Aventuras da Engrácia

4.309 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia, Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
490
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aventuras da Engrácia

  1. 1. «Aventuras da Engrácia» Trabalho realizado pelos alunos da turma do 4ºD da Escola Básica de Beja, nº5 Outubro de 2010
  2. 2.  Autora: Maria Alberta Menéres  Ilustrador: Rui Truta  Edições: Asa  Livro Recomendado pelo Plano Nacional de Leitura
  3. 3. CAPÍTULO 1
  4. 4. A mãe faz tricô e a Engrácia pergunta-lhe muitas coisas.
  5. 5. A Engrácia vê as moscas e pergunta à mãe se elas têm nome. Fica admirada como elas andam e voam.
  6. 6. Sobe ao escadote para ver se consegue voar como as moscas.
  7. 7. Não sabe se está a dormir. Dá um beliscão – está a dormir. Não há perigo.
  8. 8. Sonha que anda a voar pela aldeia . Entretanto acorda e volta a dormir .
  9. 9. CAPÍTULO 2
  10. 10. Aos domingos saía com os pais. Durante os passeios cantava e pensava no horizonte .
  11. 11. Durante um piquenique encontrou um ouriço, ele fugiu e a Engrácia foi atrás dele.
  12. 12. Encontrou uma porta transparente, bateu à porta e a lagartixa abriu-lha. Lá dentro viu o seu quarto e vários animais que viviam no seu quintal.
  13. 13. CAPÍTULO 3
  14. 14. Ao fundo do quintal existiam duas capoeiras. Uma capoeira propriamente dita onde viviam: galinhas, patos, perús e um galo.
  15. 15. E uma capoeira não propriamente dita que estava desabitada. Os pardais costumavam lá entrar.
  16. 16. Na festa de anos da Engrácia , à tarde, ela apanhou três pardais e torceu-lhes os pescoços.
  17. 17. No dia seguinte, ela apanhou mais um pardal , pôs as mãos atrás das costas para lhe torcer o pescoço.
  18. 18. A Engrácia achou que com as mãos atrás das costas não tinha graça , por isso pôs as mãos à frente. Teve pena do pardal e libertou-o.
  19. 19. FIM

×