3. A Missão integral da         igreja       Mt. 9:35-38
• 35- e percorria Jesus todas as cidades e  povoados, ensinando nas sinagogas pregando  o evangelho do reino e curando tod...
3.1. DEFINIÇÃO• Olhando para o texto Bíblico, podemos definir  missões integral como a ação completa da  igreja em favor d...
Cestas básicas                           Encontros e palestras  Igreja animada e firme      Congressos
Isto é o suficiente?Estamos cumprindo nossamissão de forma integral?
A missão integral da igreja tem haver com o social.
DEVEMOS NOS COMPADECER DA          MISÉRIA ALHEIA           MISSÃO INTEGRALTEM HAVER COM O ENVOLVIMENTO PESSOAL       ORAN...
Somos capazes de fazer        algo.         (Vídeo)
Mt. 9:35-38• 35- e percorria Jesus todas as cidades e  povoados, ensinando nas sinagogas pregando o  evangelho do reino e ...
3.1. Jesus vai ao encontro dos carentes.• Segundo o texto, no ministério de Cristo três  coisas estão presentes. O ensino,...
Vejamos alguns exemplos                     26/01/2012    a) No Antigo Testamento.•      Deus deseja beneficiar o povo que...
O ANO SABÁTICO•     Esta comemoração ocorria a cada sete anos.O sétimo ano era designado para o descanso daterra (Lv. 25:...
O ANO DO JUBILEU (Lv. 25).• A cada 50 anos comemora-se o ano do  jubileu (ou seja, a cada sete anos sabáticos  um ano de ...
b) No Novo Testamento.•   John stot disse certa vez: “Nosso estilo de vidacomo cristãos, depende da imagem que temos decri...
• “Os evangelhos levam a constatar que a  encarnação, devoção, serviços e ressurreição  foram os pilares da vida de Jesus ...
Vejamos Lc. 4:16-19.16-      indo       para     Nazaré,       onde       fora  criado, entrou, numsábado, na sinagoga, se...
•   A respeito deste texto, Jorge Barro dizser ele a agenda programática da missão deJesus.    Pregar o evangelho (as boa...
•   infelizmente, muitas igrejas hoje vivem fechadasem seu próprio mundo esperando que os carentesvenham a ela. Isto, não ...
na década de 80 muito se falou em “ir”, eem se “enviar missionários”, destafeita, muitos foram. Dezenas e até centenas dep...
A partir dessa visão, a responsabilidademissionária da igreja tornou-se limitada ecomodista, resumindo-se apenas aqueles q...
Fico e transfiro a minha responsabilidade a  outro, que foi “eleito” para ser missionário?    Diante deste questionamento ...
Antes de ser assunto aos céus, Jesus entregaaos seus discípulos o que os missiólogoschamam de GRANDE COMISSÃO (Mt.28.16-20...
1º) A BARREIRA DA INCAPACIDADE.  Diversos sentimentos impedem a obramissionária da igreja. entre estes destaco aquio senti...
a) A MISSÃO FOI ENTREGUE A PESSOASCOMUNS NÃO A GIGANTES ESPIRITUAIS.   Mt. 28.16, 17,   16 E os onze discípulos partiram p...
Enquanto a reação de alguns foi de adoração a de  outros foi de dúvida, isto significa que mesmo  seguindo Jesus de perto ...
Observe que os discípulos eram homens iguais a    nós e passiveis de emoções e sentimentos positivos e    negativos. Hawar...
2º) Compreensão do chamadoO chamado diz respeito a todos.Mt.18-20: 18 E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-  me da...
b) A COMISSÃO DA IGREJA• sua autoridade esta em o nome de Jesus    Ao apresentar a Grande Comissão Jesus passa  a refletir...
Provavelmente esta frase foi construídaassim por conta do objetivo e público alvopara o qual Mateus estava escrevendo (seu...
2) O centurião romano trata Jesus de forma que  reconhece a sua autoridade (Mt. 8.8,9).3) Jesus tinha autoridade para perd...
C) UM MANDAMENTO SOBRE A SUA           MISSÃO.• v.19, 20a que diz: “Portanto ide, fazei discípulos  de todas as nações, ba...
• Nesta sentença o verbo principal recai na expressão  “fazer discípulos”, é aqui onde fica o imperativo.  Numa tradução l...
