7ª reimpressão
9.603 exemplares vendidos
1
2
catecismo de
devoções,
intimidades
&
pornografias
por Xico Sá
3
Nihil Obstat
IMPRIMATUR
São Paulo, setembro de 2006
4
“Nada de baixezas,
de conversas impróprias,
de palavras
inconvenientes;
em vez disso, ações de
graça.” (Ef 5,4)
5
“Latet anguis in
herba.” * (Virgílio, in
Bucólica III,93)
*Cuidado com os perigos ocultos
6
“A nudez da mulher
é obra de Deus.”
(William Blake)
“O melhor meio de se
familiarizar com
a morte é ligá-la a uma
idéia li...
8
“Fornicação e
qualquer impureza ou
avareza nem sequer se
nomeiem entre vós,
como convém a
santos.” (Ef 5,3)
9
“Que sabemos nós de
Deus?
Nada !”
August Strindberg
10
11
12
No que Concerne ao
Uso de Espartilho
por Mulheres
Modernas
Se for de cetim rosa-os-
tra, como o de Madonna
dos anos 1980, ...
para o bico de qualquer
criatura, relaxa.Valeaque-
le herdado da elegante
vovó – o passado a con-
dena! –, vale aquele com...
Das
Metamorfoses
Citadas por
Zaratrusta
Das três fases às quais
Zaratrusta deu conta,
uma em especial nos
preocupa: a do c...
na qual triunfamos so-
bre esses mesmos peca-
dos; na seqüência, a eta-
pa da criança, donde
inventamos a utopia da
espera...
Das Devoções
Repetidas Ad
Infinitum
Volto de ti com os joe-
lhos estropiados como um
romeiro pagador de todas
as promessas...
Perdão, Gertrud Stein,
mas uma rosa não é mais
uma rosa, uma rosa, uma
rosa...
Tudo começou nas beiras
de caminho, postos ...
Do Depoimento
de uma Amiga
Quando Tratei
de sua Obra
em Voga
“Eu fugi do catecismo aos
13 anos... e ganhei de pre-
sente u...
nhas primas passávamos
as tardes vendo (vendo
mesmo, no sentido di-
dático da palavra, feito
crianças abobalhadas)
escondi...
De uma Mulher-
Leopardo e o
Chamado da Selva
Uma mulher em casaco
de peles, nada mais. Co-
berta como se a pele dela
fosse...
22
Do Ato
Intrínseco
e Gravemente
Desordenado
A crucificação encar-
nada. Duas punhetas
obrigatórias, até mes-
mo para os cas...
violência das nossas
glândulas mais primiti-
vas. Mais sagradas ainda
depois que a Santa
Madre Igreja reconfir-
mou, já no...
dos fiéis afirmam sem hesi-
tação que a masturbação é um
ato intrínseco e gravemente
desordenado.”
25
Do Recurso do
Método
ou da Obsessão
Chamada
Henry Miller
Escrever com o corpo é
aúnicalinguagempossível
— o mais são desgo...
De Como um
Sem-Teto Copula
Debaixo de uma
Marquise em
Plena Luz do Dia
“Foder não tem lugar nem
hora”, me diz Marcos
Antôn...
de Albuquerque, mega-
lópole paulista. “Nosso
barulho num é nada na
zoada da cidade”, pros-
segue.
“Como ninguém presta
at...
menino” e tudo, só para
deixar o velho Malthus
se revirando no túmulo.
29
Da
Autoflagelação
dos Ressacados*
Os relhos de couro de
vaca com lâminas nas
pontas.
A surrar-me, como os pe-
nitentes de ...
sede mata, tudo que vem
da cabeceira o sol a lín-
gua passa, nada desse sol
escapa, ele, o rio, odeia a
memória das nossas...
No que Concerne
a uma Sanguessuga
que Rouba Sonhos
Eu estremeço e a velhice
já cobre a minha pele,
como nas intimidades de...
buzando-se toda, trajes
de gala.
Deixas-me vidas secas,
como chão de açude, fei-
ções de Beckett; e foges
perversa, para s...
Da Generosidade
do Marido
Complacente
A grandeza de ofertar a sua
mulher a outrem, como
destemida prova de amor e
hedonism...
Como o Mesmo
Tema é Tratado
pelo Catecismo
da Santa Madre
Igreja
35
36
“Qualquer que seja o
motivo, o uso deliberado
da faculdade sexual fora
das relações conjugais
normais contradiz sua
fin...
testemunham e desen-
volvem a mútua doação
pela qual os esposos se
enriquecem com o cora-
ção alegre e agradecido.”
(Tópic...
38
Da Devassidão
como Política
da Fêmea de Todas
as Eras
39
A purificação de uma
mulher só é possível à
medida que ela resolve
ser uma devassa, como
entre o povo tártaro;
devassa no ...
filhos, a melhor das
bênçãos;
como no reino de Judá;
só a lascívia embeleza
uma fêmea;
só mesmo os povos em-
brutecidos pe...
Da Cesta Básica
como Narrativa
de uma Criatura
Vinhos baratos, para
que a embriaguez não
tenha preço, bouquet ou
safra;
42
lubrificantes, até que se
ganhe a suprema inti-
midade do coito;
uma bíblia sagrada, pa-
ra rezar os cânticos... e
eventua...
chá de boldo para a
proteção dos fígados, em-
bora o amor por si já nos
garanta a imunidade dos
corpos;
leite de cabra par...
Donde o
Implacável Olho
de Deus Mira
a Filosofia
da Alcova
45
“O matrimônio seja hon-
rado por todos, e o leito
conjugal, sem mancha,
porque Deus julgará os
impuros e os adúlteros.”
(H...
“Não detenhas o olhar
sobre uma donzela, para
não acontecer que a sua
beleza venha a causar tua
ruína.” (9,5)
Donde Paulo,...
No que
Concerne
às Tatuagens
nas Costas
Quando você mira
aquela tatuagem nas cos-
tas, quando a penetra,
aquela tatuagem g...
Acerca do
Piercing ou
os Três Acordes
de Lewis Carroll
Beijo de língua com
piercing, piercing na
pontinha dos peitos, na
b...
Do Hell on
Hells ou
o Inferno
de Saltos
Só as poderosas!
Só as fetichistas!
Só as garantidas!
Desde o coturno vene-
ziano ...
Cinderelas de então, o
salto alto é a delícia e o
prazer de nós todos. Elas
nos pisam machucando
com jeitinho, tanto para
...
aquela deusa que saiu da
costela de Crepax!
Os saltos que pisam os
nossos telhados; e os
saltos que deixam go-
teiras nas ...
De uma
Bonequinha
de Luxo
e seus Olhos
Lindamente
Pintados
Nada de acreditar nes-
sa historinha de “você
já é bonita com o...
verso, aqui neste cate-
cismo, não soa bem aos
ouvidos. Pinte esse rosto
que eu gosto e que é só
seu. Com todos aqueles
lá...
No que Concerne
ao Objeto
de Desejo
com as Lentes
Helmut Newton
Meus olhos para você
são as lentes de Helmut
Newton. Quand...
os olhos das fêmeas &
dos machos, você no
espelho, como naquelas
clássicas para a Vogue,
minhas retinas a disse-
cá-la, ca...
Donde uma
Enfermeira
me Faz Sentir
o Gosto da
Pequena Morte
Adoecer para ter por
perto uma linda e vapo-
rosa enfermeira, ...
febre, a ver a paudu-
rescência por debaixo
daqueles lençóis tão
brancos. Morrer de pau
duro e nos braços dela,
eutanásia ...
“Pois é bom que saibais
que nenhum fornicário ou
impuro ou avarento, ‘que
é um idólatra’, tem he-
rança no Reino de Cristo...
Da Receita
para Enxugar
o Desassossego
Da cor das lentes dos
meus óculos verdes o
absinto que os amigos
Terron & Isabel me...
Bebo lentamente a gar-
rafa, para enxugar o
desassossego, para in-
vocar Sá-carneiro e a
sua ponte do tédio en-
tre ele & ...
vejo uma menina que
não tive sobre os aros da
mesma bicicleta, vesti-
dinho com flores que se
acendem no atrito da
roda e ...
Há uma canção no fundo
da garrafa desse absinto,
destampo-a, ela salta: algo
como Nick Cave cantan-
do um fado.
Há um dese...
da garrafa verde. As
sobrancelhas espessas e
cheias de dúvidas, mis-
turo mulheres do pas-
sado como se fossem
bebidas.
En...
Da Artemísia
Absinthium e dos
Fogos, os Fogos
de Dentro
Naquela hora ali, me-
nina, chegaste já bêba-
da e a casa também p...
presente te confessei pu-
nhetas anteriores.
Naquela prece, rezamos
lentamente pelos supos-
tamente traídos ligados
ao nos...
berta dos teus passos,
além do número que
calças... ainda guardado
na memória.
Naquela tua bucetinha
menstruada, o segredo...
Naquele momento a tua
promessa desnecessária:
mais na frente uma pho-
da cheirosa e sem pêlos
teremos.
Naquela hora o fósf...
Da Sociedade
dos Amigos
do Crime
e de Alguns
dos Seus
Mandamentos
Só nos resta uma saída
honrosa a esta altura da
balbúrdi...
velha Sociedade dos Ami-
gos do Crime. As regras
são quase as mesmas, com
algumas poucas atualiza-
ções da crônica de cost...
humanos e seu quimé-
rico objeto. O mais leve
retorno de sua parte a
tais asneiras implicará
sua exclusão imediata”.
Lembr...
72
Donde a Falsa
Castidade Parece
Dominar
o Ambiente
Depois de meses sepa-
rados, o reencontro apa-
rentemente casto.
O marzi...
ao máximo, chá com
porradas, como na lírica
de acaso.
E cai a noite, e com ela o
suspense da phoda.
Saem juntos, e agora?
...
Na peleja de todos con-
tra Tânatos.
O cordel dos infernos.
Depois o fim do teatro e
a phoda de fato.
Ela no cuzinho dele ...
Donde as Almas
se Entendem
e - os Corpos
Dizem Não
Da agonia da phoda,
dos pés que não batem
direito lá embaixo, do
pau e ...
tocam de ouvido, das
almas que podem até se
entender lá nas nuvens,
dos corpos que tilintam
fogo mas não intera-
gem, da d...
No que Concerne
ao Lapsus Linguae
Aqui o lapso de língua
diz respeito àquela cria-
tura que preguiçosa-
mente se debruça s...
a vulva ou o pau e não se
devota, limitando-se a
um mero favor sexual
sem vigor ou alma. A
burocratização do sagra-
do ato...
A Medida para
o Malho
Gregório de Matos
A medida para o malho
Pela taxa da Cafeira,
Que tem do malho a
craveira,
São dois ...
E eu zombo do seu
empenho,
Pois, tendo um palmo
de lenho,
Com que outras putas
desalmo,
Inda que tenho um
só palmo,
Não qu...
Da Fábula
de um Camponês que
Acreditava
nas Encrencas
de Amor para Vender
Flores
“A essa hora, meu filho,
casais já brigam...
lho homem. “Levanta-
te, vamos plantar flores.”
“Mas meu pai, prefiro
que o suor do meu tra-
balho sirva tão-somente
para ...
84
De como
o Catecismo
de Vossa Santidade,
o Papa Bento XVI,
vê o Mundo no
Século XXI
85
Luxúria - desejo desor-
denado do prazer sexual,
quando buscado por si
mesmo, isolado das fina-
lidades da procriação e
da...
Fornicação - união
carnal fora do casamen-
to entre um homem e
uma mulher livres. É
gravemente contrária à
dignidade das p...
dade dos parceiros para
exibi-los a terceiros de
maneira deliberada.
Atenta gravemente con-
tra a dignidade daquele
que a ...
Homossexualidade –
sua origem psíquica conti-
nua amplamente inexpli-
cada. Apoiando-se na
Sagrada Escritura, que os
apres...
Do que Dizem
os Peitos
Independentemente
da Dona
90
“Ai, meus peitos estão tão
inchados e grandes!”, diz
ela, lindamente mens-
truada.
Quando os peitos dela
saltam da blusa, ...
que toda a Escola de
Frankfurt, orações, dia-
tribes, blasfêmias, Boca-
ge e suas obras comple-
tas; quando os peitos de-
...
lambe da minha ce-
gueira, o 3x4, rolleyflex,
a digital, o instantâneo,
o postal-mor, as coisas
findas que a polaróide
gua...
De um Soneto de
Bocage Sampleado
Lá quando em mim
perder a humanidade
Mais um daqueles que
não fazem falta,
Verbi-gratia o...
Não quero funeral
comunidade,
Que engrole sub-venites
em voz alta;
Pingados gatarrões,
gente de malta,
Eu também vos dispe...
“Aqui dorme Bocage,
o putanheiro;
Passou vida folgada e
milagrosa;
Comeu, bebeu, fodeu
sem ter dinheiro”.
96
Donde se Renega
o Priapismo para
Fazê-la Mais Forte
Desse pau duro que me
atormenta, qual doença,
e não permite o milagre
...
de mim instrumento dos
seus fracassos, para que
o meu membro triste só
se alegre naquela língua
mais devassa.
Que esse pau...
De todas
as Glândulas
do Amor
“A mulher amada/quan-
do mija/é só refresqui-
nho/de graviola.”
(Marcelo Mário de Melo)
99
Tudo é lindo na mu-
lher amada, melhor
ainda os cheiros fortes,
fedores e sujeirinhas da
mulher amada, o suor-
zinho das a...
lher amada, tão minha
e tão íntima, saló, saló,
o suorzinho de todas as
juntas e dobradiças, ali
debaixo do joelho, eu
que...
cionados, não refres-
quem a costela amada,
tudo é perfume francês
na mulher amada, o
mijo é licorzinho dos
deuses, sob o ...
perna esquerda, da mu-
lher amada, lambuza-
mentos que encobrem
as feridas doutrora, tu-
do lindo a escorrer, fa-
rejo tod...
giganta [d´àpres Bau-
delaire], ali, sim, no
cuzinho, again, está o
silêncio mais lindo da
mulher amada, donde
tudo é lind...
dos segredos dos seus
passos, direito de ir e
vir entre seus rins, co-
mo na canção, assim
como na vida, agora o
cheiro da...
nica da carne que se en-
rosca, o pau come até a
alma, paudurescência ad
infinitum, o amor é mes-
mo o viagra do espírito....
No que
Concerne
a um Desabafo
Particular acerca
d’Alma
e do Esqueleto
Adoro imitar David Bo-
wie e comer flores em
cercas ...
amarelas, como as do
cabelo de f., olha lá mr.
Coelho-de-Alice, visse!,
num sou de sair de casa
para fingir que existo
qua...
suruba-lounge, a mes-
ma rosa amarela de Ca-
piba & Carlos Pena Fi-
lho, ah, o lirismo, fu-
deu, e quero ver quem
vai ser ...
digos ou banqueiros,
adoro os mortos cheios
de dinheiro. FUDEUS.
Graças a Zeus, quero ver
qualé o bom, a boa,
quando as il...
111
Do que Dizem
os Peitos
Pequenos e
Outras Grandezas
do Amor
Cesse tudo que a musa
siliconada canta, que
um peitinho mais al...
língua, que o celebra;
depois o outro, o da es-
querda, adonde bate a
existência; o céu, a ter-
ra, a devoção, os deuses
q...
Do Dia em
que Fui Dublê
de Deus,
o Todo-Poderoso
Toma, Adão, chupa essa
maçazinha, essa pêra, es-
sa manga, coisa mais lin...
enquanto isso, L., bela e
altiva, explorava a mes-
ma vulva;
este que vos reza orde-
nava com a mão esquer-
da e fazia jus...
lhança do barbudo que
havia visto no pequeno
catecismo católico, obra
do Vigário de São Sul-
pício, tenho dito;
libreto es...
de modo que, como ia
dizendo, ninguém co-
meu, naquela suruba
lounge, o fructo prohi-
bido; e ali mesmo en-
cerrei minha c...
118
Do
Entendimento
Particular
do Escriba
sobre
Pornografia
119
No que concerne à arte
de amar, à moda Bataille
& Sade, não à modinha
de Ovídio – muito pro-
filático. Boca suja e
libertá...
tra a divisão de tarefas,
a favor do escravo na
alcova, por uma nova
erótica, sempre, e em
todos os sentidos. Uma
erótica ...
tia consagrada, a por-
nografia como nossos
jardins mais secretos.
122
Da Justificativa
Específica da
Pedagogia
da Manga
Chupar manga desde a
aurora dos anos educa
para o ato de sorver uma
buce...
entre os dentes, como
um pentelho; vezes o
mergulho da face toda
sobre a vulva amada.
Chupar com gosto, dei-
xar o nariz p...
No que
Concerne Bater
e do que
Significa Apanhar
Entrar antes de bater
ou bater antes de entrar?
Na dúvida, vá testando
co...
exagero de lenhador. Se
a pedidos, construa um
hiato entre o que se
reivindica e o amor de
pica. É preciso que ela
feche o...
Da
Estética
dos Prazeres
Compartilhados
Essa eu aprendi com
Michel Foucault, quem
diria, num livrinho que
se lê no avião, ...
mento, como os cínicos;
depois me bateu a dú-
vida: não estarei eu mais
para os cínicos? Havia
saído de um grande
amor e s...
Ótimo. O casamento não
como algo objetivo e
procriador, falo como a
arte de dormir de con-
chinha, amanhã de ma-
nhã, o ca...
Embora haja, sim, a ne-
cessidade de uma esté-
tica das mãos dadas, do
passeio, dos óculos es-
curos gastos sob o mes-
mo ...
De um Grande
e Antigo Preceito
Conjugal ou
a Casa Vai Cair
131
Depois de Plutarco, ve-
lho sábio: evitar porrada
verbal ou disputa no
quarto de dormir. “Não
é fácil apaziguar num
outro ...
No que Concerne
ao Quaerens
Quem Devoret
Ou procurando alguém
para devorar. Assim o
glorioso São Pedro, na
primeira epísto...
tência, com a urgência
da carne a nos tocar co-
mo um alarme histérico
e necessário. Elimine-
mos o temor do arre-
pendime...
Da Falta de
Esforço Mínimo para
Manter
o Acasalamento
Basta ter algum níquel,
algum recurso, para se-
parar-se mais fácil....
Ninguém quebra mais o
pau de fato, o que é um
defeito. Casar mais de-
moradamente virou coisa
de operário, que não
tem din...
Da Objetividade
Repetida sobre
o Beijo &
Sentimentos
Posteriores
A phoda inicial sendo
péssima, não há motivo
algum para d...
No que Concerne
à Boemia e às
Dores que Andam
O flâneur está vivo.
No pé-sujo, no bote-
quim, mesmo no bote-
quim que mime...
O boêmio está menos
literário, mas não
o b r i g a t o r i a m e n t e
menos romântico. Isso
não é um defeito. O
contrário...
queda como alegoria do
nosso direito atávico ao
berço esplêndido, a ce-
lebração da sarjeta.
140
Acerca do Qui
Bene Amat, Bene
Castigat
A expressão em latim é
simples: quem ama bem,
castiga bem. Aqui tra-
tamos não some...
forma de manter a cria-
tura amada colada à sua
costela. Além dos cas-
tigos físicos mais verda-
deiros, como os tapas &
t...
