Estagio diferentes concepções

3.464 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
293
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estagio diferentes concepções

  1. 1. Universidade Estadual de Goiás Estágio Supervisionado de Matemática Texto: Estágio: Diferentes Concepções Professoras: Kênia Bomtempo Shirlene da Silva Rosa 2010
  2. 2. Livro: Estágio e Docência Autoras: Selma Garrido Pimenta Maria Socorro Lucena Lima Possui graduação em Peda- gogia, mestrado em Educa- ção: Filosofia da Educação pela PUC de São Paulo e doutorado em Educação: Filosofia da Educação pela mesma instituição. Atualmente é Professor Titular da Facul- dade de Educação da Univer- sidade de São Paulo - FE - USP Selma Garrido
  3. 3. Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia do Crato, graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia do Crato, mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará, doutorado em Programa de Aperfeiçoamento de Ensino pela Universidade de São Paulo e pós- doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professora adjunta da Universidade Estadual do Ceará. Maria Socorro Lucena Lima
  4. 4. Estágio: Diferentes Concepções Sempre foi identificado como parte prática dos cursos de formação de profissionais, em contraposição à teoria. O que se ouve falar: “na prática a teoria é outra”
  5. 5. Currículos de Formação: Disciplinas isoladas entre si, sem qualquer explicação de seus nexos com a realidade que lhes deu origem. A contraposição entre teoria e prática não é meramente semântica, pois atribui-se menor importância à carga horária denominada prática.
  6. 6. “Teoria é indissociável da prática” O conceito de Práxis supera essa fragmentação, pois estágio como atitude investigativa envolve a reflexão e a intervenção na vida da escola, dos professores, dos alunos e da sociedade.
  7. 7. A Prática como imitação de modelos O exercício de qualquer profissão é prático, no sentido de que se trata de aprender a fazer “algo” ou “ação”. O estágio acontece, nessa perspectiva, com a imitação, a observação e a reprodução, e as vezes se reelabora os modelos considerados bons.
  8. 8. “O conceito de bom professor é polissêmico, passível de interpre- tações diferentes e mesmo diver- gentes.” Ao valorizar as práticas e os instru- mentos consagrados tradicionalmente co- mo modelos eficien- tes, a escola resume seu papel a ensinar.
  9. 9. A formação se dá através dessa reprodução modelar. Essa perspectiva está ligada a uma concepção de professor que não valoriza sua formação intelectual. Conformismo
  10. 10. Nessa Perspectiva, o estágio se resume a imitar modelos, com- servar idéias, hábitos, valores. Dessa forma, não se realiza uma análise crítica fundamentada teoricamente e legitimada na realidade social em que o ensino se processa.
  11. 11. A Prática como Instrumentalização Técnica As habilidades não são suficientes para a resolução dos problemas com os quais se defrontam, uma vez que a redução às técnicas não dá conta do conhecimento científico nem da complexidade das situações que ocorrem.
  12. 12. Se o conhecimento científico não é dominado, o profissional fica restrito a usar intervenções técnicas originadas dele, tornando-se um prático. O estágio fica reduzido à hora da prática, ao manejo de classe, ao trabalho burocrático e por fim a seguir receitas de bolo.
  13. 13. Oficinas pedagógica Confecção de material didático Prestação de serviçõs O estagiário é submetido a tudo isso como sendo mão-de-obra gratuita e barata.
  14. 14. “A habilidade que o professor deve desenvolver é saber lançar mão adequadamente das técnicas conforme as diversas e diferentes situações em que o ensino ocorre, o que necessariamente implica a criação de novas técnicas”. O mito das técnicas e das metodologias está presente nos alunos, nos professores e nas políticas governamentais.
  15. 15. Crítica à Didática instrumental Gera a ilusão de que as situações de ensino são iguais e poderão ser resolvidas com técnicas. Aparelho reprodutor das ideologias dominantes na sociedade.
  16. 16. A Universidade é por excelência o espaço formativo da docência, uma vez que não é simples formar para o exercício da docência de qualidade e que a pesquisa é o caminho metodológico para essa formação.
