bioetica

14.298 visualizações

Publicada em

Historia da Bioetica

Publicada em: Educação
1 comentário
16 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Boa noite, amigo... Tem como me enviar o MODELO do slide? Tenho uma apresentação em um evento e esse modelo seria ideal. Aguardo resposta. Email: joaofilhojs@gmail.com
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
650
Comentários
1
Gostaram
16
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

bioetica

  1. 1. A Bioética estuda a moralidade daconduta humana na área das ciências davida que pesquisam, manipulam e curamos seres vivos.
  2. 2. Os transplantes de órgãos, a morte cerebral, amanipulação do código genético, a fertilização in vitroe o prolongamento artificial da vida.UNESCO= dia 10 de outubro
  3. 3. Desde os primórdios da existência humana, o homem se vêfrente a decisões éticas e morais, tendo como fundamentoe objeto a vida.Na tradição judaico-cristã, há narrativas que exemplificamdeterminadas decisões usando caráter ético-moral.Na Babilônia, o código de Hamurabi , editado 2300 anosa.C., dotam os primeiros registros históricos de punições amédicos por seus erros.
  4. 4.  Foi Hipócrates (460-370 a.C.) criou o corpo de doutrina, que levoua medicina à categoria de ciência. Descartando o curandeirismo. O código humanizou a medicina, estabeleceu limites a condutamedica, impôs o sigilo profissional e o respeito absoluto a vida, ao paciente e a sua família. O principio ético da beneficência: fazer o bem, não causardano, cuidar da saúde, favorecer a qualidade de vida.
  5. 5. No século II, no mundo Romano, surgiu Galeno com ensinamentosaristotélicos que dominaram a medicina por 1400 anos.A ética medica na idade media foi abafada após a destruição deAlexandria pelo obscurantismo religioso cristão e muçulmano entreos anos 400 e 1000. No século VI, surgiu o monasticismo criado por São Bento com elea medicina monástica ao redor dos conventos.
  6. 6.  Neste período não houve progresso nos ensinamentos deHipócrates e Galeno, havendo um recuo nas praticas ocultistas . As doenças, pestes e epidemias da idade media. O código era a Bíblia, podendo admitir tortura, se esta viessepara salvar almas. A Inquisição Reinava soberana
  7. 7. Com o renascimento cultural nos séculos XII e XIII, surgiram asuniversidades para armazenar e transmitir o saber, NÃO PARA CRIÁ-LO.A escola Medica de Salerno(Itália)O Trabalho de Vesálio(1514-1564), De humani corporisfabrica, a Igreja liberou as dissecações para o ensino medico.
  8. 8. O Iluminismo e a Revolta Cientifica, libertam-se de imposiçõesMedievais.As Revoluções Francesa e AmericanaMovimento Eugênico no Inicio do século XX, iniciada em Londres(1907) e adotada nos Estados Unidos.
  9. 9. A Alemanha Nazista: Genocídio dos Judeus Experiências Medicas em nome da ciência.Sigmund Rascher
  10. 10.  Entre 1945 e 1946 essas atrocidades foram jugadas no Tribunal deNuremberg. Regime Nazista justificando aqueles atos: Que a investigação era decorrente de ordens superiores; Que os indivíduos estudados estavam condenados a morte; Que a aquisição dos conhecimentos científicos deveriapredominar sobre os direitos individuais.
  11. 11. 1) O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial;2) O experimento deve ser útil para o bem da sociedade, mas não podem serfeitos de maneira casuística ou desnecessariamente;3) O experimento deve ser baseado em resultados de experimentação emanimais;4) O experimento deve ser conduzido de maneira a evitar todo sofrimento edanos desnecessários, quer físicos, quer materiais;5) 5 Não deve ser conduzido qualquer experimento quando existirem razões paraacreditar que pode ocorrer morte ou invalidez permanente;
  12. 12. 6) O grau de risco aceitável e limitado;7) Devem ser tomados cuidados especiais para proteger o participante doexperimento de qualquer possibilidade de dano, invalidez ou morte;8) O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamentequalificadas.9) O participante do experimento deve ter a liberdade de se retirar no decorrerdo experimento;10)O pesquisador deve estar preparado para suspender os procedimentosexperimentais em qualquer estágio, se ele tiver motivos razoáveis paraacreditar que a continuação do experimento provavelmente causarádano, invalidez ou morte para os participantes.
  13. 13.  O Termo Bioética foi formulado e posto em circulação em 1971, nolivro do oncologista americano Van ResselderPotter, Bioethics, bridge to the future ( Bioética uma ponte para ofuturo). estabelecendo uma ligação entre os valores éticos e osfatos biológicos
  14. 14.  O congresso americano criou em 1974, a Comissão Nacionalpara a Proteção dos Seres Humanos, da Pesquisa Biomédica eComportamental. Pesquisadores demoraram quatro anos para a publicaçao doque ficou conhecido como relatorio Belmont. Ancorando quatro principios basicos:a) BENEFICÊNCIA: atenção aos riscos e benefícios.b) NÃO MALEFICÊNCIA: a vida não é privilégio de algunsnem depende de tempo de duração ou de lugarc) AUTONOMIA: responsável pelas consequências deseus atos.d) JUSTIÇA: equidade quanto aos sujeitos deexperimentação.
