mobile Ecologia e Telecomunicação          As telecomunicações também podem          contribuir para um mundo mais verde? ...
A        indústria ICT (sigla inglesa para in-        dústria da Informação e Tecnologia        de Comunicação) tem aprese...
mobile Ecologia e Telecomunicaçãofuncionalidades e taxas de comunicação,       O crescimento do tráfego de dados acentuado...
A solução das femtocells que garante co-berturas “indoor” específicas é igualmentevantajosa pelas mesmas razões que forama...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ecologia e telecomunicações

294 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecologia e telecomunicações

  1. 1. mobile Ecologia e Telecomunicação As telecomunicações também podem contribuir para um mundo mais verde? A pegada ec lógica nas telecomunicações A área das telecomunicações tem sido uma das indústrias com maior crescimento na última década e uma das prioridades é comunicar de forma eficiente, mas, ao mesmo tempo, com uma preocupação ecológica. Por: Justino Lourenço* eco46
  2. 2. A indústria ICT (sigla inglesa para in- dústria da Informação e Tecnologia de Comunicação) tem apresentadouma forte tendência de inovação e conse-quente crescimento sustentado e acelerado.Estima-se que cerca de 2 a 10% da energiaconsumida a nível global seja da respon-sabilidade deste sector. A proliferação desuportes tecnológicos de comunicação, emespecial na rede 3.5G/4G, tem vindo a con-tribuir com uma parcela cada vez mais rele-vante neste consumo global. A necessidadede taxas de comunicação crescentes, aliadasa preocupações com a QoS (Qualidade deServiço) tem conduzido a uma segmenta-ção crescente das redes móveis. Consegue-se, assim, uma optimização da cobertura,mas pagando o preço da proliferação deestruturas de suporte de antenas pelo glo-bo. Aparecem, desta forma, novos desafiosao nível da redução dos consumos energé-ticos destas estruturas que estão a surgir.Desafios na rede cabladaA rede cablada a nível global tem vindo asofrer uma das maiores revoluções na his-tória das telecomunicações. O fim do do-mínio do cobre como suporte essencial dascomunicações cabladas trouxe mudançasfundamentais ao nível da qualidade dosserviços de telecomunicações, mas tambémao nível do consumo da energia.A tendência actual é a criação de um es-queleto denso que leva fibra óptica a qual-quer ponto geográfico. Esta massificaçãodas fibras ópticas como um canal de eleva-da capacidade, que permite a convergênciade múltiplos canais de comunicação numúnico suporte, está a permitir a concentra-ção de informação num único suporte óp-tico. Além da elevada capacidade, a fibraóptica, que apresenta uma atenuação porquilómetro bastante inferior ao do cobre,permite a redução do número de repeti-dores (regeneradores) que são necessáriosao longo de uma ligação. Esta redução donúmero de repetidores, associada a umamaior largura de banda, irá permitir al-gum decréscimo no balanço do consumo ada nas performances anunciadas e tambémenergético. Contudo, esta suposta redução na poupança na factura de energia.da pegada de CO2 poderá ser contrariadapelo facto das redes de telecomunicações Redes móveisestarem igualmente a crescer, chegando a A já referida proliferação das estruturaspontos onde no passado recente não exis- de suporte para comunicação móvel temtiam necessidades de comunicação. vindo a trazer novos desafios ao nível daPor último, o que poderá ainda ser feito? gestão dos consumos de energia. A taxaOptimização dos mecanismos de hiberna- de crescimento do tráfego de dados nasção (Power Save), desde o mais elaborado redes móveis está a atingir uma taxa dedispositivo de rede até ao mero receptor de 108%, segundo os dados da CISCO Visu-TV digital, de forma a reduzir ao máximo al Networking Index, Global Mobile Datao consumo dos dispositivos de comunica- Traffic Forecast Update 2009-2014. Esteção quando estes não estão a ser utilizados. crescimento acentuado é suportado pelo Estima-se que entre 2 aA diferenciação positiva dos dispositivos de incremento na utilização de smartphones e 10% da energia consumidacomunicação também deverá ser efectuada acessos móveis dos mais variados dispositi- a nível global provenharecorrendo à sua classificação em termos de vos que recorrem a ligações 3G/3.5G. Seráeficiência energética: um consumidor ou em- importante que na concepção do hardware das tecnologias depresa deverá tomar a decisão de compra base- o focus deixe de ser apenas o aumento das comunicação. www.zoomit.pt 47
  3. 3. mobile Ecologia e Telecomunicaçãofuncionalidades e taxas de comunicação, O crescimento do tráfego de dados acentuado émas também a questão da eficiência ener- suportado pelo incremento na utilização degética dos dispositivos. Este aumento dasinfra-estruturas de comunicação móvel e smartphones e pelo acesso às redes 3G/3.5G.da utilização dos recursos gerados com es-ta taxa anual de crescimento representa um dade um comportamento estatístico, é de redireccionamento do sinal em função doforte contributo no aumento das emissões de alguma complexidade estimar os recursos comportamento estatístico na mobilidadeCO2. A literatura científica neste campo já e controlar este fluxo que irá aumentar. dos utilizadores. Ao contrário da aborda-mostra que existe esta preocupação na área Actualmente, uma estação base que esteja gem