Cf eb 2012_aq

2.121 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
496
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cf eb 2012_aq

  1. 1. As Ciências Forenses no Ensino Superior Pré-Graduado Alexandre Quintas ISCSEM Alexandre Quintas
  2. 2. Conteúdo• Ciências Forenses• Definições: – Ciências Forenses; – Criminalística; – Criminologia• Algumas referências históricas às Ciências Forenses• Ensino Superior pré e pós graduado Alexandre Quintas• Saídas Profissionais
  3. 3. Ciências Forenses Alexandre Quintas
  4. 4. Ciências Forenses• As ciências forenses desempenham uma função essencial no sistema de justiça, ao fornecer informação científica fundamental para a investigação criminal e para os tribunais. Alexandre Quintas
  5. 5. Ciências Forenses• O trabalho laboratorial em ciências forenses, direcciona-se para o reconhecimento, identificação, individualização e avaliação de vestígios físicos em procedimentos legais, aplicando as ciências naturais. Alexandre Quintas
  6. 6. Ciências Forenses• As Ciências Forenses resultam da aplicação das Ciências Naturais na análise de vestígios.• O progresso e desenvolvimento das Ciências Naturais implica um aumento dos recursos das Ciências Forenses. Alexandre Quintas
  7. 7. Técnicas Analíticas Alexandre Quintas
  8. 8. NMR Microscopia FTIR LC-MSSequenciação de DNA Alexandre Quintas
  9. 9. Ciências Forenses• Química Forense – Toxicologia; – Substâncias de Abuso; – Incêndios e Explosões• Biologia Forense – Genética Forense – Entomologia – Palinologia – Antropologia Forense• Física Forense Alexandre Quintas – Balística – Análise de padrões de manchas de sangue (Física/Biologia)
  10. 10. Ciências Forenses• Outras Áreas – Informática Forense; – Análise de documentos; • Documentoscopia; • Grafotécnica (Comparação de escrita); – Geologia Forense;Sempre que necessário qualquer área do conhecimentopode ser utilizada numa perspectiva forense Alexandre Quintas
  11. 11. Ciências Forenses• Contudo, as ciências forenses, sendo fruto da sinergia de diferentes campos do saber, representam actualmente uma área académica própria e que nos países desenvolvidos se emancipou há quase duas décadas. Alexandre Quintas
  12. 12. História das Ciências Forenses Alexandre Quintas
  13. 13. Que idade tem a “Ciência Forense”?
  14. 14. História das Ciências Forenses• Arquimedes (287-212 AC) é, muito provavelmente, o primeiro Cientista Forense. Utilizando o teorema da flutuabilidade dos corpos, por análise do deslocamento de água (densidade/flutuabilidade), Arquimedes provou que a coroa do Rei Hierão não era feita somente de ouro, contendo uma quantidade apreciável de prata. Alexandre Quintas
  15. 15. História das Ciências Forenses• O primeiro trabalho monográfico sistemático publicado sobre Ciências Forenses, no mundo intitula-se por HSI YUAN LU (Washing Away of Wrongs) e foi escrito por Song Ci em1247 na China. Alexandre Quintas
  16. 16. História das Ciências Forenses Song Ci in “Washing Away Of Wrongs”, 1247 Alexandre Quintas
  17. 17. História das Ciências Forenses• Nesta obra de Ciências Forenses Song Ci relata a sua experiência na utilização da Medicina Legal e Entomologia na resolução de casos de crime. Alexandre Quintas
  18. 18. História das Ciências Forenses– Descrição da resolução de um homicídio em 1235, solicitando aos suspeitos que trouxessem as suas foices para um determinado local. Depois libertou moscas. As moscas atraídas pelo sangue, poisaram numa única foice. Este evento induziu a confissão do homicida. Alexandre Quintas
  19. 19. História das Ciências Forenses– Descrição da forma de distinguir entre um afogamento (água nos pulmões) e um estrangulamento (quebra da cartilagem do pescoço). Alexandre Quintas
  20. 20. História das Ciências Forenses• Na Europa, a aplicação das ciências naturais e médicas na investigação das causas da morte remonta ao século XVI, tendo como pioneiro Ambrose Paré, um médico cirurgião do exército francês, que estudou o efeito da morte violenta sobre os órgãos internos. Alexandre Quintas
  21. 21. História das Ciências Forenses• Nos finais do século XVIII e princípios do século XIX, surgiram os primeiros tratados europeus relacionados com a área das ciências forenses: – “System einer vollständigen medicinischen Polizey“ da autoria do médico alemão Johann Peter Frank editado no ano de 1786 – “Les lois éclairées par les sciences physiques, ou Traité de médecine légale et d’hygiène” da autoria do médico Alexandre Quintas François-Emmanuel Fodéré editado no ano de 1815.
