Revista

61 visualizações

Publicada em

Trabalho referente às diciplinas Ateliê de Fotografia e Informática aplicada à comunicação.
Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo
Centro Universitário Jorge Amado
Trabalho realizado por Felipe Reis, Julianna Alcântara e Carolina Ferrari

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
61
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista

  1. 1. Nada se cria tudo se copia Vale tudo no mundo da moda, e o plágio se faz cada vez mais presente.Vale copiar roupas, modelos de bolsa e até utilizar a ideia de outros. É isso que faz da moda um dos negócios mais lucrativos do mundo. S egundo o site “O pequeno Investi- dor” o Brasil ganha a cada dia aproxi- madamente 19 novos mil- ionários, o que faz com que o mercado de luxo brasileiro cresça expressivamente, cerca de 30 a 35 % ao ano desde 2000. A ascensão de uma nova classe média que é grande consumidora de produtos rotulados como ‘pequeno luxo’, sai ganhan- do, já que as vendas podem ser parceladas e as marcas estão cada vez mais diversi- ficando sua linha de produ- tos para alcançar ainda mais consumidores. Segundo Suzane Strehlau (2004), o marketing define luxo a partir de um composto mercadológico formado por: alta qualidade de uma mer- cadoria, com marca forte, preço premium, comunica- ção seletiva ressaltando a imagem e distribuição exclu- siva. “Tudo que é supérfluo, que ultrapassa os limites do necessário”. É a partir dessa segunda definição que surge o entendimento do motivo pelo qual os produtos de luxo são falsificados. O marketing não cria necessidades, porém cria estímulos, desejos, e o luxo então especifica essa necessidade. As pessoas, cada vez mais buscam criar distinções so- ciais, e com isso, aquelas que não pertencem às class- es mais abastadas buscam outras formas de possuir os mesmos produtos. Dessa for- ma, surgiu um mercado de falsificação de mercadorias, que tem se tornado o crime mais lucrativo do mundo, se- gundo a INTERPOL. Hoje, existem centenas de marcas de luxo, todas sendo repre- sentadas por imagens e con- ceitos que acabam causando no consumidor o desejo e a disposição de pagar valores exorbitantes para adquirir um produto de luxo, do que pagaria para adquirir de uma marca mais popular. Essa diferenciação é o que no fim determina o valor de uma marca. Falsificação é o ato de co- piar, reproduzir ou adulterar, sem autorização, documen- tos, produtos ou serviços, de forma a obter vantagem econômica ou de status so- cial. Blusas, óculos de sol, sapatos, perfumes e bolsas são os produtos falsificados e contrabandeados prefe- ridos de quem vende e de quem compra nesse mercado “paralelo”. Basta andar pela cidade para encontrar nas es- quinas, centros e comércios especializados. 1 MODA Matéria e diagramação por Carolina Ferrari, Julianna Alcântara e Felipe Reis
  2. 2. 2 Modelo: Carolina Ferari Vestido: Le lis Blanc Sapato: Arezzo Bolsa: Guess Óculos: Rayban Acessórios: Tommy Hilfiger
  3. 3. Falsificação é o ato de copiar, reproduzir ou adul- terar, sem autorização, documentos, produtos ou serviços, de forma a obter vantagem econômica ou de status social. Blusas, óculos de sol, sapatos, perfumes e bolsas são os produtos fal- sificados e contrabandeados preferidos de quem vende e de quem compra nesse mer- cado “paralelo”. Basta an- dar pela cidade para encon- trar nas esquinas, centros e comércios especializados, os produtos similares e os originais. O preço acessível e a sen- sação de ter algo “de marca” são atrativos para os consum- idores. No entanto, vender ou transportar esse tipo de produto é crime, passível de pena correspondente a quatro anos de reclusão. “Por ano, são apreendidos 3 mil- hões de mercadorias e mais de 1000 pessoas são indicia- das por venda, distribuição, ou fabricação de produtos falsificados. Essas falsifica- ções chegam até o consumi- dor por existirem muitas vias de entrada, podendo ser ter- restre, viárias, hidroviárias, sendo as favoritas via em- barcações ou caminhões.” (GLOBO;2014). Apesar da explosão de có- pias, as marcas mais valori- zadas têm um motivo para não desaparecer: clientes de poder aquisitivo muito alto e que fazem questão de investir e desfilar por aí com o produ- to legítimo. Marcas como a Louis Vuitton e Gucci, vem sendo cada vez mais plagia- das, o que causa grande in- satisfação dos clientes, pois o preço que se paga pela ex- clusividade é muito alto. Por exemplo, uma bolsa Louis Vuitton custa, em média R$ 2.500,00, mas podemos en- contrar a mesma bolsa no mercado negro por volta de R$ 200,00, ou até menos. 3 Modelo: Juliana Alcântara Calça: Calvin Klein Sapato: Diesel Acessórios: Carlos Rodeiro Modelo: Felipe Reis Chápeu: Yves Saint Laurent Camisa: Jhon Jhon Modelo: Carolina Ferreira Vestido: Valentino Bolsa: Gucci Acessórios: Carlos Rodeiro
  4. 4. Em uma pesquisa realizada em Abril de 2013, foi identi- ficado que o único (e talvez significativo) benefício para as legítimas marcas que têm seus produtos falsificados é o fato da importância da marca ao ser reconhecida como muito desejada aos consumidores e, por isso, realizarem “cópias” destas para a comercialização, pois parte-se do pressuposto que a marca só é falsificada se há muita demanda por esta. Além disso, se um maior número de pessoas circula pelas ruas com este produto, este pode ser visto (e apre- ciado) com maior freqüên- cia. Estas peças costumam ter uma qualidade inferior às legítimas, por serem pro- duzidas com outros materi- ais muito mais baratos, mas aparentam ser idêntico aos produtos reais, o que leva ao seu maior consumo. Além disso, em alguns casos es- tes produtos podem trazer danos à saúde dos consumi- dores, como por exemplo, óculos escuros falsificados (os quais não protegem dos raios ultravioletas e forçam a visão de quem lhes usa). Muitos dos seus con- sumidores acreditam que o “status” que estes produ- tos lhes trazem compensa qualquer imperfeição ou danos à saúde. A diversi- dade de tudo que existe no mundo da moda vai além do que se vê nas passarelas e em grandes marcas. Ao entrar no âmbito do plágio, nos certificamos de que ele é mais frequente do que poderíamos imaginar. Existe uma gama enorme de dife- rentes coisas que são falsifi- cadas todos os dias, como as que já foram citadas. Diante de tudo isso, o que se con- clui das experiências do dia a dia é que: cada um vê vanta- gem naquilo que prefere. Fe- liz, ou infelizmente, ter uma réplica pode haver muitas vantagens para uns enquan- to um produto verdadeira- mente legítimo para outros. 4 Modelo: Carolina Ferari Vestido: Le lis Blanc Bolsa: Guess Óculos: Rayban Acessórios: Tommy Hilfiger Celular: IPhone *

×