Inovação intersubjetiva

3.225 visualizações

Publicada em

O que podemos considerar inovador?
Porque e quando desejamos a inovação?
Quem vê a inovação como algo novo?

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.225
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.779
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • \n
  • Inovação intersubjetiva

    1. 1. INOVAÇÃOINTERSUBJETIVA O que podemos considerar inovador?Porque e quando desejamos a inovação? Quem vê a inovação como algo novo? *
    2. 2. PRIMEIRA PARTE Sobre um homem que cria o mundo em que vive a cada momento que percebeeste mundo, de modo consciente ou não! *
    3. 3. Para nós a realidade existe! Cognitivamente, entendemos o mundocomo algo que pré-existe, e que pode ser conhecido através do que captamos. *
    4. 4. E a realidade é a mesma para todos nós! Acreditamos que qualquer um pode ter acesso à esta mesma realidade,percebendo-a com pequenas variações. *
    5. 5. Cada um vê o que vêA experiência de contato com a realidade é única, pessoal e intransferível. Quem observa a realidade faz parte da construção da realidade que observa. *
    6. 6. *
    7. 7. O observador cria mundos Nossa realidade é uma história quecontamos para nós mesmos enquanto a vivemos. E geralmente não nos percebemos como narradores, apenas como personagens. *
    8. 8. Não há realidade em comum Há um "em comum" que constrói umcontexto que habitamos como sendo a acada momento como sendo a realidade. *
    9. 9. Cada um na sua Vivemos coordenando nossas subjetividades através de interaçõesfrequentes. Fluimos intersubjetivamente em atos que conservam nosso viver. *
    10. 10. Viver ou morrerInterações freqüentes entre sujeitos que se aceitam mutuamente, constroem um ninho para habitarmos como humanos *
    11. 11. SEGUNDA PARTEDe como distinguimos transformação ou a falta dela, no mundo que distinguimos. *
    12. 12. Algo mudou!Toda transformação é um comentário que um observador faz sobre a realidade que distingue. *
    13. 13. O que mudou? Em um instante o gelo é gelo, no outro instante a água é água Se não houver alguém para fazer a distinção entre gelo e água e contaresta história, não houve transformação. *
    14. 14. Quais critérios usamos para dizer que algo mudou? Ex: algo mudou entre eles, ele está mais atencioso Ou: ele está mais atencioso, mas nada mudou entre eles *
    15. 15. TERCEIRA PARTEDe como vivemos na conservação, adaptando constantemente, mudando para manter. *
    16. 16. Lei Sistêmica # 3Cada vez que num conjunto de elementoscomeçam a se conservar certas relações, abre-se espaço para que tudo mude em torno das relações que se conservam. (Humberto Maturana) *
    17. 17. O observador pode ver a si mesmoO que desejamos conservar quando propomos uma transformação? *
    18. 18. Tudo sempre se transforma?Quando a transformação se justifica pelaevolução, ela nega o homem comum, o personagem cotidiano, o indivíduo que vive a vida; *
    19. 19. Um habitar humano Quando entendemos a transformação como um meio para conservar o quedesejamos, ela pode surgir validando os indivíduos e construindo um espaço comum de bem-estar; *
    20. 20. Por quê? Para quem?A transformação promovida por humanos se justifica apenas pelo aprimoramento e conservação do espaço de bem-estar humano; *
    21. 21. Vivendo como humanos O respeito mútuo, a negação dosubmetimento, o livre fluxo de informaçãoconstituem em nossa espécie, o principal eixo da transformação orientada para o bem-estar humano; *
    22. 22. Reflexão sugeridaQuero querer o que quero? *
    23. 23. Muito obrigadoLuiz AlgarraDesigner de fluxos de conversação www.luizalgarra.blog.br Twitter: @lalgarra *

    ×