Assim, notamos que o verdadeiro discípulo deCristo deve ter impregnado em seu ser o sentimentode que ele pertence ao Senho...
Missão a força motriz      da igreja
A missão integral da igreja [salvo automaticamente]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A missão integral da igreja [salvo automaticamente]

3.060 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.060
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
134
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A missão integral da igreja [salvo automaticamente]

  1. 1. 3. A Missão integral da igreja Mt. 9:35-38
  2. 2. • 35- e percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades.• 36- Vendo Ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor.• 37- E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande mas os trabalhadores são poucos.• 38- Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.
  3. 3. 3.1. DEFINIÇÃO• Olhando para o texto Bíblico, podemos definir missões integral como a ação completa da igreja em favor do carente, observando seu estado Espiritual, social e físico. Era assim que Jesus olhava para as pessoas de seu tempo. Por esta razão Ele “ensinava, anunciava a mensagem salvadora e curava as enfermidades”. (Mt.9:35).
  4. 4. Cestas básicas Encontros e palestras Igreja animada e firme Congressos
  5. 5. Isto é o suficiente?Estamos cumprindo nossamissão de forma integral?
  6. 6. A missão integral da igreja tem haver com o social.
  7. 7. DEVEMOS NOS COMPADECER DA MISÉRIA ALHEIA MISSÃO INTEGRALTEM HAVER COM O ENVOLVIMENTO PESSOAL ORANDO E CONTRIBUINDO.
  8. 8. Somos capazes de fazer algo. (Vídeo)
  9. 9. Mt. 9:35-38• 35- e percorria Jesus todas as cidades e povoados, ensinando nas sinagogas pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades.• 36- Vendo Ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor.• 37- E, então, se dirigiu a seus discípulos: A seara, na verdade, é grande mas os trabalhadores são poucos.• 38- Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.
  10. 10. 3.1. Jesus vai ao encontro dos carentes.• Segundo o texto, no ministério de Cristo três coisas estão presentes. O ensino, a pregação e o serviço (Mt.9:35). Assim, como discípulos de Cristo devemos seguir seus passos e obedecer aos seus ensinos. Precisamos desenvolver no seio de nossa comunidade uma missão que de fato seja integral. “O desafio deixado por Cristo e pelos seus apóstolos continua muito atual (Tg. 1:27)”. (CALVINO. 2003, P89). Em toda história da humanidade, Deus sempre tratou com o ser humano de forma integral. Não podemos ser diferentes.
  11. 11. Vejamos alguns exemplos 26/01/2012 a) No Antigo Testamento.• Deus deseja beneficiar o povo que herdou a terra de Canaã, porém, “Deus toca a vida daqueles que de alguma forma encontram-se quebrados, feridos e empobrecidos”. (CALVINO. 2003, p90).
  12. 12. O ANO SABÁTICO• Esta comemoração ocorria a cada sete anos.O sétimo ano era designado para o descanso daterra (Lv. 25:1-4) “Ninguém semeava os camposnem podavam as videiras. Tudo que era colhidoera dividido igualitariamente peloproprietário, os servos, o estrangeiro e até osanimais” (CALVINO. 2003 p.91). Os débitoseram perdoados e os escravos deveriam receberalforria (Dt. 15: 1-11; Ex.21:1-11).
  13. 13. O ANO DO JUBILEU (Lv. 25).• A cada 50 anos comemora-se o ano do jubileu (ou seja, a cada sete anos sabáticos um ano de jubileu). Neste deveria ocorrer o mesmo que no ano sabático. Porém algumas regras eram acrescentadas. Por exemplo: mesmo que o escravo não tivesse servido seis anos deveria ser alforriado. As propriedades familiares deveriam ser restituídas aos antigos donos e o mesmo deveria voltar para suas terras com toda sua família (Lv. 25:39- 43; JR. 34:8-14).
  14. 14. b) No Novo Testamento.• John stot disse certa vez: “Nosso estilo de vidacomo cristãos, depende da imagem que temos decristo, do Cristo no qual depositamos nossa fé”(STOTT apud CALVINO. 2003 P. 95).• Cristo sempre se compadeceu do sofrimento doser humano (Mc. 1:40, 41; Lc. 7:11-14; Mt. 14:14;15:32; etc.). Porém sua compaixão não era apenasno campo dos sentimentos (Mt. 4:24, 25).
