HOhaEEOPATIA E

. ', u¡
-r
r! 

-n

PSICOTERAPIA

 COMPRAR
O  PA¡ VIVER
 ou VIVERPARA  › f    . 
COMPRAR?  .  ,   2* a*  c...
- , 
.

í(| 

_,  .. ... ... ... .,. ... ,.. ,,. . O . q 

'El . VV
. ..ocÊJÍa
.  d. .do
Í
L . .__. L›, 
IA E
l WN) '
i I

LL / .' ~ '

í z

,  l
r' -. , «j
"'~~.  1,
r f
y l ' i

F3.. 

.  .
» l
q. ; . _ '
'É' ...
DEPOIMENTO - MARIA HELOÍSA”,  UMA
COMPRADORA IMPULSIVA

Eu trabalho com publicidade e.  por Lim bom tempo. 
lui vitima de ...
v' ' ra

Com a Internet.  o consumidor moderna
economiza tempo,  escolhe melhor e ainda
compra mais. 

blogueiros,  os cha...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Comportamento do Consumidor no Século XXI - Laudiana Oliveira

520 visualizações

Publicada em

Edição Nº 13 - Artigo desenvolvido sobre o Comportamento do Consumidor no Século XXI na edição de Maio/2014

Comprar para viver ou viver para comprar?

Publicada em: Marketing
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
520
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comportamento do Consumidor no Século XXI - Laudiana Oliveira