tradicional, onde cada sistema de an-do I&D, que certamente se irá reflectir no operacional, mesmo que não esteja a gerir tenas garante uma cobertura homogéneacurto prazo na concepção dos sistemas de tráfego, apresenta uma margem de consu- de uma zona, esta abordagem permite atelecomunicações móveis do futuro. mo ainda considerável: necessita de garan- adaptação do perfil de radiação em funçãoA proliferação de estações base (BS) que tir emissões regulares em potência para se das constantes mudanças na concentraçãoirão garantir uma eficiente cobertura para anunciar aos potenciais visitantes móveis geográfica dos utilizadores. Supostamenteas futuras redes 4G é, obviamente, um da- e o suporte de refrigeração estará igual- serão conseguidos ganhos importantes aodo preocupante. A crescente segmentação mente activo, representando um consumo garantir que as antenas se vão adaptandodas redes móveis em células de menor di- energético não desprezável. Uma possível aos cenários de comunicação.mensão traz a vantagem de ser necessário abordagem, em situações de baixa utiliza- Na literatura da área também aparece umamenos potência envolvida na comunicação ção da rede numa zona, poderá passar por referência crescente para uma nova soluçãopelos dispositivos móveis. Recentemente uma desactivação temporária de algumas – Green Cellular Architecture. De umaforam tornados públicos alguns estudos dessas estações (Sleep Mode). Esta abor- forma resumida, esta solução distingue omédicos que apontam riscos para a saúde dagem é possível pois as restantes estações tráfego de uplink do de downlink, utili-humana resultantes da utilização de tele- activas na zona poderão garantir o déficit zando "Green Antennas" nas proximidadesmóveis. Esta redução da potência envolvida de cobertura que resulta do referido Sleep do dispositivo móvel, conseguindo-se queirá certamente resultar numa redução desse Mode. Esta estratégia poderá igualmente este utilize menos potência na comunica-risco. Contudo, o facto de existirem mais passar por uma solução de “wireless relay” ção, aumentando a sua autonomia e, maisestações base implicará um incremento no e uma afinada estratégia de cooperação uma vez, o risco de saúde inerente à suaconsumo global de energia, a não ser que inter-BS. utilização. Esta estrutura de "Green An-seja repensada a sua concepção. O aumento O recurso a sistemas avançados de antenas tennas" poderá ser conectada recorrendo ade estações base irá igualmente aumentar adaptativas permite a concentração do fei- estruturas cabladas (como fibra óptica) ouo tráfego comutado entre as várias esta- xe de potência numa zona específica, onde a feixes altamente direccionais. Ao reduzirções, pois um utilizador em mobilidade realmente existem carências de canais de a potência envolvida na comunicação redu-com alguma rapidez terá necessidade de comunicação. Recorrendo a estruturas de zimos ainda o risco de interferência e assimsucessivos “handovers”. Tendo a mobili- antenas adaptativas é possível controlar o conseguimos optimizar a rede.48
  4. 4. A solução das femtocells que garante co-berturas “indoor” específicas é igualmentevantajosa pelas mesmas razões que foramanteriormente apresentadas.O recurso à utilização de sistemas de ali-mentação apoiados em energias renováveis,como a solar ou a eólica, que já são umarealidade em Portugal e mesmo a nívelglobal, permite igualmente decréscimosimportantes na pegada ecológica das re-des de telecomunicações. A utilização si-multânea das duas soluções permite umaredundância importante para garantir umfornecimento de energia eléctrica ao longodo dia, fortemente suportado pelo recursoa energias renováveis.Esta abordagem trará imensas vantagenspara os operadores: ausência de exposiçãoa custos variáveis da energia eléctrica e re-duzida manutenção.Por último, uma nova abordagem na con-cepção dos terminais móveis é igualmenteimportante: é necessário procurar aumen-tar a performance tendo igualmente emconta o factor autonomia do dispositivo;a implementação de sistemas de hiberna-ção mais sofisticados, que sejam activadossempre que o dispositivo não utiliza qual-quer um dos seus recursos; ou a procura desistemas de display ainda mais económicoscom controlo automático de iluminação emfunção da luz ambiente. Algumas destassoluções, contudo, já são implementadas contributo relevante nesta área.por alguns fabricantes. É necessário repensar estratégias de pro- O recurso à utilização dução e planeamento tradicionais das re- de energias renováveis,Conclusões des de telecomunicações e transpôr o focus que já são uma realidadeA questão da pegada ecológica passou a para a questão ambiental. Esta estratégia em Portugal, permitiráfazer parte da agenda do nosso dia-a-dia. deve ser concertada, incentivada e comA criação de grupos de discussão e projec- uma adequada legislação de suporte. Só decréscimos importantestos tais como o "Mobile Virtual Centre of assim poderemos aspirar que os próximos na pegada ecológica .Excellence" (VCE) em 2009, que manifes- 10 anos sejam uma década onde a qualida-taram preocupação com a eficiência ener- de de vida a nível global melhore com umgética das futuras redes móveis, são um planeta mais verde.*Professor e investigador do Instituto SuperiorPolitécnico Gaya. Consultor na área dasTelecomunicações.Contacto: jml@ispgaya.pt www.zoomit.pt 49

×