Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia

1.276 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.276
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia

  1. 1. Lia Rachel Chaves do Amaral Pelloso Área de Atuação em Dor SBA/AMB Doutorado pela USP/SP
  2. 2.  “ Dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável decorrente ou descrita em termos de lesões teciduais reais ou potenciais ” IASP, 1986
  3. 3.  Doença Infecto-ContagiosaCrônica - M. leprae  PrincipaisAlterações Patológicas  Nervo Periférico e Pele  Na evolução natural da doença, durante e pós tratamento ocorre episódios reacionais
  4. 4.  ReaçãoTipo I (Reação Reversa) Associada ao aumento abrupto da resposta imune mediada por células contra antígenos M. leprae  ReaçãoTipo II (Eritema Nodoso Hansênico) Caracterizada por reação inflamatória sistêmica (febre e acometimento do estado geral)
  5. 5.  Hiperestesia: Processo irritativo inflamatório das fibras nervosas sensitivas  “Formigamento”,“Picadas ”, “Latejamento” Terminações nervosas periféricas
  6. 6.  Dores Intensas: Comprometimento tronco nervoso  Nervos envolvidos: Ulnar, fibular, tibial posterior , auricular, radial, mediano e ramos do facial
  7. 7.  IASP: “ iniciada ou causada por uma lesão primária ou disfunção no sistema nervoso”  Dor causada por uma lesão no sistema nervoso central ou periférico ou ambos manifestando-se com sinais e sintomas sensitivos(Dworkin,2003)
  8. 8.  Causas: hanseníase, infecções, trauma, cirurgia, neuropatia dolorosa diabética, neuralgia pós herpética, entre outras.
  9. 9.  Mais estudadas NPH / Neuropatia Diabética  Até o momento nenhuma droga foi desenvolvida exclusivamente para tratamento da dor neuropática
  10. 10.  Outros fármacos utilizados para indicações não dolorosas tem sido utilizados  AntidepressivosTricíclicos (Amitriptilina, Nortriptilina) e Anticonvulsivantes (Gabapentina e Carbamazepina, Pregabalina)
  11. 11. dor espiritual dor social dor mental dor física
  12. 12.  Tolerabilidade : possibilidade de interações medicamentosa ( politerapia )  Paciente : perfil de efeitos adversos que podem ser desencadeados ( idoso )
  13. 13.  Avanços farmacológicos no tto das dores  Melhor conhecimento dos fármacos  Introdução de novas drogas
  14. 14.  Interromper sempre que possível mecanismos etiológicos  Entendimento de mecanismos múltiplos contribui para associação de fármacos
  15. 15.  Dores de etiologias idênticas podem ter manifestações clínicas diferentes  Dores com etiologias diferentes podem ter manifestações clínicas idênticas
  16. 16.  Primeira - linha ● Antidepressivos (tricíclicos e inibidores duais da recaptação da NA / 5HT) ● Inibidores dos canais de cálcio α2-δ ● Lidocaina tópica
  17. 17.  Usado no tratamento da reação hansênica  Ação antiinflamatória importante  Uso crônico – efeitos indesejáveis (Catarata, diabetes, osteoporose entre outros)
  18. 18.  Derivado do ácido glutâmico  Semelhante em estrutura à outros hipnóticos  Apresenta propriedade antiinflamatória, imunomodulatória e antiangiogênica
  19. 19.  É teratogênica  Efeito adverso: sonolência  Fator limitante: neuropatia periférica
  20. 20.  Inibem a recaptação pré sináptica de serotonina e noradrenalina, o bloqueio do receptor pós sináptico e a interação com canais iônicos  Primeira categoria de medicação com eficácia no tratamento da dor neuropática  Efeitos adversos:boca seca, constipação, hipotensão postural, sedação, ganho de peso
  21. 21.  Primeira opção  Efeitos colaterais: ganho de peso, sonolência, boca seca, diminuição da memória, hipotensão postural, diminuição da libido  Contra indicado em indivíduos com com antecedentes de crise convulsiva, pode aumentar as crises  Supervisão em pacientes com glaucoma
  22. 22.  Inibidor seletivo da recaptação da 5-HT (serotonina) e da NE ( noradrenalina ).  Eficácia : neuropatia diabética periférica, fibromialgia , dor lombar crônica e osteoartrite de joelho
  23. 23.  A semelhança entre os mecanismos fisiopatológicos e bioquímicos das epilepsias e das dores neuropáticas, serve de base para indicação nas DN  Absorção linear  Baixa ligação protéica  Boa distribuição para SNC  Ausência de metabólitos ativos
  24. 24.  Modula neurotransmissores: aumenta níveis de ácido gama-aminobutírico e diminue níveis de glutamato no sistema nervoso central  Ausência de interações medicamentosas  Efeitos adversos: sonolência, tontura,alteração cognitiva em idosos
  25. 25.  Bloqueia os canais de sódio freqüência dependentes  Interage com outros fármacos  Efeitos adversos: tontura,ataxia, náuseas,vômitos,sedação
  26. 26.  É a descompressão do nervo fibrosado e com perda da função nervosa  Os nervos melhoram quando a compressão é a causa  Cirurgia: breve intervenção sobre uma neuropatia progressiva
  27. 27.  Metadona  Oxicodona  Codeína  Tramadol
  28. 28.  Hidromorfona  Morfina  Fentanil transdérmico
  29. 29.  Indicações e critérios para o uso de opióides, avaliação e acompanhamento no seu uso regular e o controle de efeitos colaterais são imprescindíveis
  30. 30. EFEITO DOS ANTICONVULSIVANTES GABAPENTINA E CARBAMAZEPINA ASSOCIADOS OU NÃO AO ANTIDEPRESSIVO AMITRIPTILINA NO CONTROLE DA DOR NEUROPÁTICA EM PACIENTES COM HANSENÍASE
  31. 31. Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes, gabapentina e carbamazepina isolados e associados ao antidepressivo amitriptilina no controle da dor neuropática em pacientes com hanseníase.
  32. 32. Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes, gabapentina e carbamazepina isolados e associados ao antidepressivo amitriptilina na redução da dose e no tempo de uso de prednisona.
  33. 33. Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes, gabapentina e carbamazepina isolados e associados ao antidepressivo amitriptilina na alteração da sensibilidade do paciente hansênico.
  34. 34. Houve significante diminuição dos escores de dor com o tempo, porém não houve diferença significativa entre os grupos e nem ocorreu interação entre os fármacos.
  35. 35. Houve significante diminuição do consumo de prednisona com o tempo medido em dias. Não houve diferença significativa entre os grupos e nem ocorreu interação

×