Das Plantas
do Jardim da
Nossa Casa
É preciso, por mais ocu-
pado e endinheirado que
seja o casal, manter algu-
ma ativida...
um saco, existem até
profissionais modernos
para isso – além de ar-
rumar os armários etc.
–, mas inventem algo
para fazer...
uma planta de lugar,
façam um arroz-de-
puta (aquela refeição
tirada das sobras com-
pletas da geladeira), en-
cham as gar...
Da Reinvenção
da Erótica do
Acasalamento &
Outras Práticas
Nobres
Não aquele bacanal
anos 1970, coisa mais
démodé. Falamos...
mão da casa, uma ida ao
banheiro, flertes, um
boquete na escada, um
fumo e uma rapidinha
na varanda... Erotismo
enevoado q...
No que Concerne
Simplesmente
ao Fio-terra
Não adianta nem ten-
tar ignorar, a próstata é
quase tudo no nosso
sentimento do...
149
De como Esperar
Pacientemente
que a Amada
Escolha a
Roupa para Sair
O que fazer enquanto
sua mulher, amante ou
namorada se...
da sem muitas opções no
vestuário e longe, muito
longe da praga da indús-
tria fashion.
Mesmo assim, Eva demo-
rava horror...
ela põe roupa e tira rou-
pa, mulher alterada,
doida demais, peça por
peça do armário?
Põe e tira, vai ao espe-
lho, pede ...
troca o brinco, o colar
novo, “ah, esse não
combina...”
Não adianta você, caro
amigo, dizer que está
ótimo, dizer que nunc...
Tiffany, a Audrey das
Audreys, Catherine De-
neuve, Juliette Bino-
che...
De nada adianta. Fica-
mos falando sozinhos
ness...
nunca terá, o jeito é
retomar o tempo perdi-
do a nosso favor. Já tive
mulheres que demora-
vam o tempo de um jogo
de fute...
graças às demoras das
“patroas”. Grandes in-
ventores, idem. O hu-
morista Grouxo Marx
agradeceu publicamente
à sua mulher...
No que Concerne
a um Encontro
Abençoado com
uma Virgem
Mesmo sendo rara e
milagrosa tal acontecên-
cia nos dias que correm...
Os vinhos, evoé Baco!,
são bem-vindos para o
amaciamento das culpas.
Não conversem exclusi-
vamente sobre tal ato,
amedron...
Arizona Dream de Iggy
Pop & Goran Bregovic
ou, melhor ainda, Mistery
Train, do velho Elvis.
O uso de lubrificante
não desm...
160
De um banho
para Devolver
a Mansidão
aos Lares
Sentados sobre o chão
da banheira, acalmamos
lentamente nossos apo-
calipse...
Do Amor nos Tempos
das Novas
Ferramentas
Em dez minutos, pron-
to, você está lá na maior
das intimidades com o
rapaz ou a ...
É o amor nos tempos do
MSN, o Messenger, o
amor nos tempos do Or-
kut, chats, comunidades
e tantas outras gerin-
gonças. T...
como vai, quanto tempo,
pois é, quanto tempo...
O amor nos tempos da
velocidade tecnológica.
E o novo problema já está
fic...
De uma Madame
Bovary destes
Tempos
Modernos
E a conjunção virtual
não é coisa apenas desses
moços, pobres moços.
Minha ami...
de carne, osso e ronco.
“Vou deixar um deles,
pois não tem compa-
recido a contento”, solta
a blague. Todos jovens,
quase ...
Donde uma
Menina Má
Provoca o Tio
no Bate-papo
Virtual
167
Me conta que deu pro
maconheiro cabeludo ali
no quarto da casa da
família mesmo. O cuzi-
nho. As meninas que
contam histór...
má. A mãe já via essa
maldade toda desde ce-
do, ela diz. A mãe odeia o
cabeludo maconheiro.
Mãe é mãe. A lolita má
gosta ...
170
No que Concerne
aos Espasmos
da Nostalgia
Antes bastava ficar de
olho na chegada do car-
teiro, o bravo homem de
amarelo, ...
o bina, e matou o velho
mistério do telefonema
mudo e anônimo. Ofe-
gante, a criatura, apai-
xonada, ligava só para
ouvir ...
esse clássico das anti-
gas, está praticamente
enterrado.
173
Da Chegada da
Telefonia Móvel
e o Prejuízo
do Canalha
Depois, chegou a tele-
fonia móvel. Uma revo-
lução na crônica de co...
álibis mais inverossímeis
desse planeta.
Outra alvissareira fun-
ção do celular é fugir dos
mal-assombros senti-
mentais. ...
bém sirva para matar as
surpresas, o friozinho
na barriga, aquela coisa
toda, lembra?
176
Donde Tratamos
do Noli
me Tangere
Em outras palavras, no
português mais român-
tico e derramado: não
me toques. Na Bíblia,...
não ser tocado. O medo
do goleiro diante do pê-
nalti, o temor do que
ama diante das tentações
da carne do açougue
mais hu...
Da Elegância da
Solidão e Contra
o Periquitismo
Publicitário
Aproveito o barulho de
uma efeméride, dia dos
namorados, para...
TV ou qualquer fogue-
tório do gênero.
Vender celular, por exem-
plo, essa febre que virou
brinco em todas as ore-
lhas de...
casos, as amantes, as na-
moradas, o papagaio... e
falem mais barato o mi-
nuto... Periquitismo do
amorpublicitário.
O mas...
182
De quão
Luxuosos
Podem Ser
as Damas
e os Cavalheiros
Solitários
183
Nada mais elegante do
que a solidão tranqüila,
um trago no balcão do
bar, ninguém para en-
cher o saco – a não ser os
chat...
como diria o Pereio.
É óbvio que vivemos
grandes momentos en-
venenados por Cupido.
O que faço nestas mal-
traçadas linhas...
botar um disco novo,
tomar um uísque...
De cantar Antonio Maria
da forma mais irônica,
como ele também hoje
cantaria: “Nin...
Do Amor que Fica
e Ainda Contra
o Comércio dos
Pombinhos
De adolescentemente
“ficar”, ficar, ficar, ir
ficando... O amor q...
rantes nas principais efe-
mérides, dia das mães,
dia dos pais, dia dos
namorados...
Lembre-se das falsas pro-
messas, dos...
Da Regra sobre
as Regras
e da Travessia
de Outros Mares
Vermelhos
189
Não deve haver ceri-
mônia diante do ciclo;
nem mesmo para o sexo
oral mais devoto;
sair de lá debaixo tin-
gido, tingido;...
os lençóis brancos com
as marcas da pintura ru-
pestre, tribos de alcovas
e cavernas;
o amor carece do gosto
pelo sangue, ...
No que Concerne ao
Orgasmo Fingido e
do Seu Belo Teatro
O fingimento do gozo
também pode ser uma
prova de amor, como o
amo...
tem um quê de distan-
ciamento brechtiano no
orgasmo fingido;
tem até mesmo um gozo
que deveras sente;
tem mais de verossí...
contra a verossimilhança
exagerada dos orgasmos
com caras & bocas;
a favor do agrado do
teatro, puro teatro, co-
mo na can...
Da Ressaca e do
Canalha em Busca do
Engov Ético
Na autoflagelação da
ressaca*, o homem-inse-
to, nos relhos morais
contra ...
O homem como um in-
tervalo de ressacas ínti-
mas ou públicas. Ressaca,
a memória possível, o
flash-back do declínio e
da ...
No que Concerne ao
Jus Primae Noctis
O direito à primeira noi-
te. Nas sociedades feu-
dais, o dono da proprie-
dade tinha...
nova indústria, ampli-
ando ainda mais a saca-
nagem da mais-valia
explícita.
198
199
No que Diz Respeito
ao Encontro de
Tereza, Filósofa,
com Jesus, e da
Devoção Suprema
que Herdamos desse
Encontro
Lamber aq...
pica sofrida de homem
que foi, martírios d´al-
ma, desejo que dentro
dela há tanto tempo ar-
de, debaixo do manto,
debaixo...
Da Peleja das
Serviçais e da Costela
Amada
Faxineira, diarista, em-
pregada doméstica ou
qualquer funcionária do
lar de um...
água fria na quartinha,
cama, mesa e banho, tu-
do no capricho. Elas tra-
balham assoviando o su-
cesso da hora, o hit do
...
Quem paga somos nós,
porcos chauvinistas,
que não teremos mais
aqueles botões repostos
na camisa colorida –
aquela mesma, ...
ora, não pode incen-
tivar o machismo.
205
De Duas
Criaturas Saídas
de uma Mesma
Costela
Duas mulheres sob o
mesmo teto, a menos que
você seja um poderoso
206
sultão, é jogo duro. Seja
sogra, diarista, tia, mãe,
irmã... E quando as TPMs
coincidem? Vixe, fica
tudo tão difícil quant...
O xodó implica, a diarista
começa a falar bem da
sua ex, com quem tam-
bém fazia uma batalha
sem trégua.
Até o fatídico di...
Das Bebidas
e do Discurso
Amoroso
da Conquista
A cerveja é uma dádiva
dos deuses do trigo, mas
nos primeiros encontros
é u...
desliga o sujeito do pre-
dicado, como se pusesse
entre eles o assassinato
da vírgula;
prefira os destilados nes-
sas hora...
as sobrancelhas, não o
cérebro, são as respon-
sáveis por essa linha de
conduta;
elas falam a babel da
conquista.
211
No que Concerne
ao Frondi
Nulla Fides
Fenômeno mais conhe-
cido no populacho como
“quem vê cara não vê
coração”.
212
Da Oração à
Nossa Sra. dos
que Amam Sozinhos
Nossa Sra. dos que
Amam Sozinhos, perdoa-
me pela insistência, nem
mais é por...
volta, como naquele en-
costo de beira de es-
trada, como na rodovia
estrangeira de Sam She-
pard, crônicas de motel,
simb...
aqui dentro, megaloma-
níaco, épico, terá sido a
força do desprezo???
É mesmo a paudures-
cência, nostalgia precoce
das gr...
Fosse a Coisa Mais Sa-
grada.
Nossa Senhora!!!
Paudurescência sem via-
grasoupílulasmilagrosas.
Paudurescência por tê-
la,...
que se inventou só pra se
perder depois; sentimento
é a verdadeira bússola
dumhomem,perdidodo-
cemente lá embaixo, lá
emba...
to dia no Baixo Gávea,
Nossa Sra. daquela gos-
tosa que levei ontem pra
casa. Nossa Sra. dos que
pensam naquela gostosa
qu...
Das Drogas e
dos Excitantes
Modernos
219
A Cannabis Sativa,
seja de Cabrobó ou da
Índia, embala os aman-
tes; melhor ainda se
uma phoda na rede, co-
mo nas tribos,...
A cocaína, declarada
inimiga dos amantes,
pode ter seu valor se
num banheiro de uma
festa, num bar, na noite;
não que ajud...
Um quartinho de um
comprimido de ácido, o
velho LSD, para cada
um, na saída de casa, se-
guido de um restauran-
te japonês...
O Ecstasy, noves fora
as contra-indicações de
praxe, é uma dádiva;
mais pela pegação, pela
suruba-lounge, do que
pela phod...
Da Devoção
às Putas e da
Sem-gracice das
Garotas de Programa
Puta é a vocação e o dengo
sem forçar a natureza;
garota de p...
puta é o cafuné, toda-
ouvidos para o seu des-
conforto e a sua angústia
sob a luz vermelha;
garota de programa é
tão neol...
res, a Virgem Imacula-
da, a terceira mentira de
Fátima;
garota de programa é
tão falsa quanto toda a
igreja católica e o ...
garota de programa é a
mentira midiática, fria,
jornalística;
puta é linda como a rai-
nha do lar que nos
pariu;
garota de...
Da Nostalgia
Precoce e da
Memória Carcomida
Passava o dia espremido
entre as tuas nádegas, co-
mo nas obsessions de Ro-
be...
Da História de “O”
ou da Felicidade
na Escravidão
Era uma vez uma rapa-
riga devota, masoquista,
religiosa, que parava o
t...
temia Sherazade, como
me sopraria num sonho,
dia desses, um certo
Octavio Paz.
230
Do Prazer
como Dever
Permanente
do Homem
“...a satisfação e o con-
forto das partes da mu-
lher devem depender da
acolhida...
[D’O Jardim Perfumado,
um manual erótico árabe,
obra do xeque Nefzaui]
232
Das Mil e Uma
Acrobacias
que Podem
Transformar uma
Grande Noite
em uma Noite
Meia-boca
Não tente reinventar o
Kama Sutra n...
entrosamento, coisa que
só se pega mesmo com a
cadência das intimida-
des, com o tempo. Com
esse sexo cheio de pernas
e mi...
De como um Kit
Erótico Exagerado
Pode Fazer
Perder o Foco
da Vida
Tudo bem que você leve
em conta todo aquele
repertório d...
nas, mas cuidado pra
não exagerar. Nada de
pacote completo tipo
lingerie, velas, incensos,
óleos, culinária afrodi-
síaca....
No que Concerne ao
Erro
do Incenso
Carícias e mais carícias,
musiquinha romântica
no ponto, luz na medida
(sim, você domin...
ram de um belo jantar!),
enjoar, ir direto para o
banheiro, não mais para
aquela cama arrumada
(sim, você tem lençóis
de t...
De como uma D.R.
Precoce...
Viciada em uma D.R., a
famosa discussão de re-
lação, você suspende as
carícias que logo logo ...
de telefonema no dia se-
guinte, a falta de delica-
deza no restaurante
(sim, você é romântica e
gosta que puxem a sua
cad...
Da Preocupação
com o Patrimônio
Histórico dos
Países Baixos
Já viu como os jogado-
res de futebol se pro-
tegem nas cobran...
falta, ao ficarem na
barreira? Estão guar-
dando o sagrado patri-
mônio e tentando se li-
vrar de um dos maiores
incômodos...
Qualquer maltrato ali
naquela área pode ser
fatal, pior do que tor-
tura, o fim da noitada.
Mas uma vez bem ex-
plorados, ...
Do Uso das Pílulas
da Paudurescência
Artificial
Nada contra a química a
serviço da vida, como
reza o mantra-lobby da
indús...
que o tiozinho-loki eli-
mine a sua insegurança,
encontros pioneiros com
desafiantes gazelas;
que o Cialis seja leve 36
ho...
o priápico pela própria
natureza também perde
muito com tal isonomia
farmacêutica;
ele confessa: “agora se-
rei ‘mais um’ ...
que seja simples, pois:
que as picas subam,
ora, ora, e as bucetas
umedeçam.
247
Da Depilação
e dos Exageros
da Diagramação
dos Pêlos Íntimos
248
O desmatamento das
raparigas tem acompa-
nhado a desgraça das
nossas matas;
urge um Greenpeace
que lute pela Amazônia
das ...
contra os desenhozinhos
sem graça;
contra a chamada “de-
pilação artística”;
contra a higienização do
amor e do desejo;
a ...
contra o hedonismo en-
vergonhado;
contra o café sem ca-
feína, contra a cerveja
sem álcool;
porra, honra o útero de
la ma...
conveniência de haver
nascido.
p.s.: “Quando um homem
digno está na companhia
de mulheres, seu membro
cresce, torna-se for...
Do Encontro
Sagrado com
uma Freira
sem que Ela
se sinta Traindo
Jesus
Antes de tudo é pre-
ciso respeito religioso
extremo...
é preciso ainda cair do
outro lado do muro
vivo;
manter os bons hábitos;
a barba escanhoada e os
pés macios de urso;
chega...
a bundinha de lado, cos-
telinha de Deus;
beijinho no cangote, co-
mo se fosse um sopro
dos céus;
se a vir desconfortável,...
Soneto do
Membro
Monstruoso
(Bocage)
256
Esse disforme e rígido
porraz
Do semblante me faz
perder a cor:
E assombrado d’espanto
e de terror
Dar mais de cinco
passo...
A amotinada Europa
toda em paz.
Creio que nas fodais
recreações
Não te hão de a rija
máquina sofrer
Os mais corridos,
sórd...
Do Manual de
Civilidade Destinado
às Meninas para
uso nas Escolas
[com ajuda espírita e a
partir da herança de
Pierre Louy...
Não diga: “Minha
buceta”.
Diga: “Meu coração”.
Não diga: “Quero te
dar o cuzinho”.
Diga: “Voltei da de-
pilação”.
Não diga...
Diga: “Que rabinho mais
quente”.
Não diga: “Acabo de
gozar como uma louca”.
Diga: “Sinto-me um pouco
fatigada”.
Não diga: ...
Não diga: “Vamos
foder”.
Diga: “Oremos ao Senhor”.
Não diga: “Quando
eu tiver pentelho no cu”.
Diga: “Quando eu for
grande...
Não diga: “Eu prefiro
a língua ao pau”.
Diga: “Só gosto de pra-
zeres delicados”.
Não diga: “Não é na-
da disso que você e...
Não diga: “Mete mais
devagarzinho”.
Diga: “Não foi assim que te
ensinei”.
Não diga: “Tenho do-
ze consolos em minha
gaveta...
Não diga: “Os ro-
mances honestos me
chateiam”.
Diga: “Eu gostaria de ter
algo interessante para ler”.
Não diga: “Quando
s...
Não diga: “É a maior
puta da terra”.
Diga: “É a melhor me-
nina do mundo”.
Não diga: “Ela dei-
xa-se enrabar por to-
dos a...
Não diga: “Eu a vi
ser fodida pelos dois
buracos”.
Diga: “É uma eclética”.
Não diga: “Ele dá três
sem tirar da buceta”.
Di...
Não diga: “Seu pau é
demasiado grosso para
minha boca”.
Diga: “Sinto-me bem peque-
naquandoconversocomele”.
Nãodiga:“Elefo...
Não diga: “Você é o
homem da minha vida”.
Diga: “Você me conforta
bem lá dentro”.
Não diga: “Não sei
viver mais sem você”....
No que Concerne ao
Olho Masculino nas
Visões Matutinas
Quando ela acorda,
aquelas marquinhas no
corpo feitas pela noite,
a...
do mundo chato, ela se
espreguiça, ossinhos que
estalam sob a réstia do
sol dos sérios que atra-
vessa a cortina.
Agora ou...
ta ainda mais manhosa,
quase um gato a inventar
botes câmera lenta num
sashimi da véspera.
O pau toca a sua bun-
dinha sem...
cheiro sobe, polvo do
amor, mobilizo-me entre
o forno, esquentar os
pães, as frutas dos im-
pressionistas, a manteiga
do p...
Donde uma Marca
de Vacina no Braço
Delas...
Tudo bem que seja obra
de uma simples ma-
quininha automatica-
mente imunizado...
que perdem o sentido
simétrico do furo e se
abrem como flores per-
versas, bucetinhas sus-
pensas no coletivo de ra-
parig...
Da Dramaturgia
das Nuvens como
Relax for Man
Tirar umas horas pra
ver a dramaturgia das
nuvens. Cabeça deitada
na grama. O...
pariga bilaquiana. A
dramaturgia das nuvens
per si, bando de doi-
divanas, como no teatro,
mesmo. Monstros, ne-
tunos, cho...
serial-killer que habita a
sua carcaça, o assassino
dentro da caixa torácica,
como em Thompson, to-
dos levitam na lona do...
