Adriele sielski jaqueline_kosloski_uffs

374 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
374
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
190
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adriele sielski jaqueline_kosloski_uffs

  1. 1. Porque ser professor (a)? Diálogo com Paulo Freire Adriele Sielski UFFS – Campus Erechim Bolsista PET/Grupo Práxis Conexões de Saberes (FNDE) adrysielski@hotmail.com Jaqueline Bordin Kosloski UFFS – Campus Erechim Bolsista PET/Grupo Práxis Conexões de Saberes (FNDE) jakiebrodinn@hotmail.com Resumo: O processo de massificação da educação básica tornou-se estratégico para o desenvolvimento do país. Para Paulo Freire, em sua obra Professora sim, tia não. Convida a um aprofundamento sobre a educação nos aspectos quantitativos e qualitativos; abordando também o problema dos salários dos professores, que são muitas vezes insignificantes, refletem a imagem de sua desvalorização pela sociedade. Diante disso, e em face das condições adversas que foram se colocando, como as condições de trabalho, houve desmotivação e baixa procura pelos cursos de formação de professores. O objetivo deste trabalho é identificar, a partir deste cenário, o que motivou os alunos da UFFS/Campus Erechim a optarem por um curso de licenciatura, considerando o investimento do campus nessa área de formação, pela oferta dos cinco cursos de licenciatura. Buscamos analisar os motivos que levaram os alunos a fazer um curso superior, se os alunos optaram pelos cursos que desejavam e o que os mesmos pretendem fazer após a conclusão dos cursos. Para tanto utilizamos os dados coletados na pesquisa sobre o Perfil dos Calouros 2013 da UFFS campus Erechim, bem como, a discussão bibliográfica realizada pelo grupo Práxis do programa PET/Conexões de Saberes. O que podemos observar, a partir dos dados, é que mais de 80% dos alunos das licenciaturas estão nos cursos que desejavam e para a grande maioria o curso poderá proporcionar melhores oportunidades de trabalho e de renda, bem como, uma sequência dos estudos na pós-graduação. PALAVRAS-CHAVE: Licenciatura. Universidade. Mercado de trabalho. 1 Introdução O objetivo deste trabalho é identificar o que motivou os alunos da UFFS/Campus Erechim a optarem por um curso de licenciatura, considerando o investimento do campus nessa área de formação, pela oferta dos cinco cursos de licenciatura. Buscamos analisar os motivos que levaram os alunos a fazer um curso superior, se os alunos optaram pelos cursos que desejavam e o que os mesmos pretendem fazer após a conclusão dos cursos. A obra de Paulo Freire, Professora sim, tia não, trata dos problemas da profissão do professor de forma objetiva e direta, onde visa que a docência não é uma extensão familiar, mas sim uma profissão importante. Tem a intenção de mostrar a tarefa do docente que também se aprende, com isso é preciso aprender a ousar, para dizer não a alienação da mente a que nos expomos no cotidiano.
  2. 2. Segundo Freire, é preciso ousadia ao próprio fato de se fazer professor, educador, que se vê responsável profissionalmente pela formação permanente. Nesse sentido, não se quer desmoralizar ou desvalorizar a figura da tia, mas questionar a desvalorização profissional, que vem acontecendo há décadas, de transformar a professora num parente postiço. A partir disso, vai se analisar o perfil do aluno de licenciatura 2013 e qual a percepção de Paulo Freire, ao estudante se formar para ser professor, além das precariedades que a profissão oferece. 2 PERFIL DO ALUNO DA LICENCIATURA CALOUROS 2013 DA UFFS/CAMPUS ERECHIM 2.1 DISTRIBUIÇÃO POR SEXO NOS CURSOS DE LICENCIATURA DE 2013 Do total de 171 estudantes das licenciaturas – 72,5% são mulheres (124 mulheres) e 27,5% são homens (47 homens). O curso que possui uma maior porcentagem de mulheres, é a Licenciatura em Pedagogia, e o curso com uma maior porcentagem masculina é a Licenciatura em Geografia. 