A contribuição da Literatura Fantástica para o ensino da Língua Inglesa

1.658 visualizações

Publicada em

Paper apresentado ao Instituto de Ensino Superior do Amapá (IESAP), para obtenção do grau de Especialista em Língua Inglesa. Autoras: Ingrid Lara de Araújo Utzig; Jaciara do Carmo Ferreira; Letícia Maria dos Santos Grangeiro.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.658
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A contribuição da Literatura Fantástica para o ensino da Língua Inglesa

  1. 1. 1 A CONTRIBUIÇÃO DA LITERATURA FANTÁSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ingrid Lara de Araújo Utzig* Jaciara do Carmo Ferreira** Letícia Maria dos Santos Grangeiro*** Edielson de Souza Silva RESUMO: Este paper abordará um tema que chama muito a atenção, em especial, do público infanto-juvenil: a Literatura Fantástica. O interesse pela ficção e pelo absurdo sempre permeou as mais diversas faixas etárias e, por isso, a presente pesquisa tem como objetivo fazer uma análise sobre como o referido gênero contribui para o ensino da Língua Inglesa e para a aquisição dessa língua estrangeira. Palavras-chave: Literatura Fantástica. Interesse pela ficção. Ensino da Língua Inglesa. ABSTRACT: This paper will discuss a topic that calls a lot of attention, especially of the children and young public: the Fantastic Literature. The interest about fiction and the absurd always permeated different age groups and, for this reason, the present research objectifies to do an analysis of how the mentioned gender contributes for the English teaching and the acquisition of a foreign language. Keywords: Fantastic Literature. Interest about fiction. English teaching. * Licenciada em Letras com habilitação em Língua Inglesa e suas respectivas Literaturas pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) e acadêmica do curso de pós-graduação em Língua Inglesa do Instituto de Ensino Superior do Amapá (IESAP). E-mail: lara-chan_ap@hotmail.com. ** Licenciada em Letras pela Universidade Vale do Acaraú (UVA) e acadêmica do curso de pósgraduação em Língua Inglesa do Instituto de Ensino Superior do Amapá (IESAP). E-mail: jaciara.c.ferreira@gmail.com. *** Licenciada em Letras com habilitação em Língua Inglesa e suas respectivas Literaturas pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) e acadêmica do curso de pós-graduação em Língua Inglesa do Instituto de Ensino Superior do Amapá (IESAP). E-mail: leticiagrangeiro@hotmail.com.  Professor orientador. Especialista em Metodologia do Ensino da Língua Inglesa. E-mail: edielson.ssilva@gmail.com.
  2. 2. 2 INTRODUÇÃO Percebe-se que a leitura vem conquistando cada vez mais o público infantojuvenil de uma maneira bastante peculiar. A Literatura Fantástica, especialmente, encanta o leitor, que se sente envolvido e levado até mesmo dentro de sala de aula a discutir e estudar personagens abordadas nesse gênero, a exemplo do vampiro, o lobisomem, a bruxa, o semideus, o zumbi e assim por diante. Essa análise tem o objetivo de mostrar se é possível atrair o público leitor desse gênero para a aprendizagem de Língua Inglesa, pois muitos livros já se tornaram clássicos modernos devido ao grande número de publicações das obras, também graças ao cinema e outras ferramentas tecnológicas. Para subsidiar essa pesquisa, estabeleceu-se o problema: qual a importância da literatura fantástica no processo de aprendizagem da Língua Inglesa? Para responder tal pergunta, formulou-se a seguinte hipótese: por possuir uma leitura mais dinâmica e atraente, a literatura fantástica se torna um instrumento que proporciona uma aquisição de maneira mais prazerosa para o aprendiz de L2. Dessa maneira, a relevância científica e social do presente trabalho se dá pela área de didática da língua estrangeira, posto que debater novas formas de otimizar o ensino de Inglês é uma busca incessante. O que mais se espera é que as estórias sempre evoluam e fiquem cada vez mais complexas, despertando, dessa forma, o interesse de todos. Esse gênero literário deve aparecer para estimular a imaginação dos estudantes dentro de sala de aula, facilitando na aquisição da Língua Inglesa. 1 CONCEITO DE LITERATURA FANTÁSTICA Primeiramente, é necessário ter uma visão geral do que significa o termo Literatura Fantástica: como o próprio termo indica, diz respeito ao que existe apenas na fantasia, no imaginário. O dicionário Aurélio (2005) apresenta essa significação utilizando os adjetivos: extraordinário; incrível. De acordo com Selma Calasans Rodrigues, em O Fantástico (1988) é com base nesse significado que, a partir do século XVIII, começou-se a falar em Literatura Fantástica, sobretudo, com o advento