De uma Epifania
Seguida de
Polução Noturna
...donde uma ilumi-
nação noturna, seguida
de polução int/noite
/quarto de hote...
como aquelas santas baia-
nas, por um caminho
escuro, estreito, e o es-
tremecimento no sonho,
epifania dos diabos, ba-
ci...
banhar com as dores in-
confundíveis de mais
uma despedida.
281
De como Dizer
Eu Te Amo sem
Dizer Eu Te Amo
e sem Gastar os
Olhos da Cara
Admirá-la, sempre na
paudurescência, enquan-
to ...
Se for liso, pobre de
marre-marré, dar uma
bijuteria de R$ 1,90 com a
devoção e a dramaturgia
de uma jóia da Tiffany´s
– v...
farto, com sobremesa
idem, para mostrar que
ela é linda, foda, uma
formosura, e não precisa
emagrecer nem mesmo
os 21 g do...
Aplicar a lição do vinil:
1) passar a mão nas
costas dela, a noite toda,
carinhosamente, como se
fosse o braço de uma
velh...
assim como os cães estão
para a amizade.
Pedir de presente, sem-
pre que possa, uma
linda golden shower –
forma de mostrar...
seja o guardador de
carro, seja o garçom,
seja o bispo, o presidente
da ordem ou o manda-
chuva-mor do Bananal.
Não cobiça...
mo com os milagrosos
emplastros Sabiá ou
Brás Cubas.
Em vez de condená-la
em uma pisada na bola –
tipo foder gostoso com
o...
289
Do Sacrifício,
dos Mistérios
e de Profundis
Quando um homem
em pele de cão vadio e
sem plumas grita dos pés
de uma mulher-...
clamavi at te, Domine,
ou seja, o ato de invocar
alguém lá das profun-
dezas do abismo, como
nos Salmos.
291
Do Poço das Delícias
e das Paixões Mais
Roxas
Tua bucetinha como
aquele mergulho em
Mangaratiba, nus ao cre-
púsculo da pa...
paisagens, terá sido muito
tarde?, sabe lá a natureza,
agora não é mais hora,
mas ficou tudo gravado
na língua como o poem...
Prestando as devoções
de praxe,
Me conduz direto à fenda
Gloriosa da minha don-
zela.”
294
No que Concerne
aos Felinos
e ao Amor Devoto
– Este cachorrinho é
seu, senhor?
– Era meu até há alguns
momentos; mas a sen...
DoAmoredos
AnimaisqueoCercam
Tenho saudade dos ga-
tos. Quando cheguei lá,
ele já havia sido batizado,
fazia tempo, com o ...
para o amor assim como
os cães, esses bobos ale-
gres, estão para a amiza-
de besta.
Os cães chafurdam na
cama de manhã, n...
nografia das intimidades
mais longas.
298
De Como Reabrir
o Apetite
das Moças
Época chata essa. As mu-
lheres não comem mais,
ou, no mínimo, dão um
trabalho desgraç...
gustando, quase de for-
ma desesperada, uma
massa, um cuscuz mar-
roquino/nordestino, um
cabrito, um ossobuco, um
bife à m...
Toda preocupação femi-
nina está voltada para a
estatística das calorias,
as quatro operações da
magreza absoluta. É co-
m...
já alertava, em de-
poimentos registrados
em suas biografias, o
valor insuperável das
mulheres normais e o
seu belo mundo ...
Nada mais oportuno
para convencê-las a vol-
tar a comer, reiniciá-las
nesse crime perfeito.
303
Do Plongé e
Do Contra-plongé
do Amor
304
Nada como aquela
olhadinha que ela dá
quando lá embaixo.
Ainda e pra sempre, da
série “detalhes tão pe-
quenos de nós dois...
cá para cima do nosso
cocuruto alumbrado.
Tão lindamente saca-
na, ah, que nega a mi-
nha nega, derreto-me
como manteiga n...
ali naquela olhadinha
plongé, contra-plongé,
depende de quem vê...
307
Do Furo do Velho
Darwin só Agora
Revelado
Agora é pra valer, deu
na Science e nas gazetas
mundo afora: não há
308
lógica darwiniana por
trás do orgasmo da fê-
mea. Aquela coisa de fo-
der com o imaginário
voltado pra reprodução
é furada...
disposições em contrário.
E dá-me vinho, amore,
que a vida é nada.
310
No que Concerne ao
Homem-
laxante
Na saúde, na doença,
na TPM... E muito mais
ainda na prisão de
ventre.
Prova de devoção ...
o cafuné, o chamego, o
homem-laxante com a
nega onde a nega estiver.
Existem mulheres de
todos os naipes, mas elas
se divi...
mo, em conversa sobre o
tema com o psicanalista
Helio Pellegrino, decla-
rou-se ruim de serviço,
um enfezado-nato.
O temor...
sinais exteriores de en-
fezamento – aquele riso
sem graça e a sobracelha
com medo da vida –,
que a amada carece de
maiore...
para despertar nossos
trabalhos de Hércules.
Vale todo esforço. Tive
uma morena, por exem-
plo, jambo-girl da mar-
gem esq...
de modo a ficar à sua
altura... Quando menos
via, lá estava o sorriso
destravado nos seus lin-
dos beiços grossos. Era
com...
inveja. Lição mais sábia.
Outro bom conselho,
que deixamos aqui de
graça, é o da voz da ex-
periência de Tia Júlia e o
Esc...
gerem, peixe estragado,
entupimento. Um bom
purgante fulmina a lou-
cura do amor.”
318
319
Das Tentações
das Mulheres
da Rua Augusta
ÉSCOLHA A SUA NOIVA E
TENHA UMA GRANDE NOITE
DE NUPCIAS.Faixanafren-
te da Maiso...
Vira-latas, putas, men-
digos, bandidos, cheira-
colas viajando na lan-
house. Mil e uma noites
da velha Augusta. O
cheiro...
chos com lesbianismo
explícito, fantasia óbvia
das antigas. O café Paris
anuncia, no mesmo nai-
pe: SHOW DE SEXO COM
LÉSBI...
carro do playboy Racio-
nais MC´s: “Estilo ca-
chorro”. Aquela que diz
assim: “Conheço um ca-
ra que é da noite, da ma-
dr...
Os salões de beleza 24
horas fazendo chapinhas,
aplicando luzes, unhas
vermelhas, unhas pos-
tiças, e a academia de
ginást...
Do Anagrama
de Lama
e de Outras
Almas
A romana escreveu. de
Paris, fina a ruiva. não
como a de Moravia, mo-
rena, mas na a...
[quer conhecê-la, leia
mais bem abaixo, do dia
em que suas botas à
valentina pisaram ma-
chucando com jeitinho e
deixaram ...
ra-choque mais óbvio,
melhor dos álibis antes
do meu próximo abismo.
327
De um Sábio
simples das
Antigas
“Vai, portanto, não hesi-
tes. Procura conquistar
todas as mulheres. Em
mil, haverá talvez...
Mas por que serias
repelido, já que toda vo-
lúpia nova parece mais
gostosa e somos mais
seduzidos por aquilo
que não nos ...
No que Concerne
a uma Valentina que
Pisou Machucando
com Jeitinho
A gente é tão doido, e
doído com acento agudo
e tudo por...
que eu havia conhecido
dum simpósio da Unes-
co, cinco, seis anos atrás.
Quase a Adriana do ro-
mance de Moravia, de
tão p...
e ela chorando por nós
dois, italiana, caralho,
não suporto despedidas...
aquelas botas, tão Crepax,
tão Valentina, tão pe...
fontanas,comopodeque-
rer tanto um feio se és a
mais bela?, a mais bela de
todas???
Donde ela diz, graciosa,
quevoltouaopr...
amor a jato a atingir as
nuvens, o boeing, algo-
dão de céus, o calor das
despedidas que viram
chuvas...
334
Do que Restou na
Memória sobre a
Minha Adorável
Sexagenária
335
Nada pior do que tentar
se masturbar e não ter
novo enredo possível. A
morena, aquela bran-
quinha do elevador, a
jambo-gi...
da fome recifense. Os
peitos de Moema na pe-
ça-cabeça de Alberto, a
delicadeza de Laila, a
voz de aeroporto de Si-
mone, ...
etoile, Recife. E bato le-
vemente na porta da mi-
nha adorável sexagená-
ria, eterno retorno. Que
me recebe como careço.
...
339
De um Fragmento do
Cangaço Amoroso
“Se eu soubesse que
chorando/empato a tua
viagem/meus olhos eram
dois rios/que não te
d...
Do Ensaio
de Amor em Aberto
ou da Borboleta
que Vira Haicai
de Tardezinha
amor na rede
gozo suspenso
entre paredes
341
No que Concerne ao
Vômito
da Amada
Nada de requintes mé-
dicos ou cuidados de
primeiros socorros. O
dengo e o carinho são
...
para que sua cabeça não
se choque contra qual-
quer superfície. Limpe-
a de forma generosa, in-
clusive com os lábios,
dev...
No que diz
Respeito ao
Mundo Bíblico
e à Pedofilia
O padre botava o pe-
queno coroinha no colo
e lia e lia e lia a Bíblia ...
Do Cigarro Pós-
Coito e de Outras
Fumaças
Mesmo os não-fuman-
tes ou os que largaram o
vício parecem acender
voluptuosos c...
Da Leseira
Saudável
de um
Encontro
Vespertino
Um coito lento e lindo e
sem pressa, sem a ar-
rogância dos épicos, um
coito...
ria amorosa e dos sonhos
leves e reconfortantes.
No que Concerne à
Renúncia do Coito
em Nome da
Masturbação a Dois
Uns bei...
embaixo conversam, o
resto é silêncio e uma
vida que dispensa le-
gendas. Cabe ao man-
cebo iniciar o relato de
histórias ...
349
Do Termo
Balzaquiana
e o Uso Adequado
nos Novos Tempos
Onde lia-se uma mulher
de 30 anos, como na época
dovelhoebomHonoréd...
De Como
Ajoelhar sobre
a Boca do Amado
ou da Amada
Em vez de deitar-se
aberta à espera da boca
redentora, aconselha mi-
nh...
mente chupada sem
pudor. O amigo – ou a
amiga – que sorve a
vulva não cansa jamais,
pois não carece mover a
cabeça, uma ve...
Da Morena Jambo-
Girl que tinha
Cheiro de Maré
O sal do sexo em cada
poro, um mar formado
pela confluência dos rios
Beberi...
354
Do
Conhecimento
das Imagens do
Escriba Lobo
Antunes
Vacas lambendo sal ou
o côncavo das rochas, li
num romance de Lobo
Ant...
De como Ler
no Corpo das
Mulheres as Marcas
Deixadas Pelos
Lençóis
As marcas dos lençóis e
do colchão na pele das
mulheres...
estrada longa aqui, um
abismo acolá, perigo,
curvas sinuosas, as mar-
quinhas... sejam de lu-
xuosos três mil fios se-
jam...
Da Convicção
de um Corpo que
Cai por Amor
Orai Por Nobis
Ela saltou em cima de-
le como Kim Novak na
Golden Gate.
358
De uma
Delicadeza que
Aprendemos com
o Chuveirinho
do Banheiro
Se pudermos, num
determinado momento
da devoção oral, usar ...
Das Cores da
Paisagem que mais
Amamos Ver com
os Olhos Colados
e Bem Abertos
As vulvas, rezam os mais
antigos códigos erót...
za. Depois de tanta mes-
tiçagem, a cromoterapia
já mudou tanto, a paisa-
gem que mais amamos
já é outra.
361
Da Beleza sem Igual
das Saboneteiras
Das lições de anatomia,
essa é uma das mais be-
las. Aqueles ossinhos
prontos a receb...
ainda carecem da mí-
nima convicção, mas logo
logo nos põem caídos aos
vossos pés, devidamente
abaixados.
363
Do Soneto do
Velho Escandaloso
(Bocage)
Tu, oh demente
velho descarado,
Escândalo do sexo
masculino,
Que por alta justiça
...
Sofres d’ímpia paixão
ardor maligno,
E a consorte gentil, de
que és indigno,
Entregas a infrutífero
castrado:
Tu, que tend...
Saiba a ínclita Lísia, e
todo o mundo
Que és vil por gênio,
que és cabrão, e basta.
366
Da Nova Cartilha
de Alfabetização
ou Química a
Serviço da Vida
Vovô viu o Viagra.
367
Da Arte de
Espremer Cravos
e Espinhas
Aqui nos pegamos, nu-
ma sessão de nostalgia
com testosterona, para
lembrar os tempo...
suficiente para gritaria e
espirros tantos da nossa
parte.
Reclamávamos nesse mo-
mento, éramos chamados
de frouxos. Inevi...
ticamente extintas as
mulheres da brigada con-
tra cravos e espinhas (co-
nheço apenas um exem-
plar, uma descendente
de I...
Mr. Hydes – culpa, óbvio,
do glorioso vício solitário,
que além das espinhas
ainda nos pregava pêlos
na palma da mão.
Como...
nhas, essa bela e útil ma-
nia praticamente extinta
nosdiasquecorrem.
Vez por outra ainda da-
mos a sorte de avistar,
em a...
becilmente profissiona-
lizado, a limpeza de pele
dos salões de beleza. Seu
rosto ali entregue a
amistosas funcionárias
se...
quer uma. É tão delicado
quanto tirar a roupa pe-
la primeira vez na frente
de outrem – e, pensando
bem, uma reveladora
pr...
niosa até com as nossas
mais indignas impure-
zas. É provação. Coisa
boa demais para a
leseira das belas tardes
de domingo...
De um Haicai
Surgido de Queixa
Ouvida na Porta
do Banheiro
Feminino*
Ah, cadê os homens?
Tanto gasto em
cremes...
E ningué...
No que Explicamos a
Origem de
“Como uma Deusa”
Séculos e séculos antes
do cancioneiro brega,
uma expressão em latim
já diz...
