Sermão cap 6

514 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
514
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sermão cap 6

  1. 1. Sermão de St.º António aos Peixes Capítulo VI
  2. 2. Antes de terminar o seu sermão, o orador realça uma característica dos peixes que pode constituir para eles motivo de desconsolação. Indica-a. • A característica «digna de grande desconsolação e sentimento» para os peixes é que são os únicos animais que, segundo o Levítico (um dos livros da Bíblia), não são sacrificados a Deus, pois, a serem-no, chegariam mortos ao altar
  3. 3. De que forma a referência a esta exclusão dos peixes permite tecer uma crítica aos seres humanos? • A crítica é tecida por analogia, afirmando o autor que assim como os peixes chegariam mortos ao altar se fossem sacrificados a Deus, também as almas de muitos homens se apresentam na igreja espiritualmente mortas, por se encontrarem em pecado mortal.
  4. 4. 1. Explica de que forma, neste capítulo, é apresentada a autocrítica. • O orador autocritica-se comparando-se, igualmente, aos peixes: declara-se indigno de «tomar Deus nas mãos», ou seja, de oficiar a missa, pois, ao contrário dos habitantes dos mares, ele pode ofender a Deus com a sua razão, o seu livre-arbítrio, as suas palavras, a sua memória, a sua inteligência e vontade.
  5. 5. 2. Mostra como o orador procura despertar a emoção do auditório, ao mesmo tempo que apela ao louvor a Deus. • O último parágrafo do sermão constitui um cântico emocionado de louvor a Deus («Louvai, peixes, a Deus» - ll. 22-23) e, em concordância, o autor utiliza a construção anafórica («Louvai a Deus… / louvai a Deus…»). Este cântico constitui um apelo ao auditório na medida em que o orador utiliza o imperativo. (autor João Marques)
  6. 6. 2. Mostra como o orador procura despertar a emoção do auditório, ao mesmo tempo que apela ao louvor a Deus. • Antes de entoar este louvor, o orador usara a interrogação retórica (ll. 6-9), as exclamações (ll. 13-14, 15-16) e as interjeições («Oh» - l. 13; «Ah» (l. 15) para sublinhar o seu estado emocional de pesar pelas imperfeições dos homens (designadamente as suas) e de «inveja» pelas qualidades dos peixes, convidando, no final, todas as criaturas marinhas (e indiretamente as terrestres) a reconhecer e exaltar a magnanimidade de Deus, de onde toda a perfeição emana.

×