  15. 15. • “Os evangelhos levam a constatar que a encarnação, devoção, serviços e ressurreição foram os pilares da vida de Jesus Cristo e da mensagem das boas novas do reino” (CALVINO. 2003 p.95).
  16. 16. Vejamos Lc. 4:16-19.16- indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, numsábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler.17- Então, lhe deram o livro do profeta Isaias, e, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito:18- O Espírito do Senhor esta sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para por em liberdade os oprimidos.19- e apregoar o ano aceitável do Senhor.
  17. 17. • A respeito deste texto, Jorge Barro dizser ele a agenda programática da missão deJesus. Pregar o evangelho (as boas novas) Proclamar libertação aos cativos. Restaurar a vista dos cegos. Libertar os oprimidos. Proclamar o ano aceitável do Senhor.
  18. 18. • infelizmente, muitas igrejas hoje vivem fechadasem seu próprio mundo esperando que os carentesvenham a ela. Isto, não condiz com o modelo que eladeve seguir (Mt. 9:35-38). Jesusensinava, proclamava e curava, e nós comoseus discípulos que temos realizado? Ele fazia valer oque ensinava (Mt. 10:31), o seu olhar para ahumanidade lhe permitia ver que o homem estadistante de Deus e precisa reatar seu compromissocom Ele. Este ser segundo sua ótica é carente de umaação total, precisa ser visto no seu todo. (conf. Tg.2:14-17; ver v. 18-23).
  19. 19. na década de 80 muito se falou em “ir”, eem se “enviar missionários”, destafeita, muitos foram. Dezenas e até centenas depessoas se dispuseram a “ir”. Dessaforma, naquela época, se construiu a idéia deque o missionário era apenas aquele querompia barreiras transculturais e passava aviver em uma outra cultura como um nativo.Além disso, fazer missões para muitospensadores em missões daquela décadasignificava IR, CONTRIBUIR ou ORAR. E só!
  20. 20. A partir dessa visão, a responsabilidademissionária da igreja tornou-se limitada ecomodista, resumindo-se apenas aqueles quevão. Então, se eu recebo um chamadoespecifico e sobrenatural, EU VOU! Casocontrário, fico e transfiro a minharesponsabilidade a outro, que foi “eleito”para ser missionário. Mas deste contextoideológico que moveu e move muitas igrejasainda hoje. Surge então um questionamento:E aquele que não recebeu este chamado“sobrenatural especifico”, o que ele devefazer? Só orar? Só contribuir? Só?
  21. 21. Fico e transfiro a minha responsabilidade a outro, que foi “eleito” para ser missionário? Diante deste questionamento que têm inquietado muitos pensadores na área da Teologia da Missão da Igreja, entendemos que a Missão da Igreja se manifesta em“cada ato de serviço para o qual Deus envia o seu povoredimido ao mundo”.
  22. 22. Antes de ser assunto aos céus, Jesus entregaaos seus discípulos o que os missiólogoschamam de GRANDE COMISSÃO (Mt.28.16-20). Passaremos a destacar algunspontos da mesma a fim de compreendermosqual a visão de Cristo quanto à missão daigreja e assim apresentar as barreiras quedevemos transpor.
  23. 23. 1º) A BARREIRA DA INCAPACIDADE. Diversos sentimentos impedem a obramissionária da igreja. entre estes destaco aquio sentimento de incapacidade. o que énecessário pra que possamos realizarmissões? Vejamos a luz da Sagrada Escrituraa resposta a esta indagação. Devemostranspor a barreira da incapacidade certos deque Deus nos comissiona para missões desde omomento que nos elege para a salvação.
  24. 24. a) A MISSÃO FOI ENTREGUE A PESSOASCOMUNS NÃO A GIGANTES ESPIRITUAIS. Mt. 28.16, 17, 16 E os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado. 17 E, quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram.• É clara a oposição existente entre Adoração e Dúvida que ocorreu quando Jesus aparece aos discípulos depois de sua ressurreição.