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Xico sá
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Xico sá

3.820 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.820
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Xico sá

  1. 1. 7ª reimpressão 9.603 exemplares vendidos
  2. 2. 1
  3. 3. 2
  4. 4. catecismo de devoções, intimidades & pornografias por Xico Sá 3
  5. 5. Nihil Obstat IMPRIMATUR São Paulo, setembro de 2006 4
  6. 6. “Nada de baixezas, de conversas impróprias, de palavras inconvenientes; em vez disso, ações de graça.” (Ef 5,4) 5
  7. 7. “Latet anguis in herba.” * (Virgílio, in Bucólica III,93) *Cuidado com os perigos ocultos 6
  8. 8. “A nudez da mulher é obra de Deus.” (William Blake) “O melhor meio de se familiarizar com a morte é ligá-la a uma idéia libertina.” (Marquês de Sade) 7
  9. 9. 8
  10. 10. “Fornicação e qualquer impureza ou avareza nem sequer se nomeiem entre vós, como convém a santos.” (Ef 5,3) 9
  11. 11. “Que sabemos nós de Deus? Nada !” August Strindberg 10
  12. 12. 11
  13. 13. 12
  14. 14. No que Concerne ao Uso de Espartilho por Mulheres Modernas Se for de cetim rosa-os- tra, como o de Madonna dos anos 1980, muito melhor. Mas como um Jean-Paul Gaultier, caso da peça ora citada, não é 13
  15. 15. para o bico de qualquer criatura, relaxa.Valeaque- le herdado da elegante vovó – o passado a con- dena! –, vale aquele com mil histórias, aquele antigão do brechó... 14
  16. 16. Das Metamorfoses Citadas por Zaratrusta Das três fases às quais Zaratrusta deu conta, uma em especial nos preocupa: a do camelo. Nessa etapa, carrega- mos sobre o lombo os ditos pecados atribuí- dos pelas religiões. De- pois vem a fase do leão, 15
  17. 17. na qual triunfamos so- bre esses mesmos peca- dos; na seqüência, a eta- pa da criança, donde inventamos a utopia da esperança. 16
  18. 18. Das Devoções Repetidas Ad Infinitum Volto de ti com os joe- lhos estropiados como um romeiro pagador de todas as promessas. de quando uma rosa não é mais uma rosa não é mais uma rosa não é mais uma rosa 17
  19. 19. Perdão, Gertrud Stein, mas uma rosa não é mais uma rosa, uma rosa, uma rosa... Tudo começou nas beiras de caminho, postos de gasolina, caminhoneiros do Brasil. Uma rosa barata que vira calcinha, desconstruindo a lógica mais lírica, uma calcinha que dura no máximo um dia, dissolve-se no ar ou na boca, feito hóstia con- sagrada, amém. 18
  20. 20. Do Depoimento de uma Amiga Quando Tratei de sua Obra em Voga “Eu fugi do catecismo aos 13 anos... e ganhei de pre- sente um Marquês de Sade de um amigo mais velho na mesma época... Foi muito mais esclarecedor e aos 13 eu também encontrei por acaso a coleção de revistas pornôs dos meus primos mais velhos... Eu e mi- 19
  21. 21. nhas primas passávamos as tardes vendo (vendo mesmo, no sentido di- dático da palavra, feito crianças abobalhadas) escondidas. Esse meu amigo era bombeiro... mas era um intelectual... um bombeiro intelectual de Ermelino Matarazzo (periferia de São Paulo) Já imaginou? Um cara de 30 anos, me apresentou a coisas geniais... Grande amigo. Saudade dele...” (F.G.) 20
  22. 22. De uma Mulher- Leopardo e o Chamado da Selva Uma mulher em casaco de peles, nada mais. Co- berta como se a pele dela fosse, fera africana. Mu- lher-leopardo, como no suspense amoroso de Mo- ravia. Como ensinou Ma- soch, o chamado das sel- vas, bárbara. 21
  23. 23. 22
  24. 24. Do Ato Intrínseco e Gravemente Desordenado A crucificação encar- nada. Duas punhetas obrigatórias, até mes- mo para os casados: uma na santa hora de pôr a matéria para descansar; outra ao alvorecer. São duas sagradas orações ao corpo, com as quais der- ramamos um tanto da 23
  25. 25. violência das nossas glândulas mais primiti- vas. Mais sagradas ainda depois que a Santa Madre Igreja reconfir- mou, já no papado de Bento XVI, sua intriga com o ato do vício so- litário, como faz constar no tópico nº 2352 da novíssima edição do seu Catecismo: “Na linha de uma tradição constante, tanto o magistério da Igreja como o senso moral 24
  26. 26. dos fiéis afirmam sem hesi- tação que a masturbação é um ato intrínseco e gravemente desordenado.” 25
  27. 27. Do Recurso do Método ou da Obsessão Chamada Henry Miller Escrever com o corpo é aúnicalinguagempossível — o mais são desgostos, lapsos, broxadas joyce- anas e sintaxes. 26
  28. 28. De Como um Sem-Teto Copula Debaixo de uma Marquise em Plena Luz do Dia “Foder não tem lugar nem hora”, me diz Marcos Antônio Pereira, 43 anos, que dorme com Lourdes Mariana de Souza Cas- tro, 39, sob uma marqui- se da rua Augusta, quase esquina com a Fernando 27
  29. 29. de Albuquerque, mega- lópole paulista. “Nosso barulho num é nada na zoada da cidade”, pros- segue. “Como ninguém presta atenção em gente suja, só tem nojo e medo, podemos dar uma ‘totinha’ à von- tade.” Donde “totinha”, no Pernambuco dos dois e das antigas, vem a ser a phoda com ph, as vias de fato, daquelas de “fazer 28
  30. 30. menino” e tudo, só para deixar o velho Malthus se revirando no túmulo. 29
  31. 31. Da Autoflagelação dos Ressacados* Os relhos de couro de vaca com lâminas nas pontas. A surrar-me, como os pe- nitentes de Barbalha, sertões dos Tristes Tró- picos, semi-árido d´al- ma, sede do mundo todo que nem um rio essa 30 *Depois de Pedro Américo
  32. 32. sede mata, tudo que vem da cabeceira o sol a lín- gua passa, nada desse sol escapa, ele, o rio, odeia a memória das nossas noi- tes brancas. 31
  33. 33. No que Concerne a uma Sanguessuga que Rouba Sonhos Eu estremeço e a velhice já cobre a minha pele, como nas intimidades de Safo, quando desce Eros, ambiguamente fashion, vestido de púrpura, no sonho mais viado; enve- lheço, seco a minha por- ra, sangro os riachos; e assim te renovas, lam- 32
  34. 34. buzando-se toda, trajes de gala. Deixas-me vidas secas, como chão de açude, fei- ções de Beckett; e foges perversa, para sugar ou- tros homens, seringa nas glândulas. 33
  35. 35. Da Generosidade do Marido Complacente A grandeza de ofertar a sua mulher a outrem, como destemida prova de amor e hedonismo, e vê-la gozar lindamente, num recreio perverso dos deuses; mas não se trata, velha classe média, da diversão careta, como nas medíocres & mercenáriascasasdeswing. 34
  36. 36. Como o Mesmo Tema é Tratado pelo Catecismo da Santa Madre Igreja 35
  37. 37. 36 “Qualquer que seja o motivo, o uso deliberado da faculdade sexual fora das relações conjugais normais contradiz sua finalidade.” (Tópico nº 2352 do Catecismo católico) “Os atos com os quais os cônjuges se unem íntima e castamente são hones- tos e dignos. Quando rea- lizados de maneira ver- dadeiramente humana,
  38. 38. testemunham e desen- volvem a mútua doação pela qual os esposos se enriquecem com o cora- ção alegre e agradecido.” (Tópico nº 2362). 37
  39. 39. 38
  40. 40. Da Devassidão como Política da Fêmea de Todas as Eras 39
  41. 41. A purificação de uma mulher só é possível à medida que ela resolve ser uma devassa, como entre o povo tártaro; devassa no sentido de não temer o despudor nem a língua salivante da inveja; devassa como política li- bertária; como entre os negros do Rio Gabão e da Costa da Pimenta, que entregavam suas mulheres aos próprios 40
  42. 42. filhos, a melhor das bênçãos; como no reino de Judá; só a lascívia embeleza uma fêmea; só mesmo os povos em- brutecidos pela supersti- ção, reza o marquês, po- dem acreditar no con- trário; e acreditar no contrário é ir contra nossa própria natureza. 41
  43. 43. Da Cesta Básica como Narrativa de uma Criatura Vinhos baratos, para que a embriaguez não tenha preço, bouquet ou safra; 42
  44. 44. lubrificantes, até que se ganhe a suprema inti- midade do coito; uma bíblia sagrada, pa- ra rezar os cânticos... e eventualmente fumar maconha nas suas pá- ginas; músculos ou cubos de goulash e pimenta para um bom e revigorante caldo; 43
  45. 45. chá de boldo para a proteção dos fígados, em- bora o amor por si já nos garanta a imunidade dos corpos; leite de cabra para ba- nhá-la inteira; boas cortinas para que o sol não se vingue contra o leito. 44
  46. 46. Donde o Implacável Olho de Deus Mira a Filosofia da Alcova 45
  47. 47. “O matrimônio seja hon- rado por todos, e o leito conjugal, sem mancha, porque Deus julgará os impuros e os adúlteros.” (Heb 13,4) “Não lances olhares para uma mulher leviana, para não acontecer que caias em suas ciladas.” (9,3) 46
  48. 48. “Não detenhas o olhar sobre uma donzela, para não acontecer que a sua beleza venha a causar tua ruína.” (9,5) Donde Paulo, apóstolo, mostra o perigo também do excesso no beber: “Não vos embriagueis com vinho, que leva à luxúria, mas enchei-vos do Espírito.” (Ef 5,18) 47
  49. 49. No que Concerne às Tatuagens nas Costas Quando você mira aquela tatuagem nas cos- tas, quando a penetra, aquela tatuagem gruda na memória, “salvar como”, e copia e cola no inconsciente para todo o sempre. 48
  50. 50. Acerca do Piercing ou os Três Acordes de Lewis Carroll Beijo de língua com piercing, piercing na pontinha dos peitos, na bucetinha, gozo com gosto de alfinete punk, Alice em três acordes, linda brincando na cama, pentelhinhos mais ruivos entre os meus dentes... 49
  51. 51. Do Hell on Hells ou o Inferno de Saltos Só as poderosas! Só as fetichistas! Só as garantidas! Desde o coturno vene- ziano da Renascença – aqui nascia o sapato de plataforma – até o sal- tinho de cristal das putas 50
  52. 52. Cinderelas de então, o salto alto é a delícia e o prazer de nós todos. Elas nos pisam machucando com jeitinho, tanto para a agonia como para o êxtase, como nos sopra Ann Magnuson. Elas nos machucam com sal- to-agulha, elas nos ameaçam, o sapato co- mo arma e símbolo de poder, o sapato mata. Pode ser também uma linda bota à Valentina, 51
  53. 53. aquela deusa que saiu da costela de Crepax! Os saltos que pisam os nossos telhados; e os saltos que deixam go- teiras nas nossas exis- tências. 52
  54. 54. De uma Bonequinha de Luxo e seus Olhos Lindamente Pintados Nada de acreditar nes- sa historinha de “você já é bonita com o que Deus lhe deu!”. Dorival Caymmi, saravá meu pai!, é uma beleza de ho- mem, sábio, mas esse 53
  55. 55. verso, aqui neste cate- cismo, não soa bem aos ouvidos. Pinte esse rosto que eu gosto e que é só seu. Com todos aqueles lápis que fazem de você uma criança brincando de colorir o desejo. 54
  56. 56. No que Concerne ao Objeto de Desejo com as Lentes Helmut Newton Meus olhos para você são as lentes de Helmut Newton. Quando miro os teus passos, botas, chapéu, sobretudo, me sinto com a câmera de Helmut Newton a lhe mostrar para o mundo, 55
  57. 57. os olhos das fêmeas & dos machos, você no espelho, como naquelas clássicas para a Vogue, minhas retinas a disse- cá-la, cada gesto, elipse, cada pose. 56
  58. 58. Donde uma Enfermeira me Faz Sentir o Gosto da Pequena Morte Adoecer para ter por perto uma linda e vapo- rosa enfermeira, como aquela que conheci no metrô. Pernas roliças, injeções na veia sem dó. A medir o pulso de hora em hora, a sentir minha 57
  59. 59. febre, a ver a paudu- rescência por debaixo daqueles lençóis tão brancos. Morrer de pau duro e nos braços dela, eutanásia por via oral, só para chegar gozando na frente do Todo-Pode- roso ou do velho Demo. Só para não chegar de cara na chatice da vida eterna. Petit mort, petite mort; a arte é longa, a vida é breve. 58
  60. 60. “Pois é bom que saibais que nenhum fornicário ou impuro ou avarento, ‘que é um idólatra’, tem he- rança no Reino de Cristo e de Deus.” (Ef 5,5) 59
  61. 61. Da Receita para Enxugar o Desassossego Da cor das lentes dos meus óculos verdes o absinto que os amigos Terron & Isabel me trouxeram da curva do rio Tejo. 60
  62. 62. Bebo lentamente a gar- rafa, para enxugar o desassossego, para in- vocar Sá-carneiro e a sua ponte do tédio en- tre ele & o outro, bebo para celebrar as quedas e por amor desesperado aos meus passos mais trôpegos. Meus óculos de absinto cada lente é uma roda de imaginária bicicleta bêbada tentando andar no fundo do cálice. 61
  63. 63. vejo uma menina que não tive sobre os aros da mesma bicicleta, vesti- dinho com flores que se acendem no atrito da roda e do dínamo... e que coincidência, ami- gos de belas noites e tranqueiras: no dia em que a garrafa pousou na minha sorte, ela estava a mudar-se, malas e cuias, para os ares lisboetas... seria a mãe da menina fictícia. 62
  64. 64. Há uma canção no fundo da garrafa desse absinto, destampo-a, ela salta: algo como Nick Cave cantan- do um fado. Há um desespero na mi- nha dança. Fome de viver da gota! vida modo de usar: as 78 rotações de uma agulha sobre o bolero de dores & vinil de pal- meira carnaúba. Ela, cabelos feito algas marinhas, bóia no fundo 63
  65. 65. da garrafa verde. As sobrancelhas espessas e cheias de dúvidas, mis- turo mulheres do pas- sado como se fossem bebidas. Entorno a morte amo- rosa, destilada e pura, en- velhecida nos barris das devoções mais ímpias. 64
  66. 66. Da Artemísia Absinthium e dos Fogos, os Fogos de Dentro Naquela hora ali, me- nina, chegaste já bêba- da e a casa também pa- recia incendiada. Naquela hora ali, me- nina, a geografia das nossas origens sibila- vam mais que os nossos sotaques. Naquela missa de corpo 65
  67. 67. presente te confessei pu- nhetas anteriores. Naquela prece, rezamos lentamente pelos supos- tamente traídos ligados ao nosso mundo, em- bora não acreditássemos que estávamos traindo quemquer que fosse. Levius fit patientia.* Naquela reza de joelhos, o boquete dos deuses. Naquela minha cerimô- nia do beija-pés, a desco- 66 *A resignação alivia
  68. 68. berta dos teus passos, além do número que calças... ainda guardado na memória. Naquela tua bucetinha menstruada, o segredo de todos os amores e mares vermelhos. Naquele corpinho, mon amour meu bem ma femme, sem depilar direito. Naquele mato o segre- do, os caminhos, as ve- redas por onde nos le- vam os pêlos. 67
  69. 69. Naquele momento a tua promessa desnecessária: mais na frente uma pho- da cheirosa e sem pêlos teremos. Naquela hora o fósforo riscou os pelinhos da tua buceta, depois que joguei absinto para lambê-la. 68
  70. 70. Da Sociedade dos Amigos do Crime e de Alguns dos Seus Mandamentos Só nos resta uma saída honrosa a esta altura da balbúrdia que toma con- ta do mundo: inscrever- mos nossos batismos na 69
  71. 71. velha Sociedade dos Ami- gos do Crime. As regras são quase as mesmas, com algumas poucas atualiza- ções da crônica de costu- mes dos tempos do marquês. Vale sobretudo o artigo segundo: “O indivíduo que queira ser admitido na socie- dade deve renunciar a toda espécie de religião, submetendo-se a provas que constatarão seu des- prezo por esses cultos 70
  72. 72. humanos e seu quimé- rico objeto. O mais leve retorno de sua parte a tais asneiras implicará sua exclusão imediata”. Lembremos também o artigo 12º: “Nos horários consagra- dos ao prazer, todos os irmãos devem estar nus e misturar-se uns com os outros, gozando indistin- tamente...” 71
  73. 73. 72
  74. 74. Donde a Falsa Castidade Parece Dominar o Ambiente Depois de meses sepa- rados, o reencontro apa- rentemente casto. O marzinho de remorsos nas lágrimas sobre a espuma flutuante do branco dos olhos. O zelo um pelo outro... Já haviam se estragado 73
  75. 75. ao máximo, chá com porradas, como na lírica de acaso. E cai a noite, e com ela o suspense da phoda. Saem juntos, e agora? Até beijam em público, senhoras & senhores! Sobre suas cabeças le- gendas de pássaros peri- quitosos. Ou de rapinas, esses ca- ralhos de asa. E haja delicadeza a es- pezinhar o velho Eros. 74
  76. 76. Na peleja de todos con- tra Tânatos. O cordel dos infernos. Depois o fim do teatro e a phoda de fato. Ela no cuzinho dele com língua pra mais de metro. 75
  77. 77. Donde as Almas se Entendem e - os Corpos Dizem Não Da agonia da phoda, dos pés que não batem direito lá embaixo, do pau e da buceta que pa- recem dois inimigos clássicos, dos membros inferiores e superiores desajeitados, dos cora- ções que batem mas não 76
  78. 78. tocam de ouvido, das almas que podem até se entender lá nas nuvens, dos corpos que tilintam fogo mas não intera- gem, da dramaturgia da cama como fim de um grande e interessantís- simo prefácio. 77
  79. 79. No que Concerne ao Lapsus Linguae Aqui o lapso de língua diz respeito àquela cria- tura que preguiçosa- mente se debruça sobre 78
  80. 80. a vulva ou o pau e não se devota, limitando-se a um mero favor sexual sem vigor ou alma. A burocratização do sagra- do ato de sorver o objeto de desejo. Falta de manga na infância, no caso dos meninos; falta de espiga de milho cozido, no to- cante às meninas. 79
  81. 81. A Medida para o Malho Gregório de Matos A medida para o malho Pela taxa da Cafeira, Que tem do malho a craveira, São dois palmos de caralho; Não quer nisto dar um talho, 80
  82. 82. E eu zombo do seu empenho, Pois, tendo um palmo de lenho, Com que outras putas desalmo, Inda que tenho um só palmo, Não quero mais do que tenho. 81
  83. 83. Da Fábula de um Camponês que Acreditava nas Encrencas de Amor para Vender Flores “A essa hora, meu filho, casais já brigam, maiores barracos, maiores dê- erres (discussões de rela- ções), e tu ainda a espre- guiçar-te”, disse o pe- queno agricultor ao fi- 82
  84. 84. lho homem. “Levanta- te, vamos plantar flores.” “Mas meu pai, prefiro que o suor do meu tra- balho sirva tão-somente para as festas, os casa- mentos, as celebrações...”, es- forçou-se o rebento. “Se formos depender ape- nas de falsidades e efemé- rides, morreremos todos de fome; os casais brigados é que precisam de nós como abelhas carecem de pólen.” 83
  85. 85. 84
  86. 86. De como o Catecismo de Vossa Santidade, o Papa Bento XVI, vê o Mundo no Século XXI 85
  87. 87. Luxúria - desejo desor- denado do prazer sexual, quando buscado por si mesmo, isolado das fina- lidades da procriação e da união. (Tópico nº 2351 do Catecismo da Igreja Católica) Masturbação - excita- ção voluntária dos órgãos genitais a fim de conse- guir prazer sexual. Ato intrínseco e gravemente desordenado. (Nº 2352). 86
  88. 88. Fornicação - união carnal fora do casamen- to entre um homem e uma mulher livres. É gravemente contrária à dignidade das pessoas e da sexualidade humana, naturalmente ordenada para o bem dos esposos, bem como para a gera- ção e a educação dos fi- lhos. (Nº 2353) Pornografia - retirar os atos sexuais, reais ou simulados, da intimi- 87
