Fisiologia reprodutiva feminina

4.376 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
134
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fisiologia reprodutiva feminina

  1. 1. Fisiologia Reprodutiva Feminina Fevereiro/2013
  2. 2. Sumário • Diferenciação Sexual • Ovogênese • Síntese e secreção de estrogênio e de progesterona • Regulação dos ovários • Ações do estrogênio e da progesterona • Eventos do ciclo menstrual • Gestação • Menopausa • Bibliografia
  3. 3. Diferenciação Sexual
  4. 4. • A diferenciação sexual pode ser caracterizada de três formas: sexo genético, sexo gonádico e sexo fenotípico. • O sexo genético é apontado pelos cromossomos sexuais, se for homem É XY, e se for mulher, XX. • Já o sexo gonádico é determinado pela presença de gônadas masculinas ou femininas. Essa diferenciação do sexo é determinada pela presença ou ausência do hormônio antimulleriano e da testosterona. Isso influencia o sexo fenotípico, pois, caso ocorram, determinam o sexo masculino, e caso não, feminino.
  5. 5. Aparelho Reprodutor Feminino O aparelho reprodutor feminino é composto pela parte interna e externa. Na interna, contém o ovário, tuba uterina, útero e um terço superior da vagina. Já na parte externa, tem o clitóris, grandes lábios, pequenos lábios e os dois terços inferiores da vagina.
  6. 6. Ovário Funções: ovogênese e a secreção dos hormônios progesterona e estrogênio. Morfologicamente, pode ser dividido em três regiões: córtex, medula e hilo. O córtex é a parte externa que contém os ovócitos dentro dos seus folículos. A medula é a parte média, que contém vários tipos celulares, e o hilo é a parte mais interna, por onde passam os vasos sanguíneos e linfáticos.
  7. 7. Ovogênese
  8. 8. •Processo que forma os gametas femininos. • Ovogônias são produzidas pelas células germinativas primordiais. Da oitava a nona semana gestacional entram em prófase da meiose e permanecem até a primeira ovulação, na puberdade.
  9. 9. Ocorre em três fases: • A primeira fase dura desde o ovócito na prófase até à primeira ovulação. As células da granulosa fornecem nutrientes e hormônios esteróides para os ovócitos, que se desenvolvem de folículo primordial para folículo primário. • Na segunda fase, é acumulado no antro dos folículos, hormônios esteroides, proteínas, polissacarídeos e FSH. Ao final da fase, o folículo é denominado Graaf.
  10. 10. • Na última fase, só um folículo é liberado, durante a ovulação. O folículo se rompe e o ovócito é liberado. • Caso ocorra a fertilização deste ovócito, o corpo lúteo, que é formado pelos elementos residuais da ruptura do folículo, secreta hormônios esteroides que são necessários para a implantação e manutenção do zigoto no útero. Caso não ocorra a fertilização, o corpo lúteo regride a corpo albicans.
  11. 11. Síntese e secreção de estrogênio e de progesterona
  12. 12. A síntese de progesterona e de 17 beta-estradiol está relacionada com os folículos ovarianos combinados com as células da teca e da granulosa.
  13. 13. Regulação dos ovários
  14. 14. • Os ovários apresentam duas funções: ovogênese e secreção dos hormônios esteróides sexuais femininos. • Essas funções são controladas pelo eixo hipotálamo-hipófise. • Hormônio hipotalâmico: GnRH e hormônios adeno-hipofisário: FSH e LH.
  15. 15. • O GnRH é liberado em altas concentrações na adeno-hipófise, com estímulo pulsátil sobre a secreção de FSH e LH. • O controle do eixo hipotámo-hipófise sobre os ovários, relaciona-se com o ciclo menstrual.
  16. 16. • Os primeiros 14 dias do ciclo menstrual envolvem o desenvolvimento folicular e formam a fase folicular. • Os últimos 14 dias do ciclo menstrual são dominados pelo corpo lúteo, formando a fase lútea. • A ovulação ocorre entre as duas fases.
  17. 17. Ações do FSH e LH na ovulação • FSH: as únicas células dos ovários que apresentam receptores de FSH são as células da granulosa. • As ações do FSH envolvem o estímulo do crescimento das células da granulosa, em folículos primários, e estímulo a produção de estradiol.
  18. 18. • LH: inicia a ovulação. Antes da ovulação, a concentração circulante do LH aumenta rapidamente e induz a ruptura do folículo dominante, com liberação do ovócito. • O LH também estimula a formação do corpo lúteo e mantém a produção de hormônios esteroides pelo corpo lúteo durante a fase lútea do ciclo menstrual.
  19. 19. Feedback positivo e negativo • O eixo hipotálamo-hipófise é controlado por feedbacks negativo e positivo, que dependem da fase do ciclo menstrual.
  20. 20. • Feedback positivo e negativo
  21. 21. Ações do estrogênio e da progesterona
  22. 22. As funções dos dois hormônios esteroides ovarianos são coordenadas para sustentar a atividade reprodutiva no sexo feminino, que incluem: • Desenvolvimento do óvulo; • Desenvolvimento e manutenção do corpo lúteo; • Manutenção da gestação; • Preparo da mama para a lactação.
  23. 23. Durante a puberdade o estrogênio é secretado pelos ovários os quais são regulados por secreção pulsátil de FSH e LH.
