Aula 1 monitoria

2.927 visualizações

Publicada em

Aula 1 - Introdução a Climatologia - história e conceitos.

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.927
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
129
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 1 monitoria

  1. 1. Helaine Matos. Edinardo Santos. helainehsm@gmail.commonitoriadeclima@gmail.com
  2. 2. Estrutura da Apresentação: História do Conhecimento Climático; Avanços nessa área de conhecimento; Satélites; Conceito de Tempo; Conceito de Clima; Meteorologia e Climatologia; Reflexões ; Dicas; Referências Bibliográficas.
  3. 3. O Conhecimento Climático:  Conhecer a atmosfera do planeta terra é uma das aspirações que vêm sendo perseguidas pela humanidade desde os tempos mais remotos;  O Clima influencia diretamente as plantas, os animais, o solo e as rochas. Próximo da superfície, ele sofre influência de elementos da paisagem, da vegetação e do homem através de suas atividades;
  4. 4. O Conhecimento Climático: Antes da era Cristã, no Ocidente, o conhecimento da atmosfera já era produzido e registrado de diversas maneiras. Inicialmente, a compreensão do homem sobre os fenômenos do tempo era muito pequena. Considerava- se que os fenômenos do tempo eram controlados pelos Deuses; Mas, os primeiros a registrarem de forma direta o comportamento da atmosfera foram os gregos através das navegações pelo Mediterrâneo;
  5. 5. O Conhecimento Climático: Por volta do quinto século antes de Cristo, os gregos começaram a fazer observações meteorológicas; Muitos dos conceitos que regem o atual conhecimento da atmosfera vieram dos pensadores gregos. A divisão da terra em zonas Tórrida, Temperada e Fria vem dessa época. Obras como a de Hipócrates intitulada Ares, Águas e Lugares, de 400 a.C e Meteorológica, de Aristóteles, de 350 a.C, foram importantes para a construção do conhecimento científico que se tem hoje.
  6. 6. O Conhecimento Climático: Durante muito tempo, com a difusão do Cristianismo pelo mundo essa vontade de sistematizar o conhecimento sobre esses fenômenos ficou estagnado; Houve uma completa negação da busca pela compreensão da natureza pela posição do clero que só permitia a leitura da realidade a partir da filosofia teológica; A partir do Renascimento é que as preocupações com a atmosfera foram retomadas. Dessa época veio a invenção do Termômetro, por Galileu Galilei,em 1593 e o barômetro de mercúrio, por Torricelli, em 1643.
  7. 7. Avanços: Em 1832 foi inventado o telégrafo e os dados sobre o tempo puderam, dessa maneira, ser reunidos a partir de postos localizados espaçadamente em questão de minutos após as observações serem feitas; O aprimoramento dos estudos sobre a atmosfera foi marcante durante as duas guerras mundiais, no século XX, diante da necessidade de monitoramento da dinâmica atmosférica para a preparação de ataque e defesa das tropas em um ou outro lugar;
  8. 8. Avanços: A criação da Fundação Meteorológica Mundial (OMM), em 1950, estabeleceu uma rede mundial de informações que vêm desenvolvendo pesquisas quanto ao monitoramento contínuo da terra e consolidou a importância desse conhecimento para o progresso da sociedade;O desenvolvimento e lançamento de satélites meteorológicos, a partir da década de 1960, permitiu a análise e o monitoramento minuto a minuto das condições atmosféricas em escala regional e planetária;
  9. 9. Avanços: Com o aumento e velocidade dos sistemas de comunicação, em especial, da internet, observamos um período de intensa circulação de informações, o que facilitou a difusão dos dados meteorológicos e climáticos contribuindo para a popularização dessas áreas do conhecimento.