  25. 25. Enquanto a reação de alguns foi de adoração a de outros foi de dúvida, isto significa que mesmo seguindo Jesus de perto estes homens não eram supercrentes. Mc. 16:14; Jesus censura-lhes a incredulidade e dureza de coração, porque não creram. Lc. 24:33-43 (v37, 38) a surpresa dos discípulos expressa falta de fé naquilo que Jesus havia anunciado (no caso, sua ressurreição). O temor demonstra a fragilidade natural do ser humano diante de situações adversas (conf. V40a).
  26. 26. Observe que os discípulos eram homens iguais a nós e passiveis de emoções e sentimentos positivos e negativos. Haward Peskett no diz: “A grande comissão não foi dada a gigantes espirituais, mas a um grupo normal de aprendizes devotados, mas falhos”. (p.159). Do verso 18-20 Jesus passa a falar da Grande Comissão propriamente dita. A ela nos referimos a fim de apresentar a segunda barreira que devemos transpor. _________________________• PESKETT Op. Cit. por Patrick Cesar
  27. 27. 2º) Compreensão do chamadoO chamado diz respeito a todos.Mt.18-20: 18 E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É- me dado todo o poder no céu e na terra.19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
  28. 28. b) A COMISSÃO DA IGREJA• sua autoridade esta em o nome de Jesus Ao apresentar a Grande Comissão Jesus passa a refletir sobre a sua própria autoridade - “Toda a autoridade me foi dada nos céus e na terra” (v. 18b), ou seja, ele faz UMA AFIRMAÇÃO DE SUA AUTORIDADE. A construção frasal deste verso propõe uma idéia de passivo divino, ou seja, “Foi-me dada toda a autoridade”, que significa “Deus me deu toda a autoridade”. Obs. Isto não significa que Jesus não era Divino ou não tinha toda autoridade. Significa que a autoridade perdida pelo homem com o pecado foi reconquistada por Ele.
  29. 29. Provavelmente esta frase foi construídaassim por conta do objetivo e público alvopara o qual Mateus estava escrevendo (seualvo era principalmente os judeus, e seuobjetivo era mostrar que Jesus era o messiasda profecia hebraica). Os judeus têemprofundo respeito pelo nome divino. Estaautoridade de Cristo é pode sesr observadana Sagrada Escritura: 1) Ele ensinava com autoridade – “porque ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas”. (Mt. 7: 28,29).
  30. 30. 2) O centurião romano trata Jesus de forma que reconhece a sua autoridade (Mt. 8.8,9).3) Jesus tinha autoridade para perdoar pecados (Mt. 9.6).4) Delegou autoridade aos discípulos (Mt.10.1).5) Sua autoridade foi reconhecida pelo Pai (Mt. 11.27). E ainda mais, ele é Senhor cheio de autoridade que reina e governa sobre toda a Criação e sobre os seus servos, então Ele manda e os verdadeiros discípulos obedecem.
  31. 31. C) UM MANDAMENTO SOBRE A SUA MISSÃO.• v.19, 20a que diz: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado”.• A conjunção “portanto” que inicia este verso liga as duas sentenças, a anterior e a posterior. Assim, este mandamento só ganha sentido por causa da sentença anterior que Jesus profere: “Toda a autoridade...”. Dessa forma, Jesus envia os seus discípulos, pois tem a autoridade para isso.
  32. 32. • Nesta sentença o verbo principal recai na expressão “fazer discípulos”, é aqui onde fica o imperativo. Numa tradução literal do texto teríamos: “Por toda à parte façam discípulos de todas as nações: batizem e ensinem; aonde o Senhor lhe plantou faça discípulos: na escola, no trabalho, na universidade, na família de vocês, em sua vizinhança, façam discípulos!”. Comentando este texto Peskett diz o seguinte: “Fazer discípulos significa trazer pessoas à escola de Jesus, incluí-las entre os seus seguidores; implica em compromisso radical e de longo prazo”. ___________________• PESKETT. Op. Cit. por Patrick Cesar
  33. 33. Assim, notamos que o verdadeiro discípulo deCristo deve ter impregnado em seu ser o sentimentode que ele pertence ao Senhor e que os princípios evalores do Reino devem fazer parte do seu dia-a-dia, naescola, faculdade, trabalho, família, igreja, etc.
  34. 34. Missão a força motriz da igreja

×