Creio as razões da nossa fé (2)

483 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
483
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
111
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Creio as razões da nossa fé (2)

  1. 1. Creio! As razões da nossa féPatriarcado de Lisboa| Instituto Diocesano de Formação Cristã Escola de Leigos | 1º Semestre 2012/2013 Docentes:  Juan Ambrosio  Fernando Catarino Fernando Catarino
  2. 2. Apresentação do CursoOutubroAula 1 – 15. out.  Introdução/Apresentação/TextosAula 2 – 22. out.  Transmissão vs. Proposição da féAula 3 – 29. out.  Fenomenologia do acreditar/ Antropologia do crerNovembroAula 4 – 05. nov.  Testemunhos bíblicos da FéAula 5 – 12. nov.  Testemunhos históricos da FéAula 6 – 19. nov.  Fé e mundo contemporâneoAula 7 – 26. nov.  A fé como conhecimento e atitude de vida PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  3. 3. Apresentação do CursoDezembroAula 8 – 03. dez.  Dimensão dialógica da féAula 9 – 10. dez.  Dimensão eclesial da féAula 10 – 17. dez.  Dimensão histórica da féJaneiroAula 11 – 07. jan.  Creio no PaiAula 12 – 14. jan.  Creio no FilhoAula 13 – 21. jan.  Creio no Espírito SantoAula 14 – 28. jan.  Creio na IgrejaFevereiroAula 15 – 04. fev.  Desafios à fé hoje PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  4. 4. Tema da Sessão1. Transmissão Vs Proposição da Fé !? 1.1. Pressupostos 1.2. Questões 1.2.1. Transmissão versus proposição da fé? 1.2.2. Pode a fé ser transmitida? 1.3. A revelação 1.4. A memória 1.5. A Tradição 1.6. A transmissão da fé 1.7. A proposição da fé PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  5. 5. PressupostosA transmissão da fé ocupa um dos primeiros lugares na linha das preocupações da Igreja e das comunidades.A transmissão da fé atravessa em muitos países uma grave crise e está a converter‐se numa das principais causas de desânimo e frustração.Neste contexto , pode surgir a pergunta (e já vai surgindo), pelo futuro do cristianismo .A nossa situação é de crise…… mas também é de oportunidades. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  6. 6. PressupostosTomar consciência da situação em que nos encontramos.Tomar consciência da Presença do Espírito (continua presente). O nosso agir não pode apenas ficar concentrado nos métodos e  instrumentos da transmissão. A transmissão da fé não pode ficar reduzida a um mero  processo de reprodução. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  7. 7. Questões Transmissão versus proposição da fé? Proposição e transmissão da fé?PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOSESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  8. 8. Questões Pode a fé ser transmitida? Não! É uma decisão pessoal. É um dom de Deus. Sim! Nos conteúdos em que é formulada; Nos ritos em que é celebrada; Nas formas de vida em que é vivida.PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOSESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  9. 9. Questões Pode a fé ser transmitida?Não podemos fazer uma separação absoluta entre: Fé como adesão pessoal; Fé concretizada em vida.A fé não pode ser reduzida às suas mediações… …mas não subsiste sem elas. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  10. 10. Questões Pode a fé ser transmitida? Ninguém vive a sua experiência a partir do zero Também ao nível da fé: Nascemos, crescemos e vivemos em determinados  contextos… … que são fundamentais para que o ser  humano possa assumir a atitude crente.PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOSESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  11. 11. Questões Pode a fé ser transmitida?A  vida humana pressupõe um itinerário que passa: Pela herança; Pelo  compreender, assumir; Pelo fazer seu; Pelo transmitir.O exercício da vida comporta: A consciência; A interpretação;  A valorização. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  12. 12. Questões Pode a fé ser transmitida?Não só é possível falar em transmissão… … como a transmissão é um dos momentos integrantes da  tradição da fé… …formando parte do complexo acontecimento do acreditar.  PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  13. 13. A RevelaçãoO Cristianismo tem na sua origem: Num acontecimento; Numa experiência; Vividos como irrupção do Mistério de Deus na história e na  vida.E tudo isto constitui a revelação Não só o movimento de Deus;  Mas também o movimento do ser humano. Que constitui uma tradição… …Transmitida de geração em geração. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  14. 14. A MemóriaEstá no fundamento da experiência da féSem a memória: Não é possível a transmissão. Não é possível o exercício da experiência crente. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  15. 15. A TradiçãoÉ: Conteúdo transmitido (ritos, símbolos, costumes,…); A própria acção de transmissão; A recepção. Reinterpretação (na continuidade, mas progredindo)Não é: Uma mera reprodução ou continuação.Não se reduz: Ao que é transmitido; Ao ato de transmitir. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  16. 16. A TradiçãoComporta uma memória que possa inspirar e orientar (com diversos graus de intensidade) o momento presente;Comporta um aspeto de autoridade reconhecida ao passado, para inspirar o momento presente;Comporta a situação em que vivem as gerações presentes. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  17. 17. A Transmissão da FéPressupõe: Adesão pessoal (sem a qual não se pode acreditar); A memória e a Tradição (originada por gerações de  crentes, na  qual nasce o  destinatário e sem a qual não se pode assumir o  acreditar); A articulação entre estas duas realidades. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  18. 18. A Transmissão da FéPressupõe a Liberdade: De Deus; Da comunidade crente; De cada um. O acreditar só é verdadeiro quando transformado em vidaDe Deus recebemos o dom /capacidade do acreditar.Da comunidade as ‘ferramentas’ necessárias para concretizar esse acreditar. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  19. 19. A Transmissão da FéA transmissão da fé pressupõe, em última instância dar a palavra ao outro. Porque a palavra da fé deve ser a sua palavra e não uma mera reprodução de outra palavra qualquer. Mas essa palavra sua, será palavra de fé, sendo uma maneira inédita (nova, singular, pessoal, individual) de dizer a única fé da Igreja. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  20. 20. A Proposição da Fé"Estas considerações orientam para uma forma de pensar erealizar a transmissão da fé na qual, em vez de impor ao outro aprópria forma de realizar o transmitido, o sujeito da transmissãocomeça por aceitar a condição de sujeito do destinatário damesma e colabora com ele no surgimento de uma nova forma derealização do cristianismo, em cuja aparição intervêm os doisinterlocutores do ato da transmissão.“ Juan Martín Velasco, La transmisión de la fe en la sociedad contemporánea,  Sal Terrae, Madrid 2002, 134‐135. PATRIARCADO DE LISBOA JUAN AMBROSIO | FERNANDO CATARINO CURSOS ESPECÍFICOS ESCOLA DE LEIGOS 2012 | 2013 Creio! – As razões da nossa fé
  21. 21. Creio! As razões da nossa féPatriarcado de Lisboa| Instituto Diocesano de Formação Cristã Escola de Leigos | 1º Semestre 2012/2013 Docentes:  Juan Ambrosio  Fernando Catarino Fernando Catarino

×