  10. 10. Satélites: Um satélite meteorológico é um tipo de satélite artificial que é primariamente usado para monitorar o tempo e o clima da Terra. Estes satélites, porém, vêem muito mais do que nuvens e formações de nuvens. Luzes das cidade, queimadas, efeitos de poluição, aurora, tempestades de raios e poeira, superfícies cobertas por neve e gelo, os limites das correntes oceânicas, etc. são outros tipos de informações ambientais coletadas através dos satélites meteorológicos.
  11. 11. Satélites: Os satélites de órbita polar passam pelos pólos ou perto deles. Os períodos de suas órbitas são de uma a duas horas. Os satélites meteorológicos mais conhecidos no Brasil são os da série NOAA (National Oceanic and Atmosphere Administration, dos Estados Unidos). Cada satélite passa pelo mesmo local uma vez a cada 12 horas (uma de dia, outra de noite). Com dois satélites pode-se obter informações quatro vezes por dia.
  12. 12. Satélites:
  13. 13. Satélites:
  14. 14. Tempo e Clima:Segundo Ayoade ( 1996):“ Por tempo nós entendemos o estado médio da atmosfera numa dada porção de tempo e em determinado lugar.” Entende-se por estado da atmosfera o conjunto de atributos que a caracterizam naquele momento, como a radiação, temperatura, umidade e pressão.“O clima é a síntese do tempo num dado lugar durante um período de aproximadamente 30-35 anos.”
  15. 15. Meteorologia e Climatologia: A meteorologia é geralmente definida como a ciência da atmosfera e está relacionada ao estado físico, dinâmico e químico da atmosfera e às interações entre eles e a superfície terrestre subjacente; A climatologia é o estudo científico do clima. Trata dos padrões de comportamento da atmosfera, verificados durante um longo período de tempo. Ela está mais preocupada com os resultados dos processos atuantes na atmosfera do que com suas operações instantâneas.
  16. 16. Clima: O Conceito de Julius Hann, no final do século XIX, define o clima como:“O conjunto dos fenômenos meteorológicos que caracterizam a condição média da atmosfera sobre cada lugar da terra.”A definição de Max Sorre é a que apresenta uma maior abordagem conceitual e define o clima como:“ A série dos estados atmosféricos acima de um lugar em sua sucessão habitual.”
  17. 17. Meteorologia e Climatologia: Pode-se dizer, portanto, que o meteorologista estuda o tempo, enquanto o climatólogo estuda o clima. Entretanto, a climatologia está baseada na meteorologia, que por sua vez, está baseada nos princípios da física e da matemática.
  18. 18. Escalas em Clima:Diz respeito à delimitar a dimensão do objeto de estudo, podendo ser: Macroclima: aspectos do clima em amplas área da terra, acima de 2.000 km; Mesoclima: estudo do clima em áreas relativamente pequenas de 2.000 km a 10 km; Microclima: preocupada com o estudo em áreas de 10 km a alguns metros .
  19. 19. Reflexões:“O homem moderno é afetado pelo tempo e pelo clima, da mesma forma que seus antepassados. Mas, ao contrário dos antigos, o homem moderno não quer viver à mercê do tempo meteorológico. Ele agora quer manejar ou até mesmo planejar o controle das condições meteorológicas. Para essa finalidade, o homem necessita capacitar-se a entender os fenômenos atmosféricos de modo que possa prevê- los, modificá-los ou controlá-los quando possível.”
  20. 20. Reflexões:Daí a necessidade de enfatizar a explicação dos processos atmosféricos.“ Os desafios também surgem com a necessidade de proteger o homem e sua propriedade contra os efeitos dos eventos climáticos extremos.”
  21. 21. Dicas: Currículo Lattes - providenciar cadastro e atualizar;http://lattes.cnpq.br/ Google acadêmico para pesquisa de artigos;http://scholar.google.com.br/ Acessar frequentemente o site do Inpe, visualizar as imagens de satélite para familiarização;http://www.inpe.br/
  22. 22. Referências Bibliográficas: AYOADE, J.O. Introdução à Climatologia para os Trópicos. Rio de Janeiro, Editora Bertrand Brasil, 1996. FERREIRA, A.G. Metereorologia Prática. São Paulo, Oficina dos Textos, 2006. MENDONÇA, F. A.; DANNI-OLIVEIRA, I.M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo, Oficina de Textos, 2007.

×