A culinária do paraguai tem forte influência indígena

348 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
348
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A culinária do paraguai tem forte influência indígena

  1. 1. A culinária do Paraguai tem forte influência indígena, predominando o milho e a mandioca(aipim). Que são usados produtos frescos e naturais.E,também são muitas coisas,saudáveis e nutritivas. Sopa paraguaia: Torta preparada com fubá, queijo meia cura ralado grosso, cebola, milho verde debulhado e manteiga. Comido a qualquer hora do dia, quente ou fria. Chipa: bolinho assado de polvilho com manteiga e queijo. Tradicionalmente é feito no formato de "meia lua". Lembra muito pão de queijo. Milanesa: Bife empanado (à milanesa), servido como sanduíche ou no prato. Empanada: Semelhante às empanadas argentinas mas com recheio mais farto, massa frita ou assada, de trigo ou mandioca; Chipa Guazu: Variação da sopa paraguaia que inclui ovos e leite, servida quente. Kivevé: polenta de abóbora. Vori vori: ensopado a base de carne e bolotas de fubá. Também é muito consumido o tereré, infusão de ervas muito semelhante ao chimarrão, porém gelada. Pode ser tomada com ou sem açucar, ou ainda batido com suco de laranja (Tê naranja). Existem várias hipóteses que procuram explicar a origem do tereré: seria anterior à invasão europeia promovida por espanhóis e portugueses no território que hoje compreende Mato Grosso do
  2. 2. Sul, Paraguai e Argentina. Teria sido inventado pelos povos guaranis (tanto guaranis nhandevas como guaranis caiouás) e por etnias chaquenhas. Segundo esta hipótese, o tereré viria sendo consumido pelos índios guaranis desde tempos anteriores à invasão europeia da América, e, por volta do século XVII, os jesuítas teriam aprendido, com eles, as virtudes do mate (ka'a em guarani). Os jesuítas elogiaram os efeitos da erva, que dava força e vigor e matava a sede mais do que a água pura. A infusão é riquíssima em cafeína, daí o seu poder revigorante. Segundo alguns, os índios guaranis, além de tomar mate (ou tereré) usando, como bombilho (canudo para chupar a infusão), ossos de pássaros e finas taquaras (pois ainda não existiam as bombas de metal), também fumavam a folha bruta da erva-mate e usavam-na como rapé. teria sido inventado durante a Guerra do Chaco (1932-1935), quando as tropas teriam começado a beber a infusão fria, e não mais quente, de erva-mate, para não acender fogos que denunciariam sua posição, isso possivelmente na região de Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul, que, na época, pertencia ao Paraguai. teria sido inventado por mensú (escravos utilizados na colheita da erva-mate no Paraguai e na Argentina que existiram até meados do século XX). Eles teriam sido surpreendidos por capangas fazendo fogo para tomar mate e seriam, então, brutalmente torturados. Para evitar a tortura, teriam escolhido se alistar em fileiras do exército paraguaio, introduzindo, então, este costume no exército.
  3. 3. os indígenas, ao levarem o gado de um lugar para outro em comitivas, usariam a erva para coar a água dos rios que era bebida por eles, de modo a evitar a esquistossomose. Receita: 1 lata de leite condensado 1 tablete de chocolate meio amargo picado 1 xícara (chá) de açúcar 1 colher (sopa) de manteiga 1 xícara (chá) de amendoim torrado, sem pele e ligeiramente picado Leve ao fogo baixo, o chocolate meio amargo, o açúcar e a manteiga, mexendo sempre até desprender do fundo da panela Acrescente o amendoim, misture bem e retire do fogo Bata com a colher de pau, até a massa ficar opaca. Despeje no mármore untado, passe o rolo também untado, deixando a massa na espessura desejada Depois de frio, corte em quadradinhos ou losangos

×