HISTÓRIA NATURAL E AUTO-ECOLOGIA
SEMINÁRIO BIOLOGIA DA
CONSERVAÇÃO
Profº Drº Cláudio Pádua
Manoel dos Santos
Mestrando em ...
O QUE É HISTÓRIA NATURAL E AUTO-ECOLOGIA?
 “É a solução para proteger e manejar uma espécie rara ou
ameaçada na busca do ...
 O planejamento e implementação de políticas de conservação
em nível de população depende das características das espécie...
 Interações bióticas: envolvem tipos de alimentos e outros recursos
que as espécies necessitam, competição entre espécies...
COLETA DE INFORMAÇÕES SOBRE A HISTÓRIA
NATURAL
Grupos
especializados
Relatórios
Restrição de estudos
e variação de
lugares
MONITORANDO AS POPULAÇÕES
 É uma espécie de senso realizado no campo, monitoramento
de sua população para conhecer a situ...
Inventário
• É uma contagem do número de indivíduos de uma população e
informa estabilidade, aumento ou diminuição de núme...
ANÁLISE DE VIABILIDADE DE POPULAÇÃO
 A AVP é um método que permite examinar uma série de
exigências que uma espécie teme ...
Degradação de habitat
Perda de habitat Fragmentação de habitatCompreensãodosefeitosda...
Examinadadosdasespécies
METAPOPULAÇÕES
Representa aglomerado de populações temporárias ou
flutuantes que estão ligadas pela migração, podem ser
re...
As populações nas áreas satélites podem se tornar extintas
em anos desfavoráveis, mas as áreas são recolonizadas por
migra...
MONITORAMENTO A LONGO PRAZO DE
ESPÉCIES E ECOSSISTEMAS
 O monitoramento na conservação integrada e em projetos de
desenvo...
ESTABELECIMENTO DE NOVAS POPULAÇÕES
 Considerar os fatores que levam ao declínio das populações
silvestres originais para...
2.Programa de Acréscimo: libera-se indivíduos em uma
população existente para aumentar o seu tamanho e o seu pool
genético...
 Comportamento Social e de Animais Soltos:
Os programas bem sucedidos de reintrodução, acréscimo e introdução
devem consi...
REFERÊNCIA
 RODRIGUES, Efraim; PRIMACK, Richard. Biologia da
Conservação. Londrina: PR, 2001.
Manoel dos Santos
Educação Ambiental
kalilmanoel@Hotmail.com
+55 73 99446809
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biologia da conservação seminário sobre história natural e auto-ecologia escas.09 a 17 de junho-2014

510 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
510
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Relatórios de pessoas, organizações de conservação e agências não governamentais.

    “Somente em campo o estado de conservação de uma espécie e suas relações com o ambiente biológico e físico podem ser determinados, p. 153.
  • Os tipos comuns de monitoramento são inventários e estudos de populações demográficas representando 40%; e estudos sobre levantamento representando 20%;

  • EXEMPLO: a chuva ácida, a mudança climática global, a sucessão de vegetação, a disposição de nitrogênio, invasões de espécies exóticas são exemplos de processos que causam alterações a longo prazo mas podem passar despercebidos a curto prazo. P. 165
  • Em um Programa de reintrodução deve-se considerar os aspectos de organização, de território e de grupo destas populações, bem como, as habilidades aprendidas destes animais introduzidos, tais como manipulação de alimentos, a fuga de predadores, competição por fêmeas, etc.
  • Biologia da conservação seminário sobre história natural e auto-ecologia escas.09 a 17 de junho-2014