  89. 89. dade dos parceiros para exibi-los a terceiros de maneira deliberada. Atenta gravemente con- tra a dignidade daquele que a pratica. (Nº 2354) Prostituição - viola a castidade à qual a pessoa se comprometeu no seu batismo e mancha seu corpo, templo do Es- pírito Santo. É um fla- gelo social. (Nº 2355) 88
  90. 90. Homossexualidade – sua origem psíquica conti- nua amplamente inexpli- cada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como deprava- ções graves (Gn 19,1-29; Rom 1,24-27;1Cor6,10;1Tm1,10),a tradição sempre declarou que os atos de homosse- xualidade são intrinseca- mente desordenados. São contrários à lei natural. Em caso algum podem ser aprovados. (Nº 2357) 89
  91. 91. Do que Dizem os Peitos Independentemente da Dona 90
  92. 92. “Ai, meus peitos estão tão inchados e grandes!”, diz ela, lindamente mens- truada. Quando os peitos dela saltam da blusa, parecem dizer coisas independen- temente da dona; as tetas tremem, aqueles segun- dos de existência pró- pria, capazes de convul- sões nas retinas; quando os peitos dela saltam, há um novo discurso no mundo, falam mais do 91
  93. 93. que toda a Escola de Frankfurt, orações, dia- tribes, blasfêmias, Boca- ge e suas obras comple- tas; quando os peitos de- la saltam da blusa, meu deus, a humanidade pa- ralisa, os cegos vêem, levanta-te e anda, até Lázaro se anima; quan- do os peitos dela saltam da blusa, um espetáculo, a carne trêmula, a meto- nímia da existência, a câmera escura, o lambe- 92
  94. 94. lambe da minha ce- gueira, o 3x4, rolleyflex, a digital, o instantâneo, o postal-mor, as coisas findas que a polaróide guardou. 93
  95. 95. De um Soneto de Bocage Sampleado Lá quando em mim perder a humanidade Mais um daqueles que não fazem falta, Verbi-gratia o teólogo, o peralta, Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade; 94
  96. 96. Não quero funeral comunidade, Que engrole sub-venites em voz alta; Pingados gatarrões, gente de malta, Eu também vos dispenso a caridade; Mas quando ferru- genta enxada idosa Sepulcro me cavar em ermo outeiro, Lavre-me este epitáfio mão piedosa: 95
  97. 97. “Aqui dorme Bocage, o putanheiro; Passou vida folgada e milagrosa; Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro”. 96
  98. 98. Donde se Renega o Priapismo para Fazê-la Mais Forte Desse pau duro que me atormenta, qual doença, e não permite o milagre da sua boca; como fazê- loendurecerseestásempre rijo? Mesmo quando não preciso? Nossa senhora das flores de Genet, nossa senhora das broxadas, fazei-me 97
  99. 99. de mim instrumento dos seus fracassos, para que o meu membro triste só se alegre naquela língua mais devassa. Que esse pau duro seja mais falível, para torná- la mais forte, quase um milagre; que a minha fraqueza oferece como uma reza de beata. 98
  100. 100. De todas as Glândulas do Amor “A mulher amada/quan- do mija/é só refresqui- nho/de graviola.” (Marcelo Mário de Melo) 99
  101. 101. Tudo é lindo na mu- lher amada, melhor ainda os cheiros fortes, fedores e sujeirinhas da mulher amada, o suor- zinho das axilas da mu- lher amada, quase uma bucetinha a mais as axilas da mulher ama- da, meu deus, lá está a danada, sob o solzão veranico se derrete a mulher amada, gosto de apreciar a merdinha bem esculpida da mu- 100
  102. 102. lher amada, tão minha e tão íntima, saló, saló, o suorzinho de todas as juntas e dobradiças, ali debaixo do joelho, eu quero, e quando a per- na dobra, o salzinho sobre os olhos quando a gente beija, o pescoci- nho suado, lindamente grudento, por favor, amigos do comércio, não vendam desodo- rantes à mulher amada, não vendam ar-condi- 101
  103. 103. cionados, não refres- quem a costela amada, tudo é perfume francês na mulher amada, o mijo é licorzinho dos deuses, sob o céu que nos protege, golden shower que traz bo- nança, sustança, chega meu rosto sertões-ve- reda refloresce, os pás- saros cantam na caixa torácica, derrama, der- rama, derrama, amor da porra a descer pela 102
  104. 104. perna esquerda, da mu- lher amada, lambuza- mentos que encobrem as feridas doutrora, tu- do lindo a escorrer, fa- rejo todos os cheiros da danada, o olho do cuzi- nho, velho Bataille, é lirismo só, rapaz, exala o sentido da vida e mais um pouco, resume o mundo, guarda os se- gredos dela inteira, mulher é metonímia, cada partezinha uma 103
  105. 105. giganta [d´àpres Bau- delaire], ali, sim, no cuzinho, again, está o silêncio mais lindo da mulher amada, donde tudo é lindo, tudo é sorte, tudo delírio, o cuzinho em flor da mulher amada, coxas, o pezinho sujo nas ha- vaianas, poeira das ruas, marcas, cerimô- nia do lava-pés da mu- lher amada, lambendo os dedinhos, descoberta 104
  106. 106. dos segredos dos seus passos, direito de ir e vir entre seus rins, co- mo na canção, assim como na vida, agora o cheiro da foda por toda a casa, a atrair os pássa- ros lá de fora, que en- contram os pássaros da caixa torácica, que, co- mo a capa da música do Rei, assistem a tudo e não dizem nada, tudo é lindo e belamente dra- mático na foda, mecâ- 105
  107. 107. nica da carne que se en- rosca, o pau come até a alma, paudurescência ad infinitum, o amor é mes- mo o viagra do espírito. 106
  108. 108. No que Concerne a um Desabafo Particular acerca d’Alma e do Esqueleto Adoro imitar David Bo- wie e comer flores em cercas & festas, fome de viver, como agora no ani- versário dela, estrela. Umas 20 flores vermelhas no estômago e 30 rosas 107
  109. 109. amarelas, como as do cabelo de f., olha lá mr. Coelho-de-Alice, visse!, num sou de sair de casa para fingir que existo qual gente-isopor que se mata apenas pelo tra- balho e vai morrer por isso com muito gelo n´alma e bajulice, sebo- sa soul, cool que só ven- do, dinheiro em forma de vermes neoliberais a roer o esqueleto, prefiro um ensaio de amor, uma 108
  110. 110. suruba-lounge, a mes- ma rosa amarela de Ca- piba & Carlos Pena Fi- lho, ah, o lirismo, fu- deu, e quero ver quem vai ser mais rico do que eu quando o caixão des- cer, quando o forno cre- mar, quando a vela acender no velório do notório, quero ver o narcisismo derretendo nas mãos dos piedosos cristãos ou dos salvado- res judeus, sejam men- 109
  111. 111. digos ou banqueiros, adoro os mortos cheios de dinheiro. FUDEUS. Graças a Zeus, quero ver qualé o bom, a boa, quando as ilusões per- didas forem cremadas e restar apenas eu e o ve- lho Capitão Fracasso a zombar de todos nas crendices na madrugada. 110
  112. 112. 111
  113. 113. Do que Dizem os Peitos Pequenos e Outras Grandezas do Amor Cesse tudo que a musa siliconada canta, que um peitinho mais alto se alevanta. Furando a ca- miseta, como nenhuma outra teta; entregue à boca, devoção quase materna; entre o céu e a 112
  114. 114. língua, que o celebra; depois o outro, o da es- querda, adonde bate a existência; o céu, a ter- ra, a devoção, os deuses que dançam naquela magreza; um peitinho dizendo pro outro, co- mo num flerte, lá vem o homem que nos merece, já pensaste? 113
  115. 115. Do Dia em que Fui Dublê de Deus, o Todo-Poderoso Toma, Adão, chupa essa maçazinha, essa pêra, es- sa manga, coisa mais lin- da, ordenei, naquela ter- túlia celebrativa; donde Adão tomou aque- le peitinho gostoso na sua boca e assanhou serpentes aliteratosas & passantes; 114
  116. 116. enquanto isso, L., bela e altiva, explorava a mes- ma vulva; este que vos reza orde- nava com a mão esquer- da e fazia justiça, em contra-plongé, com a direita; tudo como havia copia- do do sr. Sebastião Nunes, renomado autor do código do bom-tom do maneta; me sentia o próprio Deus, à imagem e seme- 115
  117. 117. lhança do barbudo que havia visto no pequeno catecismo católico, obra do Vigário de São Sul- pício, tenho dito; libreto este que havia subtraído, na véspera do ataque final das traças, da residência de um cer- to Reiners, que por sua vez, amigo dos bons, ha- via herdado tal volume da fortuna ex-libris do bem-aventurado Xavier, o Valêncio, o da Peste; 116
  118. 118. de modo que, como ia dizendo, ninguém co- meu, naquela suruba lounge, o fructo prohi- bido; e ali mesmo en- cerrei minha carreira de Deus, que é muita res- ponsa, rapaz, para este seu pobre inquilino. 117
  119. 119. 118
  120. 120. Do Entendimento Particular do Escriba sobre Pornografia 119
  121. 121. No que concerne à arte de amar, à moda Bataille & Sade, não à modinha de Ovídio – muito pro- filático. Boca suja e libertária, língua, cu- nilingus. Chupar manga e sorver milho cozido como pedagogia forma- dora do sexo oral para mocinhas e mancebos. Pornodevoções. Aos te- us pés, a submissão ocasional contra o poli- ticamente correto, con- 120
  122. 122. tra a divisão de tarefas, a favor do escravo na alcova, por uma nova erótica, sempre, e em todos os sentidos. Uma erótica sempre acima da econômica de Xe- nofontes ou dos dias que escorrem como a menstruação – espe- rando Godot? Não. Todo mês esperando o Chico. A pornografia contra o novo papa, a pornografia como hós- 121
  123. 123. tia consagrada, a por- nografia como nossos jardins mais secretos. 122
  124. 124. Da Justificativa Específica da Pedagogia da Manga Chupar manga desde a aurora dos anos educa para o ato de sorver uma buceta com gosto e de- licadeza. Lambuzamen- to sem cerimônia. Vezes só um fiozinho de fibra 123
  125. 125. entre os dentes, como um pentelho; vezes o mergulho da face toda sobre a vulva amada. Chupar com gosto, dei- xar o nariz pleno daque- le cheiro o dia todo, as- sim como o aroma pre- servado na ponta dos dedos. Evitar lavar as mãos para explorar, nos passeios, hedonismo do flâneur, o olfato na ponta dos mesmos dedos. 124
  126. 126. No que Concerne Bater e do que Significa Apanhar Entrar antes de bater ou bater antes de entrar? Na dúvida, vá testando com pegadas mais brus- cas, tapinhas, semi-ta- pas... A intimidade não tem pressa para se esta- belecer. Na bunda, bata sem medo, mas sem 125
  127. 127. exagero de lenhador. Se a pedidos, construa um hiato entre o que se reivindica e o amor de pica. É preciso que ela feche os olhos antes, para sentir o que pede, e até duvide que será atendida, embora saiba que merece. 126
  128. 128. Da Estética dos Prazeres Compartilhados Essa eu aprendi com Michel Foucault, quem diria, num livrinho que se lê no avião, no ônibus, no último metrô – A mu- lher/Os rapazes. A arte do vínculo conjugal. Fi- quei a favor dos estóicos, que não fogem do casa- 127
  129. 129. mento, como os cínicos; depois me bateu a dú- vida: não estarei eu mais para os cínicos? Havia saído de um grande amor e sofria a tentativa de recanalhizar-me, coi- sa difícil, pois as moças lindas, andarilhas nas terças francesas do Vegas <rua Augusta!>, desper- tam vontade de casar... Mas preguei os olhos nis- so: “Da estética dos pra- zeres compartilhados”. 128
  130. 130. Ótimo. O casamento não como algo objetivo e procriador, falo como a arte de dormir de con- chinha, amanhã de ma- nhã, o café pra nós dois, como canta o Rei. Há uma linguagem nos pra- zeres divididos, não obri- gatoriamente da lingua- gem periquitosa... como aquelas aves que desper- tam a fúria do narrador de Graciliano em São Bernardo... 129
  131. 131. Embora haja, sim, a ne- cessidade de uma esté- tica das mãos dadas, do passeio, dos óculos es- curos gastos sob o mes- mo sol, da invenção do flâneur-pombinhos, da felicidade imediatista e besta do almoço dos domingos. 130
  132. 132. De um Grande e Antigo Preceito Conjugal ou a Casa Vai Cair 131
  133. 133. Depois de Plutarco, ve- lho sábio: evitar porrada verbal ou disputa no quarto de dormir. “Não é fácil apaziguar num outro lugar as discórdias e recriminações que a ca- ma provoca”, dizia o sá- bio cabrón. Pior ainda, sibilava o mesmo mestre, é dormir em cama sepa- rada – ou no sofá de hoje –porqualquerbriguinha. “É nesse momento que se deve invocar Afrodite”. 132
  134. 134. No que Concerne ao Quaerens Quem Devoret Ou procurando alguém para devorar. Assim o glorioso São Pedro, na primeira epístola uni- versal, versículo 8, se refere ao capeta. Assim podemos nos ver em al- guns momentos da exis- 133
  135. 135. tência, com a urgência da carne a nos tocar co- mo um alarme histérico e necessário. Elimine- mos o temor do arre- pendimento à luz de Santo Agostinho, que um dia, no altar da sabe- doria, nos disse: “Se- nhor, livrai-me das ten- tações, mas não hoje!”. 134
  136. 136. Da Falta de Esforço Mínimo para Manter o Acasalamento Basta ter algum níquel, algum recurso, para se- parar-se mais fácil. Qualquer D.R. (discus- são de relação), lá vai um ou outro para o flat, o hotel, a casa da mãe. 135
  137. 137. Ninguém quebra mais o pau de fato, o que é um defeito. Casar mais de- moradamente virou coisa de operário, que não tem dinheiro para o des- manche burocrático. 136
  138. 138. Da Objetividade Repetida sobre o Beijo & Sentimentos Posteriores A phoda inicial sendo péssima, não há motivo algum para desacreditar na paixão que crepita, recupera-se; em o beijo sendo deslocado e sem gosto, esqueça! 137
  139. 139. No que Concerne à Boemia e às Dores que Andam O flâneur está vivo. No pé-sujo, no bote- quim, mesmo no bote- quim que mimetiza vi- sualmente a velha guar- da, na esquina. O boê- mio não sucumbiu à violência urbana, até porque todo boêmio é de alguma forma bandido. 138
  140. 140. O boêmio está menos literário, mas não o b r i g a t o r i a m e n t e menos romântico. Isso não é um defeito. O contrário do operário, na nova ordem, é o boêmio desempregado. O garçom como psica- nalista das massas bê- badas e suas dores de corno. A cachaça como remate populista dos tristes trópicos, o chute na bunda de Saturno, a 139
  141. 141. queda como alegoria do nosso direito atávico ao berço esplêndido, a ce- lebração da sarjeta. 140
  142. 142. Acerca do Qui Bene Amat, Bene Castigat A expressão em latim é simples: quem ama bem, castiga bem. Aqui tra- tamos não somente da posse imaginária sobre o território amoroso. Os buracos d´alma são mais intrigantes. Aqui caberia perfeitamente os discur- sos da perversidade como 141
  143. 143. forma de manter a cria- tura amada colada à sua costela. Além dos cas- tigos físicos mais verda- deiros, como os tapas & tapinhas, os pingos de- votos da vela sobre a bundinha a ser devora- da, o semi-estupro car- regado de álibis, o tango primeiro e único sobre taco da sala do amante ainda estrangeiro aos olhos. 142
  144. 144. Das Plantas do Jardim da Nossa Casa É preciso, por mais ocu- pado e endinheirado que seja o casal, manter algu- ma atividade conjunta no gerenciamento do lar, na arrumação da casa, no enfeite do ninho, no ze- lo pela alcova. Empurrar carrinhos de supermercado pode ser 143
  145. 145. um saco, existem até profissionais modernos para isso – além de ar- rumar os armários etc. –, mas inventem algo para fazerem juntos: ce- lebrações, festas, janta- res, receber amigos, uma suruba-light que seja... Não deixem tudo nas mãos dos serviçais, por mais que vocês sejam barões. Cortem um alho juntos, mudem 144
  146. 146. uma planta de lugar, façam um arroz-de- puta (aquela refeição tirada das sobras com- pletas da geladeira), en- cham as garrafas d´água, lavem terapêuticos pra- tos, deixem de ser me- tidos a bestas. 145
  147. 147. Da Reinvenção da Erótica do Acasalamento & Outras Práticas Nobres Não aquele bacanal anos 1970, coisa mais démodé. Falamos de um congraçamento fim-de- festa. Um beijo aqui em um, um beijo ali em ou- tra. Uma dança gostosa, uma devoção na contra- 146
  148. 148. mão da casa, uma ida ao banheiro, flertes, um boquete na escada, um fumo e uma rapidinha na varanda... Erotismo enevoado que vai ficar na memória para lindas phodas do casal nos dias seguintes, sem que ne- nhum tenha perdido pra valer o rumo da vida ou estado das coisas. 147
  149. 149. No que Concerne Simplesmente ao Fio-terra Não adianta nem ten- tar ignorar, a próstata é quase tudo no nosso sentimento do mundo. Nada maior nem menor que um toque, já dizia o libertário-mor Walt Whitman. 148
  150. 150. 149
  151. 151. De como Esperar Pacientemente que a Amada Escolha a Roupa para Sair O que fazer enquanto sua mulher, amante ou namorada se arruma para sair? Aí está uma das grandes questões da humani- dade. Sorte tinha Adão, que pegou o mundo ain- 150
  152. 152. da sem muitas opções no vestuário e longe, muito longe da praga da indús- tria fashion. Mesmo assim, Eva demo- rava horrores para esco- lher a parreira mais fresca, a mais enfeitada, aquela com detalhes e nervuras que lembram a costura de um Ronaldo Fraga, de um Herch- covitch, nossos moder- nos estilistas. O que fazer enquanto 151
  153. 153. ela põe roupa e tira rou- pa, mulher alterada, doida demais, peça por peça do armário? Põe e tira, vai ao espe- lho, pede a sua opinião... Liga para pedir a opi- nião da melhor amiga – afinal de contas, você, velho macho conserva- dor, não entende nada dessas modinhas –, volta ao espelho, muda só a parte de baixo, agora muda só a parte de cima, 152
  154. 154. troca o brinco, o colar novo, “ah, esse não combina...” Não adianta você, caro amigo, dizer que está ótimo, dizer que nunca viu mulher tão linda, dizer que nunca a viu tão deusa, dizer que é a mulher da sua vida, a que se veste melhor, a de gosto estupendo, a mais francesa das francesas, a bonequinha de luxo posando na frente da 153
  155. 155. Tiffany, a Audrey das Audreys, Catherine De- neuve, Juliette Bino- che... De nada adianta. Fica- mos falando sozinhos nesse momento ímpar do mulherio. O que fazer então?, co- mo perguntava o velho Lênin. Relax, meu jovem, re- lax, caro mancebo, tran- qüilidade, cabrón. Como não tem remédio e nem 154
  156. 156. nunca terá, o jeito é retomar o tempo perdi- do a nosso favor. Já tive mulheres que demora- vam o tempo de um jogo de futebol – com pror- rogação e morte súbita – para escolher a “roupa certa”. Vi muitas deci- sões de campeonato gra- ças às dúvidas fashion da costela amada. Gracias. Puta escritores, como o velho Hemingway, dei- xaram grandes obras 155
