ajuda 3 Com ajuda parcial 2 Não consegue 1 Escore____/279. Trabalhos domésticos Primeira resposta significa independência Sem ajuda 3 Segunda resposta capacidade com ajuda Com ajuda parcial 2 Terceira resposta significa dependência Não consegue 1 Escore tem um significado apenas para o paciente individual servindo como base para comparação evolutiva
  62. 62. H OR UMA avaliação da função psíquica busca asalterações do humor e principalmente adepressão.A prevalência da depressão em idosos dacomunidade varia de 1 a 16%.Mais de 50% das desordens depressivas nãosão diagnosticadas.
  63. 63. H OR UMIdosos tendem a negligenciar os sintomasafetivos e/ou psicológicos com predomíniodos sintomas somáticos ( cansaço,emagrecimento ou ganho de peso, tontura,dores, etc.) e/ou neurovegetativos ( alteraçãosono,disfunção sexual,falta de concentração,agitação ) dificultando o diagnóstico
  64. 64. H OR UMToda consulta geriátrica deve investigar apresença de sintomas depressivos utilizando-se instrumentos estruturados ou escalas dedepressão.A confirmação diagnóstica requer a aplicaçãodos critérios de depressão do DSM-IV
  65. 65. H OR UMEscala de depressão mais utilizada emGeriatria é a Escala de Depressão Geriátricadesenvolvida por Brink e Yesavage em 1982(versão 30 itens) e simplificada por Sheikh-Yesavage em 1986 ( versão 15 itens)
  66. 66. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA - ABREVIADA DE YESAVAGE1- Satisfeito (a) com a vida? (não)2- Abandonou muita das suas atividades e interesses? (sim)3. Sente a vida vazia? (sim)4. Fica aborrecido com freqüência? (sim)5- Sente-se de bem com a vida na maior parte do tempo? (não)6. Teme que alguma coisa ruim lhe aconteça? (sim)7.- Sente-se feliz na maior parte do tempo ? (não)
  67. 67. ANAMNESE - EXAME FÍSICO EM GERIATRIA ESCALA DE DEPRESSÃO GERIÁTRICA - ABREVIADA DE YESAVAGE8. Sente-se abandonado (a) desamparado (a) com freqüência? (sim)9.- Prefere ficar em casa ao invés de sair e fazer coisas novas ? (sim)10. - Acha que tem mais problemas de memória que outras pessoas? (sim)11- Acha que é maravilhoso estar vivo agora? (não)12- Vale a pena viver como vive agora? (não)13- Sente-se cheio (a) de energia? (não)14- Acha que sua situação tem solução? (não)15- Acha que tem muita gente em situação melhor? (sim)Escore_______0= resposta diferente do exemplo dos parênteses1= quando a resposta for igual ao exemplo dos parêntesesEscore > 5 = suspeita de depressão
  68. 68. H OR- DSM IV UM 1- Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias, indicado por relato subjetivo ou observação feita por terceiros 2- Acentuada diminuição do interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia indicado por relato ou observação de terceiros 3- Perda ou ganho significativo de peso sem estar em dieta ( mais do 5% do peso corporal em 1 mês) ou diminuição ou aumento do apetite quase todos os dias 4-Insônia ou hipersonia quase todos os dias 5- Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias
  69. 69. H OR – DSM IV UM 6- Fadiga ou perda de energia quase todos os dias 7- Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada quase todos os dias 8- Capacidade diminuída de pensar ou concentrar-se, ou indecisão quase todos os dias 9- Pensamentos de morte recorrentes ( não apenas medo de morrer) ideação suicida recorrente sem um plano específico, tentativa de suicídio ou plano específico para cometer suicídio Diagnóstico: 5 sintomas durante 2 semanas
  70. 70. Diagnóstico diferencial da incapacidadecognitivaInsuficiência cognitiva é a condição naqual as funções encefálicas, em particular odesempenho intelectual, estãocomprometidas a ponto de prejudicarem aindependência funcional e a autonomia doidoso.
  71. 71. DEMÊNCIAS DEMÊNCIAS REVERSÍVEL REVERSÍVEL IRREVERSÍVEL IRREVERSÍVEL• • TÓXICAS TÓXICAS DEMÊNCIA DE DEMÊNCIA DE DEMÊNCIA DE ALZHEIMER 50% DEMÊNCIA DE ALZHEIMER 50% ––Álcool, drogas Álcool, drogas ALZHEIMER ALZHEIMER 50% 50%• • INFECCIOSA INFECCIOSA ––Sífilis, HIV Sífilis, HIV DEMÊNCIA DEMÊNCIA DEMÊNCIA DEMÊNCIA DEMÊNCIA DEMÊNCIA POR CORPOS POR CORPOS FRONTO FRONTO VASCULAR VASCULAR• • METABÓLICAS METABÓLICAS DE LEWY DE LEWY TEMPORAL TEMPORAL ––Hipotireoidismo Hipotireoidismo ––Hipovitaminose B12 ––DHEAB Hipovitaminose B12 DHEAB ––Uremia ––Insuficiência hepática Uremia Insuficiência hepática Diagnóstico Outras causas de demência não-Alzheimer: Outras causas de demência não-Alzheimer: Diagnóstico de exclusão Demência associada ààDoença de Parkinson Demência associada Doença de Parkinson• • ESTRUTURAIS ESTRUTURAIS de exclusão Degeneração corticobasal Degeneração corticobasal ––Hidrocefalia de pressão normal Hidrocefalia de pressão normal Paralisia supra-nuclear progressiva Paralisia supra-nuclear progressiva ––Hematoma subdural Hematoma subdural Doença de Huntington Doença de Huntington ––Neoplasia, TCE Neoplasia, TCE Doença de Creutzfeldt-Jakob, etc... Doença de Creutzfeldt-Jakob, etc... TSH, B12 eeácido fólico TSH, B12 ácido fólico Uréia Creatinina Na KKCálcio Uréia Creatinina Na Cálcio Função Hepática Função Hepática VDRL Anti-HIV VDRL Anti-HIV TC ou RM de crânio TC ou RM de crânio
  72. 72. DE Ê M NCIA O diagnóstico etiológico da demência irreversível é baseado na história do paciente, comprometimento nas atividades de vida diária, presença de sintomatologia comportamental, exame detalhado das funções cognitivas e histórico familiar, associado aos achados do exame físico e neurológico (parkinsonismo, déficit focal, reflexos primitivos de liberação frontal, etc). Os exames complementares, incluindo a neuro- imagem, são mais utilizados para a exclusão de causas específicas de demência, não sendo suficientes para confirmação de etiologia da doença.
