Brasoftware palestra 05_07_ppt

371 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
371
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasoftware palestra 05_07_ppt

  1. 1. Brasoftware - Painel de discussão Inovação O papel do CIO no processo de Inovação Campos do Jordão_19/05/07 Prof. Moysés Simantob msimantob@fgvsp.br www.inovforum.org.br
  2. 2. Moysés Simantob Professor do Departamento de Operações na FGV-EAESP, dadisciplina de Inovação nas Organizações Co-fundador e coordenador executivo do Fórum de Inovação daFGV-EAESP Atuou no grupo Telecom Italia Mobile - TIM e saiu para fundar aValueNet – Incubadora de empresas para internet Autor do Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas,com Roberta Lippi, em 2003 Co-autor e organizador da série de livros OrganizaçõesInovadoras, 2003 e 2007 Colabora com várias organizações como palestrante e assessorespecializado em inovação estratégica Moysés Simantob 2007
  3. 3. Copyright © 2006, Moysés Simantob.
  4. 4. Pesquisa com 33 CEOsInovação nas Empresas
  5. 5. 4 ondas de Inovação no Brasil 4ª Onda 3ª Onda 2ª Onda1ª OndaPor quêINOVAR? O que é INOVAÇÃO? Como INOVAR? Para que INOVAR?
  6. 6. O paradoxo: + investimento = - lucro• Empresas despejam dinheiro nos seus core businesses;• Contratam pesquisas de marketing e fazem campanhas;• Investem em TI, terceirizam e redesenham processos, mas...
  7. 7. Protagonistas de ontem tonando- tonando-se coadjuvantesCurva de demanda em monopólio O capital é como o DNA: ao longo do tempo vai perdendo sua capacidade de reprodução.Preço Lucros Decrescentes não são algo anormal numa economia dinâmica demada da firma = demanda de mercado Quantidade
  8. 8. Com o tempo a estrutura de mercado tende a transformar-se em transformar- concorrência perfeita: pela imitaçãoCurva de demanda em mercado concorrencialPreço Produtos substitutos Patentes expiram Matérias-primas disputadas Preço é variável exógena Prevalece oferta e procura Quantidade
  9. 9. Inovar porquê e pra quê?...Inovar para... Perpetuar Crescer Sobreviver Para criar monopólios temporários, que a concorrência se encarregará de decretar o fim deles. Quanto mais próximo do monopólio, melhor. Trata-se de uma Estratégia Única: Fazer e vender o que a concorrência ainda não sabe fazer (sempre por pouco tempo)
  10. 10. Campos de Ação da Inovação As inovações são classificadas de acordo com o seu campo de ação: social, tecnológico, organizacional, comercial. Nestes campos ela pode apresentar as seguintes tipologias Produto/Serviço Processo Rompedora Gestão/Marca/Design Conceito de Negócio A Inovação Rompedora é subjacente a esse modelo e pode estar presente em todos os camposFonte: Fórum de Inovação
  11. 11. Inovações do tipo fortalecedoras ou destruidoras de competências podem ser incrementais ou radicais, componentes ou sistêmicas: Conceito Radical Inovação de Disruptiva Negócios Melhoria deIncremental Melhorias Processos contínuas de Negócios Componente SistêmicoFonte: Hamel
  12. 12. Casos de sucesso em Inovação RompedoraModelo de negócio modular; Lançou a linha Reciclato depois de se tornar maior Lançou a familia de chips “low end” Celeron para tendo antes construido aprovedor de jatos de 70-150 cadeia de suprimento de lugares aposta nos jatos enfrentar a AMD; hoje a linha Celeron líder de matéria-prima em parceria comerciais de 6 a 8 lugares com a Associação dos vendas Catadores de Papel Mobile Brasil Especializou-se na Fugiu da tendência seguida Liderou a introdução da produção low-cost (mini- pelos principaistecnologia GSM no Brasil e usinas) de produtos de fornecedores – handsets inovou no relacionamento aço. Repetiu com sucesso carregados defabricantes - grande varejo esse modelo em outros funcionalidades - apostou facilitando o acesso do mercados na simplicidade e elegância celular pelas classes C e D com o modelo Razr Inovou de forma rompedora em vários mercados. Recentemente para ter acesso rápido aos mercados residencial das PME empresas comprou e integrou com sucesso a Linksys Prof. Luiz C. Moraes Rego - FGV
  13. 13. Afinal, o que asempresas procuram?