  157. 157. graças às demoras das “patroas”. Grandes in- ventores, idem. O hu- morista Grouxo Marx agradeceu publicamente à sua mulher por deixá- lo livre para criar ótimas piadas nesses intervalos. Palavras cruzadas e pa- ciência, o jogo, também caem bem para a ocasião. 156
  158. 158. No que Concerne a um Encontro Abençoado com uma Virgem Mesmo sendo rara e milagrosa tal acontecên- cia nos dias que correm, é bom que estejamos pre- parados para a eventua- lidade. Primeiro mandamento: masque o chiclete da pa- ciência, não tenha pressa. 157
  159. 159. Os vinhos, evoé Baco!, são bem-vindos para o amaciamento das culpas. Não conversem exclusi- vamente sobre tal ato, amedronta e soa desne- cessária tal metalingua- gem. Muito menos banalize aquela cerimônia; trate- a como um ritual de an- tigos deuses. Acenda velas pela casa, ponha para tocar um bangra, um trance, a 158
  160. 160. Arizona Dream de Iggy Pop & Goran Bregovic ou, melhor ainda, Mistery Train, do velho Elvis. O uso de lubrificante não desmerece tal sagra- ção de primaveras. No leito, lençóis bran- cos, para que as man- chas de sangue tenham a força de um quadro de Pollock. 159
  161. 161. 160
  162. 162. De um banho para Devolver a Mansidão aos Lares Sentados sobre o chão da banheira, acalmamos lentamente nossos apo- calipses e apagamos o fo- go dos nossos mais escon- didos infernos. 161
  163. 163. Do Amor nos Tempos das Novas Ferramentas Em dez minutos, pron- to, você está lá na maior das intimidades com o rapaz ou a rapariga. Tudo aquilo que demo- rava dias, meses, com as cartas ou flertes da vida real, virou coisa de segundos nesse outro plano. 162
  164. 164. É o amor nos tempos do MSN, o Messenger, o amor nos tempos do Or- kut, chats, comunidades e tantas outras gerin- gonças. Tudo muito rá- pido, espécie de miojo sentimental, emoções baratas. Você nem carece pegar na mão, já vai direto pra cama, pra detrás da moita mais platônica. Não carece nem cantar Paulinho da Viola, olá 163
  165. 165. como vai, quanto tempo, pois é, quanto tempo... O amor nos tempos da velocidade tecnológica. E o novo problema já está ficando velho, grego, decifra-me ou te deleto: como transformar uma tara platônica em uma transa homérica? 164
  166. 166. De uma Madame Bovary destes Tempos Modernos E a conjunção virtual não é coisa apenas desses moços, pobres moços. Minha amiga K., por exemplo, 55 anos, Ma- dame Bovary dos tem- pos digitais, tem quatro amantes “fixos” no Mes- senger, além do marido 165
  167. 167. de carne, osso e ronco. “Vou deixar um deles, pois não tem compa- recido a contento”, solta a blague. Todos jovens, quase donzelos, meu Deus. 166
  168. 168. Donde uma Menina Má Provoca o Tio no Bate-papo Virtual 167
  169. 169. Me conta que deu pro maconheiro cabeludo ali no quarto da casa da família mesmo. O cuzi- nho. As meninas que contam história para animar a vida do tio. Bem na hora do almoço. Barulho da família. A primeira vez que deu o cuzinho foi numa praia do Nordeste. Meio tubo de K&Y na viagem. As- sanha o tio com uma fo- to de shortinho. Menina 168
  170. 170. má. A mãe já via essa maldade toda desde ce- do, ela diz. A mãe odeia o cabeludo maconheiro. Mãe é mãe. A lolita má gosta de foder perto da família, equalizar os sus- surros de acordo com os decibéis do Strokes que rolam na casa naquela justa hora. Mas outro dia deu num parque, pena que o cara andava perfu- mado, “gosto de cheiro de homem, sabe?” 169
  171. 171. 170
  172. 172. No que Concerne aos Espasmos da Nostalgia Antes bastava ficar de olho na chegada do car- teiro, o bravo homem de amarelo, com o seu em- bornal de cobranças, boas novas ou lágrimas... Amor e tecnologia, um falso abraço. E-mails, chats, Messenger etc. No princípio era apenas 171
  173. 173. o bina, e matou o velho mistério do telefonema mudo e anônimo. Ofe- gante, a criatura, apai- xonada, ligava só para ouvir a voz do obscuro objeto de desejo do outro lado da linha. Ou man- dava uma música do Rei, de preferência a mais romântica: “Vou caval- gar por toda noite, nu- ma estrada colorida...” É, o telefonema dos de- sencorajados do amor, 172
  174. 174. esse clássico das anti- gas, está praticamente enterrado. 173
  175. 175. Da Chegada da Telefonia Móvel e o Prejuízo do Canalha Depois, chegou a tele- fonia móvel. Uma revo- lução na crônica de cos- tumes. O fim de muitas desculpas canalhas. Tipo aquele homem que tomava um chá de sumiço e voltava, batom até na alma, com os 174
  176. 176. álibis mais inverossímeis desse planeta. Outra alvissareira fun- ção do celular é fugir dos mal-assombros senti- mentais. Você quer ir numa festa e sabe que aquele infeliz pode estar lá, serelepe, nos braços de uma “vagabunda” qualquer. Uma ligação e pronto, o amigo dá o ser- viço completo das as- sombrações. Pena que o mesmo aparelho tam- 175
  177. 177. bém sirva para matar as surpresas, o friozinho na barriga, aquela coisa toda, lembra? 176
  178. 178. Donde Tratamos do Noli me Tangere Em outras palavras, no português mais român- tico e derramado: não me toques. Na Bíblia, a expressão é sibilada na- quele momento em que Jesus Cristo, todo-pode- roso, surge para Maria Madalena e, todo-cheio- de-dedos, implora para 177
  179. 179. não ser tocado. O medo do goleiro diante do pê- nalti, o temor do que ama diante das tentações da carne do açougue mais humano. Vade retro, Satanás. 178
  180. 180. Da Elegância da Solidão e Contra o Periquitismo Publicitário Aproveito o barulho de uma efeméride, dia dos namorados, para tratar das vantagens da solidão – essa pantera inse- parável, como dizia Au- gusto dos Anjos –, que nunca teve direito a um segundo de comercial na 179
  181. 181. TV ou qualquer fogue- tório do gênero. Vender celular, por exem- plo, essa febre que virou brinco em todas as ore- lhas de jovens e mada- mes, não combina bem com o mundo das damas e dos cavalheiros solitá- rios. A alma do negócio é outra, mesmo que falsa: o apelo é feito para quem tem amores, quem tem muitos amigos... Cadastrem os 180
  182. 182. casos, as amantes, as na- moradas, o papagaio... e falem mais barato o mi- nuto... Periquitismo do amorpublicitário. O massacre é tanto que alguns solitários se tran- cam dentro de suas casas em finais de semana co- mo este que passou. A vergonha de ser sozi- nho(a) depois de tanto samba-exaltação e “feli- cidade” publicitária em torno da data. 181
  183. 183. 182
  184. 184. De quão Luxuosos Podem Ser as Damas e os Cavalheiros Solitários 183
  185. 185. Nada mais elegante do que a solidão tranqüila, um trago no balcão do bar, ninguém para en- cher o saco – a não ser os chatos que se multipli- cam por aí, onipresen- tes, malas, malas, malas. Esses, porém, a gente se livra fácil, não voltam para os nossos lares do- ces lares. Não que o amor não seja lindo. Nada disso. “Te amo, porra”, bem sabes, 184
  186. 186. como diria o Pereio. É óbvio que vivemos grandes momentos en- venenados por Cupido. O que faço nestas mal- traçadas linhas é uma defesa da decência so- litária, o direito até de esnobar com um “I want to be alone” à Greta Garbo. De não se deixar adoecer pela ditadura da falsa felicidade publicitária! De chegar em casa feliz, 185
  187. 187. botar um disco novo, tomar um uísque... De cantar Antonio Maria da forma mais irônica, como ele também hoje cantaria: “Ninguém me ama/ninguém me quer/- ninguém me chama/de Baudelaire...” 186
  188. 188. Do Amor que Fica e Ainda Contra o Comércio dos Pombinhos De adolescentemente “ficar”, ficar, ficar, ir ficando... O amor que fica. Não se deixe intimidar pelos coraçõezinhos de vento que tomam conta dos tetos das churrasca- rias, cantinas e restau- 187
  189. 189. rantes nas principais efe- mérides, dia das mães, dia dos pais, dia dos namorados... Lembre-se das falsas pro- messas, dos chifres, das ilusões perdidas... O amor é assim mesmo, como nos disse Carlos, hoje beija, amanhã não beija... agora é segunda- feira, dia de Santo An- tonio, e ninguém sabe o que será. 188
  190. 190. Da Regra sobre as Regras e da Travessia de Outros Mares Vermelhos 189
  191. 191. Não deve haver ceri- mônia diante do ciclo; nem mesmo para o sexo oral mais devoto; sair de lá debaixo tin- gido, tingido; o orgulho diante do es- pelho,comoumapintura, urucum no rosto; as fuças cheirando o san- gue mais puro; 190
  192. 192. os lençóis brancos com as marcas da pintura ru- pestre, tribos de alcovas e cavernas; o amor carece do gosto pelo sangue, pelas glân- dulas, pelo que vem das entranhas; contra o banho imediato após as phodas; contra os saponáceos, e contra a própria água. 191
  193. 193. No que Concerne ao Orgasmo Fingido e do Seu Belo Teatro O fingimento do gozo também pode ser uma prova de amor, como o amor vadio das putas; antesofingimentodoquea ausência da dramatur- gia amorosa de fato; 192
  194. 194. tem um quê de distan- ciamento brechtiano no orgasmo fingido; tem até mesmo um gozo que deveras sente; tem mais de verossímil no fingido do que em muitos ditos verdadeiros; a favor das que fingem com decência; melhor que fingir a ve- lha dor de cabeça; 193
  195. 195. contra a verossimilhança exagerada dos orgasmos com caras & bocas; a favor do agrado do teatro, puro teatro, co- mo na canção almodo- variana de La Lupe. 194
  196. 196. Da Ressaca e do Canalha em Busca do Engov Ético Na autoflagelação da ressaca*, o homem-inse- to, nos relhos morais contra o próprio lombo, eis a ressaca do escla- recimento... A ressaca contra o capital, mais- valia metafísica. A rebor- dosa amorosa. *D´àpres Pedro Américo, poeta do Recife. 195
  197. 197. O homem como um in- tervalo de ressacas ínti- mas ou públicas. Ressaca, a memória possível, o flash-back do declínio e da prosódia sem regula- mento. 196
  198. 198. No que Concerne ao Jus Primae Noctis O direito à primeira noi- te. Nas sociedades feu- dais, o dono da proprie- dade tinha o direito a desvirginar as noivas em substituição aos noi-vos escravos. Na Casa-Gran- de & Senzala brasi-leira, idem. E não nos espanta que a prática ainda im- pere sob as cha-minés da 197
  199. 199. nova indústria, ampli- ando ainda mais a saca- nagem da mais-valia explícita. 198
  200. 200. 199
  201. 201. No que Diz Respeito ao Encontro de Tereza, Filósofa, com Jesus, e da Devoção Suprema que Herdamos desse Encontro Lamber aquele sangue todo, talvez enfiar mais espinhos, pregos, o gozo pelo sofrimento d´outro; daí também a piedade, sentar em cima daquela 200
  202. 202. pica sofrida de homem que foi, martírios d´al- ma, desejo que dentro dela há tanto tempo ar- de, debaixo do manto, debaixo do hábito, a bu- cetinha a maldizer la mala educación, por que escolheste o fastio, me- nina, se podias foder a vida inteira?... “Aí é que reside a tara, seu mar- quês, não vês?”, diz ela, pura e casta, nada besta nesta breve fábula. 201
  203. 203. Da Peleja das Serviçais e da Costela Amada Faxineira, diarista, em- pregada doméstica ou qualquer funcionária do lar de um homem sol- teiro é sempre uma bele- za. Um carinho, um ze- lo, botões repostos nas camisas, roupa cheirosa, 202
  204. 204. água fria na quartinha, cama, mesa e banho, tu- do no capricho. Elas tra- balham assoviando o su- cesso da hora, o hit do rádio, apesar da vida na- da fácil. Aí basta o mancebo ar- rumar um xodó, um ro- lo, um cacho, uma cos- tela... para aquele humor desmanchar-se aos pou- cos. As duas criaturas normalmente não se en- tendem, gênios difíceis. 203
  205. 205. Quem paga somos nós, porcos chauvinistas, que não teremos mais aqueles botões repostos na camisa colorida – aquela mesma, caríssi- mo Paulinho da Viola, que cobria a minha dor, na canção do amor às pressas lá no Recife. Uma não repõe os bo- tões por despeito e pro- testo contra a nova in- quilina; outra não zela por razões ideológicas: 204
  206. 206. ora, não pode incen- tivar o machismo. 205
  207. 207. De Duas Criaturas Saídas de uma Mesma Costela Duas mulheres sob o mesmo teto, a menos que você seja um poderoso 206
  208. 208. sultão, é jogo duro. Seja sogra, diarista, tia, mãe, irmã... E quando as TPMs coincidem? Vixe, fica tudo tão difícil quanto atravessar o Mar Ver- melho. E quando não batem os signos? O xodó tira um móvel de um canto, a diarista muda uma planta de lugar... A diarista esquece a teia de aranha lá no canti- nho da parede, o xodó faz um apocalipse... 207
  209. 209. O xodó implica, a diarista começa a falar bem da sua ex, com quem tam- bém fazia uma batalha sem trégua. Até o fatídico dia do juí- zo final: “Ou ela ou eu!”. As duas dizem quase em uníssono. 208
  210. 210. Das Bebidas e do Discurso Amoroso da Conquista A cerveja é uma dádiva dos deuses do trigo, mas nos primeiros encontros é uma desgraça, seus go- les quebram a prosódia, o discurso da conquista; a necessidade de ir ao banheiro, levantar-se, 209
  211. 211. desliga o sujeito do pre- dicado, como se pusesse entre eles o assassinato da vírgula; prefira os destilados nes- sas horas supremas; as elipses, as pausas, que ajudam a criar um mis- tério, podem ser feitas no próprio discurso, co- mo se a língua obedecesse a certas reticências; 210
  212. 212. as sobrancelhas, não o cérebro, são as respon- sáveis por essa linha de conduta; elas falam a babel da conquista. 211
  213. 213. No que Concerne ao Frondi Nulla Fides Fenômeno mais conhe- cido no populacho como “quem vê cara não vê coração”. 212
  214. 214. Da Oração à Nossa Sra. dos que Amam Sozinhos Nossa Sra. dos que Amam Sozinhos, perdoa- me pela insistência, nem mais é por tanto querê-la, é por deixar claro, nega que sopra das intimidades dessa oração, que só ela me faz passar da conta, perversa, cair no abismo mais lindo do gozo sem 213
  215. 215. volta, como naquele en- costo de beira de es- trada, como na rodovia estrangeira de Sam She- pard, crônicas de motel, simbora. Nossa Sra. dos que só pensam Nela, cotovelos lanhados de tanta espera, tantos sustos nas ruas, nos bares, “é ela!!!”, Nossa Sra. dos Cotovelos da Surpresa e das janelas, tão gastos, cinzas, peles, do- bras,etantafomedeviver 214
  216. 216. aqui dentro, megaloma- níaco, épico, terá sido a força do desprezo??? É mesmo a paudures- cência, nostalgia precoce das grandes phodas, o tempo inteiro, pensan- do, pensando, pensando, odiando, mas no fundo gostas! O pau lanhado de tantas punhetas monotemáticas! Nossa Sra. da Buceta Alongada que Consegue Apertar a Pica como se 215
  217. 217. Fosse a Coisa Mais Sa- grada. Nossa Senhora!!! Paudurescência sem via- grasoupílulasmilagrosas. Paudurescência por tê- la, rara. Chupar delicadamente aquele cuzinho como um cristão que dissolve na boca uma hóstia. Chupar a buceta por ho- ras, riachinhos d´águas que não se sabem donde, cada cantinho dum mapa 216
  218. 218. que se inventou só pra se perder depois; sentimento é a verdadeira bússola dumhomem,perdidodo- cemente lá embaixo, lá embaixo, daquelas tuas vestesmodernasquenun- ca te escondem. Lua cheia, pau crescente. Nossa Sra. dos que só pensam naquela gostosa que encontrei certo dia à margem esquerda do Ca- pibaribe. Nossa Sra. dos que só pensam naquela gostosaqueencontreicer- 217
  219. 219. to dia no Baixo Gávea, Nossa Sra. daquela gos- tosa que levei ontem pra casa. Nossa Sra. dos que pensam naquela gostosa que vi por acaso na es- tação Paraíso, SP, metrô! Nossa Sra. dos que fo- dem muito e amam so- zinho, Nossa Sra. dos que amam, perdoai os que apenas fodem, os que apenas gozam, go- zam, gozam!!!! 218
  220. 220. Das Drogas e dos Excitantes Modernos 219
  221. 221. A Cannabis Sativa, seja de Cabrobó ou da Índia, embala os aman- tes; melhor ainda se uma phoda na rede, co- mo nas tribos, como nas beiras dos rios; mesmo na metrópole, uma có- pula com maconha dá a ilusão de um gozo ao longe, lindo, superposto em camadas de um de- lírio leve, como aquele sonho quase acordado; 220
  222. 222. A cocaína, declarada inimiga dos amantes, pode ter seu valor se num banheiro de uma festa, num bar, na noite; não que ajude na pau- durescência, mas cola os seres sobre o mesmo es- pelho, o mesmo prato, o mesmo ego gigante; a deusa nevada aproxima para a phoda do dia seguinte; 221
  223. 223. Um quartinho de um comprimido de ácido, o velho LSD, para cada um, na saída de casa, se- guido de um restauran- te japonês com cerveja; depois sair de mãos da- das, aos beijos, aos de- lírios, pelas calçadas, meu Deus, o nirvana, a promessa de felicidade da qual falava Baude- laire, a beleza em estado puro, a beleza e só. 222
  224. 224. O Ecstasy, noves fora as contra-indicações de praxe, é uma dádiva; mais pela pegação, pela suruba-lounge, do que pela phoda instantânea; os pêlos sobem, ouriços da pista, as luzes, o mundo suspira. 223
  225. 225. Da Devoção às Putas e da Sem-gracice das Garotas de Programa Puta é a vocação e o dengo sem forçar a natureza; garota de programa é o patricismo, o dinheiro para comprar a roupa de grife ou pagar a fa- culdade, a falsa ilumi- nista da buceta; 224
  226. 226. puta é o cafuné, toda- ouvidos para o seu des- conforto e a sua angústia sob a luz vermelha; garota de programa é tão neoliberal quanto o presidente da federação das indústrias, tem um taxímetro entre as pernas; puta é tão pura quanto Nossa Senhora das Do- 225
  227. 227. res, a Virgem Imacula- da, a terceira mentira de Fátima; garota de programa é tão falsa quanto toda a igreja católica e o no- velho papa; puta é a mentira ama- dora, o orgasmo “má quê delíiiciiia!!!”, “der- rama, derrama, der- rama!!!”; 226
  228. 228. garota de programa é a mentira midiática, fria, jornalística; puta é linda como a rai- nha do lar que nos pariu; garota de programa ar- recada como um bispo; enquanto a puta canta docemente a canção de São Francisco. 227
  229. 229. Da Nostalgia Precoce e da Memória Carcomida Passava o dia espremido entre as tuas nádegas, co- mo nas obsessions de Ro- bert Crumb, aquilo é que era vida eterna, lembras?; hoje o que me resta é uma punheta meio amnésica, metonímica, partes pelo todo, coxas, peitos, asas, como no açougue. 228
  230. 230. Da História de “O” ou da Felicidade na Escravidão Era uma vez uma rapa- riga devota, masoquista, religiosa, que parava o tempo, mil e uma tardes em hotéis baratos, só para escapar do tédio, ou seja, da morte amorosa, sendo assim o referido tédio o correspondente à morte de fato que tanto 229
  231. 231. temia Sherazade, como me sopraria num sonho, dia desses, um certo Octavio Paz. 230