  73. 73. M IL OB IDADE É fundamental para a execução das decisões tomadas. Todo o idoso deve ser submetido a uma triagem para o diagnóstico da instabilidade postural e/ou mobilidade Depende da postura/marcha, capacidade aeróbica e do funcionamentos dos principais sistemas fisiológicos
  74. 74. MOBILIDADE MOBILIDADE FATORES EXTRÍNSECOS FATORES EXTRÍNSECOS FATORES INTRÍNSECOS FATORES INTRÍNSECOS (fatores ambientais) (fatores ambientais)Sistemas Fisiológicos Sistemas Fisiológicos Capacidade Aeróbica Capacidade Aeróbica Postura eeMarcha Postura Marcha Principais Principais Função Cardíaca Função Cardíaca Equilíbrio Locomoção Equilíbrio Locomoção Função Respiratória Função Respiratória Função Neuromuscular Função Neuromuscular Função Endócrino-Metabólica Função Endócrino-Metabólica Levantar eeandar 33metros Levantar andar metros quantitativo eequalitativo quantitativo qualitativo Teste de Romberg Teste de Romberg Nudge Test Nudge Test Equilíbrio Unipodálico Equilíbrio Unipodálico
  75. 75. QUEDAS História de quedas Número de quedas Repercussão funcional Causas Tempo de permanência no chão Necessidade de ajuda para levantar-se
  76. 76. E IDE IOL P M OGIASão comuns em idosos e podemlevar a lesões e declínio dasfunções além da hospitalizaçãoe institucionalização.Conseqüência mais temida:fratura (colo fêmur, punho,vértebras, costelas, úmero,tornozelo)
  77. 77. E IDE IOL P M OGIA 30-40% dos idosos sofrem quedas Idoso saudável: 15% ao ano Pacientes institucionalizados: 50% caem a cada ano. 60% dos idosos com história de queda no ano anterior poderá sofrer nova queda
  78. 78. DE INIÇÃO F Evento não esperado, no qual o idoso cai de um nível superior para um inferior, ou no mesmo nível, de forma involuntária, com ou sem perda de consciência e com ou sem lesão
  79. 79. CONSEQUÊNCIASLesões de partes moles : 40 a 60%Fraturas: 10 % - 1% resulta em fratura defêmur.25% morrem em 6 meses. 60% temmobilidade restringida.25-75% dos idosos dacomunidade não recuperam o estado funcionalanteriorIncapacidade. Capacidade de levantar-se.
  80. 80. CONSEQUÊNCIASHematoma cerebralImobilidade.HospitalizaçãoInstitucionalização.Perda da independênciaAnsiedade: isolamento, medo,diminuição das suas atividadesMorte
  81. 81. F ORE DE RISCO AT S Idade > 85 anos Sexo feminino História de queda prévia Déficit cognitivo Fraqueza das extremidades Problemas de equilíbrio Uso de medicamentos psicotrópicos Osteoartrose
  82. 82. F ORE DE RISCO AT S AVC ( Derrame) prévio Hipotensão ortostática Tonturas Anemia Polipatologias (Alzheimer, artrose, depressão, psicose, doença cardiovascular, cerebrovascular, diabete, osteoporose, Parkinson) Fragilidade
  83. 83. CAUSAS: multifatoriais Fatores intrínsecos ( condições clínicas,visão e audição diminuídas, modificações do envelhecimento) Fatores extrínsecos ( medicamentos, doença aguda, ambiente, uso inapropriado de órteses)
  84. 84. COMUNIDADE Acidentes/ambiente 37% Fraqueza desequilíbrio 12% Drop attak 11% Tontura/vertigem 8% Hipotensão ortostática 5% Doença aguda,confusão, drogas, visão 18% Desconhecida 8%
  85. 85. COMUNIDADE Acidentes/ambiente 37% Fraqueza desequilíbrio 12% Drop attak 11% Tontura/vertigem 8% Hipotensão ortostática 5%Doença aguda,confusão, drogas, visão 18% Desconhecida 8%
  86. 86. INST UIÇÕE IT S Fraqueza generalizada 31% Problemas ambientais 27% Hipotensão 16% Doença aguda 5% Problemas de equilíbrio 4% Drogas 5% Desconhecida 10%
  87. 87. INST UIÇÕE IT S Fraqueza generalizada 31% Problemas ambientais 27% Hipotensão 16% Doença aguda 5% Problemas de equilíbrio 4% Drogas 5% Desconhecida 10%
  88. 88. QUEDAS Problemas de visão:redução da acuidade visual por causas diversas Problemas de audição : baixa acuidade auditiva, excesso de cerúmen, Doença de Meniere Doenças neurológicas: Doença de Parkinson, AVC, convulsões,doenças do cerebelo, demências, Drop attak, insuficiência vértebro basilar, síncope Doenças músculo esqueléticas : artrose de joelho e de coluna, fraqueza muscular, deformidades nos pés (joanetes), problemas da coluna, osteoporose
  89. 89. QUEDAS Doenças do coração: infarto do miocárdio, angina, hipotensão, arritmias cardíacas, estenose aórtica, prolapso de válvula mitral,pressão alta Doenças respiratórias: bronquite crônica, enfisema Doenças psiquiátricas: depressão, pânico, neurose, psicose Doenças digestivas: sangramentos digestivos, diarréia Doenças metabólicas: hipotireoidismo,hipoglicemia,hiponatremia
  90. 90. QUEDAS Doenças hematológicas: anemia Causas urológicas: incontinência urinária Medicamentos: drogas sedativas, indutores do sono, antiinflamatórios, drogas para depressão e pressão alta
  91. 91. E AR VIT Causas ambientais Pouca iluminação Desníveis dentro da residência Tapetes soltos Assoalhos escorregadios Carpetes espessos Falta de corrimão em escadas e áreas de circulação Uso de chinelos
  92. 92. E AR VITSapatos desamarradosDegraus altosBanheiros sem barra de apoio,Cordas, cordões e fios no chãoMóveis deslizantes
  93. 93. QUEDAS Degraus da escada com altura ou largura irregular Degraus sem sinalização de término Escadas com piso muito desenhado dificultando a visualização de cada degrau Assentos sanitários baixos Banheira escorregadia Cama alta Cadeiras com altura inadequada e sem apoio lateral Prateleiras muito altas Animais soltos pela casa
  94. 94. QUEDAS Brinquedos espalhados pelo chão Entulhos e lixos em locais inapropriados Cortinas pesadas e muito compridas Colchas e lençóis muito compridos nas camas Roupas compridas arrastando pelo chão Calçamentos com pisos irregulares Raízes de árvores expostas nas calçadas
  95. 95. QUEDAS Prédios públicos e espaços abertos sem acessibilidade adequada ( rampas, escadas, pisos) Ambientes mal planejados e mal construídos com barreiras arquitetônicas. 50% dos idosos que caem relatam ter tropeçado e caído em meios fios, calçadas irregulares ou em escadas
  96. 96. ENVE H CIM NT L E E O Mais de 80 anos Marcha lenta Passos curtos Imobilidade Equilíbrio diminuído Debilidade Fragilidade
  97. 97. ENVE H CIM NT L E E O Deterioração dos mecanismos de equilíbrio Instabilidade postural Baixa aptidão física Diminuição da força muscular Diminuição da visão e audição Álcool Tontura/vertigem por causas diversas
  98. 98. AVALIAÇÃO Realizada por um geriatra Queda prévia Fatores de risco Onde ? Como? Quando? Sintomas Perda da consciência Uso de medicamentos Ambiente
  99. 99. AVALIAÇÃO Avaliação do equilíbrio e marcha através de testes (comprimento e altura do passo, simetria e continuidade do passo, caminho, tronco, postura da caminhada, posição dos calcanhares,etc) Avaliação da audição e visão Avaliação ortopédica ( pés, coluna, joelhos) Dificuldade de levantar Instabilidade em pé
  100. 100. P VE RE NÇÃOBuscar a causa: complexa e nem sempre descobertacom facilidadePrevenção e tratamento:causa neurológica, hipotensão,arritmia cardíaca, ambiental, etc.
