Geofísica

488 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
488
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geofísica

  1. 1. GEOFÍSICAGEOFÍSICACARTOGRAFIACARTOGRAFIATio Rob (Super Shock)Tio Rob (Super Shock)
  2. 2. Pontos CardeaisPontos Cardeais• Pontos cardeais• E: este ou leste• N: norte• O ou W: oeste• S: sul• Pontos colaterais• NE: nordeste• NO ou NW: noroeste• SE: sudeste• SO: sudoeste
  3. 3. Pontos CardeaisPontos Cardeais• Pontos subcolaterais• NNE: nor-nordeste• ENE: lés-nordeste• ESE: lés-sudeste• SSE: sul-sudeste• SSO ou SSW: sul-sudoeste• OSO ou WSW: oés-sudoeste• ONO ou WNW: oés-noroeste• NNO ou NNW: nor-noroeste
  4. 4. Outras denominações dos pontosOutras denominações dos pontoscardeais e colateraiscardeais e colaterais• Norte: setentrional e boreal• Sul: meridional e austral• Leste: oriente e oriental• Oeste: ocidente e ocidental
  5. 5. Rotação da TerraRotação da Terra• Movimento de Rotação Movimento entorno de simesma; A rotação é feita torno de umeixo imaginário
  6. 6. Rotação da TerraRotação da Terra• Movimento de translação Movimento em torno do Sol; Ao colocar o movimento detranslação no cálculo,descobre-se que nessas 24h aTerra girou um pouco mais doque 360 graus. Portanto, em um ano de 365dias (ano não bissexto)enquanto há 365 dias e noites,a Terra gira 366 vezes maisum quarto ao redor do seupróprio eixo
  7. 7. Coordenadas geográficasCoordenadas geográficasCoordenadas geográficasCoordenadas geográficas
  8. 8. Coordenadas geográficasCoordenadas geográficas• São linhas imaginárias pelas quais a Terra foi “cortada”, essas linhas são osparalelos e meridianos, através dos paralelos e meridianos é possívelestabelecer localizações precisas em qualquer ponto do planeta.LATITUDE E LONGITUDE• Latitude: Distâncias em graus de um ponto até o equador. Relaciona com paralelos N/S. Paralelos - são círculos imaginários traçados paralelamente ao Equador. O Equador corresponde ao circulo máximo, perpendicular ao eixo terrestre, o quedetermina a divisão do globo em dois hemisférios (Norte e Sul); Do Equador ao Norte – variação de 0º a 90ºN; ou do Equador ao Sul – variação de 0º a90ºS.• Longitude: Distâncias em graus de um ponto até o meridiano de Greenwich. MeridianoW/E. Meridianos - são semi-círculos imaginários que cortam perpendicularmente os paralelos evão de um pólo a outro. O meridiano 0º ou de referência – que passa pelo observatório astronômico deGreenwich, um cidade vizinha a Londres – divide a Terra nos hemisferios ocidental(oeste) e oriental (leste). Variação de 0º a 180º para leste ou oeste.
  9. 9. Zonas da TerraZonas da Terra
  10. 10. Zonas da Terra (Zonas Térmicas)Zonas da Terra (Zonas Térmicas)• As Zonas térmicas da Terra, são as faixascompreendidas entre as linhas dos Paralelos.• Também conhecidas como Zonas climáticas, elas sedividem em:a) Zona Polar Ártica - Entre o Pólo Norte e o Círculo polar ártico.b) Zona Temperada Norte - Entre o Círculo polar ártico e oTrópico de Câncer.c) Zona Tropical ou Intertropical- Entre o Trópico de Câncer e oTrópico de Capricórnio.d) Zona Temperada Sul - Entre o Trópico de Capricórnio e oCírculo Polar Antártico.e) Zona Polar Antártica - Entre o Círculo Polar Antártico e oPólo Sul.
