GECOM PRIMEIRO AMOR 1 
O homem segundo a Bíblia
João Vinícius de Abreu1
Estudo realizado no dia 04 de maio de 2015 no GECO...
GECOM PRIMEIRO AMOR 2 
discussão de gênero​, que tenta tratar de sexualidade sobre uma ótica puramente                    ...
GECOM PRIMEIRO AMOR 3 
qualidades profundas que refletem a verdadeira natureza e equilíbrio de Deus. A                    ...
GECOM PRIMEIRO AMOR 4 
e segurança. É preocupado em como Deus o vê e não em como os outros o                              ...
GECOM PRIMEIRO AMOR 5 
cuidado e coragem para enfrentar as adversidades e proteger sua                   
família.  
 
3) ...
GECOM PRIMEIRO AMOR 6 
3) Passividade e Insegurança​: O falso masculino tem medo de tomar                   
decisões e as...
GECOM PRIMEIRO AMOR 7 
arrepender (Dn 4.27) ; Se destacava porque tinha um espírito                   
extraordinário (Dn ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sexualidade: O homem segundo a bíblia

381 visualizações

Publicada em

Estudo realizado no dia 04 de maio de 2015 no GECOM Primeiro Amor da Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí. Este documento é uma tentativa de transcrição, seu formato original é para discussão em grupo. Ele também não é definitivo, pelo contrário, qualquer ajuda é muito bem vinda para uma melhor compreensão sobre este tema. Para qualquer sugestão, crítica, correção ou ideia, fique a vontade para enviar um email para jvabreu@gmail.com.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sexualidade: O homem segundo a bíblia

  1. 1. GECOM PRIMEIRO AMOR 1  O homem segundo a Bíblia João Vinícius de Abreu1 Estudo realizado no dia 04 de maio de 2015 no GECOM Primeiro Amor da Igreja Presbiteriana do  Bairro Amambaí. Este documento é uma tentativa de transcrição, seu formato original é para  discussão em grupo. Ele também não é definitivo, pelo contrário, qualquer ajuda é muito bem vinda  para uma melhor compreensão sobre este tema. Para qualquer sugestão, crítica, correção ou ideia,  fique a vontade para enviar um email para ​jvabreu@gmail.com​.      Introdução: Um conceito perdido "E disse Deus: Façamos o homem a nossa imagem, conforme                    nossa semelhança; domine ele sobre os peixes do mar, sobre as                      aves do céu, sobre o gado, sobre os animais selvagens e sobre todo                          animal rastejante que se arrasta sobre a terra. E Deus criou o                        homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher                          os criou" ​Gênesis 1.26­27; Almeida Século XXI      Quando paramos para observar os nossos dias nos vemos diante de uma                        confusão sem tamanho sobre a sexualidade e assuntos decorrentes como                    masculinidade ou feminilidade. Falar sobre ​masculinidade ou ​hombridade é quase                    que uma afronta em um ambiente cercado de filosofias humanistas de ódio entre                          homens e mulheres. É certo que durante muito tempo os homens em geral falharam                            com suas atribuições, deixando se levar pelo rancor, autoritarismo, insegurança e                      medo e também muitas conquistas dignas e justas foram alcançadas pelas                      mulheres. Entretanto, parece que nos vemos diante de um balança que não                        consegue se equilibrar. Homens e mulheres vivem em conflito, seja na sociedade                        como infelizmente também em nossas igrejas. É necessário que falemos e                      conversemos sobre como homens podem refletir a imagem que Deus deseja para                        eles e assim cumprir suas responsabilidades e como as mulheres podem ser                        auxiliadoras nesse processo a fim de que tanto igreja quanto sociedade sejam                        redimidas pelo nosso Autor, que é Deus. Quando olhamos para Deus que nos criou                            entendemos melhor quem somos. Sendo o homem à sua imagem e semelhança,                        toda tentativa de autoconhecimento é vã em sua pretensão. Conhecendo a Deus,                        conhecemos mais de nós mesmos.     É percebido que o conceito perdido sobre masculinidade é ocasionado por                      alguns fatores, sendo eles: a ​falsa concepção de masculinidade​, guiada                    principalmente por construções sociais e caídas do homem; ​a confusão da                      1  ​João Vinícius de Abreu​ é Seminarista pela IPBA (Igreja Presbiteriana do Bairro Amambaí),  estudando o curso de Bacharel em Teologia no MBS (Martin Bucer Seminar, em São José dos Campos  ­ SP). Também é Administrador e Mestrando em Administração ­ Estratégias Empresariais na UFMS  (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).  
