Relatório sobre Influência da temperatura de arrefecimento na formação de cristais

2.458 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.458
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório sobre Influência da temperatura de arrefecimento na formação de cristais

  1. 1. Escola EB 2,3 das Olaias Relatório De Ciências Naturais Influência da temperatura de arrefecimento na formação de cristais Kripali Veneraz Lacmane Nº9 8ºC
  2. 2. Índice 1. Introdução………………………………………………………………………3 2. Material e procedimento………………………………………………4 3. Resultados e discussão …………………………………………………5 4. Conclusão………………………………………………………………………….5 5. Bibliografia………………………………………………………………………5
  3. 3. Introdução Esta experiência foi realizada para verificarmos se o magma com diferentes tipos de arrefecimento tem o mesmo resultado na cristalização.Com esta experiência pretendíamos verificar se os cristais formavam-se no magma nas seguintes condições: lento, moderado e rápido. Um arrefecimento lento, no interior da crosta, permite a cristalização e o crescimento dos minerais que são visíveis a olha nu, conferindo às rochas uma textura granular holocristalina – rochas magmáticas plutónicas ou intrusivas. O arrefecimento rápido, à superfície ou muito próximo dela, não permite que os minerais se individualizem nem desenvolvam, ficando com reduzidas dimensões e dificilmente observáveis à vista desarmada, conferindo às rochas uma textura agranular hemicristalinas – rochas magmáticas vulcânicas ou extrusivas.
  4. 4. Material Enxofre em pó Rolha de cortiça Cadinho de porcelana Pinça para cadinho Placa de vidro Recipiente com água Bisturi Fósforos Lupa Lamparina Tripé Procedimento 1. Fizemos uma cavidade na rolha numa rolha de cortiça. 2. Colocamos um pouco de enxofre num cadinho de porcelana. 3. Aquecemos cuidadosamente o cadinho à chama da lamparina, retiramos de vez em quando e agitamos suavemente. 4. Deitamos uma porção de enxofre fundido na cavidade da rolha de cortiça e deixamos em repouso. 5. Colocamos outra porção de enxofre fundido na placa de vidro ligeiramente inclinando. 6. Derramamos o restante enxofre em fusão no recipiente de água.
  5. 5. Resultados Neste trabalho observamos que através da lupa e do microscópio o enxofre deitado na água não tinha quase cristais em quanto na rolha havia mais cristais do que na água e na lâmina havia mais do que na água e menos do que na rolha. Concluímos então que o que ficou mais cristalizado foi o que estava na rolha. Discussão Realizamos este trabalho com sucesso e com a participação de todos os alunos e foi muito divertido. Para ficaremos a conhecer melhor as rochas magmáticas a professora mostrou nos algumas rochas da colecção da escola e um colega nosso trouxe também a sua colecção. Foi muito divertido e interessante ver as rochas magmáticas. Conclusão Com esta actividade conclui que a temperatura influencia a cristalização do enxofre e que os minerais cristalizem de modo diferente de acordo com o ambiente terrestre. Bibliografia  Silva, Amparo Dias da; Santos, Maria Ermelinda; Mesquita, Almira Fernandes; Baldaia, Ludovina; Félix, José – Planeta Vivo, Ciências Naturais 7º Ano; Porto Editora; Porto; 2006  http://4.bp.blogspot.com/_ncdE7C4mwSU/TAGZjbE5ZI/AAAAAAAAAHw/jpiIRSuWL6o/s1600/016.jpg

×