Apresentação o espírita e a reforma íntima

5.906 visualizações

Publicada em

A cura da nossa alma está diretamente associada as nossas escolhas e ao desenvolvimento de novos hábitos.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
315
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação o espírita e a reforma íntima

  1. 1. Elaborada por: Daniel L. Costa (daniellcosta@hotmail.com) Apresentação elaborada tendo como base de consultas as obras da CodificaçãoEspírita, os livros da Coleção André Luís, Reforma Íntima Sem Martírios pelo espírito Ermance Dufaux e Cirurgia Moral pelo espírito Lancellin
  2. 2. 1ª etapa – nós chegamos à casa espírita.2ª etapa – o conhecimento doutrinário penetra osmeandros da inteligência.3ª etapa – o Espiritismo brota de dentro de nós paraespraiar-se no meio onde atua, gerando crescimento eprogresso. (é a mais significativa)
  3. 3. “Espírita da ação” “Espírita da reação”ativo, batalhador, tarefeir reage de modo renovado o, doador de aos testes da vida em razãobênçãos, estudioso, que de estar aplicando-se à se movimenta em torno melhoria de si mesmo das práticas Mensagem EspíritaMovimento Espírita É a essência daquilo que ação dos espíritas na podemos trazer para a comunidade intimidade a partir dessa movimentação com o meio
  4. 4. Consolidamos o Através da ação aprendizado das do bem nossas reações Avaliamos nossasdisposições periféricas de Resultando em melhoria mudanças internas
  5. 5. SUPERCONSCIENTE FUTURO Ideal e Metas SOTÃO LoboFrontal Cortex Motor CONSCIENTE PRESENTE ÁREA Esforço e Vontade SOCIAL Cerebelo SUBCONSCIENTE PASSADO Automatismo e Hábitos PORÃO
  6. 6. Gerência da Supervisão do Mente Vontade Pensamento Usina Geradora (expedindo ordens (de forma constante) de aprovação ou censura) Utilização da Inteligência “Os pensamentos (decide e avalia pelos estímulos recebidos precisam ser muito da vida) vigiados para nãoinduzirem as velhas São acionados Externados em emoções.” os Sentimentos Atitudes (que esculpirão a (conforme os roteiros natureza afetiva) que escolhemos)
  7. 7. REFLEXOS ATITUDES E (AUTOMATISMO) SENTIMENTOS PALAVRAS Os reflexos são como “personalidades indutoras”estabelecendo o automatismo ACERTOS OU dos sentimentos externados DESACERTOS em atitudes e palavras. “Vê o que pensas e analisa oque falas, para que não entres PROGREDIMOS OU em dificuldades maiores que ESTACIONAMOSaquelas com as quais já lutas para vencer no dia-a-dia.”
  8. 8. Vejamos alguns casos:• quando temos o interesse pessoal contrariado, magoamos;• quando feridos, penetramos no melindre;• quando ameaçados, tombamos na insegurança;• quando traídos, caímos na revolta;• quando lesados, inclinamos para o revide.
  9. 9. Mas é preciso ter DETERMINAÇÃO diante de nós mesmos e deter COMPREENSÃO E RESPEITO para com o nosso próximo. O desenvolvimento de novos hábitos constitui a terapêutica para nossos impulsos egoístas. Vejamos alguns exemplos:  o treino da empatia;  o aprendizado de saber ouvir;  o cultivo do respeito à vida alheia;  a cautela no uso das boas palavras dirigidas ao próximo;  a sensibilidade para com os dramas humanos;  as atitudes de solidariedade efetiva e renovadora; e, etc...
  10. 10. • Educação é “trazer à luz uma idéia”, vem do latim educare que significa “levar para fora, fazer sair, extrair, tirar”.• Filosoficamente é fazer a idéia passar da potência ao ato, da virtualidade à realidade.• À luz dos conceitos espíritas, educar é ir de encontro aos germens da perfeição que se encontram potencializados na alma desde a sua criação.
  11. 11. com que intenção pratiquei tal ato?qual a intenção ao dizer algo a alguém?que sentimento estava por trás daquele acontecimento?por que (nomear o sentimento) em relação a essa criatura?qual a razão desse meu sentimento em circunstâncias como a que experimentei?qual sentimento nos “impulsionou” nessa ou naquela situação?por que motivo aquela pessoa agiu assim comigo?que motivações levam alguém a fazer o que fez?
  12. 12.  sem medos e subterfúgios de defesa; mas, com muita responsabilidade para que não penetremos os meandros da fantasia. O grave equívoco é que muitos lidadores da Nova Revelação acreditam que renovar é angelizar!!!
  13. 13. FIM

×