5 o líder e o púlpito

997 visualizações

Publicada em

Curso preparatório para líderes eclesiásticos. Tema: oratória

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
997
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

5 o líder e o púlpito

  1. 1. O LÍDER E OPÚLPITOorganizada por leandro dakelFonte: Aprenda a Liderar (emilson do reis)
  2. 2. Comunhão• Oração• Leitura da Bíblia (Reavivados por Sua Palavra)• Leitura da lição da Esc. Sabatina• Culto Familiar (entre cinco à dez minutos)• Esvaziar-se do “eu”
  3. 3. A Introdução• Oração Silenciosa• Ao levantar, silêncio (homenagem)• Falar vagarosamente e com pouco volume• Aumentar gradualmente a voz e o ritmo da fala• Domínio emocional• Ajuste da voz (acústica)• Silêncio dos ouvintes
  4. 4. A Introdução• O que não fazer:• Pedir desculpas• Palavras vazias: “bem, então, bom”• Firmar posição sobre assunto polêmico• Lançar perguntas ao auditório
  5. 5. VOCATIVO• Obrigatório para reuniões formais• Começa pelo posto mais importante• Senhoras e Senhores, irmãs e irmãos
  6. 6. Durante o sermão• Modular o tom de voz• Cuidar com a mão no “bolso”• Repetir uma ideia com palavras diferentes• Repetir algumas vezes a frase central do sermão• Usar ilustrações
  7. 7. A Conclusão• Ir diminuindo o tom de voz• Apresentar de modo resumido os pontos principais• Usar uma ilustração que mostre como o sermãofunciona na vida• Apresentar uma citação vívida e curta que resuma aideia do sermão• Fazer uma pergunta ou uma série de perguntas
  8. 8. A Conclusão• O que não fazer:• Não se desculpe• Não pare abruptamente o discurso• Não se desculpe• Não estique (10 % do sermão)• Não coloque novos argumentos
  9. 9. Qualidades de umPregador
  10. 10. Consagração• É a completa entrega da vida à Deus• Relação com familiares• Alimentação• Trabalho• Recreação• Vida sexual• Bens materiais, etc• Não basta entregar a Deus apenas “um gomo” de sua vida
  11. 11. Dependência do Espirito Santo• Escolha do tema• Preparação da mensagem• Na exposição da mensagem“Unicamente quando a verdade chega ao coraçãoacompanhada pelo Espirito, vivificará a consciência etransformará a vida” DTN, p. 396
  12. 12. Identificação com a Mensagem• Ele entende a mensagem• Ele crê que aquilo que está expondo é verdade• Ele precisa estar procurandoviver a mensagem
  13. 13. Humildade• Vocabulário rebuscado• Oratória pomposa• Ilustrações pessoas de exaltação• Vestuário e adornos ostensivosPauloO principal dos pecadores – 1 Tm 1:15O menor de todos os santos – Ef 3:8Nada sou – 2 Co 12:11I Ts 2:6
  14. 14. Sensibilidade• Ficar comovido ou indignar-se• O individuo incenssível não considera as impressões daaudiência, se estão alegres ou tristes• É indiferente, frio• Um pregação sem vibração
  15. 15. Entusiasmo• “Deus no íntimo”• Maiores mudanças na humanidade• Um pregador entusiasmado move seu ouvintes• Interesse e fé no assunto, e crê que sua mensagem serávitoriosa
  16. 16. Conhecimento• Possui muitas informações e as entende• O pregador deve falar sobre o que está no âmbito de seuconhecimento• Deve crescer noconhecimento
  17. 17. Inteligência• Facilidade de compreender• Inteligência na escolha da mensagem
  18. 18. Memória• Números, datas, nomes, fatos, textos• Sermão lido: prejudica a receptividade por parte dosouvintes• Repetição• Concentração (tentar localizar e reviver o acontecimento)• Associação de ideias• Ler imediatamente antes de dormir e depois de acordar
  19. 19. Imaginação• Criatividade (facilita a compreensão da mensagem)• Revestir os velhos pensamentos com roupagem nova
  20. 20. Vocabulário• Vocabulário rico: compreende mais o que outrosescrevem• Tem maior capacidade de adaptação em auditóriosdiferentes• O vocabulário deve seadequar ao auditório
  21. 21. Fluência• Falar com naturalidade, facilidade e espontaneidade• Comunicação natural, que vela o uso das técnicas daoratória• Se hesitações e tropeços
  22. 22. Coragem• É firmeza, intrepidez, ousadia• “Há certos momentos que o pregador sabe que amensagem que Deus lhe deu para comunicar irá deencontro à conduta, às expectativas e à opinião geral dosouvintes, e que proporcionará oportunidade para criar umclima de desentendimento e má voltade para com ele.Mas, se é isto que tem que pregar, precisará de muitacoragem para fazê-lo” – CPAS, p. 112
  23. 23. Observação
  24. 24. Expressão Corporal• Movimentos que se harmonizam com a mensagem falada• Auxiliam na compreensão e receptividade por parte dosouvintes• Prática dos gestos para cada ideia• Quanto menor um auditório, menor anecessidade de gesticulação

×