  101. 101. P VE RE NÇÃO Reforço muscular Treino da marcha e equilíbrio Modificação do ambiente Retirada de medicamentos culpados Intervenção nos fatores de risco ambientais e de saúde Exercícios Alimentação adequada Melhora da visão e audição
  102. 102. P VE RE NÇÃOIntervenções multidisciplinaresAtividade física regular.Idoso que se exercita regularmente tem menoschance de quedaEstabelecer um ambiente seguro
  103. 103. POSTURA E MARCHATimed up and go teste O teste avalia o equilíbrio assentado, transferências de assentado para a posição de pé, estabilidade na deambulação e mudanças do curso da marcha Idoso deve levantar-se de uma cadeira sem o apoio de braços, caminhar 3 metros em com passos seguros, girar 180º , retornar e sentar na cadeira
  104. 104. Postura e Marcha Altura do assento deve ser de 46 cm Inicia recostado e com braços repousados Deve ser treinado Tempo cronometrado a partir do comando de partida até sentar novamente na cadeira Calçado habitual Trajeto deve se sinalizado no chão com uma faixa colorida
  105. 105. Postura e Marcha Idoso independente realiza em 10 segundosApresenta risco de queda mínimo 20 segundos: instabilidade postural e risco maior de quedas. 30 segundos: são dependentes em muitas das atividades de vida diária e na habilidade da mobilidade. Alto risco de quedas
  106. 106. EQUIL RIO/L ÍBEQUILÍBRIOLOCOMOÇÃO OCOMOÇÃO
  107. 107. EQUIL RIO/L ÍB OCOMOÇÃO Equilíbrio de pé: estável, capaz de ficar em pé com os pés bem juntos (base estreita), sem segurar em objetos de suporte Equilíbrio com os olhos fechados (com os pés o mais próximo possível): estável, sem segurar algum objeto, com os pés unidosAvaliação complementardo equilíbrio Nudge test: paciente de pé com os pés o mais próximo possível, o examinador empurra com pressão uniforme 3x sobre o esterno (impulsão) Equilíbrio unipodálico: capaz de manter-se estável sobre uma perna por 5 segundos sem apoiar-se Marcha Parética Marcha Parkinsoniana Marcha Ebriosa Apraxia da marcha (marcha magnética; lobo frontal)Padrão da marcha Marcha da mielopatia cervical Marcha vestibular Marcha cautelosa Marcha antálgica Outras
  108. 108. EQUIL RIO ÍB Teste de Romberg Avalia a habilidade do paciente em manter a postura ortostática com os olhos abertos e fechados. O paciente fica na posição de pé com os pés bem juntos e se avalia a oscilação do corpo. Teste positivo: acentuada oscilação ântero posterior ou lateral e uma possível tendência de cair. Olhos abertos e depois fechados.
  109. 109. Suporte unipodal Idoso deve permanecer na posição de pé somente em uma das pernas por 5 segundos sem apoio. Com olhos abertos e fechados
  110. 110. INSTABILIDADE POSTURAL INSTABILIDADE POSTURAL Levantar eeandar 33metros Levantar andar metros 22ou mais quedas no último ou mais quedas no último Duração >>20 seg. Duração 20 seg. ano ano Avaliar problemas clínicos Avaliar problemas clínicos MARCHA ANORMAL MARCHA ANORMAL Avaliar causas ambientais Avaliar causas ambientais (drogas) (drogas)NÍVEL SENSÓRIO-MOTOR NÍVEL SENSÓRIO-MOTOR NÍVEL SENSÓRIO-MOTOR NÍVEL SENSÓRIO-MOTOR NÍVEL SENSÓRIO-MOTOR NÍVEL SENSÓRIO-MOTOR SUPERIOR SUPERIOR MÉDIO MÉDIO INFERIOR INFERIOR CONTROLE DA EXECUÇÃO CONTROLE DA EXECUÇÃO CONTROLE AFERENTE EE CONTROLE AFERENTE PROGRAMAÇÃO: PROGRAMAÇÃO: DAS RESPOSTAS DAS RESPOSTAS EFERENTE: EFERENTE: Apraxia da marcha Apraxia da marcha POSTURAIS EEMOTORAS: POSTURAIS MOTORAS: Disfunção dos sistemas Disfunção dos sistemas Hidrocefalia de pressão Hidrocefalia de pressão Hemiparesia espástica Hemiparesia espástica sensoriais aferentes sensoriais aferentes normal normal Mielopatia cervical Mielopatia cervical (visão, disfunção vestibular ee (visão, disfunção vestibular Tumor Tumor Parkinsonismo Parkinsonismo propriocepção) propriocepção) Marcha cautelosa Marcha cautelosa Ataxia cerebelar Ataxia cerebelar Patologias ósteo-musculares Patologias ósteo-musculares
  111. 111. COMUNICAÇÃO Linguagem Audição Motricidade oral Voz
  112. 112. Linguagem Meio pelo qual os indivíduos comunicam-se Fluência:linguagem espontânea, gramaticalmente correta, sem pausas excessivas para encontrar palavras Compreensão: interpretar, compreender Repetição:repetir sem erros palavras ou expressões apresentadas Nomeação: capacidade de nomear um objeto
  113. 113. SAÚDE DO IDOSOIdoso, mesmo portador de alguma doença, podesentir-se saudável desde que seja capaz dedesempenhar funções, atividades.Manter-se ativo.Ter alguma função social.Realizando projetos.