  3. 3. 3 do Iluminismo e das ideias de que o fantástico nasce daquilo que não pode ser explicado através da realidade ou do pensamento crítico. O principal introdutor desse termo foi o búlgaro Tzvetan Todorov que apresentou a seguinte conceituação: Em um mundo que é o nosso, que conhecemos, sem diabos, sílfides, nem vampiros se produz um acontecimento impossível de se explicar pelas leis desse mesmo mundo familiar. Quem percebe o acontecimento deve optar por uma das duas soluções possíveis: ou se trata de uma ilusão dos sentidos, de um produto de imaginação, e as leis do mundo seguem sendo o que são, ou o acontecimento se produziu realmente, é parte integrante da realidade e então esta realidade está regida por leis que desconhecemos. Ou o diabo é uma ilusão, um ser imaginário, ou existe realmente, como outros seres, com a diferença de que raras vezes o encontra. O fantástico ocupa o tempo desta incerteza. Assim que se escolhe uma das duas respostas, deixa-se o terreno do fantástico para entrar em um terreno vizinho: o estranho ou o maravilhoso. O fantástico é a vacilação experimentada por um ser que não conhece mais que as leis naturais, frente a um acontecimento aparentemente sobrenatural (TODOROV: 1988, p. 15). Lovecraft apud Sá (2003) define a Literatura Fantástica como aquela capaz de suscitar o medo no leitor, mais exatamente o medo do desconhecido. O desconhecido e o imprevisível seriam os aliados do sonho na criação de um mundo não real ou espiritual. Assim, fatos não explicáveis através da ciência, mas pertinentes ao mundo real, constituiriam o foco dessa narrativa. Estes fatos seriam acrescidos do desconhecido, tratado e formalizado em rituais religiosos, do mistério não decifrado do cosmos e do folclore popular. Lovecraft parece bem menos fantasioso em sua teoria sobre a Literatura Fantástica ao apontar critérios mais voltados para estórias de terror. Para poder despertar o medo inconsciente do leitor, essas obras devem apresentar pontos bastante reais como relatos sangrentos, arrastar de correntes e mortes. Essa conceituação coincide com a definição de estranho apontada por Todorov, na qual as situações podem sim vir a existir, gerando medo no leitor a partir da dúvida de se o que ele lê pode realmente acontecer. A partir disso, pode-se compreender que a Literatura Fantástica trata do despertar para o imaginário, para o sobrenatural, para o fantasioso, aquilo que não é regido de acordo com as leis naturais conhecidas.
  4. 4. 4 2 A LITERATURA COMO RECURSO PEDAGÓGICO Entende-se que a função primeira da Literatura é “proporcionar prazer e que sua característica primordial é a representação da realidade” (SILVA, 2012, p. 15). Assim, sabendo que o texto literário possui natureza polissêmica, ou seja, varia de sentido e significado de acordo com as experiências vivenciadas pelo sujeito, é possível afirmar que as impressões a respeito de um mesmo texto são muito variáveis de acordo com quem as lê, afinal “todo indivíduo possui uma história e vida, e dessa forma, muitos se veem envolvidos nas tramas descritas no texto literário, deixando fluir seu imaginário nas descrições sociais relatadas” (SILVA, 2012, p. 16). Trabalhar essas representações distintas em sala de aula é, portanto, de grande utilidade, tanto para o professor quanto para o aluno. A multiplicidade presente na Literatura e a possibilidade de inúmeras interpretações demonstra a inter-relação dela com outras esferas: social, cultural, política, histórica. A Literatura é sempre contextualizada, como defende Pinheiro e Valente ao dizer que ao se valer dela como suporte pedagógico, o professor está contribuindo com a aquisição de conhecimentos não só linguísticos, mas também históricos e culturais e ainda estará incentivando o gosto pela leitura e seus alunos e plantando em suas almas o desejo de conhecer outras obras e outros autores desse fascinante mundo que é a Literatura (2008, p. 57). Dessa maneira, a transversalidade disciplinar pode e deve ser utilizada no intuito de interagir com diferentes áreas. A prática do professor deve, assim, atender às demandas do saber escolarizado, mas sem ignorar os saberes prévios do aluno, adquiridos por meio do conhecimento empírico: “o texto literário tem muito a contribuir com essa questão se não adotado de uma forma limitada e reducionista, limitando-nos a exercícios não significativos e puramente estruturais como elementos básicos de sua aplicabilidade” (COLASANTE et. al., 2006, p. 1). Utilizar o texto tão somente como pretexto para mera decodificação e ensino de gramática é desvalorizar a importância da Literatura para a formação de um cidadão crítico e efetivamente leitor dentro da sociedade.