  17. 17. As orientações das políticas geradas a partir do banco Mundial, reduzem a formação a mero treinamento de habilidades e competências.
  18. 18. O que entendemos por teoria e por prática? O estágio é teoria e prática e não teoria ou prática.
  19. 19. De acordo com o conceito de ação docente, a profissão de educador é uma prática social, é uma forma de intervir na realidade social. A atividade docente é ao mesmo tempo prática e ação.
  20. 20. Em sentido amplo, ação designa a atividade humana, o fazer, um fazer efetivo ou a simples oposição a um estado passivo. Entretanto em uma compreensão filosófica e sociológica, a noção de ação é sempre referida a objetivos, finalidades e meios, implicando a consciência dos sujeitos para essas escolhas, supondo um certo saber e conhecimento.
  21. 21. Considerando que nem sempre os professores têm clareza sobre os objetivos que orientam suas ações no contexto escolar e no meio social... Faz sentido investir nos processos de reflexão nas e das ações pedagógicas realizadas nos contextos escolares. O papel das teorias é iluminar e oferecer instrumentos e esquemas para análise e investigação.
  22. 22. E... as teorias são explicações sempre provisórias da realidade. Ao estágio compete possibilitar que os futuros professores compreendam a complexidade das práticas institucionais e das ações aí praticadas por seus profissionais como alternativa no preparo para sua inserção profissional.
  23. 23. Todas as disciplinas de- vem contribuir para formar professores a partir da análise, da crítica e da proposição de novas maneiras de fazer educa- ção. O estágio deve superar a separação entre teoria e prática.
  24. 24. Estágio: aproximação da realidade e atividade teórica Aproximação do acadêmico com a realidade na qual atuará. Professores e alunos devem se apropriar da realidade para analisá-la e questioná-la à luz de teorias.
  25. 25. O estágio, não é atividade prática, mas teórica, instrumentalizadora da práxis docente, entendida como atividade de transformação da realidade. Nesse sentido ele é atividade teórica de conhecimento, fundamentação, dialogo e intervenção na realidade. È no contexto da sala de aula, da escola, do sistema e da sociedade que a práxis se dá.
  26. 26. O estágio como pesquisa e a pesquisa no estágio. Possibilidade de os estagiários desenvolverem postura e habilidades de pesquisador a partir das situações de estagio, elaborando projetos que lhes permitam ao mesmo tempo compreender e problematizar as situações que observam.
  27. 27. Origens da pesquisa no estágio Início do anos 90 a partir de questionamentos feitos na didática sobre a indissociabilidade entre teoria e prática. Abriu-se espaço para um início de compreensão do estágio como uma investigação das práticas educa- tivas nas instituições.
  28. 28. Profissional reflexivo ( Schön, 1992) Capazes de produzir conhecimento ( Nóvoa, 1999) Profissional crítico reflexivo (Pimenta, 2003; Contreras, 2003) Mas o que significa professor reflexivo? E o professor pesquisador?
  29. 29. Professor reflexivo – Diferença entre a reflexão na forma de adjetivo, de atributo do ser humano com um movimento teórico de compreensão do trabalho docente. Schön propõe a formação diferente daquela que apresenta primeiro a ciência, depois sua aplicação e por ultimo seu estágio.
  30. 30. Schön propõe uma formação baseada numa epistemologia da prática, valorizando a experiência e a reflexão, e o conhecimento tácito. Uma prática refletida que os possibilita responder com situações novas às situações de incerteza e indefinição.
  31. 31. Considera inseparáveis teoria e prática no plano da subjetividade do professor, pois há sempre um diálogo do conhecimento pessoal com a ação. O papel da teoria é oferecer perspectivas de análise para compreender os contextos históricos, sociais, culturais, organizacionais e de si mesmos.
  32. 32. Esse processo é possibilitado pela pesquisa. Entretanto a pesquisa tem limites de natureza política, social e cultural. Deve-se identificar os limites para poder superá-los. Teoria e prática estão presentes tanto na univer- sidade quanto nas institui- ções-campo.
  33. 33. O estágio assim realizado permite que se traga a contribuição de pesquisas e o desenvolvimento das habilidades de pesquisas. O estágio deve envolver todas as disciplinas cursadas na universi- dade, ele não se faz por si só.

×