Trabalho_Individual

419 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
419
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho_Individual

  1. 1. Consideremos um navio fazendo uma viagem do Rio de Janeiro até a França. Como as dimensões do navio (largura, altura e comprimento) são muito pequenas quando comparadas com a distância RJ-França, ele pode ter suas dimensões desprezadas. Neste caso, dizemos que o navio é uma partícula , ou ponto material , ou ainda, móvel .
  2. 2. Um carro percorrendo um certo caminho não mantém a velocidade sempre a mesma durante todo o trajeto, isto é, a velocidade varia no decorrer do tempo. Conhecendo a extensão do caminho e o tempo gasto para percorrê-lo, podemos saber quantos quilômetros, em média, o carro percorreu por hora. Por isso, temos que: onde é a variação do espaço no intervalo de tempo
  3. 3. Se um carro percorre distâncias iguais em intervalos de tempo iguais, o seu movimento é chamado movimento uniforme (MU). Logo, se um movimento é uniforme, temos: O movimento da rotação da Terra, o movimento dos ponteiros do relógio, a viagem de uma nave espacial são praticamente movimentos uniformes. Porém a maioria dos movimentos não é uniforme!
  4. 4. 1º caso: velocidade positiva
  5. 5. 2º caso: velocidade negativa
  6. 6. Em quase todos os movimentos de um corpo a velocidade muda no decorrer do tempo. A aceleração é responsável pela variação (lenta ou rápida) da velocidade e relaciona duas grandezas: variação de velocidade e tempo. Assim, temos: onde é a variação da velocidade no decorrer do tempo . Um móvel que realiza movimento uniformemente variado (MUV) sofre acréscimos de velocidade iguais em intervalo de tempo iguais. Para isso, a velocidade é variável e a aceleração deve ser constante e diferente de zero.
  7. 9. BONJORNO, J. Roberto; RAMOS, C. Marcico. Física Fundamental – Novo. Volume único, 2° grau. SP. FTD. 1999.

×