  2. 2. GECOM PRIMEIRO AMOR 2  discussão de gênero​, que tenta tratar de sexualidade sobre uma ótica puramente                        humanista e deixa de lado a perspectiva divina sobre este assunto; ​a omissão do                            homem​, faltando com a liderança e fugindo de suas atribuições; a ​vã segurança                          em confiar em si mesmo​, tentando trazer para si e sua própria capacidade a                            resolução dos seus problemas, esquecendo­se que em Deus é que reside sua                        capacidade para compreender sua identidade; e a ​misoginia (ódio contra mulheres)                      como um muro que em vão tenta esconder a fragilidade da masculinidade em                          nossos dias.     Porque falar de masculinidade para homens e mulheres?   É importante que falemos de masculinidade tanto para homens como para                      mulheres pois uma vez que o correto entendimento da identidade que Deus criou                          para a humanidade, e esta corrompida pelo pecado, é compreendido, a restauração                        e construção da identidade é possibilitada, pela vitória de Cristo na cruz. Se o salário                              do pecado é a morte , esta morte foi vencida na Cruz graças ao nosso Deus que nos                                 2 dá a vitória por meio de Cristo .  3   Também vemos a importância dessa discussão pois entendemos que                  famílias abençoadas por Deus abençoam o mundo. Sendo assim, famílias que                      entendem o que são e o que devem ser para glória de Deus trabalham e agem para                                  que o conceito errado de masculinidade seja redimido pelo conceito que Deus revela                          sobre seus filhos. O casamento é o grande mistério, como o apóstolo Paulo diz, e                              também é a realização de masculino e feminino gerando vida. Homens devem                        aprender a ser aquilo que Deus deseja que sejam e mulheres precisam observar                          estes conceitos para que possam, caso sejam solteiras e tenham vocação para o                          casamento, escolham homens que busquem e procurem o padrão bíblico de                      masculinidade. Caso sejam casadas, que auxiliem seus cônjuges a serem segundo                      este padrão. Caso não casem, que auxiliem suas igrejas e os homens que ali estão                              a não se esquecerem de suas responsabilidades.     Resgatando o conceito   Segundo Willy Torresin, do ministério Exodus, é importante que tratemos da                      terminologia sobre o que é essa masculinidade. Ele primeiro define o homem, em                          seu ​sentido biológico​, como macho. Em seu ​sentido de gênero​, masculino.                      Quando este homem está em relação com a mulher, percebe­se a ​união de dois                            aspectos de Deus​, ​à imagem e semelhança de Deus​, citada em Gn 1.27. Quando                            falamos de Deus, é importante lembrarmos que Deus não é macho ou fêmea, ou                            homem ou mulher. Deus é Espírito. Na masculinidade e feminilidade vemos                      2  Rm 6.23  3  1 Co 15.55 
  3. 3. GECOM PRIMEIRO AMOR 3  qualidades profundas que refletem a verdadeira natureza e equilíbrio de Deus. A                        masculinidade tratando da iniciativa, a capacidade criativa, a paternidade de Deus, a                        forma como ele nos dá estrutura e forma, entre outras. A feminilidade tratando da                            ternura, aconchego, misericórdia. Deus se revela também como uma galinha que                      aninha seus pintinhos, cobrindo com suas asas.   A verdadeira masculinidade   Ainda segundo Willy Torresin, o verdadeiro masculino é percebido nas                    seguintes características:     1) Poder para agir; Orientação para fazer: ​O homem é dotado de liderança,                        capacidade para fazer. Isso é percebido desde o desenho de sua própria                        genital "de dentro para fora". O homem produz e externaliza. Ao homem cabe                          a realização de fazer e dar dinamismo e movimento. Volta­se para os                        detalhes e empreende grandes projetos e realizações.    