Apresentação abralin final

501 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
501
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação abralin final

  1. 1. Autora: Karla Maria Marques PeixotoOrientadora: Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin
  2. 2.  Objetivo do nosso trabalho é trazer uma das etapas de uma sequência didática para a apropriação do gênero tirinha. O foco dessa etapa é uma aula comunicativa de leitura em Cicurel (1991), Leurquin (2001) e Braggio (1992), tendo como entrada no gênero a noção de contexto de produção em Bronckart (1999).
  3. 3.  Definição de Sequência didática - Dolz, Schneuwly , (2001) Modelo sociopsicolinguístico de leitura Cicurel (1991), Leurquin (2001) e Braggio (1992), As etapas de uma aula comunicativa de leitura - Cicurel (1991) Apresentação das atividades de leitura
  4. 4.  Envolve ações planejadas para resolução de problemas relacionados ao uso da língua nas diversas situações de comunicação. Apresenta uma série de atividades e exercícios que seguem uma ordem gradual em busca da resolução progressiva de dificuldades dos alunos e que facilita a tomada de consciência das características linguísticas dos textos estudados. Têm os gêneros como um megainstrumento de ensino e aprendizagem.
  5. 5. 1. Apresentação da situação: o professor deve contextualizar a situação. Ele fala sobre o gênero que será produzido, seu propósito comunicacional, seu contexto de produção.2. Produção inicial: constituída da prática da produção do texto.3. Os problemas detectados no momento da correção serão alvos na elaboração dos módulos.4. Produção final:o aluno deve realizar sozinho o que antes realizava com o apoio do professor.
  6. 6.  A construção de sentido do texto não acontece apenas entre leitor-autor do texto, mas também através dos sujeitos envolvidos no evento de leitura (professores e alunos) na construção de novos sentidos.
  7. 7.  O texto é um espaço de interação construído coletivamente através do debate em sala de aula. O leitor utiliza-se da leitura para compreender a sua realidade em uma perspectiva de transformação social que também é construída coletivamente. O formador de leitores atua como um mediador desse processo.
  8. 8.  Para Goodman (1980) o processo de leitura transforma o leitor e o documento lido, uma vez que o significado é sempre uma relação entre o texto e o contexto (sócio-hitórico-cultural). Portanto, qualquer evento de leitura deve ser percebido em uma perspectiva pessoal, social, histórica e cultural.
  9. 9.  Braggio (1991) amplia esse modelo sugerido por Goodman, na medida em que sente nas propostas a ausência de uma concepção mais fundamentada sobre a linguagem escrita como um instrumento formador da consciência do homem. Para a autora, é necessário formarmos leitores críticos, capazes de pensar, de refletir e de atuar sobre a realidade como agente sócio- histórico.
  10. 10.  Segundo Cicurel (1991), a aula de leitura deve ser planejada a partir de etapas que cumprem objetivos diferentes. Essas etapas auxiliam ao professor na mediação do processo de leitura em situação de sala de aula.
  11. 11.  Orientar e ativar os conhecimentos prévios do leitor; Observar e antecipar o conteúdo do texto; Ler com objetivo e reagir ao texto ou religar os conhecimentos. (atividade) Religar os conhecimentos pra que eles possam ter interpretações além do texto.
  12. 12. Para Bronckart, o contexto de produção pode serdefinido como “o conjunto dos parâmetros que exerceminfluência sobre a forma como um texto está organizado.(...) Esses parâmetros estão reagrupados em doisconjuntos: mundo físico e mundo social-subjetivo”(BRONCKART, 1999: 93).
  13. 13.  Se a linguagem é dependente do contexto, também se pode dizer que o contexto é dependente da linguagem na medida em que é por ela criado. Trata-se, pois, de uma relação de interdependência. Uma relação dinâmica e dinamizadora: o discurso e o contexto não são objetos estáveis, são processos entre os quais se estabelece uma interação construtiva (FONSECA, 1992: 136).
  14. 14. Tira 1: Wood e Stock - Angeli
  15. 15. Tira 2: Calvin e Haroldo - Bill Watterson
  16. 16. 1ª Etapa: Orientar e ativar os conhecimentos prévios do leitor2ª Etapa: Observar e antecipar o conteúdo do texto É necessário, primeiramente, que o professor situe os alunos com relação ao texto, realizando algumas perguntas, por exemplo:
  17. 17.  Conhecem o gênero? Conhecem o autor e os personagens? Já viram algum outro texto deste mesmo autor? Onde normalmente esse gênero circula?
  18. 18. Essa tirinha faz parte da série de trabalhos realizados pelo cartunista, quetêm como personagens principais os dois velhos hippies Wood e Stock. Osdois viveram a sua juventude baseados em valores disseminados pelomovimento hippie. Muito do conteúdo humorístico de suas tirinhas é devidoao fato de serem dois velhos que não abandonaram alguns costumes epráticas atribuídos pelo senso comum a essa geração, como: o usoexagerado de drogas e o sexo sem compromisso.
  19. 19. O Calvin é um menino americano de classe média que mora com o pai e amãe. Ele se sente muito sozinho e ameniza um pouco desse sentimentocom o seu amigo imaginário e companheiro de aventuras,Haroldo,um tigrede pelúcia. Essa série de Bill Watterson questiona alguns costumes doconhecido “American Way of Life”.
  20. 20. 3ª Etapa: Ler com objetivo e reagir ao texto ou religar os conhecimentos.Quem os produz?Quem, normalmente, os lê?Qual o objetivo das tiras?O que as tiras têm em comum em relação ao conteúdo temático?Por que elas possuem um caráter humorístico?Qual a diferença do contexto socio-histórico apresentado nas duas tiras?
  21. 21.  Qual o sentido da palavra “viajando” na primeira tira? O que o leva a pensar que ela carrega esse sentido? Na sua opinião, qual a compreensão que o pai do Calvin tem da narrativa empreendida?
  22. 22.  4ª Etapa Religar os conhecimentos pra que eles possam ter interpretações além do texto. O que as tiras possuem em comum? O que as diferencia? Por que o contexto socio-histórico apresentado nas tiras é importante para a sua interpretação?
  23. 23. BRAGGIO, Silvia Bigonjal. Leitura e alfabetização: da concepção mecanicista à sociopsicolingüística. Porto Alegre, Artes Médicas, 1992. BRONCKART, Jean Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo . São Paulo, EDUC, 1999.______________________e MACHADO, A.R. 2004 a. Procedimentos de análise de textos sobre o trabalho educacional. In: A.R. MACHADO (org.), O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina, EDUEL, p. 131-163.
  24. 24. _______________________. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores ; trad. Anna Rachel Machado. Campinas: Mercado das Letras, 2008 CICUREL, Francine. Lecture interative en langue étrangère. Paris, Hachette, 1991. LEURQUIN, Eulália Vera Lúcia Fraga. Contrato de comunicação e concepções de leitura na prática pedagógica de língua portuguesa. Universidade do Rio Grande do Norte. Tese de doutorado, 2001. FONSECA, Fernanda Irene. Deixis, tempo e narração . Porto, Editora: Fundação Eng. António de Almeida, 1992.

×