  114. 114. ENVE H CIM NT AT L E E O IVO - OMS Saúde ( autonomia – independência) Participação Segurança
  115. 115. INSUFICIÊNCIA COMUNICATIVA Comunicação é a capacidade de interação com o mundo. Visão Fala Audição
  116. 116. AUDIÇÃOVárias causas: medicamentos,otites, diabete, traumatismos Audição: envelhecimento acarreta diminuição da acuidade auditiva- presbiacusia Sons agudos ( mais finos) podem não ser percebidos. Surgem zumbidos Sons fortes causam desconforto e irritação Toque do telefone. Campainha da porta, acompanhar uma conversação com mais de 3 pessoas, volume da televisão e rádio deve ser aumentado
  117. 117. AUDIÇÃOConstrangidos para pedir que repitamDeixam de participar das atividades familiaresA dificuldade na compreensão da fala leva o idoso a respostasinadequadas, diferente do que foi perguntado.Ouço mas não entendo.
  118. 118. AUDIÇÃO Redução na percepção da fala em várias situações Alterações psicológicas:depressão, embaraço, frustração , raiva, medo. Incapacidade pessoal de comunicar-se Isolamento social: interação com a família, amigos e comunidade. Declínio cognitivo
  119. 119. AUDIÇÃO Incapacidade auditiva: igrejas, cinema, rádio, TV Problemas de comunicação com médicos e outros profissionais Problemas de alerta e defesa: incapacidade para ouvir pessoas e veículos aproximando-se. Alarmes. Anúncios de emergência
  120. 120. AUDIÇÃO Dificuldade em ouvir a voz cochichada Evita sair de casa quando tem que encontrar com pessoas Prefere ficar sozinho. Isola-se.
  121. 121. AUDIÇÃO
  122. 122. M RICIDADE ORAL OT Está relacionada com as funções realizadas pelos lábios, língua, dentes ou bochechas. Esses órgãos, movimentado-se simultaneamente, realizam o engolir, o sugar, o falar, o mastigar e a respiração.
  123. 123. M RICIDADE ORAL OTENVELHECIMENTO • Fraqueza muscular ou diminuição da sensibilidade dos lábios que podem causar dificuldade de sugar ou escape de saliva • Presença de ruídos ao engolir por flacidez dos músculos da laringe e faringe • Alteração da fala por uso de prótese dentária mal adaptada e/ou por ausência de dentes
  124. 124. M RICIDADE ORAL OTEngasgos com saliva ou engasgos duranteas refeições por flacidez muscularProblemas de mastigação devido à ausência de dentes, aosdesgastes dentários, aos problemas nas gengivas ou por máadaptação de prótesesDiminuição na produção de saliva ( uso de medicamentos)que causa boca seca dificultando a formação do boloalimentar durante a mastigação
  125. 125. M RICIDADE ORAL OTAumento do número de deglutições pararetirar todo o alimento da cavidade oralNecessidade de um maior volume de ar para a emissão deuma quantidade maior de palavrasA saúde destas funções contribui para que o idoso mantenhaa comunicação e suas vivências sociais que vão preservar assuas habilidades durante o processo de envelhecimento
  126. 126. VOZ O idoso precisa comunicar-se bem. A emotividade do idoso pode ser percebida pela voz. Com a voz se expressam sentimentos, anseios, alegrias, crenças e ensinamentos. A voz representa a identidade de uma pessoa e pode-se perceber a emoção e motivação do idoso em uma determinada situação. Aproxima o idoso da sociedade. Com o envelhecimento ocorrem modificações na voz- PRESBIFONIA
  127. 127. VOZ Voz fica mais grave nas mulheres. Edema pregas vocais. Hormônios Voz fica mais aguda nos homens, com quebra da sonoridade. Atrofia dos músculos da laringe e perdas teciduais dificultando a vibração das pregas vocais. Rouquidão e aspereza da voz, fraqueza e falta de projeção, instabilidade e tremor vocal. Vozes cantadas: perda de potência e diminuição dos harmônicos. Cantores idosos não alcançam mais as notas agudas ou os tons graves. Voz fica sem brilho e sem força.
  128. 128. VOZConservação do uso da voz favorece uma velhice bem-sucedida . Permite ao idoso manter-se atuante,participante eenvolvido no seu meio social e familiar melhorando sua auto-imagem e auto estima.Uma voz rouca e deteriorada envelhece o indivíduo e torna-se um obstáculo.
  129. 129. VOZ
  130. 130. INT RVE E NÇÕESCuidado profissionalDiagnóstico, tratamento, cura, reabilitaçãoEquipe inter-profissional: geriatra,especialidades médicas, nutricionista,fonoaudiólogo, enfermeiro, educador físico,terapeuta ocupacional, fisioterapeuta,odontólogo, psicólogo, farmacêutico,assistentesocial.
  131. 131. AUDIÇÃO-VOZOs cuidados com os aspectos comunicativos noenvelhecimento são essenciais para aindependência do idoso.As interações sociais contribuem para o bem-estar, a autonomia e a satisfação com a vida.Preservação das relações sociais é responsávelpela permanência de um estado de espíritoelevado.Os idosos que mantêm contato com suasfamílias, participando de grupos ou reuniõescom amigos ficam mais satisfeitos e asatisfação com a qualidade e a quantidade dasinterações sociais está intimamente relacionada
  132. 132. AUDIÇÃO-VOZ O idoso pode sentir-se prejudicado e limitado em relações às solicitações comunicativas que o mundo exige. O relacionamento social depende de um adequado processo de comunicação o qual depende de um correto processo de comunicação que está intimamente ligado à audição e a voz. Problemas de audição e os relacionados ao envelhecimento vocal podem ser tratados possibilitando ao idoso uma melhor qualidade de vida.
  133. 133. VISÃO Visão central ( acuidade visual) Visão periférica ( campo visual) Visão das cores Exames: acuidade visual, fundo de olho, campimetria, reflexos ( fotomotor e consensual)
  134. 134. CONT NCIA E INCT RIANA INÊ SF E Decisiva para a manutenção da autonomia e da independência do idoso Uma das mais severas ameaças à dignidade dos idosos Restrição da participação social Limita mobilidade Ampla investigação das possíveis causas
  135. 135. INSUFICIÊNCIA F IL AM IAR A dimensão sócio familiar é fundamental na avaliação do idoso. Família é a principal instituição cuidadora dos idosos Transição demográfica atinge essa “ entidade” reduzindo a sua capacidade de prestar apoio aos seus idosos.
