4 segundaeterceirasemanas de desenvolvimento

734 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
734
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

4 segundaeterceirasemanas de desenvolvimento

  1. 1. SEGUNDA E TERCEIRA SEMANAS DE DESENVOLVIMENTO PROF. MARCO ANTONIO PRATES NIELEBOCK ESPECIALISTA EM ESTOMATOLOGIA – UFRJ MESTRE EM PATOLOGIA - UFF
  2. 2. INTRODUÇÃO A implantação do blastocisto termina durante a segunda semana do desenvolvimento embrionário. Mudanças morfológicas na massa celular interna, ou embrioblasto Resutando na formação de um disco embrionário bilaminar composto por duas camadas:  Epiblasto; e  Hipoblasto.
  3. 3. DISCO EMBRIONÁRIO O disco embrionário dá origem às camadas germinativas que formam todos os tecidos e órgãos do embrião. As estruturas extraembrionárias, que se formam durante a segunda semana, são a cavidade amniótica, saco vitelino, pedículo do embrião e saco coriônico.
  4. 4. FIM DA IMPLANTAÇÃO E CONTINUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIOA implantação do blastocisto começa no fim da primeira semana e termina no fim da segunda. O sinciciotrofoblasto, ativamente erosivo, invade o estroma endometrial (estrutura de tecido conjuntivo), que sustenta os capilares e glândulas de útero.
  5. 5. FIM DA IMPLANTAÇÃO E CONTINUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
  6. 6. FIM DA IMPLANTAÇÃO E CONTINUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Enquanto isto, o blastocisto se introduz, lentamente, no endométrio. O blastocisto implanta-se no endométrio por seu polo embrionário (onde se situa a massa celular interna). As células do sinciciotrofoblasto desta região deslocam as células endometriais do centro do local da implantação.
  7. 7. FIM DA IMPLANTAÇÃO E CONTINUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO Durante a implantação do blastocisto, mais trofoblasto entra em contato com o endométrio e diferencia-se em duas camadas:  o citotrofoblasto, uma camada mononucleada de células, mitoticamente ativas, forma novas células do trofoblasto, que migram para a crescente massa do sinciciotrofoblasto, onde se fundem e perdem as membranas celulares  o sinciciotrofoblasto, uma massa multinucleada em rápida expansão, na qual não são perceptíveis os limites celulares
  8. 8. FIM DA IMPLANTAÇÃO E CONTINUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO
  9. 9. FIM DA IMPLANTAÇÃO E CONTINUAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO O sinciciotrofoblasto começa a produzir um hormônio -gonadotrofina coriônica humana (hCG) - que vai para o sangue matemo nas lacunas (lat., cavidades ocas) do sinciciotrofoblasto. O hCG mantém a atividade do corpo lúteo do ovário durante a gravidez e forma a base dos testes de gravidez. Ao fim da segunda semana, o sinciciotrofoblasto produz hCG suficiente para dar um resultado positivo no teste de gravidez, apesar de, provavelmente, a mulher não saber que está grávida.
  10. 10. Formação da Cavidade Amniótica, Disco Embrionário e Saco Vitelino Durante a implantação do blastocisto, aparece uma pequena cavidade na massa celular interna, que constitui o primórdioda cavidade amniótica. A formação de uma placa de células, bilaminar, achatada, o embrioblasto, constituída por duas camadas:  o epiblasto, a camada mais espessa, composto por células colunares altas e voltado para a cavidade amniótica;  o hipoblasto, ou endoderma primitivo, composto por pequenas células cubóides adjacentes à cavidade exocelômica.
  11. 11. Formação da Cavidade Amniótica, Disco Embrionário e Saco Vitelino
  12. 12. Formação da Cavidade Amniótica, Disco Embrionário e Saco VitelinoO epiblasto forma o assoalho da cavidade amniótica e é contínuo com o âmnio. O hipoblasto forma o teto da cavidade exocelômica e é contínuo com a delgada membrana exocelômica. A membrana e a cavidade exocelômicas modificam-se rapidamente, formando o saco vitelino primitivo.
  13. 13. Formação da Cavidade Amniótica, Disco Embrionário e Saco Vitelino
  14. 14. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICOO fim da segunda semana caracteriza-se pelo aparecimento das vilosidades coriônicas primárias. A proliferação de células do citotrofoblasto produz extensões celulares que penetram no sinciciotrofoblasto.
  15. 15. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICO o celoma extraembrionário divide o mesoderma extraembrionário em duas camadas: mesoderma somático extraembrionário, que reveste o trofoblasto e recobre o âmnio; mesoderma esplâncnico extraembrionário, que envolve o saco vitelino.
  16. 16. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICO
  17. 17. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICO
  18. 18. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICO O mesoderma somático extraembrionário e as duas camadas de trofoblasto constituem o córion. O córion forma a parede do saco coriônico (saco da gestação). O embrião de 14 dias ainda tem a forma de um disco embrionário bilaminar achatado, mas, em uma área localizada, as células do hipoblasto tornaram-se colunares, formando uma área circular espessada, a placa pré-cordal (pró- cordal). Esta placa indica o futuro local da boca e de regiões da cabeça.
  19. 19. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICO
  20. 20. DESENVOLVIMENTO DO SACO CORIÔNICO
  21. 21. TERCEIRA SEMANA DE DESENVOLVIMENTO DISCO GERMINATIVO TRILAMINAR
  22. 22. CARACTERÍSTICAS o rápido desenvolvimento do embrião a partir do disco embrionário, durante a parte inicial da terceira semana, caracteriza-se por:  aparecimento da linha primitiva  formação da notocorda  Diferenciação das três camadas germinativas das quais se formam todos os tecidos e órgãos do embrião