  14. 14. O que as empresas procuram?• Crescimento desproporcional• Fuga da irrelevância• Reinventar as regras da indústria• Aumentar o market cap da empresa• Criar novas fontes de receita através de novos negócios• Explorar competências existentes• Ajudar a definir o seu futuro• Definir uma visão proprietária do futuro• Acelerar o processo da idéia ao negócio• Criar um fluxo de idéias, experimentos, oportunidades e negócios• Aumentar o nível de Retenção da organização
  15. 15. América Latina – Alguns Mitos sobre Inovação em empresas1. Inovação é para aqueles que falam e ensinam, não para aqueles que fazem2. O mundo não precisa ser mudado3. É mais importante quem conhecemos do que o quê conhecemos4. Culpar fatores macro-económicos macro-5. Cópia de modelos de negócios desenvolvidos em outras geografias é o caminho preferido6. Extrema aversão ao risco7. “Outras pessoas decidem o que é bom para mim”8. Cargos têm pouca autonomia e pouco risco9. Recompensas estão alinhadas com o nível de risco10. O funcionário médio tem um baixo conhecimento de negócio
  16. 16. Separando a retórica da realidade: Uma pesquisa...• As empresas geralmente respondem “sim”... – A inovação é considerada uma vantagem competitiva crítica? – O presidente desafia você a se tornar mais inovativo? – A inovação está listada entre os valores da empresa? – A inovação é uma prioridade?• As empresas geralmente respondem “não”... – Os processos de gestão empresariais apóiam a inovação? – Você tem um processo formal de inovação (além de P&D)? – Há métricas de desempenho para inovação? – O processo de revisão de desempenho da empresa foca explicitamente na performance de inovação? 206 respondentes de 23 empresas
  17. 17. Quais são os principais obstáculos? 1. Idéias órfãs (5 votos) 2. Ameaça de canibalização (11 votos) 3. Domínio de velhos modelos mentais (21 votos) 4. Alocação de recursos presa ao passado (36 votos) 5. Poucas recompensas para assunção de risco e empreendedorismo (45 votos) 6. Falta de capital de mentor para apoiar novos empreendimentos (12 votos) 7. Incapacidade de equilibrar independência e interdependência (13 votos) 8. Incapacidade de rapidamente construir apoio para um novo modelo de negócios (9 votos) 9. Falta de processo explícito para gerenciar diferentemente diferentes tipos de inovação (12 votos) Total de votos: 169
  18. 18. Em toda empresa existem ortodoxias sobre...O Produto/Serviço:– Que forma o produto/serviço deve ter– Como benefícios são definidos e o valor entregue– Como o produto ou serviço é configurado– Como o produto ou serviço é cobradoO Mercado:– Quem são os clientes– Como o contato com o cliente é estruturadoA Indústria:– Com quem competimos– Como a cadeia de valor é estruturada– Como e quando os lucros são extraídos– Que competências-chave são necessárias para competências- o sucesso
  19. 19. Otimização Inovação Adaptado de: “Conversation Management,” European Management Journal, Dezembro 1996. Foco no presente Foco no futuro Foco Certezas Possibilidades “Realidade” “Descobertas” Journal,Conversação Conhecimento Natureza do Confirmação de conhecimento Desenvolvimento de conhecimento Linguagem estática Linguagem dinâmica Indústria definida Criação de indústria Premissas são implícitas Premissas devem ser explicitadas Defesa Diálogo Regras de Exposição autoritária Exposição hipotética Busca de fechamento Abertura de novas conversações Papéis fixos Papéis dinâmicos Conhecimento especializado Imaginação manda manda
  20. 20. Competitividade, Tecnologia e Inovação Inovação Flexibilidade Sistêmica Tempo Ou Quântica Qualidade Autônomo ou MelhoriaCusto Contínua: PDCA Adaptado de : Bolwijn,P.T.e Kumpe, T.;Manufacturing in the 1990’s-Productivity,Flexibility and Innovation.Long Range Planning,vol.23,n4,1990. Copyright © 2004, Moysés Simantob.