2.2 DISTRIBUIÇÃO POR FAIXAS ETÁRIAS n: 171 Fonte: Pesquisa Perfil dos Calouros 2013 – PET/Conexões de Saberes De um total de 171 ingressantes nas Licenciaturas em 2013, distribuídos entre os cinco cursos de História, Geografia, Filosofia, Pedagogia e Ciências Sociais, destaca- se que o curso que possui ingressantes mais jovens, ate 20 anos, é o da Pedagogia, e o mais velho, acima de 40 anos, é Pedagogia novamente. 2.3 MOTIVOS QUE INFLUENCIARAM NA ESCOLHA DO CURSO
  3. 3. n: 171 Fonte: Pesquisa Perfil dos Calouros 2013 – PET/Conexões de Saberes. A partir da tabela pode se observar que a maior porcentagem dos ingressantes de 2013, em relação as influencias na escolha do curso, está relacionada com a expectativa com o futuro, com um total de 77,2%. 2.4 CURSO PRETENDIDO n: 171 Fonte: Pesquisa Perfil dos Calouros 2013 – PET/Conexões de Saberes.
  4. 4. Através do questionário, quando foi perguntado aos ingressantes se estavam cursando o curso que desejavam, 75,4% responderam que sim, contra apenas 14,6% que gostariam de estar fazendo outro curso. Destacando que os cinco cursos noturnos oferecidos pela UFFS/ campus Erechim, são apenas de Licenciatura, assim fazendo com que a “escolha” dos candidatos seja um tanto limitada. 2.5 O QUE PRETENDEM FAZER APÓS A CONCLUSÃO DO CURSO n: 171 Fonte: Pesquisa Perfil dos Calouros 2013 – PET/Conexões de Saberes. Dos alunos ingressantes de 2013, a maior porcentagem de 84,2% desejam continuar estudando após a formação da graduação. COMENTÁRIOS FINAIS Portanto, pode-se perceber que o perfil do ingressante de 2013 da UFFS/campus Erechim é mulher, com 20 anos de idade, o motivo que influenciou na escolha do curso foi a expectativa com o futuro, está ingressante está no curso pretendido e após a conclusão do curso almeja a pós-graduação. Podemos compreender, a partir de Paulo Freire, que aborda em seu livro, uma temática entre professora e tia, que são dois papéis distintos, onde para ser professora é necessária uma formação acadêmica, uma profissão com direitos, enquanto ser tia tratase apenas de um relacionamento de parentesco com a criança, sendo outros tipos de comportamentos, habilidades e responsabilidades.
  5. 5. Igualar tia a professora é reduzir sua profissão de ensinar, de ter direitos e serem livres para brigarem se preciso for pelos mesmos. Tendo por ideologia que professora é simples tia e sua responsabilidade é somente a criança, e não lições também de democracia e deveres, sendo livres para exercer tal aptidão. A professora é levada a buscar a liberdade e direitos da profissão, não se deixando ser oprimida pelo autoritarismo político e ser ousada, assumindo com amor e ousadia nosso papel através da democracia. Podemos ainda observar que quando se ensina se aprende, e que o aprendizado não é dado somente através da leitura das palavras como conhecemos, mas também a referida leitura do mundo, que é através dos fatos cotidianos que vivemos e adquirimos conhecimento; a leitura da palavra também é necessária para compreensão de assuntos e aprendizados e o autor utiliza de experiências reais para ilustrar tais questões. Analisa ainda o medo da difícil missão de ensinar, para não parar diante da dificuldade encontrada, buscando recursos para solucionar ou se aprimorar no que se precisa ter disciplina para com os alunos. 4 REFERÊNCIAS GRUPO PRÁXIS PET CONEXÕES DE SABERES. Relatório final: pesquisa perfil dos calouros 2013. Disponível em: <http://petconexoesdesaberesuffs.blogspot.com.br/>. Acesso em out. 2013. FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d'água, 1997.

×