  232. 232. Do Prazer como Dever Permanente do Homem “...a satisfação e o con- forto das partes da mu- lher devem depender da acolhida que dão ao membro viril, e que o homem não deve conhecer descanso ou paz enquanto seu dever não tenha sido nobremente cumprido!” 231
  233. 233. [D’O Jardim Perfumado, um manual erótico árabe, obra do xeque Nefzaui] 232
  234. 234. Das Mil e Uma Acrobacias que Podem Transformar uma Grande Noite em uma Noite Meia-boca Não tente reinventar o Kama Sutra nas primeiras noites... As almas podem até se entender de imediato, mas os corpos não – exigem um certo 233
  235. 235. entrosamento, coisa que só se pega mesmo com a cadência das intimida- des, com o tempo. Com esse sexo cheio de pernas e mil e um malabaris- mos você pode levar o seu parceiro a uma bela câimbra ou contusão mais séria. Coitado, ele pode ter que fumar aquele cigarro pós-coito em uma clínica ortopé- dica ou em um milagro- so massagista japonês. 234
  236. 236. De como um Kit Erótico Exagerado Pode Fazer Perder o Foco da Vida Tudo bem que você leve em conta todo aquele repertório de fetiches masculinos que apren- deu nas revistas femini- 235
  237. 237. nas, mas cuidado pra não exagerar. Nada de pacote completo tipo lingerie, velas, incensos, óleos, culinária afrodi- síaca... Tanta coisa assim, tanta obediência aos pa- cotes eróticos do mer- cado, que vocês podem esquecer do motivo prin- cipal daquele encontro: o sexo propriamente dito e falado. 236
  238. 238. No que Concerne ao Erro do Incenso Carícias e mais carícias, musiquinha romântica no ponto, luz na medida (sim, você domina a arte do abajur e da ilumi- nação indireta!) e de re- pente você acende aque- le incenso enjoativo ca- paz de fazer o rapaz pas- sar mal (sim, vocês vie- 237
  239. 239. ram de um belo jantar!), enjoar, ir direto para o banheiro, não mais para aquela cama arrumada (sim, você tem lençóis de três mil fios!) e linda que esperava o novo casal. 238
  240. 240. De como uma D.R. Precoce... Viciada em uma D.R., a famosa discussão de re- lação, você suspende as carícias que logo logo os levariam ao êxtase... E começa a questionar os primeiros encontros, matraqueando sobre os modos de macho do rapaz, a falta de atenção em tal momento, a falta 239
  241. 241. de telefonema no dia se- guinte, a falta de delica- deza no restaurante (sim, você é romântica e gosta que puxem a sua cadeira!), a falta de sen- sibilidade pra notar que está de cabelo com novo corte... 240
  242. 242. Da Preocupação com o Patrimônio Histórico dos Países Baixos Já viu como os jogado- res de futebol se pro- tegem nas cobranças de 241
  243. 243. falta, ao ficarem na barreira? Estão guar- dando o sagrado patri- mônio e tentando se li- vrar de um dos maiores incômodos masculinos, a dor nos testículos. Não que você, em algum mo- mento, pretenda cometer tamanha grosseria como uma bolada. O exagero aqui, delicada leitora, é só pra deixar patente: todo cuidado é mesmo pouco com os testículos. 242
  244. 244. Qualquer maltrato ali naquela área pode ser fatal, pior do que tor- tura, o fim da noitada. Mas uma vez bem ex- plorados, com toda a delicadeza da alma fe- minina, Deus dos céus, levará o homen a atingir o nirvana. 243
  245. 245. Do Uso das Pílulas da Paudurescência Artificial Nada contra a química a serviço da vida, como reza o mantra-lobby da indústria; vovô viu o Viagra. É a lição da nova cartilha. Lindo que ele possa reviver seus dias de Casanova; 244
  246. 246. que o tiozinho-loki eli- mine a sua insegurança, encontros pioneiros com desafiantes gazelas; que o Cialis seja leve 36 horas depois; que o Le- vitra e tantos quantos forem... mas os novos tempos põem minhocas na ca- beça das moças: serei eu ou apenas a pílula mágica?; 245
  247. 247. o priápico pela própria natureza também perde muito com tal isonomia farmacêutica; ele confessa: “agora se- rei ‘mais um’ apenas”; mas não seremos nós os moralistas certos para tal missa; muito menos é o nosso papel nesse humilde catecismo; 246
  248. 248. que seja simples, pois: que as picas subam, ora, ora, e as bucetas umedeçam. 247
  249. 249. Da Depilação e dos Exageros da Diagramação dos Pêlos Íntimos 248
  250. 250. O desmatamento das raparigas tem acompa- nhado a desgraça das nossas matas; urge um Greenpeace que lute pela Amazônia das moças; contra as bucetinhas com bigodinhos nazistas; ou bucetinhas cobertas ou descobertas de tudo, clareiras generalizadas são bem-vindas; 249
  251. 251. contra os desenhozinhos sem graça; contra a chamada “de- pilação artística”; contra a higienização do amor e do desejo; a favor dos pêlos; quem tem nojinho não merece o paraíso; 250
  252. 252. contra o hedonismo en- vergonhado; contra o café sem ca- feína, contra a cerveja sem álcool; porra, honra o útero de la madre; honra a phoda que te deu a porra; porra, honra, à la Cio- ran, até mesmo a in- 251
  253. 253. conveniência de haver nascido. p.s.: “Quando um homem digno está na companhia de mulheres, seu membro cresce, torna-se forte, vi- goroso e rijo; ele demora para ejacular e, após o es- pasmo causado pela emis- são do sêmen, fica pronto para nova ereção”. [D’O Jardim Perfumado, um manual erótico árabe, obra do xeque Nefzaui] 252
  254. 254. Do Encontro Sagrado com uma Freira sem que Ela se sinta Traindo Jesus Antes de tudo é pre- ciso respeito religioso extremo; e subornar o guarda do convento; ou pular o muro como um velho e bom larápio; 253
  255. 255. é preciso ainda cair do outro lado do muro vivo; manter os bons hábitos; a barba escanhoada e os pés macios de urso; chegar depois da novela das oito; pegá-la no começo do sono, ela dorme cedo; deitar-se de ladinho na caminha de solteiro; ela já tem esquecido a novela e já tem rezado o terço; 254
  256. 256. a bundinha de lado, cos- telinha de Deus; beijinho no cangote, co- mo se fosse um sopro dos céus; se a vir desconfortável, administre o pesadelo; encoste e tire a pica, como num sarro de ônibus; ela vai se sentir Tereza, a Filósofa, dormindo de conchinha com Jesus. 255
  257. 257. Soneto do Membro Monstruoso (Bocage) 256
  258. 258. Esse disforme e rígido porraz Do semblante me faz perder a cor: E assombrado d’espanto e de terror Dar mais de cinco passos para trás: A espada do membrudo Ferrabrás De certo não metia mais horror: Esse membro é capaz até de pôr 257
  259. 259. A amotinada Europa toda em paz. Creio que nas fodais recreações Não te hão de a rija máquina sofrer Os mais corridos, sórdidos cações: De Vênus não desfrutas o prazer: Que esse monstro, que alojas nos calções, É porra de mostrar, não de foder. 258
  260. 260. Do Manual de Civilidade Destinado às Meninas para uso nas Escolas [com ajuda espírita e a partir da herança de Pierre Louys, soprado ao escriba por lindas ninfomaníacas em flor] Não diga: “Chupe- me todinha”. Diga: “Use a pedagogia da manga”. 259
  261. 261. Não diga: “Minha buceta”. Diga: “Meu coração”. Não diga: “Quero te dar o cuzinho”. Diga: “Voltei da de- pilação”. Não diga: “Estou com vontade de foder”. Diga: “Estou nervosa”. Não diga: “Deixa eu fazer fio-terra”. 260
  262. 262. Diga: “Que rabinho mais quente”. Não diga: “Acabo de gozar como uma louca”. Diga: “Sinto-me um pouco fatigada”. Não diga: “Ninguém me chupa como você”. Diga: “Eis a língua uni- versal”. Não diga: “Vou mas- turbar-me”. Diga: “Vou voltar”. 261
  263. 263. Não diga: “Vamos foder”. Diga: “Oremos ao Senhor”. Não diga: “Quando eu tiver pentelho no cu”. Diga: “Quando eu for grande”. Não diga: “Precisamos inovar as posições”. Diga: “Vamos ler o catecismo”. 262
  264. 264. Não diga: “Eu prefiro a língua ao pau”. Diga: “Só gosto de pra- zeres delicados”. Não diga: “Não é na- da disso que você está pensado”. Diga: “Junte-se a nós e sejamos felizes”. Não diga: “Entre as re- feições só bebo porra”. Diga: “Sigo uma dieta especial”. 263
  265. 265. Não diga: “Mete mais devagarzinho”. Diga: “Não foi assim que te ensinei”. Não diga: “Tenho do- ze consolos em minha gaveta”. Diga: “Nunca me entedio quando estou só”. Não diga: “Beije os meus pés”. Diga: “Você hoje ainda não rezou por mim”. 264
  266. 266. Não diga: “Os ro- mances honestos me chateiam”. Diga: “Eu gostaria de ter algo interessante para ler”. Não diga: “Quando se lhe mostra uma pica, ela se zanga”. Diga: “É uma original”. Não diga: “É uma menina que se masturba até quase morrer”. Diga: “É uma senti- mental”. 265
  267. 267. Não diga: “É a maior puta da terra”. Diga: “É a melhor me- nina do mundo”. Não diga: “Ela dei- xa-se enrabar por to- dos aqueles que a mas- turbam”. Diga:“Elaflertaumpouco”. Não diga: “Ela é uma lésbica raivosa”. Diga: “Ela não flerta de jeito nenhum”. 266
  268. 268. Não diga: “Eu a vi ser fodida pelos dois buracos”. Diga: “É uma eclética”. Não diga: “Ele dá três sem tirar da buceta”. Diga: “Ele tem o caráter muito firme”. Não diga: “Ele gozou em minha garganta e eu na dele”. Diga: “Trocamos algumas impressões”. 267
  269. 269. Não diga: “Seu pau é demasiado grosso para minha boca”. Diga: “Sinto-me bem peque- naquandoconversocomele”. Nãodiga:“Elefodemuito bem as menininhas, mas nãosabeenrabá-las”. Diga: “É um simplório”. Não diga: “Cadê o gel lubrificante?”. Diga: “Com o carinho de sempre”. 268
  270. 270. Não diga: “Você é o homem da minha vida”. Diga: “Você me conforta bem lá dentro”. Não diga: “Não sei viver mais sem você”. Diga: “Adoro a sua pica dura”. Não diga: “Vou chu- par o seu pau”. Diga: “Derrama o min- gau dos deuses”. 269
  271. 271. No que Concerne ao Olho Masculino nas Visões Matutinas Quando ela acorda, aquelas marquinhas no corpo feitas pela noite, atrito de peixes que pas- seiam nos subterrâneos dos lençóis. Cabelos feito algas doi- das, o seu incômodo mais bonito; algum té- dio diante da reabertura 270
  272. 272. do mundo chato, ela se espreguiça, ossinhos que estalam sob a réstia do sol dos sérios que atra- vessa a cortina. Agora ouço o barulho do mijinho dela, música ao longe aqui do quarto. Paudurescência da auro- ra; ensaio uma punheta da nostalgia precoce, co- mo se a danada tivesse ido embora num teletrans- porte de fio-terra; ela vol- 271
  273. 273. ta ainda mais manhosa, quase um gato a inventar botes câmera lenta num sashimi da véspera. O pau toca a sua bun- dinha sem a pressa da phoda, quase como se fossem feitos um para o outro e tivessem todo o tempo do mundo. As al- mas já se entendem, os corpos quase, ela pensa “qualé a desse cara?”. Toco fogo no café e o 272
  274. 274. cheiro sobe, polvo do amor, mobilizo-me entre o forno, esquentar os pães, as frutas dos im- pressionistas, a manteiga do primeiro tango, acorda maria bonita, que a polícia do pen- samento já está de pé. Um homem nos ensaios de amor, velho J. L. Go- dard, carece de muitas mãos, línguas, dedos, certezas. 273
  275. 275. Donde uma Marca de Vacina no Braço Delas... Tudo bem que seja obra de uma simples ma- quininha automatica- mente imunizadora, mas cada pele reage de acor- do com a maldade das moças. As melhores e mais lindas são aquelas 274
  276. 276. que perdem o sentido simétrico do furo e se abrem como flores per- versas, bucetinhas sus- pensas no coletivo de ra- parigas que andam. 275
  277. 277. Da Dramaturgia das Nuvens como Relax for Man Tirar umas horas pra ver a dramaturgia das nuvens. Cabeça deitada na grama. Ou na espre- guiçadeira. No mato ou na beira da piscina mais urbana, como deu-se a última sessão deste es- criba. Não falo de seguir estrelas, ora direis, ra- 276
  278. 278. pariga bilaquiana. A dramaturgia das nuvens per si, bando de doi- divanas, como no teatro, mesmo. Monstros, ne- tunos, choques, guerras, Miles Davis nas trom- betas, encenações, beijos de algodão, meninas em colos imaginários de Lewis Carroll, tudo que é sólido e que se desman- cha em fiapos de gente... repare nos seus monstros internos nas nuvens, o 277
  279. 279. serial-killer que habita a sua carcaça, o assassino dentro da caixa torácica, como em Thompson, to- dos levitam na lona dos céus, caralhos de asas, bucetinhas felpudas, bu- cetinhas de manga... 278
  280. 280. De uma Epifania Seguida de Polução Noturna ...donde uma ilumi- nação noturna, seguida de polução int/noite /quarto de hotel de lu- xo, escorre pela coxa, mesmo com a outra <a que veio de longe, muito longe> ao lado. Ilumi- nação de uma morena toda vazada de luz, 279
  281. 281. como aquelas santas baia- nas, por um caminho escuro, estreito, e o es- tremecimento no sonho, epifania dos diabos, ba- cia d´água e de flores sob os seus pés acima do ta- co, solo do nosso último tango, na frente do es- pelho de taras, exibições & danças, cheiro nas fuças do cunnilingus mais longo, coreografia do gato, e a golden sho- wer iluminada a me 280
  282. 282. banhar com as dores in- confundíveis de mais uma despedida. 281
  283. 283. De como Dizer Eu Te Amo sem Dizer Eu Te Amo e sem Gastar os Olhos da Cara Admirá-la, sempre na paudurescência, enquan- to ela se olha no espelho para conferir a roupa. Beijar os pés da moça em público, sempre que pos- sa, como numa crônica de Maria. 282
  284. 284. Se for liso, pobre de marre-marré, dar uma bijuteria de R$ 1,90 com a devoção e a dramaturgia de uma jóia da Tiffany´s – vide Bonequinha de Luxo, o filme. Levar chá de erva-ci- dreira na cama e ler um conto-fábula de Ítalo Calvino para niná-la. Conduzi-la ao jantar num restaurante bem 283
  285. 285. farto, com sobremesa idem, para mostrar que ela é linda, foda, uma formosura, e não precisa emagrecer nem mesmo os 21 g do peso da morte, como no filme. Acompanhá-la nas com- pras e agarrá-la pra va- ler nos provadores, se possível fodê-la pelo cantinho das calcinhas novas [de pano] recém- adquiridas. 284
  286. 286. Aplicar a lição do vinil: 1) passar a mão nas costas dela, a noite toda, carinhosamente, como se fosse o braço de uma velha radiola; 2) de ma- nhã passar a mão na bundinha dela como se fosse um DJ fazendo scratch. Comprar, de vez em quan- do, um patê especial pa- ra o felino dela – os ga- tos estão para o amor 285
  287. 287. assim como os cães estão para a amizade. Pedir de presente, sem- pre que possa, uma linda golden shower – forma de mostrar que ama tudo – glândulas, tripas & coração – que seja ou tenha origem no corpo dela. Ser firme na hora em que ela for melindrada ou agredida por alguém, 286
  288. 288. seja o guardador de carro, seja o garçom, seja o bispo, o presidente da ordem ou o manda- chuva-mor do Bananal. Não cobiçar a mulher do próximo quando estiver ao lado dela; pode pa- recer o mínimo, mas é um puta presente. Além do mais, você, velho ca- brón, evitará aqueles insuportáveis torcicolos que não curamnemmes- 287
  289. 289. mo com os milagrosos emplastros Sabiá ou Brás Cubas. Em vez de condená-la em uma pisada na bola – tipo foder gostoso com outro! –, tirar proveito erótico disso, provocan- do-a para ouvir outras boas histórias. 288
  290. 290. 289
  291. 291. Do Sacrifício, dos Mistérios e de Profundis Quando um homem em pele de cão vadio e sem plumas grita dos pés de uma mulher-abismo, também podendo ocor- rer com dois cães vadios que rasgam o chão com as unhas para rebaixa- rem-se mutuamente à mulher... De profundis 290
  292. 292. clamavi at te, Domine, ou seja, o ato de invocar alguém lá das profun- dezas do abismo, como nos Salmos. 291
  293. 293. Do Poço das Delícias e das Paixões Mais Roxas Tua bucetinha como aquele mergulho em Mangaratiba, nus ao cre- púsculo da paixão roxa, como numa reza, joelhos sobre as pedras, louvor aos céus, a quebra da ro- tina, tua bucetinha como naquela vereda de araras, tua bucetinha que aprecia 292
  294. 294. paisagens, terá sido muito tarde?, sabe lá a natureza, agora não é mais hora, mas ficou tudo gravado na língua como o poema de Verlaine: “A racha adorável que já lambi amoroso desde o dorso, Passando, depois, pelo poço, Onde fico uma tempo- rada. 293
  295. 295. Prestando as devoções de praxe, Me conduz direto à fenda Gloriosa da minha don- zela.” 294
  296. 296. No que Concerne aos Felinos e ao Amor Devoto – Este cachorrinho é seu, senhor? – Era meu até há alguns momentos; mas a senho- rita assumiu de repente um notável ar de pro- priedade em relação a ele. [Isabel e Ralph, no livro O Retrato de uma Senhora, de Henry James]. 295
  297. 297. DoAmoredos AnimaisqueoCercam Tenho saudade dos ga- tos. Quando cheguei lá, ele já havia sido batizado, fazia tempo, com o meu último sobrenome de do- no de armarinho portu- guês. Deus está nas coin- cidências,sopravaoímpio sr. Rodrigues. Os gatos, esses quadrú- pedes metafísicos, estão 296
  298. 298. para o amor assim como os cães, esses bobos ale- gres, estão para a amiza- de besta. Os cães chafurdam na cama de manhã, nos sorriem latindo, como na lírica do Rei; os gatos se enroscam sabiamente nas pernas da dona, que mimetizam os gestos sa- fados do bicho, e dali os gatos assistem às pho- das, enquanto escrevem, a seis mãos, a linda por- 297
  299. 299. nografia das intimidades mais longas. 298
  300. 300. De Como Reabrir o Apetite das Moças Época chata essa. As mu- lheres não comem mais, ou, no mínimo, dão um trabalho desgraçado para engolir, na nossa compa- nhia, alguma folhinha pálida de alface. A gente não sabe mais o que vem a ser o prazer de observar a amada de- 299
  301. 301. gustando, quase de for- ma desesperada, uma massa, um cuscuz mar- roquino/nordestino, um cabrito, um ossobuco, um bife à milanesa, um tor- resmo decente. Foi embora aquela fe- licidade demonstrada por Clark Gable no filme Os Desajustados, quando ele observa, morto de feliz, Marilyn Monroe devorando um prato. E elogia a atitude da moça. 300
  302. 302. Toda preocupação femi- nina está voltada para a estatística das calorias, as quatro operações da magreza absoluta. É co- mo se todas fossem po- sar para a The Face do dia para a noite. Mal sa- bem que isso não tem, para homem que é ho- mem, quase nenhuma importância. François Truffaut, o ci- neasta, padrinho sen- timental deste cronista, 301
  303. 303. já alertava, em de- poimentos registrados em suas biografias, o valor insuperável das mulheres normais e o seu belo mundo de pe- quenas imperfeições. Além do prazer de vê- las comendo, pesquisas recentes mostram que as mulheres com taxas baixíssimas de colesterol costumam ser mais nervosas, dão mais tra- balho em casa ou na rua. 302