2) Capacidade para prevalecer na adversidade: ​O homem tem necessidade                  de deixar as coisas muito claras e tomar sua posição sobre qualquer assunto                          que seja. Quando luta por algo que é verdadeiro e justo, persegue até o fim.                              Toma posição e obedece radicalmente. Pode­se relacionar aqui a imagem de                      homens em exércitos e combates, que são capazes de defender sua pátria e                          sua família mesmo que isso custe sua vida.     3) Raciocínio baseado na lógica: O homem busca por métodos que tragam                      ordem e evidenciem racionalidade. Busca coletar dados que subsidiem suas                    decisões e orienta­se para tarefas mais racionais e menos emotivas.     4) Orientação visual​: O homem geralmente é atraído pelo que vê, e isso não                          se justifica apenas pela atração sexual. O homem é atraído por símbolos,                        imagens, representações e gosta de se identificar por elas. O homem não                        procura pelo abstrato, o que é o concreto o realiza.     5) Nos relacionamentos: Relacionam­se e criam amizades fazendo coisas                juntos. O homem tem facilidade para fazer amigos, entretanto tem                    dificuldades para identificar sentimentos.     6) A masculinidade sagrada: ​A chave para todas as outras características é o                        homem que se torna dependente de Deus em todo momento. Aquele que                        traz Deus como sua fonte de força e tem em Deus confiada a sua identidade                             
  4. 4. GECOM PRIMEIRO AMOR 4  e segurança. É preocupado em como Deus o vê e não em como os outros o                                vêem. Submete­se e entrega­se a autoridade de Deus.     Voodie Baucham, pastor da Grace Family Baptist Church em Spring, Texas                      (EUA), escreve em seu livro "O que ele deve ser… Se quiser casar com minha filha"                                sobre as atribuições do homem na família. Para isso, ele se utiliza de uma citação                              de George Whitefield que diz:     "Todo chefe de família deve se considerar obrigado a agir em três                        competências: como profeta, para instruir; como sacerdote, parar                orar pelos outros e com eles, e como rei, para governar, dirigir e                          sustentar a família"    Na definição de Baucham, temos essas atribuições dispostas da seguinte                    maneira, em Quatro Pês (4P's):      1) Pastor/Líder: Uma conhecida citação reformada trata que cada casa                  deveria ser uma paróquia em que o pai de cada família guia e orienta                            sua família no louvor a Deus e na religião familiar . É importante que                         4 na atribuição de pastor o homem esteja disposto em liderança humilde                      e serva, diante de sua esposa e companheira em amor e de seus                          filhos em cuidado.     2) Protetor​: Wayne Grudem diz que o ​"amor do marido deveria                    estender­se até à disposição de dar a vida pela mulher (grifo meu:                        assim como Cristo fez pela igreja ), algo que muitos soldados fizeram                     5 em batalhas em todo o curso da história a fim de proteger família e                            pátria". Sendo protetor, o homem deve se dispor em ​santidade                    pessoal, assim como Baucham diz: ​"O jovem a quem falta                    compromisso com a santidade também lhe falta a motivação                  necessária para proteger a mulher". ​Também deve ser ​amável​, sendo                    a amabildade não sinônimo de fraqueza, mas de força sob controle e                        serviço da sua família. ​Determinação é outra característica de ser                    protetor. Baucham diz: ​"Mostre­me o homem de caráter resoluto e lhe                      mostrare o homem que protege sua família a todo custo"​. Por fim,                        sendo protetor, o homem deve ser corajoso. Sabendo que, como diz                      Baucham, que o custo do discipulado de Cristo incorre em ser amigo                        de Deus e inimigo das coisas do mundo. Assim, o homem deve ter                          4  “Se vocês desejam a reforma espiritual e o bem estar de seu povo, façam o que puderem para  promover a religião familiar” ​Richard Baxter  5  Ef 5.25 