  22. 22. História das Ciências Forenses• Ainda no século XVIII o químico sueco Carl Wilhelm Scheele descobriu uma forma de detectar o óxido de arsénio nos cadáveres, ainda que o método se revelasse pouco sensível. Alexandre Quintas
  23. 23. Origem das Ciências Forenses na Europa séc. XVI Ambrose Paré Johann Peter Frank séc. XVIII Carl Wilhelm Scheele séc. XIX Alexandre Quintas Francois-Emmanuel Fodéré
  24. 24. História das Ciências Forenses• No início do século XIX, em Inglaterra, a análise de pegadas junto a um poço permitiu a condenação de um agricultor pelo assassinato por afogamento da sua esposa. Alexandre Quintas
  25. 25. História das Ciências Forenses• Em 1880, Henry Fauld publica na revista Nature a sua descoberta da singularidade das impressões digitais, sugerindo a sua utilização na investigação forense. Alexandre Quintas
  26. 26. História das Ciências Forenses• Em 1898, Hans Gross, professor de criminologia na Universidade de Praga, no seu tratado “Handbuch fur Untersuchungsrichter als System der Kriminalististik” preconiza a necessidade de um investigador cientificamente formado e treinado de forma a lidar com certos aspectos da investigação criminal. Alexandre Quintas
  27. 27. História das Ciências Forenses• Nesta fase as Ciências Forenses, a Criminalística e mesmo a Criminologia, coexistiam num “cadinho” alquímico. A sua separação ocorreu durante o século XX. Alexandre Quintas
  28. 28. Ciências Forenses,Criminalística e Criminologia Alexandre Quintas
  29. 29. Criminalística / Análise de Cena de Crime• Contenção da Cena de Crime• Preservação da Cena de Crime• Registo da Cena de Crime• Análise da Cena de Crime• Recolha de Vestígios Alexandre Quintas
  30. 30. Ciências Forenses• Medicina Legal• Genética / Biologia Molecular Forense• Toxicologia• Substâncias de Abuso• Antropologia Forense Alexandre Quintas• Botânica Forense
  31. 31. Criminologia• Sociologia Criminal• Psicologia Criminal Alexandre Quintas
  32. 32. Ciências Forenses, no EnsinoSuperior Pré e Pós-Graduado Alexandre Quintas
  33. 33. Ensino Superior Pré-Graduado Alexandre Quintas
  34. 34. Instituição
  35. 35. Instituição
  36. 36. Mobilidade/Investigação
  37. 37. LCFC• Coordenação: – Prof. Doutor Alexandre Quintas;• Presidente da Comissão Científica: – Profª. Doutora Ana Paula Ferreira;• Presidente da Comissão Pedagógica: – Prof. Doutor Luís Proença Alexandre Quintas
  38. 38. Licenciatura em Ciências Forenses e Criminais Alexandre Quintas
  39. 39. Licenciatura em Ciências Forenses e Criminais Alexandre Quintas
  40. 40. LCFC• A Licenciatura de Ciências Forenses e Criminais é a primeira ao nível de um 1º Ciclo em Portugal e faz parte de um grupo muito reduzido de Licenciaturas na Europa Continental.• Com excepção do Reino Unido, a área das Ciências Forenses na Europa Continental só muito recentemente foi introduzida no 1º Ciclo.• A vasta experiência académica que data ao inicio dos anos 80 no Alexandre Quintas Reino Unido levou a um intercâmbio académico na Área Forense entre a Egas Moniz e três Universidades do Reino Unido.
  41. 41. Plano de Estudo e Intercâmbio com Universidades do Reino Unido• Do intercâmbio Académico Luso-Inglês, resultaram parcerias e transferência de conhecimento que impulsionaram a inserção de práticas profissionais forenses modernas no mundo académico.• As parcerias permitiram criar um Mestrado de Ciências ao abrigo do programa Erasmus Mundus da Comissão Europeia (CE). O Mestrado decorre em Espanha, Portugal e Reino Unido e os estudantes são financiados por bolsas da CE. Alexandre Quintas
  42. 42. Plano de Estudo da LCFC• O plano de estudo pauta-se por três regras simples: – Componente científica e pedagógica idêntica à realidade académica Europeia nesta área, leccionando em simultâneo conteúdos adaptados à especificidade da realidade Portuguesa; – Ensino com uma elevada componente prática laboratorial e de campo nas áreas forenses e criminais; – Docentes nacionais e estrangeiros com formação específica na área ou que façam parte da realidade profissional forense Alexandre Quintas Portuguesa (INML, LPC, PJ entre outros).