  23. 23. CARACTERÍSTICAS A terceira semana do desenvolvimento embrionário ocorre durante a semana que se segue a ausência do primeiro período menstrual, isto é, 5 semanas depois do início do último período menstrual normal. Frequentemente, a interrupção da menstruação é a primeira indicação de que uma mulher pode ter engravidado.
  24. 24. GASTRULAÇÃO FORMAÇÃO DAS CAMADAS GERMINATIVAS A gastrulação é o processo pelo qual o disco embrionário bilaminar é convertido em um disco embrionário trilaminar. A gastrulação se inicia com a formação da linha primitiva na superfície do epiblasto do disco embrionário.
  25. 25. DISCOS GERMINATIVOS Cada uma das três camadas germinativas (ectoderma, mesoderma e endoderma) dá origem a tecidos específicos e órgãos.  O ectoderma dá origem à epiderme, ao sistema nervoso central e periférico, à retina do olho e a várias outras estruturas.  O endoderma é a fonte dos revestimentos epiteliais das vias respiratórias e do trato gastrintestinal, assim como as células glandulares dos órgãos associados, tais como o fígado e o pâncreas.  O mesoderma dá origem às capas de músculo liso, tecido conjuntivo e vasos associados aos tecidos e órgãos; o mesoderma também forma a maior parte do sistema cardiovascular e é a fonte das células do sangue e da medula óssea, do esqueleto, músculos estriados e órgãos reprodutores e de excreção.
  26. 26. Linha Primitiva O primeiro sinal da gastrulação é o aparecimento da linha primitiva na extremidade caudal do embrião. No início da terceira semana, aparece uma opacidade formada por uma faixa linear espessada no epiblasto (parte do disco embrionário), denominada linha primitiva.
  27. 27. Linha Primitiva
  28. 28. MESÊNQUIMA O mesênquima forma os tecidos de sustentação do embrião.  Tecidos conjuntivos do corpo  Estroma das glândulas Uma parte do mesênquima forma uma camada denominada mesoderma intra-embrionário. Algumas células do epiblasto da linha primitiva também deslocam o hipoblasto formando:  Endoderma embrionário (teto do saco vitelino).  As células que permanecem no epiblasto formam o endoderma embrionário.
  29. 29. DESTINO DA LINHA PRIMITIVA A linha primitiva forma ativamente mesoderma até o início da quarta semana; depois disto, a produção de mesoderma toma-se mais lenta. A linha primitiva diminui de tamanho relativo, acabando por tomar-se uma estrutura insignificante na região sacrococcígea do embrião. Normalmente, a linha primitiva passa por mudanças degenerativas e desaparece ao fim da quarta semana.
  30. 30. PROCESSO NOTOCORDAL E NOTOCORDA Algumas células mesenquimais migram cefalicamente do nó e da fosseta primitivos, formando um cordão celular mediano, o processo notocordal. Este processo adquire logo uma luz, o canal notocordal. O processo notocordal cresce, cefalicamente, entre o ectoderma e o endoderma até alcançar a placa pré-cordal (placa pro-cordal), uma pequena área circular de células endodérmicas colunares.
  31. 31. PROCESSO NOTOCORDAL E NOTOCORDA O processo notocordal, oco, semelhante a um bastão, não pode estender-se além, porque a placa precordal está firmemente presa ao ectoderma sobrejacente. Estas camadas germinativas fundidas formam a membrana bucofaríngea, localizada no futuro local da cavidade oral (boca).
  32. 32. NOTOCORDA Bastão celular formado pela transformação do processo notocordal. Ele define o eixo primitivo do embrião. Serve de base para o esqueleto da cabeça e coluna vertebral. Indica o local das futuras vértebras
  33. 33. ALANTÓIDE Aparece no dia 16 em forma de salsicha da parede do saco vitelino. Está envolvida na formação inicial do sangue e desenvolvimento da bexiga. Os vasos sangüíneos da alantóide tornam-se as artérias e veias umbilicais.
  34. 34. Formação dos Somitos O mesoderma, de ambos os lados da notocorda, se espessa, formando colunas. No fim da terceira semana, estas colunas paraxiais começam a dividir-se, a partir da extremidade cefálica, em pares de somitos. Os somitos são agregados compactos de células mesenquimais que migram, dando origem às vértebras, costelas e musculatura axial.
  35. 35. Formação do Celoma Intraembrionário O celoma (cavidade do corpo) do embrião surge como espaços, ou vesículas, individuais.  As vesículas celômicas, subsequentemente, coalescem, formando uma única cavidade, em forma de ferradura que dá origem às cavidades do corpo, como a cavidade peritoneal, por exemplo.
  36. 36. Formação dos Vasos Sangüíneos e do Sangue Os vasos sangüíneos aparecem primeiro na parede do saco vitelino, da alantóide e no córion. Eles se formam no embrião, pouco depois. Aparecem espaços dentro de agregados celulares de mesênquima, denominados ilhotas sangüíneas.
  37. 37. Formação dos Vasos Sangüíneos e do Sangue Estes espaços logo são revestidos por endotélio, que deriva de células mesenquimais. Estes vasos primitivos se unem a outros vasos, formando o sistema cardiovascular primitivo. Pelo fim da terceira semana, o coração está representado por um par de tubos cardíacos endoteliais, que se unem a vasos sangüíneos do embrião e das membranas extra- embrionárias (saco vitelino, cordão umbilical e saco coriônico).
  38. 38. Término da Formação das Vilosidades CoriônicasO rápido desenvolvimento dasvilosidades coriônicas durante aterceira semana aumenta muito asuperfície do córion para as trocasde oxigênio e nutrientes e outrassubstâncias entre as circulações damãe e do embrião.

×