  5. 5. 5 3 LITERATURA FANTÁSTICA E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A predominância da abordagem comunicativa nos cursos de idiomas retrata uma preferência pelos textos de caráter funcional, com o objetivo de trabalhar a oralidade em diversas simulações de situações reais do cotidiano. O mesmo método não se aplica ao ensino regular nas escolas públicas de educação básica, nas quais há uma supremacia do método tradicional de tradução e gramática com foco na memorização de estruturas prontas e na reprodução de formas sem construção de significados para o sujeito. Assim, o texto literário acaba sendo deixado de lado por aparentemente não possuir uma utilidade imediata para o aprendizado diante de questões práticas do dia-a-dia, posto que requer atenção para que haja uma interação autor-obra-leitor, o que resulta na construção de um saber a longo prazo, para toda a vida, em detrimento de um conhecimento considerado mais pragmático. Em contrapartida, a Literatura Fantástica se apresenta como gênero apropriado e conveniente para ser utilizado em sala, pois o aluno “é estimulado a usar sua criatividade com mais frequência, bem como participar com mais empenho das atividades propostas” (CORCHS, 2006, p. 26). Nessa perspectiva, é possível aproveitá-la como recurso para desenvolver intelectual e emocionalmente o aluno de língua estrangeira, incitando debates e discussões na escola. Por meio da ficção, a criança [...] aprende a enfrentar sua realidade e viver além de sua vida imediata, vivenciando outras experiências. Por isso, seduz e encanta, mesmo sem tarefa, sem nota, sem prova, a literatura educa e, portanto é importante pedagogicamente (COSTA, s. a., p. 1). Além de chamar a atenção do aluno dentro de sala de aula através da utilização de textos com temáticas que são de interesse do próprio aprendiz e que fazem parte da carga cultural adquirida no decorrer da vida, principalmente na fase infanto-juvenil, como lendas do folclore popular, contos de fada, estórias de terror, ficção científica, entre outros que serviriam de suporte interdisciplinar, a Literatura Fantástica vem como forma de alavancar as aulas de Língua Inglesa, inovando-as e quebrando paradigmas com relação ao método tradicionalista de trabalhar uma segunda língua.