  43. 43. Plano de estudos Tempo de trabalho Unidades curriculares Área científica (horas) TotalMétodos Quantitativos em Ciências Forenses I CE 108Química Forense I CE 162Biologia CB 135Introdução aos Laboratórios Forenses CFC 162Anatomia CBM 108Análise da Cena de Crime I CFC 135Métodos Quantitativos em Ciências Forenses II CE 108Química Forense II CE 162Bioquímica CBM 162 Alexandre QuintasFísica Forense CE 135Fisiologia e Processos Pós-Mortem CBM 108Análise da Cena de Crime II CFC 135
  44. 44. Plano de estudos Tempo de Unidades curriculares Área científica trabalho (horas) TotalBiologia Molecular Forense I CB 135Técnicas Analíticas Forenses I CFC 135Substâncias de Abuso I CFC 162Botânica Forense e Palinologia 135 CBMétodos Avançados de Análise da Cena de Crime I CFC 162Sociologia e Métodos Sociológicos CSH 81Biologia Molecular Forense II CB 162Técnicas Analíticas Forenses II CFC 162Substâncias de Abuso II CFC 162 Alexandre QuintasMétodos Avançados de Análise da Cena de Crime II CFC 162Processos Psicológicos CSH 54Sociologia Criminal CSH 108
  45. 45. Plano de estudos Tempo de trabalho Unidades curriculares Área científica (horas) TotalAntropologia e Entomologia Forense CFC 162Toxicologia Forense CFC 162Avaliação Psicológica Forense PFC 108Microbiologia Forense CB 135Direito Penal CFC 135(Direito Aplicado e Direito Processual Penal)Opção CFC 108Medicina Legal CFC 108Métodos de Análise Toxicológica em Alimentos CFC 108Ética e Deontologia CSH 54 Alexandre QuintasComunicação e Testemunho em Tribunal CFC 108Estudo Independente de Casos Práticos CFC 324Opção CFC 108
  46. 46. Docentes• INML – Prof. Doutor Jorge Costa Santos – Mestre António Amorim• LPC – Prof. Doutor Álvaro Lopes (Antigo director do LPC) – Dr. Abrantes da Cunha – Dr. Manuel Mourato• PJ – Dr. António Carvalho• EPJ/ISCSEM – Prof. Doutora Cristina Soeiro
  47. 47. Eventos de Ciências Forenses no ISCSEM Alexandre Quintas
  48. 48. Eventos• Jornadas de Ciências Forenses e Criminais• Workshops – Fotografia Forense – Análise de Cena de Crime – Botânica Forense – Substâncias de Abuso Alexandre Quintas
  49. 49. Jornadas de Ciências Forenses e Criminais Alexandre Quintas
  50. 50. Jornadas de Ciências Forenses e Criminais Alexandre Quintas
  51. 51. Jornadas de Ciências Forenses e Criminais Alexandre Quintas
  52. 52. Jornadas de Ciências Forenses e Criminais Alexandre Quintas
  53. 53. Saídas Profissionais Alexandre Quintas
  54. 54. Áreas de IntervençãoContenção e Investigação em Cena de Crime• Detecção, preservação e recolha de vestígios na cena do crime (capacidade de controlar e proteger a cena do crime: preparação para posterior análise) Alexandre Quintas
  55. 55. Contenção da Cena de Crime Alexandre Quintas
  56. 56. Registo da Cena de Crime Alexandre Quintas
  57. 57. Áreas de Intervenção Criminalística• A Análise de Cena de Crime ou Investigação da Cena de Crime, faz parte da Criminalística. A recolha de vestígios envolve estratégias cada vez mais minuciosas.• Principio de Edmund Locard Alexandre Quintas
  58. 58. LofoscopiaAlexandre Quintas
  59. 59. LofoscopiaAlexandre Quintas
  60. 60. Análise de Pegadas Alexandre Quintas
  61. 61. Análise de Padrões de Manchas de Sangue Alexandre Quintas
  62. 62. Áreas de Intervenção do Cientista Forense• Análise de amostras (capacidades e competências relacionadas com a análise e identificação de propriedades físicas, química e/ou biológicas em amostras/vestígios recebidos para exame) Alexandre Quintas
  63. 63. Genética ForenseAlexandre Quintas
  64. 64. Toxicologia Forense Alexandre Quintas
  65. 65. Botânica ForenseAlexandre Quintas
  66. 66. Antropologia Forense Alexandre Quintas
  67. 67. Análise de Documentos Alexandre Quintas
  68. 68. Áreas de Intervenção Ciências Forenses• Desenvolvimento de estratégias de análise laboratorial (capacidades e competências relacionadas com o desenvolvimento de estratégias de análise forense compatíveis com os vestígios recolhidos e a investigação criminal em curso).• O desenvolvimento de novas estratégias/metodologias é Alexandre Quintas uma das mais valias da participação do meio académico nesta área (Mestrados, Doutoramentos).
  69. 69. Desenvolvimento de Novos Métodos Alexandre Quintas
  70. 70. Áreas de Intervenção do Cientista Forense• Integração e interpretação dos resultados das várias análises (capacidades e competências relacionadas com a integração da informação obtida das várias análises realizadas e sua interpretação no contexto da cena do crime) Alexandre Quintas
  71. 71. AgradecimentosNúcleo de estudantes de Ciências ForensesEstudantes e docentes de Ciências Forenses Alexandre Quintas
  72. 72. Alexandre Quintas
  73. 73. Alexandre Quintas
  74. 74. Alexandre Quintas

×