  136. 136. INSUFICIÊNCIA F IL AM IAR Número de filhos menor Participação da mulher no mercado de trabalho Conflitos intergeracionais Diminuição tamanho das habitações Violência domiciliar ILP deve ser indicada
  137. 137. IATROGENIA Prescrição de medicamentos Realização de procedimentos Omissão em propor medidas que poderiam atenuar ou evitar problemas ( uso de medicamentos ou intervenções) Privados de reabilitação física Maioria dos casos decorre do uso de medicamentos e da prescrição de dietas absurdas e rigorosas.
  138. 138. ANAM SE GE NE RIÁTRICACHECK-UP: A partir dos 20 anos PesoXaltura IMC+circunferência abdominal Pressão arterial Colesterol+HDL+LDL+triglicerídeos Glicose Hemograma+VSG EQU EPF Creatinina VDRL Rx de tórax Marcadores virais ( HBc+HCV). HIV ? Avaliação ginecológica Periodicidade: 3/3 anos na dependência dos resultados
  139. 139. Aterosclerose inicia muito precoce navida! Lesão tipo I-Inicial (lactente de 1 mês - infecção): Coronária com íntima espessada com células espumosas (setas) ocupando região rica en proteoglicanos (pgc). Primeira evidência caracteriza-se por macrófagos cheio de lipídeos (cel.espumosas)
  140. 140. Aterosclerose inicia muito precoce na vida! Lesão tipo II Estria gordurosa- (criança 9 anos - acidente): Aorta com íntima espessada + colesterol com monócitos - macrófagos (setas) penetrando a parede arterial. Macrófagos com lipídeos abaixo da superfície endotelial e também CML com lípídeos
  141. 141. Aterosclerose inicia muito precoce na vida! Lesão tipo III Pré-ateroma (adolescente 16 anos - acidente): Coronária com depósitos extra-celulares de colesterol na profundidade da íntima + células espumosas nas camadas mais superficiais.Macrófagos e as CML perdem a capacidade de fagocitar os lipídeos ocorre um grande acúmulo fora das células
  142. 142. Aterosclerose inicia muito precoce na vida! Lesão tipo IV-ateroma (adolescente 19 anos - suicídio): Coronária com colesterol extra-celular formando (cristais) o núcleo lipídico que se relaciona diretamente com a instabilidade da placa no futuro.l Lipídeos, cel. necrosadas,restos celulares, tecido fibroso,colágeno,cristais de colesterol.
  143. 143. Aterosclerose inicia muito precoce navida!E pode matar muito cedo... Lesão tipo V Lesão tipo VI Masc, 37 anos, acidente Masc, 37 anos, IAM
  144. 144. Aterosclerose inicia muito precoce na vida!E se instala já na infância e adolescência! la
  145. 145. Aterosclerose inicia muito precoce na vida!E pode matar muito cedo...Masc, 35 anos, acidente Masc, 35 anos, IAM
  146. 146. ANAM SE GE NE RIÁTRICACHECK-UP: A partir dos 30 anos Pressão arterial Peso/Altura IMC+circunferência abdominal Hemograma+VSG Glicose Colesterol +HDL+LDL+triglicerídeos Ácido úrico EQU Ergometria VDRL Marcadores virais( HBc+HCV). HIV ? Rx de tórax Avaliação ginecológica Periodicidade: 2/2 anos na dependência dos resultados
  147. 147. ANAM SE GE NE RIÁTRICACHECK-UP: A partir dos 40 anos Pressão arterial VDRL Peso/Altura Transaminases IMC+circunferência abdominal Ergometria Hemograma+VSG Ecografia das carótidas e vasos cervicais Glicose Ecografia abdominal total Creatinina PSA total Colesterol total + HDL + LDL + triglicerídeos + proteina C Mamografia reativa US Avaliações: urológica , Ácido úrico ginecológica Marcadores virais ( HBc+HCV) Pesquisa de hemoglobina HIV? humana nas fezes TSH
  148. 148. ANAM SE GE NE RIÁTRICACHECK-UP: A partir dos 50 anos Pressão arterial Ergometria Relação peso/altura Ecografia das carótidas IMC+circunferência abdominal Ecografia abdominal total Hemograma+VSG+EQU PSA total Glicose Colonoscopia Creatinina Endoscopia digestiva alta Colesterol total + HDL + LDL + TSH triglicerídeos + proteina C reativa US Provas de Função hepática Ácido úrico Mamografia Marcadores virais (HBC+HCV) + HIV? Avaliação ginecológica RX de tórax Densitometria óssea
  149. 149. ANAM SE GE NE RIÁTRICACHECK-UP: A partir dos 60 anos Pressão arterial 3 posições Ecografia das carótidas Relação peso/altura Ecografia abdominal total IMC+circunferência abdominal PSA total Hemograma+VSG TSH EQU+urocultura com teste Provas função hepática Colesterol total + HDL + LDL + Vit B12 + ácido fólico triglicerideos + proteina C reativa US CEA Glicose Densitometria óssea Creatinina Tomografia encéfalo Ácido úrico EDA+colonoscopia Marcadores virais ( HBc+HCV)+ HIV ? Avaliações :urológica, oftalmológica, RX de tórax otorrinolaringológica,ginecológica Ergometria Minimental+AVD+AIVD+Yesavage Ecocardiograma
  150. 150. ANAM SE GE NE RIÁTRICA A anamnese ainda é, na maioria dos pacientes idosos, o fator isolado mais importante para se chegar a um diagnóstico. Elemento principal do tripé em que se apoia a medicina (exames de laboratório e equipamentos que produzem traçados e imagens).
  151. 151. ANAM SE GE NE RIÁTRICA Ao se atender um paciente idoso não se deve esquecer:1. Que é no primeiro contato que reside a melhor oportunidade para se fundamentar uma boa relação médico/paciente. Esta constitui a parte fundamental da prática médica, sempre que se queira imprimir nela uma visão humanística.2. Conhecer e compreender as condições culturais e sociais do paciente representam uma ajuda inestimável para se reconhecer a doença e entender o paciente.3. Sintomas bem investigados e mais bem compreendidos abrem caminho para um exame físico objetivo.