  15. 15. Congresso Mundial de Bioética de Gijón, Espanha, em junho de 2000. Ciência e tecnologia compatíveis com a preservação dosdireitos humanos. Recomenda: Genoma humano é patrimônio da humanidade; A reprodução assistida é tratamento medico para aesterilidade humana; Criação de seres geneticamente idênticos devem ser proibidas; proibido o comercio de órgãos humanos; Promoção de uma linguagem universal de Bioética.
  16. 16. Problemas que se colocam como dilemas éticos:1) Capacidade tecnológica para prolongar a vida progride maisrápido do que o nosso conhecimento para saber como e quandoaplica-la;2) Direito do paciente de definir alguns aspectos do seu tratamentoe a visão do medico na definição do que e melhor para ele;3) A existência, na pratica clinica, de pressões para reduzircustos, em situações de recursos limitados tentando alcançar osmelhores resultados;4) A tendência atual de levar a publico, resultados que antigamenteficavam restritos ao âmbito do medico, do paciente e dafamília, gerando a moderna medicina defensiva.
  17. 17. • Respeito absoluto à vida humana em todas as suasetapas e condições;
  18. 18. • Promoção da saúde e prevenção da doença;• Alivio dos sintomas, das dores e dos sofrimentos;• Cura da doença;• Não lesar o paciente durante o tratamento;• Confidencialidade;• Certeza do diagnósticos• Prognósticos de sobrevida;• Capacidade e competência de decisão do paciente;• Aspectos econômicos e sociais relevantes;
  19. 19. Neonatologia: o Principio do respeito á vida do feto.Prematuridade: Situação clinica que diz respeito àgravidez e ao parto.
  20. 20. Mal formações congênitas e do sistema nervoso:apresenta complexos desafios aos profissionais de saúdeque tratam da criança afetada e da família.
  21. 21. Aborto: de acordo com o código penal, art.128, no Direitobrasileiro o aborto não e punido quando necessário: senão há outro meio de salvar a gestante ou se for denatureza moral (estrupo).
  22. 22. A Clonagem é uma forma de reprodução não sexual;. Baseia-se na capacidade de germinação das células diploidesnormais, que em condições adequadas se reproduzem.Há duas técnicas principais:separação de embriões.Transferência nuclear.Ian Wilmut
  23. 23.  Em 1993, o Dr. Jerry Hall, da Universidade de GeorgeWashington, conseguiu embriões humanos clônicosmediante a divisão artificial de óvulos fecundados. Halldeclarou que os embriões tivessem se desenvolvido, osdestruiria. A Unesco, a União Europeia, o Vaticano, os parlamentosalemães e italianos e o Congresso Americano semanifestaram contra a clonagem. Proibição a nível mundial de clonagem em humanos e
  24. 24.  A possibilidade de utilizar órgãos humanos clonadosem transplantes . A comercialização de vidas humanas pelas grandesindustrias biomédicas favorecidas sobre patentes deorganismos vivos.
  25. 25. Células tronco: são aquelas com capacidade deautorrenovação ilimitada, ou prolongada que podemdiferenciar em células do sistema hematopoiético, domusculo cardíaco, dos ossos, neurônios, nervos, dapele, etc.
  26. 26. • Polêmica sob o aspecto ético para transplante em sereshumanos, porque implicam a destruição de embriões,ilegal em vários países e, sob judice, no Brasil,atualmente.
  27. 27. A polemica entre a igreja católica, algumas evangélicas ealguns intelectuais e os meios científicos defensores daspesquisas, reside no consenso sobre quando começa avida.
  28. 28. A atitudes éticas exigidas na relação médico / paciente:
  29. 29. CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA MÉDICA(Adotado pela 3ª Assembleia Geral da Associação MédicaMundial, Londres, Inglaterra, outubro 1994 e revisado pela 22ªAssembleia Médica Mundial Sidney, Austrália, agosto 1968 e pela35ª Assembleia Médica Mundial Veneza, Itália, outubro 1983) Respeito total à dignidade do ser humano e necessidades de seobter o consentimento livre e esclarecido dos indivíduos-alvo e aproteção a grupos vulneráveis, excluindo-se as possibilidades dedependência, subordinação, coação ou intimidação. Ter como preocupação primaria o bem-estar de seu paciente; Proporcionar ao seu paciente uma atenção de saúde continua eintegral, utilizando, para esse fim, todos os meios que sejamrequeridos para aliviar, o quanto possível, os problemas de saude
  30. 30. O MÉDICO NÃO DEVE permitir que motivo de lucroinfluencie o livre e independente exercício de suacapacidade profissional em benefício dos pacientes.O MÉDICO DEVE respeitar os direitos dos pacientes, doscolegas, e de outros profissionais da saúde, e protegerá asconfidências dos pacientes.O MÉDICO DEVE ao paciente lealdade e empregar todosos recursos da ciência a seu favor. Quando um exame outratamento estiver além de sua capacidade médica,deverá convidar outro médico que tenha a necessáriahabilidade.O MÉDICO DEVE observar os princípios da Declaração de
  31. 31. ZANCHI, Maseo jutio; ZUGNO, Paul Luiz. Teologia da Saúde.3. ed.ver. E ampl. Caxias do Sul,RS:Educs,2012.

×