  304. 304. Nada mais oportuno para convencê-las a vol- tar a comer, reiniciá-las nesse crime perfeito. 303
  305. 305. Do Plongé e Do Contra-plongé do Amor 304
  306. 306. Nada como aquela olhadinha que ela dá quando lá embaixo. Ainda e pra sempre, da série “detalhes tão pe- quenos de nós dois”. A vida se resume a ob- servar, microscópio de eros, reis Roberto e Nelson, a mulher e o seu drama. Nada como aquela olhadela, sobrancelhas assanhadas, mirando lá de nossos países baixos 305
  307. 307. cá para cima do nosso cocuruto alumbrado. Tão lindamente saca- na, ah, que nega a mi- nha nega, derreto-me como manteiga no úl- timo tango! Ela quer saber se estou gostando, claro que es- tou mortinho ali no pré-gozo. Tem um or- gulho, “vê como faço bem feito e com gosto”, 306
  308. 308. ali naquela olhadinha plongé, contra-plongé, depende de quem vê... 307
  309. 309. Do Furo do Velho Darwin só Agora Revelado Agora é pra valer, deu na Science e nas gazetas mundo afora: não há 308
  310. 310. lógica darwiniana por trás do orgasmo da fê- mea. Aquela coisa de fo- der com o imaginário voltado pra reprodução é furada. Não fazia mesmo sentido. Para elas, orgasmo é diver- são, loucura, ego, apego, amor, gritaria, gata no telhado, chamego, dengo, xenhenhém, cafuné de quem acerta o clitóris d´alma. Lindo que assim seja. E revoguem-se as 309
  311. 311. disposições em contrário. E dá-me vinho, amore, que a vida é nada. 310
  312. 312. No que Concerne ao Homem- laxante Na saúde, na doença, na TPM... E muito mais ainda na prisão de ventre. Prova de devoção maior não há. Do que viver de perto este drama, seguir todos os passos da cos- tela amada, na pista, na vida, no WC. O carinho, 311
  313. 313. o cafuné, o chamego, o homem-laxante com a nega onde a nega estiver. Existem mulheres de todos os naipes, mas elas se dividem basicamente em duas classes: as que cagam bem e as que têm certas dificuldades. Os machos também as- sim se organizam, se- gundo García Marquéz, os que evacuam fácil e os que se enfezam ao ex- tremo. O escriba mes- 312
  314. 314. mo, em conversa sobre o tema com o psicanalista Helio Pellegrino, decla- rou-se ruim de serviço, um enfezado-nato. O temor feminino dian- te do trono exige aten- ção redobrada do ma- cho. Melhor, valiosa lei- tora, não esconder essa pequena agonia diária. Ponha o tema na roda. Melhor ainda, meu ra- paz, é você antecipar-se, assim que notar, pelos 313
  315. 315. sinais exteriores de en- fezamento – aquele riso sem graça e a sobracelha com medo da vida –, que a amada carece de maiores dengos, cuida- dos, delicadezas. Ou sinais vindos das prateleiras das farmá- cias: Cáscara-sagrada, Ducolax, Tamarine... “Ameixas, ame-as ou deixe-as”, como no hai- cai de Leminski, tam- bém são bons indícios 314
  316. 316. para despertar nossos trabalhos de Hércules. Vale todo esforço. Tive uma morena, por exem- plo, jambo-girl da mar- gem esquerda do Capi- baribe, que só conseguia quando eu a acompa- nhava ao banheiro, e fi- cava ali, sentado, con- tando-lhe pequenas his- tórias, fábulas inventa- das no embalo free- style. Eu sentava em um banquinho de criança, 315
  317. 317. de modo a ficar à sua altura... Quando menos via, lá estava o sorriso destravado nos seus lin- dos beiços grossos. Era como um gol em final de partida, uma celebra- ção, uma festa ao som pós-tudo da descarga... Eu ainda pedia que ela mirasse a merda, suas sobras completas. Quem olha as suas fezes, dizia a minha mãe, cria-se sem o menor pecado da 316
  318. 318. inveja. Lição mais sábia. Outro bom conselho, que deixamos aqui de graça, é o da voz da ex- periência de Tia Júlia e o Escrevinhador, livro de Vargas Llosa: “Para do- res de amor, nada me- lhor do que leite de magnésia (...). Na maior parte das vezes, os chamados males de amor, etcétera, são dis- túrbios digestivos, fei- jões duros que não di- 317
  319. 319. gerem, peixe estragado, entupimento. Um bom purgante fulmina a lou- cura do amor.” 318
  320. 320. 319
  321. 321. Das Tentações das Mulheres da Rua Augusta ÉSCOLHA A SUA NOIVA E TENHA UMA GRANDE NOITE DE NUPCIAS.Faixanafren- te da Maison, na nossa red light street, velha Augusta. “Tudo virgem”, tira onda o porteiro da boate. “Quem vai pegar o bouquê de flores?”, diz uma das noivas. 320
  322. 322. Vira-latas, putas, men- digos, bandidos, cheira- colas viajando na lan- house. Mil e uma noites da velha Augusta. O cheiro, no meu nariz de Proust dos pobres, é de eucalipto e churrasqui- nho de gato. A carne fra- ca. Gabirus no esgoto. Cafetões à pampa. Outras meninas se pe- gam na calçada, a nova modinha é atrair os ma- 321
  323. 323. chos com lesbianismo explícito, fantasia óbvia das antigas. O café Paris anuncia, no mesmo nai- pe: SHOW DE SEXO COM LÉSBICAS. Ocasarãoinfor- ma: PAGUE R$ 30 E BEBA ATÉ CAIR. A Tajmahal, ar- marinho que vende e alu- ga fantasias, exibe na vi- trine as suas shere-zades. O caribe faz aniversário e sorteia mulheres para os clientes decentes. No 322
  324. 324. carro do playboy Racio- nais MC´s: “Estilo ca- chorro”. Aquela que diz assim: “Conheço um ca- ra que é da noite, da ma- drugada/que curte varias fitas, varias baladas/ele gosta de viver, e via- jar/sem medo de morrer, sem medo de arriscar...” Putinhas de boné tiran- do onda de patrícias, e quantas luanas de per- nas compridas!... 323
  325. 325. Os salões de beleza 24 horas fazendo chapinhas, aplicando luzes, unhas vermelhas, unhas pos- tiças, e a academia de ginásticalevantandobun- das, que serão usadas naquela mesma madruga. 324
  326. 326. Do Anagrama de Lama e de Outras Almas A romana escreveu. de Paris, fina a ruiva. não como a de Moravia, mo- rena, mas na alma – esse lindo anagrama de lama – são duas putinhas quase siamesas. 325
  327. 327. [quer conhecê-la, leia mais bem abaixo, do dia em que suas botas à valentina pisaram ma- chucando com jeitinho e deixaram marcas roxas nasminhascostelas...] a romana roda o mundo e tem um homem em cada porto. Gulliver do amor & do sexo mais ninfo. O que os olhos não vêem o coração não sente, mando-lhe o pá- 326
  328. 328. ra-choque mais óbvio, melhor dos álibis antes do meu próximo abismo. 327
  329. 329. De um Sábio simples das Antigas “Vai, portanto, não hesi- tes. Procura conquistar todas as mulheres. Em mil, haverá talvez uma para te resistir. E quer cedam, quer resistam, todas gostam de ser cortejadas. Mesmo se fores derrotado, a der- rota será sem perigo. 328
  330. 330. Mas por que serias repelido, já que toda vo- lúpia nova parece mais gostosa e somos mais seduzidos por aquilo que não nos pertence? A colheita é sempre mais abundante no campo alheio, e o rebanho do vizinho tem as tetas mais grossas. (Ovídio, A arte de amar). 329
  331. 331. No que Concerne a uma Valentina que Pisou Machucando com Jeitinho A gente é tão doido, e doído com acento agudo e tudo por uma pessoa, que a gente não sabe que pode chegar outra/o um dia. E sempre chega. Donde encosta a roma- na. A ruiva. Tão de ou- trora, Deus mio, aquela 330
  332. 332. que eu havia conhecido dum simpósio da Unes- co, cinco, seis anos atrás. Quase a Adriana do ro- mance de Moravia, de tão puta, pois. Eis que a moiçola, agora na flor dos 30, ou quase, volta a São Paulo, para uma felicidade tão rara. Como pode fazer um homem velho tão feliz, mesmo tão rápido.Doido era aquele avião partindo 331
  333. 333. e ela chorando por nós dois, italiana, caralho, não suporto despedidas... aquelas botas, tão Crepax, tão Valentina, tão pendor milanesa, e as nossas pho- das em espanhol caricato, tão gozadas e lindas, ono- matopéias e babéis imper- feitas... Thanks por fazer esque- cer romances d´outrora, linda romana, jogo-lhe todas as moedas em tuas 332
  334. 334. fontanas,comopodeque- rer tanto um feio se és a mais bela?, a mais bela de todas??? Donde ela diz, graciosa, quevoltouaopriapismoda velha Roma, que o mundo moderno a desacostumou dessas coisas... Mas os aviões, o aeropor- to, transformam qual- quer ensaio de amor no amor mais phoda, o 333
  335. 335. amor a jato a atingir as nuvens, o boeing, algo- dão de céus, o calor das despedidas que viram chuvas... 334
  336. 336. Do que Restou na Memória sobre a Minha Adorável Sexagenária 335
  337. 337. Nada pior do que tentar se masturbar e não ter novo enredo possível. A morena, aquela bran- quinha do elevador, a jambo-girl, a saia xa- drez de Denise Arco- verde [parecia a da moça do filme Blow Up], a sabedoria de Ana Helena tantas vezes alvejada. Dalva, a cozinheira da outra pensão da Bispo Cardoso Ayres, donde to- das anteriores geografia 336
  338. 338. da fome recifense. Os peitos de Moema na pe- ça-cabeça de Alberto, a delicadeza de Laila, a voz de aeroporto de Si- mone, a musa de Casa Caiada. Pau duro, pau duro sempre, ainda o Recife, hoje e sempre, umbigo do mundo. Desço para as proximi- dades dos jardins, onde dormem os tantos gatos da pensão de dona Lam- pa, Lampinha, Recife, 337
  339. 339. etoile, Recife. E bato le- vemente na porta da mi- nha adorável sexagená- ria, eterno retorno. Que me recebe como careço. Nada pergunta, tão- somente me acolhe no seu colo quentinho. Sabe que desabo. Nem desce a mão até meu pau, como sempre fazia. Adormeço com seus cafunés. 338
  340. 340. 339
  341. 341. De um Fragmento do Cangaço Amoroso “Se eu soubesse que chorando/empato a tua viagem/meus olhos eram dois rios/que não te davam passagem.” [Vol- ta-Seca, cangaceiro do bando de Lampião] 340
  342. 342. Do Ensaio de Amor em Aberto ou da Borboleta que Vira Haicai de Tardezinha amor na rede gozo suspenso entre paredes 341
  343. 343. No que Concerne ao Vômito da Amada Nada de requintes mé- dicos ou cuidados de primeiros socorros. O dengo e o carinho são sempre o melhor remé- dio. Agache-se com ela, no chão, na sarjeta ou no vaso sanitário... esteja o mais perto possível da sua face, amparando-a 342
  344. 344. para que sua cabeça não se choque contra qual- quer superfície. Limpe- a de forma generosa, in- clusive com os lábios, devote-se todo, nessas horas é que se define se você é apenas uma pobre criaturinha asséptica ou um homem. 343
  345. 345. No que diz Respeito ao Mundo Bíblico e à Pedofilia O padre botava o pe- queno coroinha no colo e lia e lia e lia a Bíblia re- ligiosamente, meu Deus. O menino foi crescendo, crescendo, crescendo, até que um dia a ordem dos colos inverteu-se. 344
  346. 346. Do Cigarro Pós- Coito e de Outras Fumaças Mesmo os não-fuman- tes ou os que largaram o vício parecem acender voluptuosos cigarros de- pois das phodas. A moça sobre o peito, nós escre- vemos na fumaça ima- ginária os mais derrama- dos versos de um devoto. 345
  347. 347. Da Leseira Saudável de um Encontro Vespertino Um coito lento e lindo e sem pressa, sem a ar- rogância dos épicos, um coito leso e entorpecido, de ladinho, a pornografia máxima das intimidades. Recomenda-se nas ses- tas, momento da calma- 346
  348. 348. ria amorosa e dos sonhos leves e reconfortantes. No que Concerne à Renúncia do Coito em Nome da Masturbação a Dois Uns beijos lentos na boca, carícias nas costas, dengos, cafunés e afa- gos... Os pés roçando lá 347
  349. 349. embaixo conversam, o resto é silêncio e uma vida que dispensa le- gendas. Cabe ao man- cebo iniciar o relato de histórias reais ou ali in- ventadas ao livre estilo. Ela acompanha e tam- bém narra experiências incríveis. Os dois se masturbam calmamen- te. “Me beija”, pedem quase em uníssono na hora do gozo. Dormem o sono dos justos. 348
  350. 350. 349
  351. 351. Do Termo Balzaquiana e o Uso Adequado nos Novos Tempos Onde lia-se uma mulher de 30 anos, como na época dovelhoebomHonoréde Balzac, leia-se uma mu- lher de 45 em diante. Além do avanço da cos- mética e da beleza para o rosto da mulher, o es- pírito, mais livre, é outro. 350
  352. 352. De Como Ajoelhar sobre a Boca do Amado ou da Amada Em vez de deitar-se aberta à espera da boca redentora, aconselha mi- nha musa Diphusa, re- comenda-se que a fêmea ajoelhe-se na boca do mancebo ou da gazela, posicionando bem a bu- ceta, que será inteira- 351
  353. 353. mente chupada sem pudor. O amigo – ou a amiga – que sorve a vulva não cansa jamais, pois não carece mover a cabeça, uma vez que a ação se concentra na boca! A fêmea, melhor ainda, não precisa se preocupar, a posição referida permite que ela controle todos os movi- mentos e goze quantas vezes quiser! 352
  354. 354. Da Morena Jambo- Girl que tinha Cheiro de Maré O sal do sexo em cada poro, um mar formado pela confluência dos rios BeberibeeCapibaribe,co- mo na megalomania do Pernambuco das antigas. Ela voltava do remo com cheirodetodososhomens e me phodia como se eu todos os homens fosse. 353
  355. 355. 354
  356. 356. Do Conhecimento das Imagens do Escriba Lobo Antunes Vacas lambendo sal ou o côncavo das rochas, li num romance de Lobo Antunes, que coisa linda. Donde completei: os paus dos homens como pedras nas manhãs de pequenas lágrimas. 355
  357. 357. De como Ler no Corpo das Mulheres as Marcas Deixadas Pelos Lençóis As marcas dos lençóis e do colchão na pele das mulheres, depois das be- las noites, podem ser lidas como na leitura árabe da borra de café. Podem ser lidas como as linhas da vida, uma 356
  358. 358. estrada longa aqui, um abismo acolá, perigo, curvas sinuosas, as mar- quinhas... sejam de lu- xuosos três mil fios se- jam de lãs de cobertores Paraíba. 357
  359. 359. Da Convicção de um Corpo que Cai por Amor Orai Por Nobis Ela saltou em cima de- le como Kim Novak na Golden Gate. 358
  360. 360. De uma Delicadeza que Aprendemos com o Chuveirinho do Banheiro Se pudermos, num determinado momento da devoção oral, usar a língua como jatinhos de água que morrem mansamente sobre o clitóris... 359
  361. 361. Das Cores da Paisagem que mais Amamos Ver com os Olhos Colados e Bem Abertos As vulvas, rezam os mais antigos códigos eróticos, vêm ao mundo em três cores distintas: as rosas, as marrons e as roxas. Nós, apreciadores destas plagas, não podemos nos restringir a essa pobre- 360
  362. 362. za. Depois de tanta mes- tiçagem, a cromoterapia já mudou tanto, a paisa- gem que mais amamos já é outra. 361
  363. 363. Da Beleza sem Igual das Saboneteiras Das lições de anatomia, essa é uma das mais be- las. Aqueles ossinhos prontos a receber, como recitaria Manuel Ban- deira, sabonetes Araxás. As lindas moças dos sa- bonetes Araxás. Ali guardamos tambémnos- sos desejos ensaboados, aqueles desejos que 362
  364. 364. ainda carecem da mí- nima convicção, mas logo logo nos põem caídos aos vossos pés, devidamente abaixados. 363
  365. 365. Do Soneto do Velho Escandaloso (Bocage) Tu, oh demente velho descarado, Escândalo do sexo masculino, Que por alta justiça do Destino Tens o impotente membro decepado: Tu, que, em torpe furor incendiado 364
  366. 366. Sofres d’ímpia paixão ardor maligno, E a consorte gentil, de que és indigno, Entregas a infrutífero castrado: Tu, que tendo bebido o méstruo imundo, Esse amor indiscreto te não gasta D’ímpia mulher o orgulho furibundo; Em castigo do vício, que te arrasta, 365
  367. 367. Saiba a ínclita Lísia, e todo o mundo Que és vil por gênio, que és cabrão, e basta. 366
  368. 368. Da Nova Cartilha de Alfabetização ou Química a Serviço da Vida Vovô viu o Viagra. 367
  369. 369. Da Arte de Espremer Cravos e Espinhas Aqui nos pegamos, nu- ma sessão de nostalgia com testosterona, para lembrar os tempos em que as mulheres espre- miam nossas espinhas e tiravam todos os cravos do nariz e arredores – inclusive aqueles na ponta da napa, motivo 368
  370. 370. suficiente para gritaria e espirros tantos da nossa parte. Reclamávamos nesse mo- mento, éramos chamados de frouxos. Inevitáveis comparações com a dor do parto e outras dores femininas ecoavam no ar nessa hora solene. E quando elas escolhiam justo a hora do futebol, o ataque do time do coração... Hoje, quando estão pra- 369
  371. 371. ticamente extintas as mulheres da brigada con- tra cravos e espinhas (co- nheço apenas um exem- plar, uma descendente de Iracema que habita a margem esquerda do Capibaribe, no Recife), sentimos a perda, uma vez que nunca domina- mos muito bem essa arte. Nem mesmo na ado- lescência, quando nos transformamos em ver- dadeiros e monstruosos 370
  372. 372. Mr. Hydes – culpa, óbvio, do glorioso vício solitário, que além das espinhas ainda nos pregava pêlos na palma da mão. Como não acreditamos nos milagrosos cremi- nhos usados pelos me- trossexuais – esse novo tipo de homem moder- no gerado da costela de David Beckham – prefe- rimos incentivar o res- gate da prática feminina de tirar cravos e espi- 371
  373. 373. nhas, essa bela e útil ma- nia praticamente extinta nosdiasquecorrem. Vez por outra ainda da- mos a sorte de avistar, em alguma parada de ônibus, uma volunta- riosa senhora ou senho- rita a espremer o rosto de um camarada. Sem- pre uma bela cena pro- duzida pelos suburbanos corações. Não tem a menor graça, nesse mundo tão im- 372
  374. 374. becilmente profissiona- lizado, a limpeza de pele dos salões de beleza. Seu rosto ali entregue a amistosas funcionárias sem nenhuma intimida- de, mulheres que nunca ouviram os nossos ron- cos de noite na cama. É o tipo de serviço que exige histórico de intimida- des. Tal arte carece de pelo menos um mês de namoro ou acasalamento. Não é tarefa para qual- 373
  375. 375. quer uma. É tão delicado quanto tirar a roupa pe- la primeira vez na frente de outrem – e, pensando bem, uma reveladora prova de devoção. A menos que seja uma perversa incatalogável, uma gazela não esca- rafuncha suas crateras à toa. Quando ela posi- ciona aqueles dois in- dicadores sobre a sua bí- blica face, parece aceitar a convivência harmo- 374
  376. 376. niosa até com as nossas mais indignas impure- zas. É provação. Coisa boa demais para a leseira das belas tardes de domingo. 375
  377. 377. De um Haicai Surgido de Queixa Ouvida na Porta do Banheiro Feminino* Ah, cadê os homens? Tanto gasto em cremes... E ninguém me Lancome. *Psicografado, de corpo presente, das conversas de Luciana Araújo. 376
  378. 378. No que Explicamos a Origem de “Como uma Deusa” Séculos e séculos antes do cancioneiro brega, uma expressão em latim já dizia tudo: “Vera in- cessu patuit dea”, ou se- ja, a gazela andava como uma deusa. 377

×