  152. 152. ANAM SE GE NE RIÁTRICA Ao se atender um paciente idoso não se deve esquecer:4. Ter sempre o cuidado de não sugestionar o paciente.5. Somente a anamnese permite ao geriatra uma visão de conjunto do paciente, indispensável para a prática de uma medicina humana.6. Boa parte dos pacientes idosos se dirige ao médico buscando não só alívio físico, mas também auxílio moral e psíquico
  153. 153. ANAM SE GE NE RIÁTRICA NUNCA SE DEVE ESQUECER QUE O GERIATRA LIDA COM PESSOAS E NÃO COM ÓRGÃOS A SEREM TRANSFORMADOS EM GRÁFICOS, CURVAS IMAGENS OU NÚMEROS. O SER HUMANO É UMA UNIDADE BIOPSICOSSOCIAL E SEUS ASPECTOS AFETIVOS SÃO O QUE MAIS O DIFERENCIA DOS OUTROS ANIMAIS OS ASPECTOS ÉTICO-MORAIS SÃO OS MAIS APRECIADOS PELOS PACIENTES IDOSOS.
  154. 154. ANAM SE GE NE RIÁTRICA O comportamento dos velhos varia muito emfunção de seu temperamento e, talvez, seja em boaparte reflexo do que a vida lhe propiciou.
  155. 155. ANAM SE GE NE RIÁTRICA O paciente idoso precisa sentir desde o primeiromomento que está sendo alvo de atenção e respeito,pois as pessoas idosas costumam ter uma certaamargura e uma dose de pessimismo diante detodas as coisas da vida. Às vezes tornam-se indiferentes e arredias.
  156. 156. ANAM SE GE NE RIÁTRICA É muito importante compreendê-los,aceitando suas manias e agindo com paciência edelicadeza. Os idosos necessitam, antes de tudo, seremreconhecidos como pessoas.
  157. 157. ANAM SE GE NE RIÁTRICAA anamnese geriátrica inclui os seguintes elementos:1. identificação2. queixa(s) principal(ais).3. história da doença atual4. interrogatório sintomatológico5. antecedentes pessoais e familiares6. hábitos da vida, condições sócio-econômicas e culturais e condições ambientais.
  158. 158. ANAM SE GE NE RIÁTRICATodo o paciente idoso deve merecer a máximaatenção por mais banal que seja seu caso. Paraele o seu problema é o mais importante de todos emerece consideração séria por parte do geriatra.Ao colher a história clínica é preciso demonstrardisposição para ouvir, deixando o paciente falar àvontade, interrompendo-o o mínimo possível.
  159. 159. ANAM SE GE NE RIÁTRICAOs pacientes idosos podem sofrer de deficiênciassensoriais:perda de audição, de visão ou deafasia interferindo na entrevista.Se a história for incompleta por distúrbios dememória deve-se consultar outras fontes(membro da família, assistente social, etc.)Às vezes a queixa principal do paciente por serdiferente daquilo que a família encara comoprincipal problema.
  160. 160. ANAM SE GE NE RIÁTRICA Os pacientes idosos geralmente se apresentam com sintomas múltiplos tornando difícil objetivar a entrevista. Os pacientes idosos apresentam quadro clínico diferente dos jovens. Os pacientes idosos podem deixar de relatar seus sintomas porque consideram como parte do envelhecimento normal( dispnéia, perda de audição, constipação, tontura, etc.).
  161. 161. ANAM SE GE NE RIÁTRICA NENHUMA DOENÇA DEVE SER ATRIBUÍDA AO ENVELHECIMENTO NORMAL.
  162. 162. ANAM SE GE NE RIÁTRICA Os idosos podem ter dificuldades para se lembrar de todas as doenças, cirurgias, hospitalizações e de medicamentos utilizados. O geriatra deve estar preparado para passar mais tempo avaliando o paciente idoso.
  163. 163. ANAM SE GE NE RIÁTRICAENTREVISTA Ambiente agradável (consultório, ambulatório, enfermaria, quarto de hospital). Iluminado, limpo,silencioso. O geriatra deve apresentar-se ao paciente, cumprimentá-lo e fazer uma avaliação do estado mental no início da entrevista. A consulta é do paciente. A presença de um parente deve ser aprovada por ele. Alguns preferem a presença de alguém.
  164. 164. ANAM SE GE NE RIÁTRICAO geriatra deve usar uma linguagem adequada.O geriatra deve cuidar da apresentação pessoal.O geriatra deve procurar conhecer os padrõesculturais de seus pacientes (nível educacional,padrões alimentares, religiosidade).O geriatra deve procurar conhecer os recursosassistenciais disponíveis na comunidade.
  165. 165. ANAM SE GE NE RIÁTRICAO geriatra deve conseguir do paciente umapredisposição para dar informações.O geriatra deve estar atento a indíciossubliminares (hesitações, gestos, expressões) quepossam indicar receio, defesa, insegurança,desconfiança.O paciente idoso pode necessitar, às vezes, deduas ou mais sessões.
  166. 166. ANAM SE GE NE RIÁTRICAPara superar os problemas de comunicação queincluam deficiências auditivas ou visuais o geriatradeve permanecer próximo ao paciente e falardevagar.O paciente idoso geralmente exige maior tempopara responder as perguntas, despir-se e passarpara a mesa de exame.
  167. 167. ANAM SE GE NE RIÁTRICA IDENTIFICAÇÃO1. Nome2. Idade e data de nascimento3. Sexo4. Cor ( raça)5. Estado civil6. Religião7. Profissão atual e local de trabalho8. Profissão anterior9. Naturalidade10. Nacionalidade11.Residência e telefone12.Fax. E-mail13.Filiação a instituições previdenciárias14. Nome do responsável,endereço e telefone
  168. 168. ANAM SE GE NE RIÁTRICAQUEIXA(S) PRINCIPAL(AIS) Às vezes é difícil registrar a queixa principal em função dos múltiplos sintomas. O geriatra deve tentar objetivar a entrevista. Registrar a(s) queixa(s) repetindo as expressões por ele utilizada. Às vezes a queixa principal pode diferir daquilo que a família encara como o principal problema.
  169. 169. ANAM SE GE NE RIÁTRICAHISTÓRIA DA DOENÇA ATUAL HDA é a chave mestra para se chegar ao diagnóstico. Algumas histórias são simples e curtas. Outras são longas, complexas e com vários sintomas cujas inter-relações não são fáceis de encontrar. Pode-se consultar um membro da família se o relato for confuso ou incompleto por problemas de memória. Pode-se consultar anamnese prévia obtida de um médico ou hospital.
  170. 170. ANAM SE GE NE RIÁTRICAINTERROGATÓRIO SINTOMATOLÓGICOREVISÃO DOS SISTEMAS. A principal utilidade prática reside no fato de permitir ao geriatra levantar possibilidades e reconhecer enfermidades que não guardam relação com o quadro sintomatológico registrado na HDA. Idoso acima de 60 anos tem 7,2 doenças. Sintomas como polidipsia e poliúria não relatados na HDA pode levantar a suspeita de Diabete Mélito.