  11. 11. Fusos HoráriosFusos Horários
  12. 12. Fusos HoráriosFusos Horários• As zonas horárias ou fusos horários são cada uma das vinte equatro áreas em que se divide a Terra e que seguem a mesmadefinição de tempo.• Anteriormente, usava-se o tempo solar aparente, de forma que a horado dia se diferenciava ligeiramente de uma cidade para outra.• Os fusos horários corrigiram em parte o problema ao colocar osrelógios de cada região no mesmo tempo solar médio.• Os fusos horários geralmente estão centrados nos meridianos daslongitudes que são múltiplos de 15°;• OBS: Como se vê no mapa anexo, as formas dos fusos horáriospodem ser bastante irregulares devido às fronteiras nacionais dosvários países ou devido a questões políticas (caso da China, quepoderia abranger algo como 4 fusos horários, mas obriga todo o país autilizar o horário de Pequim com evidentes distorções no oeste chinês,onde quando não é inverno o sol nasce por volta das nove horas damanhã).
  13. 13. Fusos HoráriosFusos Horários• Todos os fusos horários são definidos em relação ao TempoUniversal Coordenado (UTC), o fuso horário que contém Londresquando esta cidade não está no horário de verão.• Ao dividir os 360º da esfera terrestre pelas 24hs de duração domovimento de rotação, o resultado é 15º. A cada 15º que a Terra gira,passa-se 1h. Assim, cada uma das 24 divisões da Terra corresponde aum fuso horário.• As horas mudam à medida que nos dirigimos de um fuso para o outro.Para determinarmos a diferença de horário entre duas localidades,basta sabermos a DISTANCIA LONGITUDINAL entre elas e dividi-lapor 15, que é a medida de cada fuso.• EX: fuso=distância longitudinal/1590º/15= 6hs
  14. 14. CartografiaCartografia• A cartografia é um instrumento extremamente importante para váriasprofissões, é utilizado pelo geógrafo, geólogo, arquiteto, engenheiro,biólogo, entre outros.• É também a disciplina que através de estudos elaborados, fazemrepresentações cartográficas (mapas, cartas, plantas etc.), além daelaboração, a cartografia faz a interpretação dos mesmos.• Na ciência geográfica os mapas são importantes para analisar partesdo planeta, como vegetação, clima, território etc. em parte ou no seutodo, de acordo com a escala.• A cartografia moderna utiliza como fonte de dados a fotografia aérea.
  15. 15. CartografiaCartografia• Mapas• A função dos mapas é prover à visualização de dados(espaciais: mapas topográficos e mapas temáticos) e a suaconfecção é praticada desde tempos pré-históricos, antesmesmo da invenção da escrita. Com esta, dispomos demapas em placas de argila sumérias e papiros egípcios. NaGrécia antiga, Aristóteles e Hiparco produziram mapas comlatitudes e longitudes. Em Roma, Ptolomeu representou aTerra dentro de um círculo.
  16. 16. CartografiaCartografia• Seria impossível representar todos os fenômenosfísicos, econômico, humanos e políticos em um únicomapa. Por isso, além dos mapas topográficos, há osmapas temáticos, nos quais se relacionam temas queinteressam ao usuário, entre infinitas possibilidades derepresentação.• É importante lembrar que uma projeção cartográficanada mais é que o resultado de um conjunto deoperações que permite colocar no plano fenômenosinscritos numa esfera ou, no caso da Terra, num geóide,que é a forma específica do nosso planeta. Portanto,qualquer que seja a projeção adotada, sempre haveráalgum tipo de distorção, seja nas áreas, nas formas ounas distâncias da superfície terrestre.
  17. 17. CartografiaCartografiaAs PROJEÇÕES podem ser classificas em 3 categorias principais:As PROJEÇÕES podem ser classificas em 3 categorias principais:• Cilíndrica - a projeçãodos meridianos eparalelos é feita numcilindro tangente ousecante, à superfíciede referência,desenvolvendo, aseguir o cilindro numplano.
  18. 18. Projeções CilíndricasProjeções Cilíndricas• Projeção de Mercator (Gerhard Kreme – 1569): Perspectiva Eurocentrista – Expansão Ultramarina; Desproporção territorial.
  19. 19. Projeções CilíndricasProjeções Cilíndricas• A Projeção de Mollweide criada, no século XIX, para corrigir as diversasdistorções da projeção de Mercator.• Nesta projeção os paralelos são linhas retas e os meridianos, linhas curvas.Sua área é proporcional à da esfera terrestre, tendo a forma elíptica. As zonascentrais apresentam grande exatidão, tanto em área como em configuração,mas as extremidades apresentam grandes distorções.
