CENTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE  AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS - PREVFOGO   CONTROLE DE QUEIMADAS E    INCÊNDIOS FLOREST...
 Todos os anos são registrados mais de 200 mil focos decalor. Consequências dos incêndios:  degradação físico-química e...
 Existem diversas causas ambientais que levam adesligamentos de linhas de transmissão, dentre estas, hádesligamentos caus...
 Incêndios florestais     ações antrópicas                           fatores meteorológicos   o dados           de       ...
Resumo:As condições secas do clima aumentam a susceptibilidadeà queima, porém quem os deflagra são as pessoas.            ...
 Diretrizes - Plano de Prevenção aos Incêndios Florestais eControle de Queimadas:     Linhas de ação:        I.      pro...
Considera-se:I. Projeto de educação ambiental: conjunto de ações que objetivaminformar e sensibilizar as pessoas sobre a n...
II. Treinamento em queima controlada e alternativas ao uso do fogo:formação de técnicos envolvidos com extensão rural, sin...
Estas atividades quando trabalhadas como um processo deaprendizagem continuado e não como campanha pontual trazemresultad...
OBRIGADA!           Flávia Saltini LeiteAnalista Ambiental - Chefe Substituta de                 Serviço        flavia.lei...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação prevfogo baixa resoluçao

655 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
655
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação prevfogo baixa resoluçao

  1. 1. CENTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS - PREVFOGO CONTROLE DE QUEIMADAS E INCÊNDIOS FLORESTAIS – ESTRATÉGIAS E AÇÕES
  2. 2.  Todos os anos são registrados mais de 200 mil focos decalor. Consequências dos incêndios: degradação físico-química e biológica do solo;  erosão do solo;  alteração da biodiversidade;  diminuição da qualidade do ar (poluição);  mudança na dinâmica dos ecossistemas;  alteração de regimes hidrológicos;  danos às nascentes de rios;  aquecimento global;  danos ao patrimônio público e privado; entre outros.
  3. 3.  Existem diversas causas ambientais que levam adesligamentos de linhas de transmissão, dentre estas, hádesligamentos causados por queimadas e incêndiosflorestais.
  4. 4.  Incêndios florestais ações antrópicas fatores meteorológicos o dados de ROI (Sisfogo - http://siscom.ibama.gov.br/sisfogo/publico.php): o 2010: 46% dos incêndios em municípios foram associados à o 2011: 41,17% agricultura e à pecuária; o 2009, 2010 e 2011 menos de 1% são IF causados por descargas elétricas de raios (causa natural) em municípios críticos e 3% em UC.
  5. 5. Resumo:As condições secas do clima aumentam a susceptibilidadeà queima, porém quem os deflagra são as pessoas. AÇÕES DE PREVENÇÃO
  6. 6.  Diretrizes - Plano de Prevenção aos Incêndios Florestais eControle de Queimadas:  Linhas de ação:  I. projeto de educação ambiental; II. treinamento em queima controlada e alternativasao uso do fogo; III. formação e instrumentalização de brigadasvoluntárias.
  7. 7. Considera-se:I. Projeto de educação ambiental: conjunto de ações que objetivaminformar e sensibilizar as pessoas sobre a necessidade de se repensar aspráticas das queimadas como forma de manejo no meio rural. Essasações devem estimular a percepção e promover a compreensão dapopulação sobre as consequências das queimadas e incêndios florestais,levando-se em consideração a presença humana no ambiente, a suaresponsabilidade e seu papel crítico como cidadãos. Por meio dessasações será possível o desenvolvimento de competências para avaliar asatitudes diárias e as suas consequências no meio ambiente, notadamentequanto às contribuições das queimadas e incêndios florestais aoagravamento dos cenários e desafios da mudança climática global.Público-alvo: coordenadores pedagógicos, professores e alunos do ensinofundamental e comunidades rurais. Curso de formação de professores.
  8. 8. II. Treinamento em queima controlada e alternativas ao uso do fogo:formação de técnicos envolvidos com extensão rural, sindicatos ouassociações rurais e líderes comunitários. O objetivo será disseminar astécnicas de controle do fogo e as alternativas ao seu uso para osagricultores e pecuaristas da região. Curso de formação de multiplicadores/extensionistas ruraisem QC.III. Formação e instrumentalização de brigadas voluntárias:treinamento de funcionários de instituições parceiras e/ou voluntários decomunidades rurais (que fazem uso do fogo), para a realização deatividades de prevenção e combate de maneira segura e eficaz. Aformação das brigadas requer também o fornecimento de equipamentosde proteção individual e materiais para o combate aos incêndios florestais. Curso de formação de brigadas voluntárias comunitárias.
  9. 9. Estas atividades quando trabalhadas como um processo deaprendizagem continuado e não como campanha pontual trazemresultados consideráveis em redução do número de focos de calor etemos exemplos de linhas que reduziram até 85% dos desligamentoscausados por queimadas e incêndios florestais. Apoio do Prevfogo: Orientação/apoio no planejamento das ações (Plano); Arte do material gráfico – didático, educativo e informativo. LC 140 – ações com os estados.
  10. 10. OBRIGADA! Flávia Saltini LeiteAnalista Ambiental - Chefe Substituta de Serviço flavia.leite@ibama.gov.br 3316- 1855 Rodrigo de Moraes Falleiro Chefe do Centro Especializado Prevfogo - E-mail: prevfogo.sede@ibama.gov.br IBAMA www.ibama.gov.br/prevfogo

×