  24. 24. O estrogênio contribui para o estirão do crescimento puberal, fechamento das epífises ósseas e deposição de gordura subcutânea pela ação do estrogênio. A progesterona tem leve efeito termogênico, que aumenta a temperatura corporal basal, durante a fase lútea do ciclo menstrual.
  25. 25. O estrogênio estimula o desenvolvimento da mama adulta, dando às mamas sua forma feminina característica e a progesterona contribui para o estímulo da atividade secretória nos ductos mamários.
  26. 26. Durante a primeira metade da gestação o estrogênio e a progesterona são secretados pelo corpo lúteo e durante a outra metade pela placenta. Esses hormônios têm muitos papéis durante o período de gestação. Estrogênio Progesterona Estimula o crescimento do Mantém o revestimento endométrio e do sistema de endometrial e aumenta o limiar ductos das mamas, a secreção uterino para o estímulo contrátil. de prolactina e o aumento da genitália externa.
  27. 27. Eventos do ciclo menstrual
  28. 28. Ocorre durante o período reprodutivo, a partir da puberdade até a menopausa. Durante o ciclo menstrual o estrogênio e a progesterona são responsáveis pelas alterações que ocorrem no trato reprodutor feminino e pelo feedback do FSH e LH na adeno-hipófise.
  29. 29. Fase Folicular (proliferativa) Os receptores de FSH e LH estão aumentados nas células da teca e da granulosa dos ovários. As gonadotrofinas estimulam a síntese de estrogênio, o qual estimula o crescimento do endométrio, das glândulas e do estroma. Também estimula o alongamento das artérias espiraladas e torna o muco cervical aquoso e elástico.
  30. 30. Ovulação Segue o surto de estrogênio o qual exerce efeito de feedback positivo sobre a secreção de FSH e LH, esse pico de FSH e LH provoca a ovulação do óvulo maduro.
  31. 31. Fase lútea (secretora) O corpo lúteo se desenvolve e começa a sintetizar estrogênio e progesterona, e esta estimula a atividade secretória do endométrio e aumenta sua vascularização preparando-o para receber o ovo fertilizado.
  32. 32. Menstruação Ocorre a descamação do endométrio devido a regressão do corpo lúteo e a queda abrupta dos hormônios por ele secretado.
  33. 33. Gestação
  34. 34. A gestação é desenvolvimento fetal, há a fecundação espermatozoide. o que do período de ocorre quando ovócito pelo Tem a duração de aproximadamente 40 semanas.
  35. 35. Hormônios • HCG • Progesterona • Estriol (estrógeno)
  36. 36. Gonadotrofina Coriônica Humana A detecção de sua presença no organismo é o indício em que se baseia grande parte dos testes de gravidez. Associado à progesterona, o HCG tem um papel importante na manutenção da gravidez durante o primeiro trimestre.
  37. 37. Progesterona Produzida pela placenta, ajuda manter a gravidez, como também relaxa a musculatura uterina e estimula o desenvolvimento das glândulas mamárias.
  38. 38. Estriol - Estrogênio O estriol é o principal estrógeno, sintetizado a partir de interação coordenada entre a mãe e a placenta e, de forma muito importante, requer também o feto.
  39. 39. Imagem: http://www.afh.bio.br/reprod/img/image168.jpg
  40. 40. Parto O parto acontece aproximadamente na 40ª semana. O parto ocorre aproximadamente na 40ª semana. Quando o feto chega a um determinado tamanho, há uma distensão uterina e o aumento da contratilidade. Ocorre a produção de prostaglandinas, pelo estrogênio, que elevam a concentração de cálcio na musculatura lisa uterina aumentando mais ainda sua contratilidade. A ocitocina é um estimulante a contração uterina e sabese que a dilatação cervical estimula a sua secreção, formando um exemplo de feedback positivo.
  41. 41. Estágios de Parto Normal Primeiro estágio: inicia-se com contrações regulares e termina com a dilatação completa do colo uterino. Segundo estágio: começa quando o colo uterino atinge sua dilatação máxima e termina com a saída completa do bebê. Terceiro estágio: começa imediatamente após o nascimento da criança e termina com o desprendimento da placenta da parte uterina, que é expelida pela vagina.
  42. 42. Lactação A prolactina aumenta homogeneamente durante a gravidez, e é aumentado após o parto e durante a lactação. A prolactina é inibida pela presença do estrogênio e da progesterona, ao final do trabalho de parto há queda no nível desses hormônios possibilitando o aumento da prolactina e, assim, o início da produção do leite.
  43. 43. Menopausa
  44. 44. A menopausa é o término dos ciclos menstruais e ocorre geralmente aos 50 anos de idade. Há um decréscimo da secreção de estrogênio até parar de ser produzido. Com isso, ocorre a redução do feedback negativo da adeno-hipófise e há um aumento da secreção de FSH e LH.
  45. 45. Sintomas: desgaste do epitélio vaginal, diminuição da secreção vaginal, diminuição da massa das mamas, aceleração da perda óssea, instabilidade vascular (que geram as ondas de calor) e labilidade emocional. Estes sintomas são causados pela perda da produção de estrogênio. Porém, eles podem ser atenuados através da reposição estrogênica.
  46. 46. Bibliografia
  47. 47. • Fisiologia Básica – Linda S. Constanzo, 3ª Edição - 2007

×