  6. 6. 6 Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM), ao tratar dos conhecimentos de Língua Estrangeira Moderna, reforçam essa ideia ao estabelecer que: Conceber-se a aprendizagem de Línguas Estrangeiras de uma forma articulada, em termos dos diferentes componentes da competência linguística, implica, necessariamente, outorgar importância às questões culturais. A aprendizagem passa a ser vista, então, como fonte de ampliação dos horizontes culturais. Ao conhecer outra(s) cultura(s), outra(s) forma(s) de encarar a realidade, os alunos passam a refletir, também, muito mais sobre sua própria cultura e ampliam a sua capacidade de analisar o seu entorno social com maior profundidade, tendo melhores condições de estabelecer vínculos, semelhanças e contrastes entre a sua forma de ser, agir, pensar e sentir e a de outros povos, enriquecendo a sua formação. [...] Em síntese: é preciso pensar-se o ensino e aprendizagem das Línguas Estrangeiras Modernas no Ensino Médio em termos de competências abrangentes e não estáticas, uma vez que uma língua é o veículo de comunicação de um povo por excelência e é através de sua forma de expressar-se que esse povo transmite sua cultura, suas tradições, seus conhecimentos (BRASIL, 2000, p. 30). Percebe-se, portanto, que a visão de mundo do educando pode ser ampliada por meio da exploração de diferentes culturas. Tais particularidades também devem ser abordadas nas aulas de L2, e a percepção das especificidades da língua alvo, nesse caso, a Inglesa, são refletidas na produção literária. Saber utilizar tal ferramenta textual como recurso didático contribuiria muito para as aulas da referida disciplina. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em meio às questões que foram levantadas no decorrer deste trabalho, surgiram algumas sugestões de como é possível trabalhar com esse gênero dentro de sala de aula, a exemplo de: peças de teatro, debates, gincanas em grupo com exercícios como mímica, paródia e leitura dramática, dentre outras atividades que possam surgir em classe. Aqui serão levantadas duas propostas em específico, que podem ser adaptadas de acordo com o perfil da classe. A primeira é o trabalho com mímica, na qual o objetivo é estabelecer a expressão corporal e a desinibição conjunta. Em um primeiro momento, a turma seria dividida em grupos e ficaria a critério de cada um deles inventar um nome relacionado com a temática da Literatura Fantástica para prosseguimento da dinâmica. Após isso seriam sorteados nomes de romances como
  7. 7. 7 Frankenstein, O Médico e o Monstro, Harry Potter, Senhor dos Anéis, Drácula, O Corcunda de Notre-Dame, Branca de Neve, Peter Pan, dentre outros. Em seguida, os alunos tentariam reproduzir através de gestos cada um dos livros selecionados e o grupo que alcançasse o maior número de acertos seria o vencedor. Outra atividade cabível é a de promover discussões em sala de aula, com o objetivo de comparar obras distintas e reconhecer semelhanças e diferenças entre elas: formar um paralelo, por exemplo, entre o Pé Grande e o Boto. Nesse contexto, também cabe opinar sobre aquilo que prevalece para o surgimento de um mito e o que chama atenção acerca das lendas brasileiras ou estrangeiras e se há veracidade ou não no entendimento de cada um. A distribuição poderia ser feita com balões que, escolhidos e estourados por determinada pessoa, revelariam à turma qual lenda ou mito a ser abordado. Assim, entende-se que o processo de compreender, interpretar e interagir com outras culturas elencam a aprendizagem e, por isso, são habilidades que devem fazer parte do âmbito escolar. Diante do exposto, nota-se que a Literatura Fantástica é sim capaz de dinamizar inclusive a disciplina de Língua Inglesa, a partir do momento em que incita o imaginário e a criatividade do aluno, que por meio da linguagem pode demonstrar a efetividade da construção de novos saberes em língua estrangeira. REFERÊNCIAS BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio (2ª parte). Brasília/MEC, 2000. COLASANTE, Renata et. al. O ensino da Literatura em aulas de Língua Inglesa: desafios e vantagens. 2006. CORCHS, Margarete. O uso de textos literários no ensino da Língua Inglesa. Universidade Estadual do Ceará: Fortaleza, 2006. COSTA, Luciana Daniele. O papel dos livros, da leitura e do conhecimento da literatura na construção do indivíduo em formação, em sala de aula e nas intervenções pedagógicas. Disponível em: <http://literatura.uol.com.br/literatura/figuras-linguagem/37/artigo225090-2.asp>. Acesso em 8. jan. 2014. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Junior: dicionário escolar da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2005.
  8. 8. 8 LOVECRAFT, Howard Phillips apud SÁ, Marcio Cícero. Da Literatura Fantástica (teorias e contos). Dissertação. Universidade de São Paulo, 2003. PINHEIRO, Rosane de Sena; VALENTE, Marcela Iochem. Língua e Literatura: uma parceria de sucesso no mundo das letras. Revista FACEVV – 2° semestre de 2008, número 1. RODRIGUES, Selma Calasans. O Fantástico. Ática, 1988. SILVA, Ana Elma dos Santos. A prática de Literatura no Ensino Médio: como inovar? Universidade do Estado da Bahia – UNEB, 2012. TODOROV, Tzvetan. Introdução à Literatura Fantástica. Digitalizado por Digital Source. México, 1980.

×