    1. 1. HISTÓRIA NATURAL E AUTO-ECOLOGIA SEMINÁRIO BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Profº Drº Cláudio Pádua Manoel dos Santos Mestrando em Cons. Da Biodiv. e Des. Sustentável/ESCAS Uruçuca/Serra Grande-Ba, 13.06.2014
    2. 2. O QUE É HISTÓRIA NATURAL E AUTO-ECOLOGIA?  “É a solução para proteger e manejar uma espécie rara ou ameaçada na busca do entendimento da sua relação biológica com o seu ambiente e a situação atual de sua população”, (PRIMACK; RODRIGUES, 2001, p. 151), podendo ser denominada também de ecologia das espécies.  E auto-ecologia quando se ocupa do estudo de espécies individuais.  Manejo de conservação de espécies e identificação de fatores que provocam risco de extinção;
    3. 3.  O planejamento e implementação de políticas de conservação em nível de população depende das características das espécies:  Ambiente: relaciona-se com os tipos de habitat, espécies encontradas, total de áreas disponíveis, variação de ambiente e afetação de sua integridade;  Distribuição: localização de encontro da espécie; deslocamento ou não entre habitat e periodicidade e adaptação em novos habitats. O QUE É HISTÓRIA NATURAL E AUTO-ECOLOGIA?
    4. 4.  Interações bióticas: envolvem tipos de alimentos e outros recursos que as espécies necessitam, competição entre espécies pelos mesmos recursos, existência de predadores, pestes e parasitas que as afetam;  Morfologia: está relacionada às características físicas das espécies para a sua existência;  Fisiologia: quantidade de recursos que a espécie precisa para sobreviver, crescer e se reproduzir, resiliência a condições climáticas extremas (demografia, comportamento, genética); O QUE É HISTÓRIA NATURAL E AUTO-ECOLOGIA?
    5. 5. COLETA DE INFORMAÇÕES SOBRE A HISTÓRIA NATURAL Grupos especializados Relatórios Restrição de estudos e variação de lugares
    6. 6. MONITORANDO AS POPULAÇÕES  É uma espécie de senso realizado no campo, monitoramento de sua população para conhecer a situação das espécies raras e de interesse do pesquisador;  O monitoramento é eficaz para mostrar a resposta de uma população às mudanças em seu ambiente, devendo-se observar após a fragmentação de florestas e sua incidência no aumento de mortalidade de espécies, (PRIMACK; RODRIGUES, 2001, p. 153).
    7. 7. Inventário • É uma contagem do número de indivíduos de uma população e informa estabilidade, aumento ou diminuição de número destes indivíduos. Levantamento de População • Faz a estimativa da densidade de uma espécie em uma comunidade. Uma área pode ser dividida em parcelas de amostras e contado o número de indivíduos de cada parcela. Estudos Demográficos • Ocupam-se de indivíduos conhecidos de uma população para determinar suas taxas de crescimento, reprodução e sobrevivência. • A técnicas usadas para fazer um estudo de população varia e depende das características da espécie estudada e do objetivo do estudo.
    8. 8. ANÁLISE DE VIABILIDADE DE POPULAÇÃO  A AVP é um método que permite examinar uma série de exigências que uma espécie teme os recursos disponíveis em seu ambiente, a fim de identificar estágios vulneráveis de sua história natural, (GILPIN; SOLÉ, 1986, apud PRIMACK; RODRIGUES, 2001, p. 158).  Quando a AVP pode ser útil?
    9. 9. Degradação de habitat Perda de habitat Fragmentação de habitatCompreensãodosefeitosda... Examinadadosdasespécies
    10. 10. METAPOPULAÇÕES Representa aglomerado de populações temporárias ou flutuantes que estão ligadas pela migração, podem ser reveladas por estudos demográficos. Três populações independentes Metapopulação de três populações em iteração
    11. 11. As populações nas áreas satélites podem se tornar extintas em anos desfavoráveis, mas as áreas são recolonizadas por migrantes da população central quando as condições se tornarem favoráveis, (PRIMACK; RODRIGUES, 2001, p. 162). Metapopulação com interações complexas Metapopulação com uma grande população central e três populações satélites. A extinção de habitat das populações centrais impacta na extinção das populações satélites. O manejo eficaz de espécies exige a compreensão destas dinâmicas de metapopulações.
    12. 12. MONITORAMENTO A LONGO PRAZO DE ESPÉCIES E ECOSSISTEMAS  O monitoramento na conservação integrada e em projetos de desenvolvimento tem como objetivo a proteção da diversidade biológica.  Estes efeitos podem ser retardados por muitos anos em suas causas iniciais.  Brasil: existem duas estações de pesquisas científicas que monitoram as mudanças ecológicas: uma na Amazônia e outra na Mata Atlântica.
    13. 13. ESTABELECIMENTO DE NOVAS POPULAÇÕES  Considerar os fatores que levam ao declínio das populações silvestres originais para serem eliminados e controlados, (CAMPBEL, 1980, apud RODRIGUES; PRIMACK, 2001), 1.Programa de Reintrodução: “solta-se indivíduos retirados do ambiente selvagem ou criados em cativeiros em seu habitat histórico”, para criar uma nova população no ambiente original e aumentar o fluxo gênico entre os fragmentos, (KLEIMAN, 1996);
    14. 14. 2.Programa de Acréscimo: libera-se indivíduos em uma população existente para aumentar o seu tamanho e o seu pool genético. 3.Programa de Introdução: transporta-se animais e plantas para habitats fora de sua extensão original para estabelecer novas populações, por causa da deterioração do ambiente original ou por presença de fatores que geram declínio neste habitat original. ESTABELECIMENTO DE NOVAS POPULAÇÕES
    15. 15.  Comportamento Social e de Animais Soltos: Os programas bem sucedidos de reintrodução, acréscimo e introdução devem considerar a organização social e o comportamento dos animais que serão libertados e as relações sociais entre animais selvagens e criados em cativeiros; ESTABELECIMENTO DE NOVAS POPULAÇÕES Estabelecimento de Novas Populações de Plantas: Requer um micro-ambiente favorável para a sobrevivência das plantas, exigindo cuidados para as plantas passarem por seu estágio frágil de plântula antes que sejam transplantadas para o campo.
    16. 16. REFERÊNCIA  RODRIGUES, Efraim; PRIMACK, Richard. Biologia da Conservação. Londrina: PR, 2001.
    17. 17. Manoel dos Santos Educação Ambiental kalilmanoel@Hotmail.com +55 73 99446809

    ×