  1. 1. HOhaEEOPATIA E . ', u¡ -r r! -n PSICOTERAPIA COMPRAR O PA¡ VIVER ou VIVERPARA › f . COMPRAR? . , 2* a* como recurso O O r C " terapêptico Í 1 Filme J _ _ _ AiviOR E ' É A - é *FENOMENOLOGIA TECNOLOGIA . AA. BOQ; D¡ÃGE¡›! ¡ Em ELA, DE , FILOSÓFICA SPIKEJONZE EivnxãQuE “ 'Comportamento í 4 i l ' J r à. - 1 i
  2. 2. - , . í(| _, .. ... ... ... .,. ... ,.. ,,. . O . q 'El . VV . ..ocÊJÍa . d. .do
  3. 3. Í L . .__. L›, IA E l WN) ' i I LL / .' ~ ' í z , l r' -. , «j "'~~. 1, r f y l ' i F3.. . . » l q. ; . _ ' 'É' 1 a . 7 Ó 33"" ' / a ~_ - É f f' l __ , _ l' s_ ' ' . . › ' - _ - s' - - _ - . r '- ; gx - - ' › Ç' 7 c_ 4 ' - _ . .. _ _ _ 4- k_ 4 '. _ - _ - : a _ W o '__ í . JL '_ c . Ç ' -' . r ' - . n . , ._v ' o' D Z_ ' l a_ Â o p R . -' , y . › fab ! k d' *__ g - P “â-. .VÂ . . . 0 . - “~ ›, h. - 4 t fx _ A o' ' f . o o" ›. . ' e 6.9-- - »x / s, " p' "' a¡ _ 5'! ” . A _ t _ a A . . -<_ b . r ' D. ' 4h Õ _Iyh . ,. í Ó_ Í à -O c- . “ b' §- _ . , _ , g _ . t_ ~ É a» ' a" É a " vc. .. rl O comportamento do consumidor século XXI. O LONGO DA MINHA EXPERIÊNCIA COM PÚBLICOS DE DIVERSAS CLASSES SOCIAIS E SEGMENTOS, principalmen- te no comércio varejista, percebo que o comportamento do consumidor vem se diferenciando há décadas. A forma de comprar os produtos mudou, a forma de pagar por eles mudou e o ambiente de compra também mudou. Era muito simples pa- gar em dinheiro o valor total em uma lojinha do bairro, mas também ficou muito simples comprar parcelado em até 12 vezes sem juros, com frete in- cluso, por meio de um celular, um produto que se encontra do outro lado do país. Tudo isso se deve ao avanço da tecnologia. Com a tecnologia, não só muda o compor- tamento no momento da compra, mas também em vários outros aspectos da vida diária. Foi se criando uma cultura na qual há necessidade de compartilhar fotos, experiências e informações, desde compras, lazer, atendimento, transporte e políticas. Compartilhar o que estamos fazendo, comprando e sentindo - principalmente se for algo bom, o que gera competição. Isso acontece em jogos, que não fariam o menor sentido se você não se sair melhor do que a sua concorrência, ou seja, a pessoa com quem está jogando. No contex- to do mercado, essa necessidade de compartilha- mento aliada à competição faz com que a pessoa
  4. 4. DEPOIMENTO - MARIA HELOÍSA”, UMA COMPRADORA IMPULSIVA Eu trabalho com publicidade e. por Lim bom tempo. lui vitima de mim mesma. Estava bem acima do peso (111 kg), minha felicidade era ir a shoppings e me endividar gastando o que não podia para satisfazer o meu vazio, a minha tristeza. Era um prazer sair cheia de sacolas de uma loja. Isso somente me satisfazia momentaneamente. pois logo após, a tristeza voltava a me tomar. Depois tive um incentivo para emagrecer e comecei a trocar as compras pelos exeiizirzios emagreci 27 kg e tudo na iriiiilia vida foi sc niodilicando, percebi que estava frustrada com o meu peso e não com o que eu nao possuia. Comecei a ter uma vida financeira mais saudavel. sanei as minhas dividas e VI o que era iriipoitanir; pra mim. Com certeza, fui e estou mais leliz. A necessidade de adquirir coisas novas passou. Para a pessoa perceber isso, ela realmente tem que ter chegado ao fundo do poço, como foi o meu caso. O que me ajudou? A fe e a força de vontade. Voce corrieça a enxerçíãra vida de outra forma, e as coisas que são realmente importantes para você. e até começa a ter tempo para ter mais qualidade de vida e descobrir que a felicidade não está em coisas. Eu tive a sorte de perceber isso. porém, muitos consumidores não estão tendo a mesma sorte. Há casos, que as pessoas perdem o emprego devido à inclusão em órgãos de proteção ao crédito, perdem a familia. amigos e em alguns casos ate a vida. Tudo isso gera um processo de tlegradação das relações sociais. Mas espero que aqueles que se veem enredados pelo consumo doentio encontrem uma saida. como eu consegui l” Maria Heloísa e um nome licticio. pois a identidade do entrevistado foi preservada
  5. 5. v' ' ra Com a Internet. o consumidor moderna economiza tempo, escolhe melhor e ainda compra mais. blogueiros, os chamados influenciadores, ou seja. que influenciam uma multidão de pessoas na de- cisão de compras de produtos, lazer, ideias e ações provenientes de informações e imagens. As postagens nas redes sociais referentes a uma marca ou produto podem fazer com que um amigo ou mais pessoas comprem algo ou não. As pessoas marcam e compartilham em seu perfil tudo relativo à marca de sua preferência. A interação dos compradores por meio das redes so- ciais, em sites como Facebook ou Twitter impacta positivamente ou negativamente a imagem das marcas, bem como o próprio comportamento de consumo dos usuários. Além de ser mais rápida a forma de se comunicar, também prevalece a in- dicação ou o famoso boca a boca. Nessa situação. há uma participação dos clientes de forma ativa, dando palpites e opiniões, expondo sugestões, dúvidas e personalização dos produtos e serviços. No marketing, essa prática também é chamada de “publicidade de boca a boca". Para fidelizar clientes, as empresas estão cada vez mais atentas a uma comunicação seg- mentada com seu público alvo, priorizando uma comunicação local a abordagens intemacionali- zadas. Sem contar a preocupação das marcas em utilizar novas ferramentas, apoiadas em tecnolo- gia, na sua forma de comunicar. Empresas multinacionais chegam ao Bra- sil e modificam a sua forma de trabalhar devido GRANDES TEMAS DO CONHECIMENTO - PSICOLOGIA aos gostos e costumes do nosso país, que são para lá de diversificados. Dá para fazer um estudo do consumidor por região, por estado, por cidade e bairros, cada povo com a sua tradição, a sua for- ma de falar e costumes. Mas não é só isso que vai fazer com que o consumidor moderno com- pre mais. Ele também está se preocupando com a tr'ansparência e a conduta das empresas. Por exemplo, com o tratamento dos funcionários, con- dutas governamentais e como elas administram os seus negócios no geral são questões que estão sendo muito discutidas por este novo consumidor. Hoje em dia, o consumidor está mais atento e as empresas também devem estar a eles. Há muitos anos, as empresas somente fa- bricavarn produtos e estavam mais preocupadas com o ponto de venda, propagandas e a forma de exposição, hoje em dia ela se preocupa com a sua imagem que é diagnosticada através de toda a sua atuação no mercado. As empresas possuem gran- des desafios e necessitam fabricar desejos, sonhos e realizações. Os brasileiros também se mostram bastante otimistas, acreditando que realizarão seu "sonho de consumo". Além de tudo isso, há a priorização na qua- lidade de vida, o que há de mais precioso é o tem- po para esse consumidor moderno. O tempo que você pode economizar deixando de ir a deterrni- nado lugar, sendo ele para comprar um sapato, comidas ou enfrentar até trinta minutos em uma fila para pagar contas. O consumidor moderno exige mais, porém, não aceita muitas exigências por parte da empresa. Ele quer solução, facilida- de, rapidez e qualidade. Mas é claro que não necessariamente o con- sumo melhora a qualidade de vida. Utilização de forma consciente irá beneficiar a sua saúde e até o meio arnbiente. Caso contrário, é altamente pre- judicial. Consumir para viver ou viver para con- sumir? O que é prioridade para esse consumidor? O consumismo desenfreado se dá, em boa medida, pelas técnicas de publicidade que criam uma “falsa necessidade”. Trata-se de uma arma- dilha psicológica. Sim, no âmbito material, crescemos mui- to e temos uma boa qualidade de vida, porém, a contrapartida do consumo é que com ele surge a ansiedade e o desejo por termos sempre mais. * Laudiana Oliveira é graduada em Publicidade e Propa- ganda pela Unifieo e Master em Marketing Digital pela FGV. 25

×