  20. 20. Projeções CilíndricasProjeções Cilíndricas• Outra projeção muito utilizada para planisférios é a de Arno Peters, quedata de 1973. Sua base também é cilíndrica equivalente, e determinauma distribuição dos paralelos com intervalos decrescentes desde oEquador até os pólos, como podemos observar no mapa a seguir.
  21. 21. CartografiaCartografia• cônica – osmeridianos eparalelosgeográficos sãoprojetados em umcone tangente, ousecante, àsuperfície dereferencia,desenvolvendo, aseguir, o cone numplano.
  22. 22. CartografiaCartografia• plana ouazimutal – aprojeção éconstruída combase num planotangente ousecante a umponto nasuperfície dereferência.
  23. 23. Escalas CartográficasEscalas Cartográficas• Já sabemos que o mapa representa, de forma reduzida, o espaço geográfico.Para representar corretamente o que existe na Terra é necessário autilização de escala nos mapas.Tomando-se como base a escalaapresentada pelo mapa, podemos com isso, avaliar distâncias e obtermedidas.• Escala é uma relação matemática existente entre as dimensões ( tamanho )verdadeiras de um objeto e sua representação ( mapa ). Essa relação deveser proporcional a um valor estabelecido.• A cartografia trabalha somente com uma escala de redução, ou seja, asdimensões naturais sempre se apresentam nos mapas de forma reduzida.Você vai encontrar nos mapas dois tipos de escalas: escala numérica eescala gráfica.
  24. 24. Escalas CartográficasEscalas Cartográficas• Escala Numérica: é representa da por uma fração, onde o numeradorcorresponde à distância no mapa ( 1 cm ) , e o denominador à distânciareal, no terreno. Pode ser escrita das seguintes maneiras:ex. ____1___ , 1/300 000 e 1:300 000300 000• Nos três casos lê-se a escala da seguinte forma: um por trezentos mil,significando que a distância real sofreu uma redução de 300 000 vezes,para que coubesse no papel.• No exemplo acima de escala numérica, a fração tem o seguintesignificado:numerador distância medida no mapa ( 1 cm )denominador distância real ( 300 000 cm )
  25. 25. Escalas CartográficasEscalas Cartográficas• Sabendo que cada 1 cm medido no mapa, corresponde a uma medida real(ex. 300 000 cm), deverá agora aprender a converter os 300 000 cm emQuilômetros (Km), que é a unidade de medida usual para grandesdistâncias.• Para fazer a transformação de cm (centímetro) para km (quilômetro),devemos utilizar uma tabela com os submúltiplos e múltiplos do metro:submúltiplos do metro <-------metro ---------> múltiplos do metromm-milímetrocm -centímetrodm -decímetrometro dam-decâmetrohm-hectômetrokm-quilômetro
  26. 26. • Observando a tabela acima, deve-se verificar que um número que esteja nacasa do cm (centímetro), para ser transformado em km (quilômetro), deverádeslocar-se por 5 (cinco) casas.• Retornando a escala do nosso exemplo; 1:300 000 ---> 1 cm no mapa equivale 300 000 cm na realidade ou ( 3 00000 )3(três) km. 1:20 000 000 ---> 1 cm no mapa equivale 20 000 000 cm na realidade ou ( 20000 000 ) 200 km. 1:200 000 ---> 1 cm no mapa equivale 200 000 cm na realidade ou ( 2 00 000 )2 km. 1:154 000 000 ---> 1 cm no mapa equivale a 154 000 000 cm na realidade ou( 1540 00000 ) 1540 km. 1:100 ---> 1 cm no mapa equivale a 100 cm na realidade ou ( 0,001 00 ) 0,001km.
  27. 27. • ESCALA GRÁFICA: é representada por uma linha reta graduada.0 10 20 30 40 50 60|____|____|____|____|____|____|____I( km - quilômetros )• OBS: Cada intervalo da reta graduada no mapa corresponde a 1 cm, que na realidade ,neste exemplo utilizado, representa no terreno 10 km. A escala gráfica é mais simplesque escala numérica. É que na escala gráfica não há necessidade de conversão de cm (centímetro ) para km ( quilômetros ). A escala já demonstra quantos quilômetroscorresponde cada centímetro.• Usando a Escala• E – escala• E = 1:25000000, logo: 1cm= 25 000 000cm ou 1cm=250km• D – distância real D=250km• d – distância no mapa• d=1cm

×