  21. 21. Moral da História…• O sucesso empresarial depende da capacidade de inovar estrategicamente;• Inovações de produto e processo são consequências dessa capacidade;• Desenvolvê-la exige um esforço orientado de psicanálise empresarial. Copyright,2007 Moysés Simantob
  22. 22. Moral da história...• Inovação não é obra de super-heróis;• Inovações de produto podem ocorrer ao acaso, pelo esforço de um indivíduo solitário ou mesmo por imitação. Contudo, um fluxo sistemático de inovações que se converta em diferencial competitivo demanda uma ação coletiva, orientada por uma visão própria do mercado e do papel da empresa nesse mercado;• O desafio é construir essa visão. Copyright,2007 Moysés Simantob
  23. 23. Open Mind Estratégia / Visão Ponto-de-Vista Sustentação Cultura / Inovação Liderança / Pessoas Gestão Desenvolvimento Implementação Processos / Estrutura Copyright,2007 Moysés Simantob
  24. 24. O que aprendi com Silvio Meira do C.E.S.A.R.1. i é poder pra interpretar , capacidade de decidir o que vai talvez ser feito2. I é poder pra se mudar - é centrado em vc e vc deve fazer o que pensa que não pode3. i é vencer resistências e assumir risco4. i é para eliminar frases de que ´aqui as coisas são assim´ . Coisas não são , coisas estão assim temporariamente como parte de processo de mudança5. i normalmente vem associado ao não, quando deveria ser sim e daí?6. i funciona de trás pra frente, em ‘ s´, pergunto pra que e depois digo o que é preciso7. i é fazer algo que te deixe pelado de medo , uma vez por dia8. i é pratica tem que fazer todo dia ninguém relaxa lendo, relaxa praticando
  25. 25. Dilemas do CIO [ i_hub_C2 ]Realidades Novas Similares Perspectivas Escala Velocidade Eficiência Experimentação Diligência Imaginação Controle Criação Alinhamento Diversidade Hierarquia Network Info é poder Generosidade Produtividade Valor Soluções Globais Thinking Local
  26. 26. A inovação pode e deve ser geridapor um fluxo contínuo de experimentos, [ i_hub_C5 ]como no modelo do funil... Revisão por pares Revisão de aprovação para refinamento pela alta gerência lançamento 1a Etapa 2a Etapa 3a Etapa Geração de idéias, Detalhamento dos Desenvolvimento conceitos e tecnologia limites dos projetos e rápido e focado de tecnologia necessária projetos de vários tipos Fonte: Clark e Wheelwright
  27. 27. Criando oportunidade através doFluxo de Inovação [ i_hub_C5 ] Fluxo de Inovação Portfólio Portfólio Portfólio Portfólio de de de de Negócios Idéias Experimentos Oportunidades Imagine Desenhe Experimente / Escala Avalie MUITOS POUCOS
  28. 28. O ambiente de Inovação [ i_hub_C7 ] Moysés Simantob 2007
  29. 29. Mentalidade de Sustentabilidade stakeholders demandam e influenciam novas estratégias e práticas medidas no bottom line Moysés Simantob 2007
  30. 30. O desafio da Inovação
  31. 31. Fontes bibliográficas metodológicasRichard Leifer , Christopher M. McDermott , Gina Colarelli OConnor , Lois S. Peters, Mark Rice , Robert W. Veryzer ; Radical Innovation: How Mature Companies Can Outsmart UpstartsTom Kelley, Jonathan Littman, Tom Peters; The Art of Innovation : Lessons in Creativity from Ideo, Americas Leading Design FirmJames M. Utterback; Mastering the Dynamics of InnovationWilliam L. Miller e Langdon Morris; Fourth Generation R&d : Managing Knowledge, Technology, and Innovation Bill Dresselhaus; ROI : Return On InnovationRobert A. Burgelman, Modesto A. Maidique, Steven C. Wheelwright; Strategic Management of Technology and InnovationPeter Fingar, Ronald Aronica, Bryan Maizlish; The Death of "e" and the Birth of the Real New Economy : Business Models, Technologies and Strategies for the 21st Century Copyright © 2004, Moysés Simantob.
  32. 32. Fontes bibliográficas e metodológicasGerwin, D.; e Kolodny, H.; Management of Advanced Manufacturing Technology: Strategy, Organization and Innovation; Wiley; NY, 1992Higgins, James M.; Innovate or Evaporate; New management Publishing Co.; Winter Park, FL, 1995Janszen, Felix; The Age of Innovation; Pearson Education; London, 2000Kanter, Rosabeth Moss; On the Frontiers of Management; HBS Press; Boston, 1997Leifer, Richard; et alii; Radical Innovation: How Mature Companies can outsmart Upstarts; HBS Press; Boston, 2000Rogers, Everett M.; Diffusion of Innovations; The Free Press; NY, 1995; 4th ed.Tidd, J.; Bessant, J.; e Pavitt, K.; Managing Innovation; Wiley; NY, 1997Utterback, James M.; Mastering the Dynamics of Innovation; HBS Press; Boston, 1996Van de Ven, A.H.; et alii; The Innovation Journey; Oxford University Press; NY, 1999 Copyright © 2004, Moysés Simantob.

×