  5. 5. GECOM PRIMEIRO AMOR 5  cuidado e coragem para enfrentar as adversidades e proteger sua                    família.     3) Provedor​: Segundo a primeiracarta do apóstolo Paulo a Timóteo, ​"Se                    alguém não cuida dos seus, especialmente dos de sua família, tem                      negado a fé e é pior que um descrente" . ​Sobre o trabalho e o cuidado                             6 dos seus, é importante diferenciar trabalho de muito trabalho. Em um                      tempo de muitos ​workaholics (viciados em trabalho), faz­se necessário                  dizer que muito trabalho não quer dizer ser provedor. O homem tem                        que ter disponibilidade ao trabalho e trabalhar pela sua família. Mas                      não pode ser compulsivo e obsessivo por trabalho e nem procurar                      preencher seus vazios e falhas com bens e presentes. O homem tem                        que lembrar que seu papel como provedor não se estende somente a                        provisão material mas principalmente a espiritual e de afeto.      4) Profeta/Sacerdote: ​O homem deve lutar pela sua família de joelhos.                    O homem deve procurar sempre em Deus toda resposta que deve dar                        a sua família. Também é importante que estes homens preguem e                      exponham a palavra a sua família e faça assim como diz o Salmista:                          "contemos as gerações vindouras sobre os louvores do Senhor, seu                    poder e as maravilhas que tem feito"  7   A falsa masculinidade   Sobre a falsa masculinidade, percebe­se as seguintes características:    1) Segurança é baseada em aparências: Porte físico, trabalho, bens                  materiais, relacionamento, status, poder, entre outros. O falso                masculino não procura evidenciar suas qualidades interiores, pelo                contrário, tem medo delas. Tenta provar que é homem a todo o tempo                          ao invés de conhecer o que é um homem e permitir que as pesosas                            conheçam o que é um homem a partir dele. Tenta manipular o poder                          para forçar os outros a o aceitarem.    2) Ativismo compulsivo: Ao falso masculino há muito trabalho, mas                  pouca vocação. Muita ocupação e pouca relevância. Trata das                  atividades como válvula de escape para seus problemas e tem                    dificuldade para se aquietar diante de Deus.     6  1 Tm 5.8  7  Sl 78.4 
  6. 6. GECOM PRIMEIRO AMOR 6  3) Passividade e Insegurança​: O falso masculino tem medo de tomar                    decisões e assumir as responsabilidades delas. Por causa disso,                  torna­se passivo e inseguro.     4) Medo da mulher: Tem dificuldade para compremeter­se, evita                relacionamentos ou troca de relacionamentos com frequência. Não                tenta conhecer a mulher ou o que ela é, tem dificuldades para honrar e                            abençoar a mulher.     5) Ódio contra a mulher: ​Na sua tentativa de dominar, o falso masculino                        trata a mulher como objetivo, a enxerga como vulgar, a culpa por ser,                          na sua concepção, vulgar. Não vê a mulher como filha de Deus. Vive o                            dilema de uma ambivalência ­ Sente que precisa da mulher mas tem                        medo de ser dominado por ela. Tenta sabotar a mulher e fazer com                          que a mulher dependa dele para ser o que ela é.     