  171. 171. ANAM SE GE NE RIÁTRICAREVISÃO DOS SISTEMAS Paciente idoso frequentemente não relata um ou outro sintoma. Considera como parte do envelhecimento normal (distúrbio de marcha, perda de audição e visão, constipação, etc.). Para se realizar uma boa anamnese o ideal é seguir um esquema rígido constituído de um conjunto de perguntas que correspondam a todos os sintomas indicativos de alterações dos vários aparelhos.
  172. 172. ANAM SE GE NE RIÁTRICAO geriatra deve ter uma visão global do paciente.1. SINTOMAS GERAIS: febre, astenia, alterações do peso (diminui fisiologicamente) alterações da altura(diminui fisiologicamente), sudorese, calafrios, prurido (pele seca, alergia, escabiose, icterícia, senil idiopático), alterações da pele (textura, elasticidade, espessura, pigmentação, secreção sebácea, conteúdo hídrico, nevos-ceratoses, tumores, úlceras, escaras).
  173. 173. ANAM SE GE NE RIÁTRICAO geriatra deve ter uma visão global do paciente.2. CABEÇA E PESCOÇO• olhos- perda da visão para perto- normal perda da visão periférica- glaucoma, AVC perda da visão central -degeneração macular dor - glaucoma, arterite temporal perda progressiva da visão, clarão de luzes à noite, não distinguem a cor azul da verde- catarata.
  174. 174. ANAM SE GE NE RIÁTRICACABEÇA • cefaléia: arterite temporal, enxaqueca, tensional, depressão, ansiedade, osteoartrite cervical, postura, nitritos, hematoma subdural.OUVIDOS • perda de audição: cerume, traumatismo por ruído, drogas ototóxicas(aminoglicosídeos), neuroma acústico.BOCA • perda do paladar: infecção, fumo, drogas(anti-histamínicos) antidepressivos, radioterapia ,diminuição papilas gustativas. • queimação bucal: anemia, diabete, alterações fisiológicas da cavidade oral,depressão, ansiedade. • xerostomia: medicamentos( diuréticos, anti-histamínicos, antidepressivos) lesão glândula salivar, doença autoimune (LES, artrite reumatóide).
  175. 175. ANAM SE GE NE RIÁTRICA GARGANTA • alterações na voz: tumor de corda vocal, hipotireoidismo. • disfagia: corpo estranho, divertículo, estenose, anel de Schatski,carcinoma, alterações motoras(Diabete, Parkinson, AVC, colagenoses). PESCOÇO • dor: artrite cervical, polimialgia reumática, miogênica. linfonodos- tumores TIREÓIDE • nódulos e irregularidades: tumor, hipotireoidismo
  176. 176. ANAM SE GE NE RIÁTRICA TÓRAX • Dor: angina,infarto,pericardite,aneurisma dissecante aorta, ansiedade, herpes zoster, refluxo gastroesofágico, úlcera péptica,distúrbios da motilidade esofágica, neurite intercostal,pneumonia,derrame pleural,pneumotórax,muscular,trauma, • Caixa torácica torna-se mais fixa, com menor capacidade de expandir-se. CARDIOVASCULAR • Dispnéia: insuficiência cardíaca, refluxo gastroesofágico, DPOC.
  177. 177. ANAM SE GE NE RIÁTRICAGASTRINTESTINAL Alteração hábito intestinal: carcinoma de cólon. Constipação: hipotireoidismo, desidratação, dieta pobre em fibras, medicamentos (antiácidos, sulfato ferroso, antiparkinsonianos, anticolinérgicos, antidepressivos, diuréticos,laxantes). Dor anal: retenção fecal. Sangramento retal: angiodisplasia, pólipos colite isquêmica, diverticulose, hemorróidas, carcinoma do cólon. Dor abdominal tipo cólica de início súbito: colite isquêmica. Dor abdominal pós-prandial: isquemia intestinal
  178. 178. ANAM SE GE NE RIÁTRICAGENITURINÁRIO freqüência, modificações do jato urinário: • hipertrofia, carcinoma de próstata disúria, urgência: • infecção do trato urinário. hematúria: • cistite, câncer de rim, câncer de bexiga, câncer de próstata, prostatite, glomerulonefrite, hipertrofia prostática. noctúria: • diuréticos, insuficiência cardíaca, hipertrofia prostática, álcool, café, ingestão excessiva de líquidos ao deitar. massa escrotal: • varicocele, hidrocele, hérnia, câncer.
  179. 179. ANAM SE E GE NE M RIATRIA Disfunção erétil medicamentos,HPB,infecções, diabete, insuficiência renal, etilismo,DAC, HAS, insuf. cardíaca,DAOP ,Demência, Parkinsom, seqüela AVC, dislipidemia,hipo ou hipertireoidismo, hipogonadismo, anemia, artrose, DPOC, insuf.hepática,depressão,cirurgia,tabagismo,
  180. 180. ANAM SE GE NE RIÁTRICAMÚSCULO-ESQUELÉTICO Dor muscular generalizada: osteoartrite, artrite reumatóide, LES, gota, mieloma múltiplo, polimialgia reumática. Dor nas costas:osteoartrite,fraturas de compressão,Paget, câncer metastático, escoliose, osteofitose,hérnia de disco,protrusão disco,estenose canal raquidiano, espondilolistese,aneurisma aorta,muscular Dor localizada: bursite, tendinite
  181. 181. ANAM SE GE NE RIÁTRICANEUROLÓGICO Síncope: hipotensão postural, AVC, arritmia cardíaca(bradiarritmias, taquiarritmias) fibrilação atrial,IAM,estenose aórtica, hipoglicemia,anemia dissecação aórtica, vasovagal, IVB,pânico, ansiedade, drogas Tontura: insuficiência vértebro basilar, hipotensão,HAS, Meniére, labirintopatias Alteração transitória da fala: ataque isquêmico transitório Alterações transitórias na força muscular: AVC isquêmico Formigamento dos dedos: mielopatia espondilocervical
  182. 182. ANAM SE GE NE RIÁTRICANEUROLÓGICO A avaliação do estado mental é um componente chave da história. Memória de percepção: ansiedade. Memória de fixação (não recorda fatos recentes): aterosclerose, senilidade, estados pré -senis. Memória de evocação (amnésia para fatos antigos): demência.