Dois estudos de caso   Quando vemos os exemplos de masculinidade segundo a imagem e                    semelhança de Deus, pode­se visitar em nós um sentimento de incapacidade, seja                        como homens em pensar que não é possível se dispor a essas qualificações, seja                            para mulheres que pensam que pode ser impossível encontrar homens com essas                        atribuições. Lembremos nessas horas que Deus é Deus que provê e que abençoa                          seus filhos e que ele espera que nós sejamos assim como ele intencionou. Não                            podemos cair na facilidade que é de se "nivelar por baixo". Devemos buscar a                            estatura de Cristo, como igreja, e ser aperfeiçoados pelo seu santo Espírito.     Percebemos então nas inúmeras histórias bíblicas relatos de homens que                    mesmo sendo falhos, humanos e pecadores, representam aspectos da                  masculinidade que reflete a imagem de Deus, vamos analisar dois deles:     ● Daniel  ○ Contexto histórico: Cativeiro Babilônico do reino de Judá; Foi junto                    com seu amigos; Interpretava sonhos; Foi colocado na cova dos leões                      para ser devorado mas foi agraciado por Deus com o livramento;   ○ Aspectos da masculinidade em Daniel: Decidido (Dn 1.8); Não se                    contaminou (Dn 1.8); Confiante que Deus honraria sua decisão (Dn                    1.11­15) ; Inteligência, Conhecimento vindas de Deus (Dn 1.17) ;                    Reconhecido pelo Rei/Sociedade (Dn 1.19) ; Buscava a Deus em                    todas as situações (Dn 2.19) ; Louvava a Deus, reconhecia que era                        Deus quem fazia (Dn 2.19) ; Corajoso, contou para o Rei que seu reino                            seria destruído, Chama um dos mais poderosos reis da história a se                       
  7. 7. GECOM PRIMEIRO AMOR 7  arrepender (Dn 4.27) ; Se destacava porque tinha um espírito                    extraordinário (Dn 6.3) ; Fiel mesmo que isso custasse sua vida. (Dn                        6.10) ; Servidão contínua a Deus que trouxe livramento (Dn 6.16);     ● José no Egito  ○ Contexto histórico: ​Filho de Jacó (Israel); Interpretava sonhos; Foi                  vendido como escravo para o Egito; No Egito alcança destaque; É                      injustiçado na casa de Potifar; É preso; Torna­se governador/rei do                    Egito em tempos de crise após revelar ao Faraó o que aconteceria                        com o Egito;   ○ Aspectos da masculinidade em José: Deus estava com ele (Gn                    39.3); Próspero em seus empreendimentos (Gn 39.3) ;Reconhecido                (Gn 39.4); Confiável (Gn 39.4; 39.21); Servo; Recusa à tentação (Gn                      39.8); Determinação e Confiança; Honra a Deus e aos superiores (Gn                      39.9) ; Resoluto e fiel mesmo na injustiça (39.21); Liderança (39.22) ;                        Sacerdote (40.8; 41.16) ​“as interpretações não pertencem a Deus?                  Conte a mim”; ​O reconhecimento é de Deus “Isso não está em mim;                          Deus é que dará uma resposta de paz ao faraó"; Administrador,                      Gestor, Confiável; Perdoador; Honra; “Isso não está em mim, vem de                      Deus"    Considerações finais  ➔ Devemos buscar em Deus a nossa identidade como homens e mulheres;     ➔ Aos homens: Devemos desejar ser aquilo que Deus nos criou para ser.                        Nivelem por cima.     ➔ As mulheres: Não desejem menos daquilo do que Deus desejou que vocês                        tivessem. Nivelem por cima.     ➔ Aprendamos com Daniel, um homem que foi fiel a Deus em todas as                          situações    ➔ Aprendamos com José, um homem que estava com Deus e reconhecia que                        nada do que fazia vinha dele mesmo, mas sim de Deus.     ➔ O Evangelho reconcilia homens e mulheres; o masculino e o feminino;                      restaura masculinidade e feminilidade; e traz a glória de Deus para a                        sexualidade 

×