  183. 183. ANAM SE GE NE RIÁTRICANEUROLÓGICO Disartrias (incapacidade para articular devido à anormalidade no mecanismo da fala): AVC, esclerose lateral amiotrófica, Parkinson, álcool, esclerose múltipla, miastenia grave. Exploração: conversar com o paciente sobre mais variados assuntos sem dar a impressão que a fala está sendo observada. Afasia(deficiência da função de linguagem (oral ou gráfica) após dano cerebral: AVC. Exploração: figuras, papel de diferentes tamanhos.
  184. 184. ANAM SE GE NE RIÁTRICANEUROLÓGICO Apraxia(incapacidade para executar determinados atos voluntários,por ex. para vestir-se, abotoar camisa). Exploração: fechar e abrir a mão. Agnosias(dificuldade ou incapacidade para reconhecer objetos e sons): AVC Pode ser tátil, auditiva e visual.
  185. 185. ANAM SE GE NE RIÁTRICAENDÓCRINO Constipação, confusão: hipotireoidismo, hiperparatireoidismo História de tireoidectomia, tratamento com iodo radioativo: hipotireoidismo Desmaio, tontura: hipoglicemia Poliúria, polaciúria, infecções: hiperglicemia
  186. 186. ANAM SE GE NE RIÁTRICAEXTREMIDADES Edema de MsIs: insuficiência cardíaca, insuficiência venosa, hipoalbuminemia, efeito colateral drogas Dor na perna: osteoartrite, radiculopatia (estenose lombar, hérnia de disco), claudicação intermitente, cãibras.
  187. 187. ANAM SE GE NE RIÁTRICAHISTÓRIA PSIQUIÁTRICA Os problemas psiquiátricos nos idosos podem não ser detectados com a mesma freqüência que nos pacientes jovens. Observar queixas do tipo insônia, constipação, alteração na função cognitiva choro fácil, labilidade emocional, interesse sexual, declínio físico. Pode-se perguntar sobre sensação de tristeza, depressão e desespero. Pensamentos de suicídio são freqüentes na velhice. Perguntar sobre tratamentos psiquiátricos atuais e no passado. Uso de drogas, eletroconvulsoterapia.
  188. 188. ANAM SE GE NE RIÁTRICAHISTÓRIA PSIQUIÁTRICA Agitação, temor, nervosismo, incapacidade para relaxar, sudorese, palpitações, tonturas, calafrios, dificuldade de concentração: ansiedade
  189. 189. ANAM SE GE NE RIÁTRICA HÁBITOS DE VIDA-CONDIÇÕES SÓCIO- ECONÔMICAS E CULTURAIS Não se deve esquecer que a medicina está se tornando cada vez mais uma ciência social. O interesse do geriatra deve ultrapassar a fronteira biológica para atingir aspectos sociais relacionados com o doente e com a doença.
  190. 190. ANAM SE GE NE RIÁTRICAHÁBITOS DE VIDA-CONDIÇÕES SÓCIO-ECONÔMICASE CULTURAISALIMENTAÇÃODeve ser indagado sobre o que, quanto e comfreqüência se alimenta.Número de refeições, quantidade de sal, gordura,carboidrato, ingestão de fibras, vitaminas sem receita.Deve ser indagado sobre a facilidade para mastigar eengolir.Deve ser perguntado sobre a capacidade de prepararsua própria refeição.
  191. 191. ANAM SE GE NE RIÁTRICA HÁBITOS DE VIDA, SÓCIO-ECONÔMICO, CULTURAIS. Avaliação das acomodações do paciente: número de quartos, disponibilidade de elevadores, aquecimento, ar condicionado, onde mora, com quem mora. Capacidade da família em ajudá-lo. O círculo social do paciente (amigos, grupo religioso). Estado civil. Renda. Emprego. Vida conjugal.
  192. 192. ANAM SE GE NE RIÁTRICA HÁBITOS DE VIDA, SÓCIO-ECONÔMICO, CULTURAIS. Atitude do paciente em relação à família. Da família em relação ao paciente. Perda do lar, do emprego , da renda, perda do status, do esposo(a), do filho, do neto(a), de amigos. Devem ser identificados grupos de apoio disponíveis para o paciente.
  193. 193. ANAM SE GE NE RIÁTRICA HÁBITOS DE VIDA, SÓCIO-ECONÔMICO, CULTURAL Ocupação atual e ocupações anteriores. Atividade física e avaliação funcional: sedentário, ativo, faz exercício, pode andar sozinho,necessita bengala, andador ou outra pessoa. A capacidade para caminhar, fazer sua higiene pessoal, cozinhar, fazer compras, limpeza deve ser avaliada.
  194. 194. ANAM SE GE NE RIÁTRICA HÁBITOS DE VIDA, SÓCIO-ECONÔMICO, CULTURAL Vícios: fumo, álcool. Perguntar a quantidade e o tipo de bebida. O que fuma, quanto , duração. Religião. Nível cultural( baixo, médio, elevado). Escolaridade: alfabetizado ou não.
  195. 195. ANAM SE GE NE RIÁTRICAANTECEDENTES PESSOAIS E FAMILIARES Indagar sobre doenças anteriores(febre reumática, poliomielite, TBC, pneumonia, hepatite, infarto, AVC, dislipidemia, etc.) Indagar sobre alergias a drogas, alimentos, outras substâncias. Obter história sobre imunizações prévias(influenza, pneumococo,hepatite B, tétano, febre amarela) Obter história sobre transfusões de sangue (hepatite, AIDS). Perguntar sobre cirurgias. Quando, onde e que tipo de cirurgia. Indagar sobre acidentes, traumatismos.
  196. 196. ANAM SE GE NE RIÁTRICAMEDICAMENTOS Todos os medicamentos devem ser revistos pelo geriatra para identificar possíveis efeitos adversos. Deve-se indagar sobre medicamentos que utiliza (nome, dose, número de vezes) Deve-se indagar sobre medicamentos ingeridos sem prescrição médica ( AAS, laxantes,vitaminas). Deve-se indagar sobre a facilidade de abrir os frascos e de ler o rótulo.
  197. 197. ANAM SE GE NE RIÁTRICAANTECEDENTES PESSOAIS E FAMILIARES Estado de saúde ( quando vivos) dos pais e irmãos. Estado de saúde do cônjuge. Em caso de falecimento indagar causa do óbito e idade em que ocorreu. Indagar sobre doenças na família. Qual? (Diabete, HAS, cardiopatia isquêmica, aterosclerose, etc.)
  198. 198. ANAM SE GE NE RIÁTRICA“Que a moderna tecnologia jamais substitua oraciocínio clínico, que a eficiência não secontraponha ao afeto, que a máquina não domine ohomem, que o médico não se transforme emtécnico e que o amor não morra em seu coração.” Ivo Nesralla

×